Posts Tagged ‘Robben’

A batalha de Munique!

16/03/2011

Louis van Gaal deve ter acordado nesta quarta com um gosto amargo na boca. A vitória por 1 a 0, em pleno Giuseppe Meazza, no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões praticamente garantia uma sensação de tranquilidade para o time alemão. O Bayern de Munique entrou em campo completo, com os astros Ribéry e Robben em plena forma física e técnica e contando com a ajuda de quase 70 mil torcedores no Allianz Arena! Somente uma catástrofe poderia tirar a classificação das mãos do técnico holandês.

Ao fim do primeiro tempo – e que primeiro tempo! – Louis van Gaal estava com a costumeira posse arrogante e com o nariz apontado pra lua! “Sou o melhor treinador do mundo todo!” Ah, essa frase certamente passou pela cabeça do homem que dispensou o zagueiro Lúcio, por e-mail, antes do fim do contrato, em 2009, durante a Copa das Confederações. A vingança de Lúcio viria com o título da Champions League justamente contra o ex-time na temporada passada, mas o destino preparou outra amarga surpresa para o Luizinho holandês.

A terrível falha de Júlio César no gol de Mário Gomez desestabilizou a Internazionale que sofreu a virada, minutos depois, em novo erro da zaga, desta vez com Thiago Motta. Parecia que não seria uma noite muito boa para os brasileiros. Como nada é definitivo no esporte, Júlio César fez duas grandes defesas e a primeira etapa terminou em bom momento para os italianos.

Nota 10! Samuel Eto'o jogou muito e desequilibrou a partida em Munique!

O caminho para o vestiário não deve ter sido nada agradável, mas a Inter de Milão mostrou que sabe lidar com a pressão e com o resultado adverso, afinal não se conquista três títulos na mesma temporada sem méritos. Vale lembrar que esse mesmo time, com Mourinho no comando, faturou o Campeonato Italiano 2009/2010, a Copa da Itália 2009/2010 e a Liga dos Campeões 2009/2010. E mesmo a turbulenta passagem de Benítez rendeu dois títulos: a Supercopa da Itália 2010 e o Mundial Interclubes da Fifa em dezembro de 2010.

Logo aos cinco minutos do segundo tempo, Leonardo arriscou tudo e colocou o jovem Philippe Coutinho na vaga do nervoso Stankovic. Coutinho tratou de colocar a bola no chão e começou a trocar bons passes com Sneijder. Mas a principal arma italiana para empatar e conseguir o gol da histórica classificação foi Samuel Eto’o. O camaronês abriu o placar logo aos 3 minutos e deu duas assistências perfeitas para Sneijder e Pandev! Uma partida para levar a nota 10! E o Júlio César? Fez duas defesas impressionantes na segunda etapa e se redimiu das falhas cometidas nos dois jogos contra o Bayern de Munique.

Ah, não posso me esquecer de avisar ao Luisinho holandês qual é o problema dele! Louis van Gaal, essa dor de estômago tem nome e sobrenome: Lucimar da Silva Ferreira! Você o conhece como Lúcio mesmo e… ele jogava no seu time, não é incrível como o mundo dá voltas?

Emoção! O brasileiro Leonardo comandou a Inter numa partida histórica!

Liga dos Campeões da Europa

Oitavas de Final – Bayern de Munique 2 x 3 Inter-ITA (15/03/2011)

Bayern de Munique: Kraft, Lahm, Breno (Kroos), Van Buyten (Badstuber) e Pranjic; Luiz Gustavo, Schweinsteiger, Robben (Altintop), Müller e Ribéry; Gomez

Técnico: Louis van Gaal

Inter-ITA: Julio César, Maicon, Lúcio, Ranocchia e Chivu (Nagatomo); Thiago Motta, Cambiasso e Stankovic (Coutinho); Sneijder; Pandev (Kharja) e Eto’o

Técnico: Leonardo

Gols do Bayern de Munique: Mário Gomes, aos 20, e Müller, aos 30 do primeiro tempo

Gols da Inter-ITA: Eto’o, aos quatro iniciais. Sneijder, aos 17, e Pandev, aos 42 minutos do segundo tempo

Local: Allianz Arena (ALE) / Árbitro: Pedro Proença (POR)

Cartão Amarelo: Luiz Gustavo e Breno (Bayern de Munique); Lúcio, Thiago Motta, Pandev e Kharja (Inter-ITA)

Nagatomo aproveita para mandar uma mensagem aos compatriotas!

Anúncios

Gol irregular garante a Holanda na final

07/07/2010

Não era um caso de “Davi contra Golias”, mas passava um pouco perto disso. O Uruguai sem o capitão Lugano, o jovem Lodeiro e o artilheiro-goleiro Luisito Suaréz enfrentou de igual para igual a badalada seleção holandesa recheada de astros como Arjen Robben, Wesley Sneijder (parece nome de artista hollywoodiano!) e Van Persie.

O belíssimo Green Point foi o palco da semifinal entre Uruguai e Holanda

O técnico Oscar Tabárez foi obrigado a mudar o esquema de jogo e entrou em campo apenas com dois atacantes, já que durante todo o torneio atuou com três atacantes. E ainda dizem que o futebol moderno só pode ser refém da retranca! Os uruguaios exerceram uma forte marcação na saída de bola, o que deixou a equipe holandesa nervosa nos primeiros minutos de jogo.

O atacante Luis Suárez foi lembrado pela torcida uruguaia no Green Point

A marcação desde a saída de bola foi um recurso utilizado pelas seleções americanas neste mundial, com exceção para Argentina e Brasil que deixavam o adversário jogar sem ser pressionado. Uruguai, Paraguai, Chile e até o México se fechavam na defesa, mas começavam a marcar com os atacantes e homens de criação do meio-campo. Não se tratava apenas de uma retranca, com chutões para frente, a estratégia era roubar a Jabulani perto do gol adversário.

Os uruguaios fizeram um primeiro tempo impecável e o gol de Van Bronckhorst, aos 18 minutos de jogo, foi um presente dos céus para os holandeses que não conseguiam criar nada no ataque. Gol não, golaço com aço, aço! Um chute maravilhoso e com rara felicidade que acordou a coruja da trave esquerda de Muslera.

Forlán acerta um chutaço de canhota e agradece o erro do goleiro holandês

Quando tudo indicava que o Uruguai iria para o vestiário em desvantagem, o que seria injusto, a estrela do craque Diego Forlán brilhou forte no Green Point. Aos 41 minutos, após boa troca de passes do ataque uruguaio, Forlán dominou com a canhota e soltou uma bomba de fora da aérea. Defensável, mas o goleirão Stekelenburg foi enganado pelas idas e vindas da bola e falhou no lance. Tudo igual no fim do primeiro tempo.

O dono do time: Diego Forlán bate o escanteio e corre pra cabecear!

O Uruguai manteve a forte pegada durante quinze minutos, mas aos poucos a Holanda conseguiu avançar suas linhas e encurralou o time de Tabárez no campo defensivo. Dessa pressão surgiu o gol que decidiria a partida. Aos 25 minutos, Sneijder recebeu dentro da área, chutou fraco, a bola resvalou em dois zagueiros e Van Persie, completamente impedido, tentou dar um cutucão e desviar para o gol, ele erra a Jabulani, mas é o suficiente para enganar o goleiro Muslera que pula atrasado no lance. A bola ainda bate na trave antes de entrar.

Esse é o ano dele! Sneijder luta pelo título e pela artilharia do mundial!

Todos olharam para o bandeirinha, até as câmeras da transmissão da Fifa, mas o sujeito correu da responsabilidade e foi direto para o meio de campo. Não adiantou a reclamação dos uruguaios. Gol irregular, completamente irregular. Mas como será o futebol no Uzbequistão?

O lance desestabilizou a seleção uruguaia e bastou um momento de desatenção para o prejuízo ser definitivo. Bola levantada na área e Robben, sem ser incomodado, cabeceia no canto direito de Muslera. Outra vez a Jabulani beija a trave e entra. Sorte em excesso para os holandeses. O relógio marca 28 minutos do segundo tempo e o placar: Uruguai 1 x 3 Holanda.

A alegria de Arjen Robben depois de marcar o terceiro gol holandês!

Oscar Tabárez resolve lançar o amuleto El Loco Abreu para tentar salvar a nação uruguaia, mas o craque Diego Forlán, sobrecarregado com a dupla função de armar as jogadas e ainda ter que concluir a gol, se arrasta em campo e é substituído por Fernandez. Tudo acabado para o Uruguai? A Holanda se prepara para dar uma goleada? Nada disso.

O Uruguai não se abate, sufoca a Holanda e consegue diminuir, já nos acréscimos, com Maxi Pereira, em jogada ensaiada de cobrança de falta. Nova falha do goleiro Stekelenburg e displicência dos zagueiros holandeses. A soberba pode custar caro ao time de Bert Van Marwijk na grande decisão da Copa do Mundo 2010.

Os uruguaios mantiveram a bola dentro da área holandesa até o apito final do arbitro queridinho da Fifa, Ravshan Irmatov, do Uzbequistão. Irmatov já trabalhou em cinco jogos neste mundial e foi fundamental para a vitória holandesa.

Hum, comemoração estranha essa... bundinha pra cima... vem, meu bem...

A seleção uruguaia precisa recolher os cacos e juntar forças para vencer a disputa pelo terceiro lugar. Voltar para Montevidéu com a medalha de bronze da Copa do Mundo é um justo prêmio ao talento de Diego Forlán e pode indicar um renascimento de uma das primeiras potências do futebol mundial.

Lugano cobra do juiz o segundo gol holandês: "Sacanagem, hein!"

Ficha técnica:

Uruguai 2 X 3 Holanda

Uruguai: Muslera, Maxi Pereira, Godín, Victorino e Cáceres; Perez, Arévalo Rios, Gargano e Álvaro Pereira (Loco Abreu); Forlán (Fernández) e Cavani.

Técnico: Oscar Tabárez

Holanda: Stekelenburg, Boulahrouz, Heitinga, Mathijsen e Van Bronckhorst; Van Bommel, De Zeeuw (Van der Vaart), Robben (Elia), Sneijder e Kuyt; Van Persie

Técnico: Bert Van Marwijk

Gols do Uruguai: Forlán, aos 41 minutos do primeiro tempo, e Maxi Pereira, aos 47 da etapa final

Gols da Holanda: Van Bronckhorst, aos 18 minutos iniciais. Sneijder, aos 25, e Robben, aos 28 minutos do segundo tempo

Estádio: Green Point, na Cidade do Cabo / Público: 62.479

Data/hora: 06/07/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)

Auxiliares: Rafael Ilyasov (Uzbequistão) e Bakhadyr Kochkarov (Cazaquistão)

Cartão Amarelo: Maxi Pereira, Caceres (URU), Sneijder, Boulahrouz (HOL)

A torcida do Botafogo esteve no Fifa Fan Fest para apoiar a seleção uruguaia

Robben + Sneijder = bom futebol!

28/06/2010

Arjen Robben: esse sabe tratar a Jabulani com carinho!

O técnico holandês Bert van Marwijk estava esperando por Arjen Robben, a torcida holandesa queria ver Robben em ação e até Sneijder, finalmente, encontrou alguém para dialogar no meio de campo laranja. A Holanda ataca em peso e defende em bloco, parece uma massa laranja e compacta.

A marcação começa na saída de bola adversária com Van Persie, Robben, Sneidjer e Kuyt. Qualquer descuido resulta em rápido contra-ataque com três, quatro, cinco holandeses e os passes precisos de Sneijder agora encontram os pés de Robben.

A seleção holandesa dominou completamente o primeiro tempo e podia ter resolvido a classificação em lances individuais da dupla Robben-Sneijder, mas o goleiro Mucha não entrou em campo para ser um mero expectador e fez questão de sujar o uniforme. Só não teve como evitar o belo gol de Robben, após um passe milimétrico de Sneijder.

Robben em ação: jogada tradicional e bola na rede!

A pressão holandesa não resultou em bola na rede e o intervalo fez bem aos eslovacos que voltaram com mais disposição para a etapa final ou, quem sabe, acreditando que outra zebra era possível, afinal não estamos na África?

A Eslováquia eliminou a Itália do mundial contado com os gols de Vittek. Mas nessa tarde o artilheiro eslovaco demorou a brilhar e desperdiçou duas boas chances, dentro da área, quando a Holanda vencia por 1 a 0 e buscava apenas o contra-ataque.

O jogo estava aberto, mas as duas equipes falhavam na hora do arremate e somente aos 39 minutos Sneijder fez o gol da tranquilidade holandesa. Ainda teve tempo para Vittek sofrer e cobrar um pênalti aos 48, mas a sorte já estava lançada: Holanda 2 x 1 Eslováquia.

Os holandeses cruzam o caminho do Brasil e de Dunga mais uma vez.

Sneijder + Robben = preocupação para Lúcio e Juan!

Ficha técnica:

Holanda 2 X 1 Eslováquia

Holanda: Stekelenburg, Van der Wiel, Hitinga, Mathijsen e Van Bronckhorst; Van Bommel, De Jong e Sneijder; Kuyt, Van Persie (Huntelaar) e Robben (Elia)

Técnico: Bert van Marwijk

Eslováquia: Mucha; Pekarik, Skrtel, Durica e Zabavnik (Jakubko): Kucka, Stoch, Weiss e Hamsik (Sapara); Jendrisek (Kopunek) e Vittek

Técnico: Vladimir Weiss

Gols da Holanda: Robben, aos 18 minutos iniciais, e Sneijder, aos 39 da etapa final

Gol da Eslováquia: Vittek, de pênalti, aos 48 minutos do segundo tempo

Estádio: Moses Madhida, em Durban

Data/hora: 28/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Alberto Undiano (ESP)

Auxiliares: Fermin Martinez (ESP) e Juan Carlos Yuste Jimenez (ESP)

Cartão Amarelo: Robben, Stekelenburg (HOL), Kucka, Kopunek e Skrtel (ESL)

As holandesas eram só felicidade no estádio Moses Madhida, em Durban