Posts Tagged ‘Lucio Flavio’

Marketing & Futebol

26/05/2011

A atual gestão do presidente Maurício Assumpção pode ser contestada por parte da torcida, mas é inegável a valorização da marca Botafogo no cenário nacional e também, ainda que timidamente, vemos uma projeção internacional que não existia desde 1996, quando Túlio Maravilha & Cia bateram grandes equipes européias e conquistaram três títulos em excursão no Japão e na Europa. A contratação de Loco Abreu e o sucesso do Uruguai no Mundial da África do Sul fizeram a Estrela Solitária viajar o mundo inteiro com a famosa cavadinha na final da Taça Rio, em 2010. Hoje, o Botafogo tem três jogadores de seleção: Abreu e Arévalo Ríos, no Uruguai, e Jefferson na seleção nacional.

Maurício Assumpção conquistou o bicampeonato da Taça Guanabara 2009/2010, a Taça Rio 2010, o Campeonato Carioca 2010 e viu a equipe lutar até o fim por um vaga na Libertadores da América – grande sonho de todos os botafoguenses. A diretoria sabe que vencer uma competição continental é a única forma de fazer o clube crescer e atrair mais investidores e patrocinadores. Enquanto a projeção internacional não vem, a equipe de Marketing consegue estabelecer o Botafogo no mercado caseiro com boas campanhas e diversos produtos lançados. O torcedor alvinegro é fanático pela história do clube e sabe valorizar os ídolos do presente e do passado, com essa ideia em mente, diversas ações propostas pela diretoria mantêm a loja oficial vendendo mesmo quando o time vai mal.

Sem folga! Mais de mil botafoguenses prestigiaram o evento com o artilheiro!

Camisas personalizadas, bonecos, bonés, chinelos, bermudas, foto com fãs, tarde de autógrafos, são várias as atrações onde os alvos prioritários são Maicosuel e Loco Abreu, dois ídolos recentes que abraçaram o projeto de marketing. O eterno goleador Túlio Maravilha lotou a nova mega-loja, em General Severiano, no dia da inauguração, para uma tarde de autógrafos e duas semanas depois foi a vez de Loco Abreu esgotar as duas mil senhas disponibilizadas pela equipe de produção. Sinal de que a torcida, a verdadeira, está aí para apoiar o time e que basta apenas uma equipe guerreira e voluntariosa para reverter todo o quadro atual de críticas e vaias que infelizmente partem de uma minoria.

É certo que a torcida está irritada: foram cinco eliminações em apenas cinco meses! A perda de jogadores como Leandro Guerreiro, Lucio Flavio e Renato Cajá enfraqueceram a equipe e a troca de treinador ainda não surtiu o efeito desejado, nem tanto por culpa de Caio Júnior que ainda não conseguiu ter todos os titulares à disposição. O retorno de Maicosuel e de Fabio Ferreira, dois jogadores importantíssimos para o grupo, e as recentes contratações devem fazer o grito de “FOGO!” ecoar pelo Engenhão! Basta uma vitória, uma boa apresentação para o torcedor alvinegro se apaixonar novamente pelo time!

O Mago precisa de ajuda para compor o meio de campo alvinegro!

Elkeson é uma grande aposta de 21 anos, mas que já deu um título para o Vitória no ano passado e vem com muita vontade de aparecer por uma equipe de ponta; Marcelo Mattos já disse que quer ficar e é uma peça muito importante para ser liberado; Gilberto ainda pode fechar e a contratação de Renato, ex-Sevilla, promete dar o toque de qualidade que o meio campo alvinegro tanto sente falta. Se não perder ninguém na janela de transferência e com mais dois nomes, é possível afirmar que teremos elenco para disputar o BR-11 até o fim – como aconteceu no ano passado. Ah, e precisamos encarar a Copa Sul-Americana como prioridade, um ensaio para a conquista da América!

Caio Júnior poderá finalmente escalar uma equipe com bom toque de bola e poder de definição no ataque. Loco Abreu, Arévalo e Jefferson só devem retornar após a Copa América, em agosto, assim teremos que esperar até vermos a força máxima em campo. O provável Botafogo da primeira metade do BR-11 deve ser: Renan, Lucas (Alessandro), Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês; Lucas Zen, Marcelo Mattos, Tiago Galhardo e Maicosuel; Caio e Elkeson. Esse time precisa somar pontos agora para que no segundo turno, com todos os titulares, a briga seja pelo título! Jefferson, Lucas, Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês (Gilberto); Arévalo Ríos, Marcelo Mattos, Renato e Maicosuel; Loco Abreu e Herrera (Elkeson): time para ser Campeão Brasileiro em 2011!

Vamos, FOGO!

"Quero jogar sábado!" Elkeson chega com moral ao Botafogo!

Ficha Técnica:

Nome: Elkeson de Oliveira Cardoso

Nascimento: 13/07/1989 (21 anos)

Natural de: Coelho Neto, Maranhão

Posição: Meia-atacante

Clubes: Vitória e Botafogo

Ficha Técnica:

Nome: Renato Dirnei Florêncio

Nascimento: 15/05/1979 (23 anos)

Natural de: Santa Mercedes, São Paulo

Posição: Volante

Clubes: Guarani, Santos, Sevilla e Botafogo

Não, não falta nada! Renato é do Fogão por três anos!!!

Anúncios

Perdemos para um time grande!

23/05/2011

O Botafogo aplicou uma goleada histórica, 8 a 3, no favorito Vasco da Gama, atual campeão do mundialito, e ficou com o título de campeão da I Copa Brasil de Clubes de Futebol de Areia. Parecia o prenuncio de um domingo perfeito para os botafoguenses, mas era uma simples ilusão. Assim como foi ilusão o primeiro tempo entre Palmeiras e Botafogo pela 1ª rodada do BR-11. O jogo equilibrado, com duas boas chances para cada lado e grande atuação dos goleiros, foi apenas uma ilusão. Na volta do intervalo, bastou um jogador palmeirense acertar uma jogada para ficar evidente a falta de preparo dos atletas alvinegros. O placar em branco seria a única forma de garantir um ponto na estreia, já que era impossível esperar algo do inoperante ataque botafoguense.

A relação entre torcida e diretoria só tende a piorar. Nenhuma contratação aconteceu durante o período de treinos, muitos nomes foram levantados, nada avançou e Caio Júnior ficou sentado esperando pelos prometidos reforços ao invés de treinar e encontrar um padrão tático com os jogadores disponíveis. O que se viu no Estádio Teixeirão é motivo de muita, mas muita dor de cabeça para o torcedor! O medo das comparações com o Joel Santana fez o novo treinador esbravejar que não jogaria com três zagueiros, mas jogou com que formação? Caio Júnior não teve coragem para escalar o Botafogo, apenas lançou os jogadores em campo e ficou rezando na arquibancada.

Atuação apagada! Caio só sabe cair e reclamar da falta de oportunidade!

O meio de campo não existiu, a defesa ficou exposta e o ataque não funcionou. E os treinos? E as jogadas ensaiadas? Maicosuel jogou o primeiro tempo de costas para a zaga e na etapa final foi deslocado para a ponta-esquerda e pra quê? Caio não achou posição em campo e jogou como ponta-direita, mas quem estava na área para receber os cruzamentos? Ninguém. Marcelo Mattos e Arévalo Ríos corriam como loucos para cobrir os avanços dos laterais e a intermediária alvinegra era um verdadeiro deserto que logo foi preenchida por palmeirenses. E a torcida? Ah, a torcida deve estar satisfeita nesta segunda! Irá vaiar Lucio Flavio, Joel Santana, Alessandro, Leandro Guerreiro e Fahel! Ora, mas eles jogaram? Ah, vamos vaiar a diretoria então!

Maicosuel disse que o Botafogo perdeu para um time grande? Como assim? E o Botafogo é o quê? Melhor ouvir o Jefferson que deixou clara sua insatisfação com os companheiros:

– Temos que acreditar mais em nós e ter mais personalidade.

Personalidade! Foi o que faltou para Caio Júnior. Foi o que faltou a Caio e Maicosuel. O esquema estava errado e eles foram incapazes de mudar em campo ou conversar no vestiário. Mas até o intervalo estava tudo bem, estava 0 a 0, não? E a ideia era só empatar, nada mais. É possível aprender algo com essa derrota? Difícil, muito difícil, já que todos pareciam satisfeitos em perder por apenas um gol. É será um campeonato longo, muito longo…

Vamos, FOGO!

Fora de foco! A fase é tão ruim que não deu nem pra sair na foto...

Ficha Técnica:

1ª Rodada: Palmeiras 1 x 0 Botafogo (22/05/2011)

Palmeiras: Marcos, João Vitor (Chico), Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga (Patrik) e Luan (Pierre); Kleber e Adriano

Técnico: Luiz Felipe Scolari

Botafogo: Jefferson, Lucas (Cidinho), Antonio Carlos, Fabio Ferreira e Lucas Zen, Arévalo, Marcelo Mattos (Alex), Cortês e Galhardo (Bruno Tiago), Maicosuel e Caio

Técnico: Caio Júnior

Gol do Palmeiras: Kleber

Local: Teixeirão (SP) / Público: 13.705 presentes / Renda: R$ 400.178,00

Árbitro: Márcio Chagas da Silva (RS)

Cartão Amarelo: Thiago Heleno e Kleber (Palmeiras); Lucas e Marcelo Mattos (Botafogo)

Botafogo Campeão da I Copa Brasil de Clubes de Futebol de Areia 2011

Um ano incomum…

25/04/2011

Desde 2006 que o torcedor do Botafogo não sabe o que é ficar de fora das finais do Campeonato Carioca, foram dois títulos e três vices nesses cinco anos, ou seja, todo ano, de um jeito ou de outro, o Fogão levantava um caneco e dava a volta olímpica. Em 2006, vencemos a Taça Guanabara e levamos o Campeonato Carioca; no ano seguinte apenas o título da Taça Rio; em 2008, vice da Taça Guanabara e Bicampeão da Taça Rio, mas ficamos sem o estadual; chega outra temporada e a história se repete: título na Taça Guanabara e vice na Taça Rio, derrota na grande final do estadual. Mas em 2010 o roteiro foi diferente: Bicampeão da Taça Guanabara, Campeão da Taça Rio e Campeão Carioca – sem a necessidade de disputar as partidas finais.

É Campeão! É Campeão! Leandro Guerreiro e a Taça Rio 2010!

Nesses anos, conquistamos um lugar cativo nas finais do estadual e lutamos pelo mesmo sucesso nos torneios nacionais. Na Copa do Brasil, naufragamos em 2006, mas avançamos até a semifinal em 2007 e em 2008, sempre sob o comando do técnico Cuca, e voltamos a cair na segunda fase, de forma vergonhosa, em 2009 e em 2010. Nesta temporada parecia que o time teria forças para engrenar, mas outra desclassificação vergonhosa aconteceu.

No Campeonato Brasileiro a luta foi ainda mais difícil, sufocante, quase trágica. Em 2006, a equipe ficou com o 12º lugar e chegou a sonhar com posições melhores durante a competição; em 2007, lideramos por oito rodadas, mas terminamos na 9º colocação; Cuca comandou a equipe novamente no ano seguinte e apesar de ser “o melhor time do Brasil” não passamos do 7º lugar, longe do título e da Libertadores; a temporada de 2009 foi muito conturbada e a luta contra o rebaixamento seguiu até a última rodada. O título Carioca de 2010 fez a torcida acreditar que o Botafogo finalmente poderia ir para a Libertadores, mas uma sequência de empates em casa e a perda de jogadores importantes nos levou até a 6ª posição. E agora? O que esperar desse time no BR-11?

Timaço que levou a Taça Rio, ficou em 3º na Copa do Brasil e foi 9º no BR-07!

A diretoria passada e a atual almejam colocar o Botafogo no cenário internacional e assim faturar com patrocínios e cotas de transmissão, mas como atingir esse objetivo? A Copa do Brasil, o chamado caminho mais curto, já se foi, mas teremos duas chances pela frente. A Copa Sul-Americana aparece como solução mais provável. Seria perfeito para o fim da temporada: conquistar um título internacional e ainda voltar para a Libertadores em 2012. Para isso é preciso jogar com inteligência, pois a competição passou a ficar valorizada depois que a Commebol decidiu dar ao campeão uma vaga na Libertadores.

O Botafogo fez sua estreia no torneio apenas na quinta edição, em 2006, e foi eliminado logo na primeira fase; em 2007, a derrota traumática, nas oitavas, para o River Plate; nos dois anos seguintes chegamos até as Quartas de final e parecia que o time tinha aprendido a jogar a competição, mas sequer nos classificamos para a edição de 2010. A Copa Sul-Americana ainda permite ao campeão disputar a Recopa Sul-Americana e a Copa Suruga Bank contra o vencedor da Copa do Japão, ou seja, visibilidade internacional e muito, muito dinheiro em premiação e cotas de TV.

Maestro alvinegro: Lucio Flavio comandava as ações no meio-campo em 2007!

O que reserva o futuro para a equipe do Botafogo? Como acreditar que o trabalho está “sendo bem feito” se abrimos mão de conquistar um título? A eliminação nas semifinais do Troféu Carlos Alberto Torres foi a quinta consecutiva na temporada. Na Europa, qualquer taça, qualquer troféu é encarado com seriedade e os clubes lutam pela possibilidade de vencer até na porrinha, mas não ficam sem dar a volta olímpica um ano inteiro!

O torcedor botafoguense está desesperado porque sabe da dificuldade do BR-11 e da falta de vontade apresentada ante a Sul-Americana. Esse descaso precisa acabar! O Botafogo precisa aprender a vencer tudo! Não interessa a competição, é preciso entrar para vencer!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

Troféu Carlos Alberto Torres – Semifinal

Botafogo 2 X 5 Boavista (23/04/2011)

Botafogo: Milton Raphael, Gilberto, Paulo Ricardo, Ulisses e Renan Lemos (Jadson); Thiago Brito, Fabiano, Jefferson (Bruno Medeiros); Vitinho (Castro); Jairo e Willian

Técnico: Eduardo Húngaro

Boavista: Thiago, Everton Silva (Thiaguinho), Bruno Costa, Santiago e Paulo Rodrigues; Julio César, Leandro Chaves (Edu Pina), Erick Flores e Tony; Leandrinho (Max) e Frontini

Técnico: Alfredo Sampaio

Gols do Botafogo: Jairo, aos nove, e Vitinho, aos 20 minutos iniciais

Local: São Januário (RJ) / Público: 900 presentes / Renda: R$ 11.120,00

Árbitro: Wagner dos Santos Rosa

Cartão Amarelo: Renan e Vitinho (Botafogo); Bruno Costa, Erick Flores, Edu Pina e Everton Silva (Boavista)

Quando o Botafogo voltará a campo?

21/04/2011

Quando o torcedor botafoguense terá o seu maior prazer de volta? Quando será possível vaiar time, treinador, dirigente e o que mais vier pela frente? Será neste sábado, pela Taça Carlos Alberto Torres? Ou apenas no mês que vem, pelo BR-11? O torcedor que vai ao Engenhão espera por isso a semana toda: “Hoje vou xingar e vaiar ate ficar rouco!” Acredito que alguns até façam fonoaudiologia, como os cantores, para poderem gritar mais alto e por mais tempo. É incrível! A pancadaria de ontem, pela Copa do Brasil, é reflexo de uma equipe nervosa e que não conta com o apoio da própria torcida quando joga em casa.

O Botafogo foi eliminado da competição na partida aqui do Rio e não lá em Florianópolis. Arbitragens polêmicas e confusão já são marcas registradas dos jogos na região Sul do Brasil. Eu não me esqueço dos dois gols legítimos anulados na final da Copa do Brasil, em 1999, contra o fraquinho Juventude – que hoje está na Série C do Brasileirão. Contra esses timinhos é preciso se impor e golear, ou ao menos vencer! E isso poderia ter acontecido se o time não tivesse que jogar contra o adversário e contra a própria torcida… Parece que esse atual torcedor alvinegro não quer vencer, não quer taças, não quer goleada, quer apenas sofrer e reclamar da vida…

Fahel jogou muito bem ontem, mas aqui no Rio seria vaiado mesmo assim...

Caio Júnior, o Ofensivo, entrou no lugar de Joel Santana, o Retranqueiro, mas é obrigado a conviver com os mesmos problemas e isso inclui a exigente torcida botafoguense. Exigente? Exigente ou burra? Exigente ou mesquinha? Exigente ou ingrata? Leandro Guerreiro foi para o Cruzeiro antes de ser crucificado como aconteceu com o Lucio Flavio. Quem bate as faltas agora? Que sabe fazer um bom lançamento? Quem cobra escanteios? Quem coloca a bola na cabeça do Loco Abreu? Quem absorve a culpa pela derrota? O Lucio Flavio? Querem contratar o Ricardinho, saído do Atlético-MG, para ser o dono da 10, mas ele não é um “Lucio Flavio piorado”?

O Botafogo deveria jogar com o time principal neste sábado, contra o Boavista, pela Taça Carlos Alberto Torres, e deixar a eliminação na Copa do Brasil no passado. Esse deve ser o início da preparação para a disputa de duas competições importantíssimas no próxmo semestre: o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana! São duas oportunidades para conseguir a sonhada vaga para a Taça Libertadores, em 2012 – o inegável objetivo da atual diretoria!

Acredito no time, acredito nos jogadores e acredito no trabalho do Caio Júnior. Temos Jefferson, o melhor goleiro do Brasil; Lucas e Cortês se acertando nas laterais; Fábio Ferreira retornando para compor a zaga com Antônio Carlos; Arévalo Ríos crescendo de produção ao lado de Marcelo Mattos; o ataque Mercosul, Herrera & Loco Abreu, voltou a fazer gols decisivos; e claro, o principal: a volta de Maicosuel! Precisamos apenas de um bom camisa 11 para ajudar na criação das jogadas! Pode ser o Everton? Pode ser o Fabrício? Pode ser o Andrezinho? Pode ser o Gilberto? A diretoria precisa buscar esse jogador! Eu farei a minha parte que é torcer e gritar:

Vamos, FOGO!

Volta Maicosuel! Loco Abreu não pode carregar essa cruz sozinho!

Copa do Brasil

Oitavas de Final – Jogo 02: Avaí 1 x 1 Botafogo (20/04/2011)

Avaí: Renan, Felipe (Evando), Gian, Cássio e Julinho; Bruno, Diego Orlando, Marcinho Guerreiro e Marquinhos; William e Rafael Coelho (Estrada)

Técnico: Silas

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Everton), Fahel e Lucas Zen; Lucas, Arévalo, Marcelo Mattos, Cidinho (Caio) e Cortês; Herrera (Somalia) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 37 minutos da etapa final

Gol do Avaí: Willian, aos 42 do segundo tempo

Local: Ressacada (SC)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Cartão Amarelo: Diogo Orlando, Bruno Silva e Julinho (Avaí); Herrera (Botafogo)

Herrera parte para a briga, após ver Abreu chutado no chão! Porrada!

Renato Cajá e o negócio da China!

12/03/2011

Renato Cajá chegou ao Botafogo para compor o elenco de 2010 e ser uma sombra para o contestado apoiador Lucio Flavio. Foram poucos jogos, poucos gols e um pênalti perdido na temporada, contra o Cruzeiro, o que indicava uma saída melancólica de General Severiano, mas a camisa 10 caiu no colo de Cajá com a transferência de Lucio Flavio para o futebol mexicano. Era a oportunidade que o jogador sempre procurou e a chance de dar a volta por cima num grande clube do futebol brasileiro!

O ano de 2011 começou com golaços, boas exibições e a titularidade que Renato Cajá tanto almejava, mas eis que surge uma proposta irrecusável da… China! Um verdadeiro negócio da China! Jogador e clube aceitaram na hora – ou de uma hora pra outra – e Cajá deu entrevistas dizendo que “estava saindo dando dinheiro ao clube”. O poderoso Guangzhou Evergrande, da primeira divisão do futebol chinês, desembolsou R$ 4 milhões pelos direitos econômicos do apoiador, mas apenas parte disso irá para os cofres alvinegros.

 

Sempre marcado! Renato era o único armador de jogadas do time!

Renato Cajá não conhece o novo clube – até aí nenhum problema, já que eu também não conheço e uma busca pela internet revela que alguns brasileiros jogam por lá como o atacante Muriqui, ex-Atlético-MG e o zagueiro Paulão, ex-Grêmio. O grande dilema disso tudo é que o clube também não conhece o atleta que está contratando. Não é incrível? Cajá revelou que falou ao telefone com o presidente do Guangzhou Evergrande e que esse perguntou onde ele tinha jogado! Como assim? “Ele também perguntou onde eu havia jogado e quis saber mais sobre minhas características – afirmou o jogador”.

Bem, parece brincadeira, não é Gérson? Até posso ouvir o Canhotinha de Ouro comentando o fato. André Limoeiro, botafoguense e assíduo leitor do blog, desabafou num e-mail engraçado e infelizmente verdadeiro:

– Contrataram o cara sem saber nada dele e ele acha isso normal… Eu também quero ir jogar bola na China! Já joguei no Flamengo, na escolinha (mas ninguém precisa saber disso), e em vários times do Brasil (times de pelada, mas ninguém precisa saber disso). Tenho como características vigor físico, bom passe, boa colocação e minha finalização está melhorando muito.

Sozinho na armação, Cajá era presa fácil para o treinador adversário!

O que diferencia o Limoeiro do Cajá não é o suco – não resisti ao trocadilho, hehehe! – mas o nosso leitor não conta com um empresário rodado e experiente. O cara vendeu um produto que ninguém conhece, vai entregar a mercadoria, sim jogador de futebol é uma mercadoria, e pronto: quatro milhões no bolso! É certo que o jogador precisa de dinheiro, a carreira é curta, blábláblá, mas ir para um centro desconhecido é dar adeus a qualquer chance de ser lembrado na profissão.

Bem, é isso! Adeus Cajá! E obrigado pelos nove gols marcados em quase 14 meses de Botafogo. Foi pouco, não? Acho que não rolou o DVD…

Renato Cajá comemora um dos poucos gols marcados pelo Botafogo!

Ficha Técnica:

Apelido: Renato Cajá

Nome Completo: Renato Adriano Jacó Morais

Data de Nascimento: 15/09/1984 (26 anos)

Natural de: Cajazeiras – PB

Posição: Apoiador

Títulos pelo Botafogo:

Campeonato Carioca: 2010

Taça Guanabara: 2010

Taça Rio: 2010

Água no chope!

11/11/2010

O Botafogo enfrentou o Avaí, no domingo, no Estádio da Ressacada, e depois seguiu direto para Fortaleza, no Ceará, onde jogou nesta quarta, completando uma maratona insana e impensada. Se a emissora que detém os direitos de transmissão precisava de um jogo para exibir em rede, já que Palmeiras x Atlético-MG, pela Sul-Americana, foi direcionado para o estado de Minas Gerais, porque não escalar o querido clube da Lagoa para essa tarefa?

O Flamengo ainda luta contra o rebaixamento – essa é a verdade, embora Vanderlei Luxemburgo diga que o time briga pela vaga na Copa Sul-Americana em 2011 – e um resultado ruim, empate ou derrota, mesmo jogando em casa, já esperado diante do Atlético-PR, e a CBF não iria arriscar colocar Atlético-MG x Flamengo nesta quarta, embora fosse o mais lógico a se fazer. O time da Lagoa jogou no domingo, no Rio, e poderia muito bem ir até Minas Gerais para enfrentar o Atlético-MG que faria as duas partidas em casa na sequência, ou seja, nenhum desgaste com longos deslocamentos e um jogo que não afetaria a disputa pelo título.

Loco Abreu tirou a barba, mas não perdeu o faro de gol!

O que faz a CBF e a Rede Globo de Televisão? Muda o dia do jogo do Botafogo – que não tem poder político-financeiro para fazer frente a tal maracutaia. Ora, é impensável aceitar jogar no domingo, em Santa Catarina, e depois entrar em campo na quarta, no gigante gramado do Castelão, no Ceará. E o Botafogo não era um dos quatro postulantes ao título? Infelizmente a falta de força política dentro da CBF vem prejudicando o clube há alguns anos e parece que o problema está longe de ser solucionado.

Os jornais relembraram que o Botafogo terá dez dias para se preparar para o confronto decisivo contra o Internacional, no domingo que vem… mas agora? Agora que o leite foi derramado? Agora que colocaram água no chope? Não é preciso ficar procurando desculpas para o adeus ao título. Elas estão todas aí e podem ser listadas.

A diretoria precisa manter o Loco Abreu no Botafogo em 2011!

Número 1: os erros infantis da defesa – não, não falo do jogo de ontem e nem da bobeira da dupla Rosário & Guerreiro, nada disso, me refiro ao empate na estreia contra o Santos, a desatenção nos minutos finais contra Corinthians, Grêmio, Atlético-PR (nos dois jogos), a derrota inexplicável para o Flamengo e os empates contra Vasco e Fluminense. Esses jogos foram os responsáveis pela perda do título brasileiro mais fácil desde o desastre de 92!

Claro que o segundo fator está ligado ao primeiro: os desfalques! A chegada do volante Marcelo Mattos fez a frágil defesa botafoguense, armada no 3-5-2, se consolidar e passar um pouco de segurança ao Jefferson, verdadeira muralha no gol alvinegro! A ausência de Mattos fez a equipe desandar e os empates jogaram o time do terceiro para o oitavo lugar na classificação.

O que estariam pensando Leandro Guerreiro e Márcio Rosário?

A zaga formada por Antonio Carlos & Fábio Ferreira era  entrosada e os dois ainda estavam marcando gols decisivos, como o da vitória de 1 a 0 sobre o Avaí, no primeiro turno, assinalado por Fábio Ferreira. A defesa ia muito bem e o ataque era o melhor do BR-10 quando Maicosuel se machucou. Logo depois ainda perdemos o Herrera, que então era o artilheiro do Botafogo na competição.

Bem, esse “muro de lamentações” qualquer torcedor alvinegro sabe de cor e salteado, mas fica a lição para a torcida, a diretoria e para os jogadores: é possível vencer o Campeonato Brasileiro de pontos corridos com planejamento, dedicação e principalmente com um homem-gol no estilo de Loco Abreu! É só nos lembramos do eterno Túlio Maravilha! Acredito que com essa base mantida, 2011 será um ano de muitas alegrias para o torcedor alvinegro.

Vamos, FOGO!

Loco Abreu mostrou que tem talento nas finalizações!

Ficha Técnica:

35ª Rodada: Ceará 2 x 2 Botafogo (10/11/2010)

Ceará: Michel Alves, Boiadeiro, Anderson, Fabrício e Diego Sacoman (Erivelton); Michel, Careca, Reina (Arlindo Maracanã) e Geraldo; Magno Alves e Marcelo Nicácio (Washington)

Técnico: Dimas Filgueiras

Botafogo: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Márcio Rosário; Alessandro, Fahel (Caio), Túlio Souza (Bruno), Lucio Flavio (Renato Cajá) e Edno; Jobson e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Ceará: Magno Alves, aos 22, e Geraldo, aos 34 minutos do primeiro tempo

Gols do Botafogo: Loco Abreu, aos 11 iniciais, e aos 11 da etapa final

Local: Castelão (CE) / Público: 16.330 presentes / Renda: R$ 226.355,00

Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)

Cartão Amarelo: Michel, Michel Alves e Boiadeiro (Ceará); Loco Abreu, Túlio Souza, Fahel, Jobson e Danny Morais (Botafogo)

Loco Abreu teve poucas oportunidades contra o Avaí e não balançou as redes

34ª Rodada: Avaí 0 x 0 Botafogo (07/11/2010)

Avaí: Zé Carlos, Rafael, Emerson Nunes e Bruno (Jéferson); Patric, Diogo Orlando, Rudnei (Davi), Caio e Eltinho; Válber (Daniel Thiago) e Roberto

Técnico: Vagner Benazzi

Botafogo: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Antônio Carlos; Alessandro (Caio), Fahel, Marcelo Mattos, Lucio Flavio (Renato Cajá) e Edno; Jobson e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Local: Estádio da Ressacada (SC) / Público: 14.538 presentes / Renda: R$ 40.150,00

Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (SP)

Cartão Amarelo: Rafael (Avaí); Danny Morais, Antônio Carlos e Marcelo Mattos (Botafogo)

Iluminados por Mané!

03/11/2010

Quase 20 mil torcedores alvinegros foram ao Engenhão para apoiar o time e não para atrapalhar com vaias e cobranças fora de hora. Com o incentivo do torcedor, o Botafogo conseguiu superar a forte marcação do Atlético-GO, venceu a terceira partida seguida e assim manteve vivo o sonho do título brasileiro. A diretoria lembrou o aniversário do Eterno Camisa 7 e fez uma merecida homenagem ao ídolo. Mané Garrincha, o maior de todos os tempos! Voltando ao jogo:

Joel Santana improvisou o atacante Caio como lateral-direito, manteve Lucio Flavio e Fahel no meio-campo e recuou Loco Abreu para ajudar na armação das jogadas. Quando tudo parecia dar errado, eis que surge o gol salvador de Caio, aos 43 minutos do 1º tempo, para desespero de Renê Simões que esperava usar o contra-ataque como arma na etapa final. Sorte do Natalino!

Lucio Flavio jogou com inteligência e deixou o campo aplaudido!

Lucio Flavio foi substituído por Edno, aos 31, e, ao invés de xingamentos e vaias, ouviu o refrão característico que era cantado pela torcida durante a boa fase em 2006: “Ah, é Lucio Flavio!”. O Camisa 10 jogou bem, ajudou a fechar o meio-campo, correu, lutou, deu bons passes e sofreu o pênalti cobrado por Loco Abreu. Foi uma atuação de encher os olhos? Não, longe disso, mas livre das vaias o jogador foi capaz de ajudar a equipe e até arriscou algumas jogadas individuais.

A vitória foi construída com paciência e sem afobação. O gol de Jobson, logo no início do 2º tempo, acabou com o planejamento tático do Atlético-GO e permitiu que o Botafogo recuperasse o meio de campo. Marcelo Mattos teve outra ótima atuação, Leandro Guerreiro jogou com seriedade e Antônio Carlos foi o ponto de equilíbrio da zaga. Fahel não comprometeu e terminou uma partida sem ser vaiado pela torcida! Jefferson não merecia levar dois gols no final, mas a reação goiana esbarrou no cronômetro do árbitro!

Calma e categoria: Loco Abreu se concentra para cobrar o penal!

Os dois gols feitos pelo Atlético-GO preocupam, mas nada que vá tirar o sono do torcedor nesta quarta. O que preocupa de verdade é a possível lesão de Somália! Já perdemos Maicosuel, Herrera e Fábio Ferreira que estão entregues ao Departamento Médico e só retornam em 2011. Não podemos ter outra baixa na equipe. A ausência do Marcelo Mattos resultou na série de empates e ficar sem o Somália pode ser catastrófico!

As duas próximas rodadas decidirão o destino do Botafogo na competição. Se conseguir vencer Avaí e Ceará, fora de casa, e tendo uma boa combinação de resultados, o time de Joel pode ficar só um ponto atrás do líder Fluminense. Pela 34ª rodada, o Cruzeiro encara o Vitória no Barradão; Fluminense e Vasco se enfrentam no Engenhão; São Paulo e Corinthians duelam no Morumbi, ou seja, é vencer o Avaí, no domingo, e depois secar os rivais! É hora de torcer grudado na TV e acompanhando os resultados na internet!

Vamos, FOGO!

Loco Abreu manda o recado: "É possível acreditar no título!"

Ficha Técnica:

33ª Rodada: Botafogo 3 x 2 Atlético-GO (03/11/2010)

Botafogo: Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Márcio Rosário (Danny Morais); Caio, Fahel, Marcelo Mattos, Lucio Flavio (Edno) e Somália (Renato Cajá); Jobson e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Atlético-GO: Márcio, Adriano, Jairo, Daniel Marques e Thiago Feltri (Elias); Agenor, Pituca (Rômulo), Robston e Renatinho; Juninho e Marcão (Josiel)

Técnico: René Simões

Gols do Botafogo: Caio, aos 43 minutos iniciais. Jobson, aos 2, e Loco Abreu, 19 minutos do segundo tempo

Gols do Atlético-GO: Juninho, aos 35, e Róbston, aos 45 minutos finais

Local: Engenhão (RJ) / Público: 19.933 presentes / Renda: R$ 362.880,00

Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)

Cartão Amarelo: Thiago Feltri, Pituca e Adriano (Atlético-GO)

Vitória da superação!

31/10/2010

Joel Santana mostrou que tem estrela – ainda precisa provar algo? – e levou o Alvinegro ao quarto lugar do BR-10! Sem a presença da impaciente torcida que cisma em perturbar o time no Engenhão, ao invés de torcer e incentivar, os jogadores do Botafogo suportaram a pressão mineira, contaram com uma boa dose de sorte e com a inteligência de Loco Abreu. Os comentaristas esportivos atribuíram a vitória à entrada de Edno no meio campo, pode até ser, mas sem a capacidade de definição do uruguaio teríamos somado apenas um ponto em Sete Lagoas.

Será que agora a teimosa torcida botafoguense estará preparada para apoiar o time nessa reta final do BR-10? Faltam seis jogos, ou seja, dezoito pontos em disputa para tirar uma diferença de seis! É possível sim ser campeão brasileiro e é nisso que Loco Abreu está apostando! E é nisso que a parte burra da torcida alvinegra deve se apegar. Ontem, a equipe não fez uma bela exibição, mas venceu e colou nos líderes. Quantas vezes jogamos bem e ficamos apenas no empate?

Loco Abreu toca com categoria e define o placar! Bota no G-4!

Os desfalques estão pesando e muito, mas é inegável que Joel tem o grupo nas mãos e que consegue fazer milagres com a matéria-prima disponível. Márcio Rosário deu inúmeros sustos no segundo tempo, mas cortou todas as bolas levantadas na área. Danny Moraes perdeu algumas antecipações, mas não parou de correr em momento algum. E o Fahel? Anulou o camisa 10 mineiro e errou apenas um passe durante o jogo inteiro? O Lucio Flavio pode não ter feito uma exibição de gala, mas cumpriu um papel tático importante fechando a entrada da área e dando o primeiro combate.

Vaias? Longe da torcida os jogadores perseguidos se superaram e mostraram que podem render com apoio e não com críticas e xingamentos. Jobson perdeu boas chances, mas mostrou estar em forma e não ficou satisfeito com a atuação abaixo da média. É possível esperar que o camisa 9 vá se superar nesses seis últimos jogos. E o que dizer de Loco Abreu? Dois toques de categoria e muita visão de jogo! É uma pena que Herrera, Maicosuel e Fábio Ferreira estejam no estaleiro, mesmo assim é possível acreditar no título!

Vamos, FOGO!

Edno & Loco Abreu: a dupla resolveu o jogo e cozinhou o galo!

Ficha Técnica:

32ª Rodada: Atlético-MG 0 x 2 Botafogo (30/10/2010)

Atlético-MG: Renan Ribeiro, Rafael Cruz (Wescley), Réver, Lima e Leandro; Alê, Serginho, Renan Oliveira (Ricardo Bueno) e Diego Souza (Nikão); Diego Tardelli e Obina

Técnico: Dorival Júnior

Botafogo: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Márcio Rosário; Alessandro, Fahel, Marcelo Mattos, Lucio Flavio (Edno) e Somália; Jobson (Caio) e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Botafogo: Edno, aos 30, e Loco Abreu, aos 45 minutos da etapa final

Local: Arena do Jacaré (MG) / Público: 17.012 pagantes / Renda: R$ 92.780,00

Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)

Cartão Amarelo: Diego Tardelli (Atlético-MG) e Alessandro (Botafogo)

Leandro Guerreiro, Edno, Loco Abreu e Joel Santana entre os melhores!

Vaias para a torcida!

29/10/2010

O Botafogo voltou a vencer, contou com uma rodada altamente favorável e está novamente na zona de classificação para a Libertadores 2011, mas mesmo assim a torcida alvinegra protestou e vaiou alguns jogadores. O público total registrado no Engenhão, no sábado passado, pela 31ª rodada, foi de 13 mil. 13.000 presentes. Para o supersticioso botafoguense era um indício de que a sequência de empates seria encerrada: 31ª rodada e 13.000 alvinegros na plateia.

A equipe de Joel Santana se superou e bateu o Vitória de Antônio Lopes com um golaço de Marcelo Cordeiro, aos 45 minutos da etapa inicial, e ainda perdeu três ou quatro oportunidades para construir um placar dilatado. E o gol? Uma obra de arte! A cobrança de falta do Cordeiro foi espetacular! Como explicar então a revolta no Engenhão? Parte da torcida mostrou total falta de entrosamento com o time e, ao invés de apoiar o jogador que está usando a gloriosa camisa alvinegra, passou a vaiar de forma insistente tanto o Lucio Flavio quanto o Fahel.

O torcedor tem o direito de reclamar, vaiar e protestar, mas não durante o jogo e não enquanto o jogador está de posse da pelota! Em certo momento, o Lucio estava sendo vaiado de forma insistente, carregou a bola ao ataque com velocidade, ainda sob vaias, tentou uma enfiada para o Loco Abreu, a jogada seria excelente, mas o passe foi interceptado pelo zagueiro adversário e aí aconteceu algo que me perturbou como botafoguense e apaixonado por futebol: a torcida riu e aplaudiu! Como pode o torcedor gostar de ver um ataque do seu time do coração ser desmantelado?

Piscina! Edno se prepara para mais um mergulho no gramado!

O Renato Cajá substituiu o Lucio e errou tudo o que tentou, mas aí o torcedor fica quieto, não reclama, já que pediu a entrada do meia durante a partida. Incoerência total e absurda! E o que falar do Edno? Figura nula em campo, errou todos os lances, matou contra-ataques e mostrou que aprendeu a ser um grande cai-cai. É ou não é imagem e semelhança do Victor Simões? O time é guerreiro, tem limitações, mas luta para conquistar as vitórias e sem o apoio do exigente torcedor que ainda sonha com Mané Garrincha e Nilton Santos!

Algo está muito errado com a torcida do Botafogo!

Vamos, FOGO!

Um dia veremos a torcida do Botafogo vaiar o Loco Abreu?

Ficha Técnica:

31ª Rodada: Botafogo 1 x 0 Vitória (23/10/2010)

Botafogo: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Márcio Rosário; Alessandro, Marcelo Mattos, Somália, Lucio Flavio (Renato Cajá) e Marcelo Cordeiro (Edno); Jobson (Fahel) e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Vitória: Viáfara; Nino Paraíba, Wallace, Anderson Martins e Rafael Cruz; Bida, Neto Coruja (Vanderson), Jonas e Ramon (Henrique); Adaílton e Júnior (Elkeson)

Gol do Botafogo: Marcelo Cordeiro, aos 45 minutos iniciais

Técnico: Antônio Lopes

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13.000 presentes / Renda: R$ 224.360,00

Árbitro: Mário Chagas da Silva (RS)

Cartão Amarelo: Somália (Botafogo); Bida, Adaílton, Neto Coruja, Júnior e Nino (Vitória)

O Rei do Empate!

18/10/2010

O Botafogo merece uma sorte melhor no Campeonato Brasileiro do que apenas voltar para a Copa Sul-Americana em 2011. O time de Joel Santana é o que menos perdeu na competição, são cinco derrotas em 30 jogos, mas também é o time quer mais empatou, são 15 empates, ou seja, ficou na igualdade na metade das partidas disputadas. Na maioria desses jogos chegou a sair na frente e até conseguiu abrir boa vantagem em alguns casos, mas o empate aconteceu, seja por erro de arbitragem ou descuido da defesa.

Joel Santana está certo em manter a tranquilidade e passar confiança aos jogadores, pois o desequilíbrio nesse momento, algo já foi marca costumeira de outros treinadores e até diretores do clube, pode fazer o Botafogo despencar na tabela. O torcedor que esperava pelo título ou pela Libertadores – ainda acredito que vamos chegar ao G-3 – não quer ver o time em 12º ou 13º no fim do campeonato. O atual 8º lugar não condiz com o padrão de jogo da equipe e duas vitórias seguidas podem devolver a confiança que parece ter abandonado General Severiano.

Juiz em fúria! Reparem na raiva que o Beltrame tem do Botafogo...

É preciso destacar, mais uma vez, a péssima atuação de Djalma Beltrame – o mesmo que nos roubou o Campeonato Carioca 2007 – no clássico contra o Fluminense. O Loco Abreu apanhou o jogo inteiro e o juizinho distribuiu cartão amarelo para todo jogador que estivesse com uma estrela no peito. Lamentável.

Lamentável também é ver um atacante como esse garoto Caio! O nome é perfeito, pois ultimamente ele entra em campo apenas para se atirar ao chão! Será que ele não percebe que ficou marcado pela arbitragem? E qual o problema do Edno? O cara é um armário, forte como um touro e ainda assim consegue desabar ao menor contato com o zagueiro adversário… ridículo! O Marcelo Cordeiro um dia vai aprender a bater faltas e escanteios, mas é inegável que ele estraga todas as jogadas de bola parada!

Vendo pelo lado positivo, e já projetando 2011, temos que renovar os contratos do Antônio Carlos, Marcelo Mattos e do Fábio Ferreira. Ainda bem que a diretoria já renovou com o Jéfferson, Somália, Alessandro, Leandro Guerreiro, Herrera, Jobson e Loco Abreu. O certo é que falta jogador no mercado brasileiro, mas se a diretoria mantiver esse time já é um bom caminho para o primeiro semestre.

Vamos, FOGO!

Alessandro jogou com muita raça e saiu aplaudido de campo!

Ficha Técnica:

30ª Rodada: Fluminense 0 x 0 Botafogo (17/10/2010)

Fluminense: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Diogo, Diguinho (Valencia), Marquinho (Júlio César) e Conca; Emerson (Rodriguinho) e Washington

Técnico: Muricy Ramalho

Botafogo: Jefferson, Antônio Carlos (Danny Morais), Leandro Guerreiro e Márcio Rosário; Alessandro (Caio), Marcelo Mattos, Somália, Lucio Flavio (Edno) e Marcelo Cordeiro; Jobson e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13.663 pagantes / Renda: R$ 362.160,00

Árbitro: Djalma Beltrani (RJ)

Cartão Amarelo: Mariano, Leandro Euzébio (Fluminense), Antônio Carlos, Marcelo Mattos, Jobson, Edno, Caio (Botafogo)