Posts Tagged ‘João Filipe’

O importante foram os três pontos!

28/07/2011

Bom futebol, espetáculo, bola de pé em pé, gritos de “Olé!”, musiquinha criada pela torcida, risos, palmas e críticas calorosas da imprensa esportiva… Isso tudo é lindo – como diria Caetano – mas não garantem títulos e não garantem a vitória. Sem objetividade, chute em gol, agressividade e, acima de tudo, muita entrega por parte do elenco, o jogo bonito será batido e o adversário retrancado irá aproveitar as oportunidades e balançar as redes. A “Era Cuca” no Botafogo pode ser comparada à Seleção de 82 e a “Era Joel Santana” nos remete ao time batalhador de Carlos Alberto Parreira em 1994. E o Caio Júnior?

Não é possível ainda falar em “Era Caio Júnior” em General Severiano, mas se a diretoria seguir o mesmo caminho nesses três anos em breve poderemos usar essa expressão. Não adianta demitir treinador sem planejamento, sem avaliar as metas estabelecidas e, principalmente, sem ter boas opções de contratação no mercado. Caio Júnior quer fazer um esquema de jogo que fique exatamente entre a “Era Cuca”, bom futebol, toque de bola, domínio das ações, e a “Era Joel Santana”, com uma defesa forte e uma motivação contagiante dos jogadores. O treinador já fez o time se livrar dos chutões e resgatou a confiança do elenco para manter a posse de bola.

Ontem, diante do Avaí e novamente jogando contra a torcida – isso parece não ter fim! – a equipe sentiu a falta de entrosamento e o primeiro gol do time catarinense parecia ser a senha para outra decepção em casa. Superação. Sim, essa é a palavra que exemplifica bem a virada alvinegra. Maicosuel definiu o jogo com essa palavra. A zaga formada por Gustavo, recém contratado, e o jovem João Felipe, nunca atuou junta e as ausências de Lucas Zen e Marcelo Mattos deixaram o sistema defensivo vulnerável nos minutos iniciais e foi essa brecha que o Avaí, um time mediano, aproveitou para abrir o placar.

Recorde para o argentino: Herrera marca seu 23º gol no Engenhão!

O lado esquerdo do ataque botafoguense é sinônimo de desespero há décadas! Não temos um bom lateral-esquerdo, daqueles de se orgulhar, desde Marinho Chagas na década de 70, alguém discorda? Na década de 90, mesmo com a enxurrada de títulos, o lado esquerdo não era o mais forte e o melhor lateral dessa época, o Marquinhos, ficou pouco tempo e não chegou a fazer história no clube. André Silva? Jéferson? Bill? Luciano Almeida? Triguinho? Tiaguinho? Gabriel? Márcio Azevedo?

A camisa 6 do eterno Nílton Santos parece pesar e muito nas costas desses jogadores! O jovem Cortês parece não sentir a pressão e se tiver uma boa cobertura pode render mais para a equipe. Enquanto esperamos que alguém assuma a responsabiulidade, ontem, por segundos, quase que por inspiração divina, a lateral esquerda desencantou e, por ali, Márcio Azevedo fez grande jogada e achou Maicosuel livre para empatar a peleja!

A torcida que já vaiava a plenos pulmões resolveu se aquietar e deixar os jogadores trabalhar em paz. Com tranquilidade, Elkeson colocou bela bola na cabeça de Herrera: 2 a 1 no placar e calma na saída para o vestiário. O fim do jogo foi dramático, nervoso e as substituições equivocadas de Caio Júnior levou o torcedor à loucura, mas os três pontos vieram e, por enquanto, só a vitória interessa! Loco Abreu volta no sábado e reencontra Joel Santana! Imperdível!

Vamos, FOGO!

Caio Júnior precisa de tempo e do apoio da torcida para mudar o Botafogo!

Ficha Técnica:

12ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Avaí (27/07/2011)

Botafogo: Jefferson; Alessandro, João Filipe, Gustavo e Márcio Azevedo; Léo, Renato, Maicosuel (Felipe Menezes) e Elkeson; Alexandre Oliveira (Caio) e Herrera (Alex)

Técnico: Caio Júnior

Avaí: Felipe; Welton Felipe, Bruno, Dirceu e Daniel; Marcos Paulo (Batista), Pedro Ken, Fabiano (Rafael Coelho) e Cleverson (Estrada); Romano e William

Técnico: Alexandre Gallo

Gols do Botafogo: Maicosuel, aos 27, e Herrera, aos 38 minutos iniciais

Gol do Avaí: Dirceu, aos seis minutos do primeiro tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 5.111 pagantes / Renda: R$ 87.400,00

Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)

Cartão Amarelo: Herrera, Márcio Azevedo e João Filipe (Botafogo); Marcos Paulo, Welton Felipe e Fabiano (Avaí)

Anúncios

Quando o Botafogo voltará a campo?

21/04/2011

Quando o torcedor botafoguense terá o seu maior prazer de volta? Quando será possível vaiar time, treinador, dirigente e o que mais vier pela frente? Será neste sábado, pela Taça Carlos Alberto Torres? Ou apenas no mês que vem, pelo BR-11? O torcedor que vai ao Engenhão espera por isso a semana toda: “Hoje vou xingar e vaiar ate ficar rouco!” Acredito que alguns até façam fonoaudiologia, como os cantores, para poderem gritar mais alto e por mais tempo. É incrível! A pancadaria de ontem, pela Copa do Brasil, é reflexo de uma equipe nervosa e que não conta com o apoio da própria torcida quando joga em casa.

O Botafogo foi eliminado da competição na partida aqui do Rio e não lá em Florianópolis. Arbitragens polêmicas e confusão já são marcas registradas dos jogos na região Sul do Brasil. Eu não me esqueço dos dois gols legítimos anulados na final da Copa do Brasil, em 1999, contra o fraquinho Juventude – que hoje está na Série C do Brasileirão. Contra esses timinhos é preciso se impor e golear, ou ao menos vencer! E isso poderia ter acontecido se o time não tivesse que jogar contra o adversário e contra a própria torcida… Parece que esse atual torcedor alvinegro não quer vencer, não quer taças, não quer goleada, quer apenas sofrer e reclamar da vida…

Fahel jogou muito bem ontem, mas aqui no Rio seria vaiado mesmo assim...

Caio Júnior, o Ofensivo, entrou no lugar de Joel Santana, o Retranqueiro, mas é obrigado a conviver com os mesmos problemas e isso inclui a exigente torcida botafoguense. Exigente? Exigente ou burra? Exigente ou mesquinha? Exigente ou ingrata? Leandro Guerreiro foi para o Cruzeiro antes de ser crucificado como aconteceu com o Lucio Flavio. Quem bate as faltas agora? Que sabe fazer um bom lançamento? Quem cobra escanteios? Quem coloca a bola na cabeça do Loco Abreu? Quem absorve a culpa pela derrota? O Lucio Flavio? Querem contratar o Ricardinho, saído do Atlético-MG, para ser o dono da 10, mas ele não é um “Lucio Flavio piorado”?

O Botafogo deveria jogar com o time principal neste sábado, contra o Boavista, pela Taça Carlos Alberto Torres, e deixar a eliminação na Copa do Brasil no passado. Esse deve ser o início da preparação para a disputa de duas competições importantíssimas no próxmo semestre: o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana! São duas oportunidades para conseguir a sonhada vaga para a Taça Libertadores, em 2012 – o inegável objetivo da atual diretoria!

Acredito no time, acredito nos jogadores e acredito no trabalho do Caio Júnior. Temos Jefferson, o melhor goleiro do Brasil; Lucas e Cortês se acertando nas laterais; Fábio Ferreira retornando para compor a zaga com Antônio Carlos; Arévalo Ríos crescendo de produção ao lado de Marcelo Mattos; o ataque Mercosul, Herrera & Loco Abreu, voltou a fazer gols decisivos; e claro, o principal: a volta de Maicosuel! Precisamos apenas de um bom camisa 11 para ajudar na criação das jogadas! Pode ser o Everton? Pode ser o Fabrício? Pode ser o Andrezinho? Pode ser o Gilberto? A diretoria precisa buscar esse jogador! Eu farei a minha parte que é torcer e gritar:

Vamos, FOGO!

Volta Maicosuel! Loco Abreu não pode carregar essa cruz sozinho!

Copa do Brasil

Oitavas de Final – Jogo 02: Avaí 1 x 1 Botafogo (20/04/2011)

Avaí: Renan, Felipe (Evando), Gian, Cássio e Julinho; Bruno, Diego Orlando, Marcinho Guerreiro e Marquinhos; William e Rafael Coelho (Estrada)

Técnico: Silas

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Everton), Fahel e Lucas Zen; Lucas, Arévalo, Marcelo Mattos, Cidinho (Caio) e Cortês; Herrera (Somalia) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 37 minutos da etapa final

Gol do Avaí: Willian, aos 42 do segundo tempo

Local: Ressacada (SC)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Cartão Amarelo: Diogo Orlando, Bruno Silva e Julinho (Avaí); Herrera (Botafogo)

Herrera parte para a briga, após ver Abreu chutado no chão! Porrada!

Torcedores do Botafogo em festa!

18/04/2011

A torcida do Botafogo está tendo uma maravilhosa manhã de segunda! Sol, calor na Cidade Maravilhosa e vitória do time com uma incrível eliminação na Taça Rio. Não, não escrevi errado! A torcida que ama vaiar o Fogão no Engenhão está rindo de uma orelha a outra – mereceu até essa rima ridícula! O Botafogo venceu o America, jogou bem, dominou o adversário e mesmo assim está fora da briga pelo Campeonato Carioca. Não era isso que o torcedor queria? Joel Santana tinha a meta de conquistar mais esse campeonato e ficar marcado na história como o definitivo “Rei do Rio”, mas os alvinegros implicaram com o treinador – até com alguma razão – e minaram o trabalho até o fim.

“Queremos a Libertadores! Queremos o Mundial de Clubes da Fifa!” Ah, esse é o sonho de dez entre dez torcedores alvinegros, e claro, é o meu, mas como vencer tudo isso sem ter a capacidade de se classificar na pequena e insignificante Taça Rio? Como vencer a Taça Libertadores de America sem conseguir vencer sequer uma Taça Guanabara? Sonhar é bom, mas conquistar o que é possível é melhor ainda! O clube não tem dinheiro e estrutura para contratar craques como Ronaldinho Gaúcho, Diego Forlán ou Luis Fabiano. A diretoria acertou ao repatriar Maicosuel e ao apostar em Jobson. Reafirmo com convicção: Maurício Assumpção fez a escolha certa!

Estilo Lucio Flavio! Lucas cobrou falta com categoria! Ufa, finalmente alguém!

O mundo do “E se…” só existe nos quadrinhos da Marvel Comics e no reino da especulação, mas com Maicosuel em campo e Jobson com a cabeça no lugar, penso que a conquista do Bicampeonato Carioca aconteceria de maneira natural e seríamos hoje apontados como candidatos ao título da Copa do Brasil. A atual situação da equipe, novo treinador e com muitos desfalques, praticamente vaticinou o fim do primeiro semestre para o futebol alvinegro. É possível vencer o Avaí, quarta, na Ressacada, e passar para a próxima fase da competição, esse é um resultado possível. Mas devemos avaliar que um empate, ou uma derrota, também são resultados possíveis e não seria nem um pouco surpreendente.

O próximo jogo do alvinegro aconteceria apenas no dia 22 de maio, na estreia do BR-11, contra o Palmeiras, ou seja, um mês inteiro sem realizar uma partida oficial! Seria um mês longe dos torcedores, mas a famosa desculpa da “falta de ritmo de jogo” apareceria de cara, na primeira entrevista em caso de derrota para o time de Felipão. Caio Júnior precisa de tempo para treinar, é justo, mas vai ficar treinando bola parada e fazendo coletivozinho o mês todo? Hoje a diretoria decide de participa ou não do Troféu Carlos Alberto Torres que reúne as equipes classificadas em 3º e 4º lugar na Taça Rio. Como assim? O Botafogo cogita desistir de jogar uma competição oficial para ficar batendo bola em General Severiano?

Título é título! Troféu é troféu! Tem que entrar para ganhar! Tem que entrar com disposição e conquistar essa taça e colocar lá na sede, exposta junto com as outras eternas conquistas alvinegras! Não se foge da luta! Não podemos abrir mão de escrever a nossa própria história! Caio Júnior poderá experimentar e mexer na equipe ao mesmo tempo em que pode levar a primeira taça para a prateleira! O Botafogo não deve desistir de competir, de vencer e não pode se recusar a entrar em campo com a gloriosa camisa alvinegra!

Vamos, FOGO!

Loco Abreu não joga a toalha! Esse é o espírito! Assim é que tem que ser!

Ficha Técnica:

Taça Rio – 8ª Rodada: America 1 X 3 Botafogo (17/04/2011)

America: Paulo Wanzeler; Michel, Alan, Arcelino e Assis; Léo Oliveira (Emerson), Leandro, Bruno Reis e Paulo Roberto; Guilherme (Ruy) e Wellington

Técnico: Marcelo Buarque

Botafogo: Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, João Filipe e Guilherme (Lucas Zen); Arévalo Ríos, Somália, Cidinho e Everton (Bruno Tiago); Herrera e Loco Abreu (Caio)

Técnico: Caio Júnior

Gols do Botafogo: Lucas, aos 13 minutos iniciais, Loco Abreu, aos 10 do segundo tempo, e novamente Lucas, aos 36 minutos da etapa final

Gol do America: Bruno Reis, aos 45 minutos do segundo tempo

Local: São Januário (RJ)

Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá

Cartão Amarelo: Guilherme (Botafogo) e Alan, Bruno Reis, Leandro e Michel (America)

Cartão Vermelho: Ruy (America)

Procura-se torcedor!

13/04/2011

O Botafogo de Futebol e Regatas, com sede em General Severiano, no Rio de Janeiro, procura torcedores que estejam dispostos a apoiar e amar um clube de futebol que já foi responsável direto por três títulos da Seleção Brasileira em Copa do Mundo, a saber, 1958, 1962 e 1970. Outros atrativos do pacote básico: conhecer a história de grandes craques do futebol mundial que atuaram pelo alvinegro como Nilton Santos, Mané Garrincha, Didi, Manga, Zagallo, Amarildo, Quarentinha, Jairzinho, Paulo César Lima, Gérson, Rogério e Roberto Miranda. Para os torcedores mais fanáticos temos a opção de ídolos recentes como Maurício, Paulinho Criciúma, Josimar, Valdeir, Gottardo, Gonçalves, Vágner, Sérgio Manoel, Donizete e Túlio Maravilha.

A diretoria do Botafogo não promete adiantamento de vencimentos, ou seja, os títulos podem demorar um pouco, mas apresenta uma bela sede social, no Palacete de General Severiano, na zona sul carioca, e atletas dispostos a honrar as tradições da Estrela Solitária, mas dentro do apertado orçamento que o clube dispõe. Não garante milagres e nem a compra da arbitragem – que historicamente sempre atrapalha a equipe. Só pede que esse “novo” torcedor vá para o moderno Estádio Olímpico João Havelange com a intenção de apoiar e torcer pelo time do coração! O Botafogo não precisa de vaias e apupos dentro de sua própria casa!

Ao contrário da torcida, Loco Abreu acreditou no lance e fez o gol de empate!

Esse novo torcedor já teria sido muito importante hoje, no primeiro mata-mata das Oitavas de final da Copa do Brasil. O Avaí atuou como se estivesse em campo neutro e voltará para Santa Catarina sem sentir “a pressão de jogar no Rio”. Os jogadores do Botafogo irão até a Ressacada felizes! Irão jogar longe dos palavrões e insultos de sua própria torcida e quem sabe até podem voltar com a classificação na bagagem. É certo que precisarão de um padrão tático e de muito inspiração para reverter a vantagem catarinense, mas longe do Engenhão e dessa terrível torcida tudo pode acontecer, até milagres…

Caio Júnior conferiu bem de perto o drama que Joel Santana viveu em 14 meses no banco de reservas alvinegro. Aos 13 minutos de jogo, João Filipe erra um passe bobo e o mundo desaba no estádio! Parte da torcida inicia inacreditáveis gritos de “Cuca! Cuca!” Como assim? O elenco é fraco e jogava na retranca no esquema Papai Joel, a torcida não gostava e clamava pela demissão do folclórico treinador. Caio Júnior chegou para mudar esse panorama, mas com os mesmos jogadores e os torcedores, muito inteligentes, acham que essa mudança será feita com varinha de condão… Parecido não é igual e Caio Júnior não é o Harry Potter!

Não é camisa 10! Everton não é articulador de jogadas e sim meia-atacante!

O João Filipe ficou nervoso com as vaias e atrapalhou toda a defesa no lance do segundo gol; o Antônio Carlos se perdeu com os erros do companheiro de zaga; o Alessandro voltou a ser sistematicamente vaiado a cada toque na bola; o Márcio Azevedo não se apresenta ao ataque com medo de ser xingado pela torcida e o Caio Júnior foi pressionado a mexer no time e acabou se enrolando todo nas substituições. É tudo culpa do torcedor? Claro que não, mas como dizem os norte-americanos, é “Fifty-fifty”.

O Tottenham foi eliminado pelo Real Madrid, na Liga dos Campeões, perdendo os dois jogos e mesmo assim o torcedor que lotou o White Hart Lane cantou e apoiou o time o tempo inteiro, do apito inicial ao apito final! Os jogadores ingleses, em retribuição, correram os noventa minutos, suaram a camisa, tentaram de tudo, mas não conseguiram vencer em casa, no jogo da volta. Claro que a superioridade de Cristiano Ronaldo & Cia era evidente, mas o torcedor compareceu em peso e incentivou o Tottenham mesmo em desvantagem! Pena ser tão caro importar torcida com cotação em Euro…

Vamos, FOGO!

Que sufoco! Cortês já pediu protetores de ouvido para jogar em paz!

Copa do Brasil

Oitavas de Final – Jogo 01: Botafogo 2 x 2 Avaí (13/04/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro (Somália), João Filipe, Antônio Carlos e Márcio Azevedo (Cortês); Marcelo Mattos, Arévalo Ríos, Everton e Caio; Herrera (Lucas) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Avaí: Renan, Felipe (Acleisson), Gian, Cássio e Julinho; Diogo Orlando, Marcinho Guerreiro, Bruno e Marquinhos Gabriel; Willian (Evandro) e Rafael Coelho (Fabiano)

Técnico: Silas

Gols do Botafogo: Herrera, aos 22, e Loco Abreu, aos 45 minutos iniciais

Gols do Avaí: Willian, aos 13, e Rafael Coelho, aos 21 minutos do 1º tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 5.574 presentes / Renda: R$ 77.400,00

Árbitro: Fabrício Neves Correa

Cartão Amarelo: Gian, Cássio, Juninho, Diego Orlando (Avaí), Marcelo Mattos e Antônio Carlos (Botafogo)

Ainda o Campeão da Taça Rio!!!

12/04/2011

A derrota deste domingo para o time da Gávea pode ser considerado um resultado de jogo e não será determinante em caso de uma não-classificação para as semifinais da Taça Rio. O que custará uma possível eliminação não será uma derrota, e sim um empate – ou dois empates. O Botafogo perdeu os dois clássicos que disputou no returno, Vasco e Flamengo, mas a perda de pontos para equipes pequenas é que pesará na hora da definição.

Erro de marcação! É para rir? Jefferson não acredita na bobeada de Somália!

O empate em 0 a 0 com o Boavista até poderia ser considerado um bom resultado, já que o time tinha dez desfalques, mas jogamos melhor, tivemos oportunidades e, mesmo com os reservas, era possível ficar com os três pontos. Outro resultado catastrófico aconteceu diante do limitado Resende, na rodada passada, com o elenco completo e muitos gols pedidos! São esses quatro pontos que estão atravancando a classificação botafoguense para a próxima fase da Taça Rio.

Ricardinho, Marcinho, Andrezinho… Só isso? Apostar em jogadores velhos, que brilharam no passado e que agora só aparecem vez ou outra. Ricardinho recebia uma baba no Atlético-MG e arrumou confusão com três técnicos diferentes até ser demitido! Marcinho está passeando no Mundo Árabe de onde os jogadores sempre chegam fora de forma e demoram meses para conseguir entrar em campo.

Caio Jr. está reestruturando a equipe, mas ainda falta um camisa 10!

Das possíveis contratações a mais interessante é a de Andrezinho, reserva de luxo no Internacional, que pode atuar como meia de ligação e ainda tem a vantagem das excelentes cobranças de falta. Sim, podem reclamar, mas desde a saída de Lucio Flavio para o futebol mexicano que não temos eficiência na bola parada!

O Vasco vai bem na Copa do Brasil e já está na semifinal da Taça Rio; o Flamengo já levantou a Taça Guanabara, luta pela Taça Rio e deve ter vida fácil na Copa do Brasil até a semifinal; o Fluminense está classificado para as semifinais no Carioca, mas sonha mesmo com um milagre na Libertadores e o Botafogo se recuperou na Copa do Brasil e depende do Vasco para chegar até o mata-mata da Taça Rio. O futebol carioca parece ter reencontrado o bom caminho e as partidas da próxima semana devem garantir emoções fortes aos torcedores!

Vamos, FOGO!

O time partiu em busca do empate e cedeu muitos espaços na defesa!

Ficha Técnica:

Taça Rio – 7ª Rodada: Botafogo 0 x 2 Flamengo (10/04/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro, João Filipe, Antônio Carlos e Somália (Guilherme); Marcelo Mattos, Arévalo Ríos, Bruno Tiago (Lucas) e Everton (Caio); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Flamengo: Felipe, Léo Moura, Welinton, David Braz e Rodrigo Alvim; Maldonado, Willians (Fierro), Renato Abreu e Thiago Neves; Ronaldinho e Deivid (Diego Maurício)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Gols do Flamengo: Thiago Neves (2)

Local: Engenhão (RJ) / Público: 21.422 presentes / Renda: R$ 487.905,00

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães

Cartão Amarelo: Willians, Wellinton, Maldonado, David Braz, Ronaldinho Gaúcho e Felipe (Flamengo). Somália, Everton, Arévalo Ríos, João Filipe, Herrera, Loco Abreu, Antônio Carlos e Caio (Botafogo)

Herrera + Loco Abreu = Gols!

07/04/2011

É impossível não comparar a forma de atuar da equipe, com os mesmos jogadores, na gestão Joel Santana e agora na gestão Caio Júnior. O Botafogo que antes entrava em campo recuado e esperando o adversário para jogar apenas nos contra-ataques ficou no passado. O famigerado e criticado 3-5-2 do Papai Joel, com os laterais presos e o os atacantes isolados, foi substituído por um eficiente 4-3-3, onde temos duas situações bem distintas: ataque e defesa.

Quando o time é atacado, a defesa alinha com Antônio Carlos, João Filipe, Alessandro e Márcio Azevedo, mas antes, ainda no campo adversário, Arévalo Ríos, Marcelo Mattos e Bruno Tiago dão o primeiro combate na linha divisória, o que favorece as roubadas de bola e propiciam contra-ataques mais perigosos. Os três homens de frente continuam ajudando na marcação, mas sem a obrigatoriedade de acompanhar o lateral oponente.

Esse “novo Botafogo” prefere jogar com a bola dominada e toques de pé em pé – Ufa! Finalmente acabaram os chutões! – e o desenho tático mostra que Arévalo Ríos recua para ajudar na saída de bola dos zagueiros, o uruguaio tem um bom passe, ao mesmo tempo em que Alessandro e Márcio Azevedo abrem pelas laterais com o apoio de Bruno Tiago, pela esquerda, e Marcelo Mattos, pela direita.

Trio ofensivo! Everton atuou praticamente como um ponta-esquerda!

Com essa pequena mudança de posicionamento, o time consegue girar a bola de um lado ao outro sem necessariamente passar pelo sempre congestionado meio de campo. Herrera e Everton atuaram quase como pontas e Loco Abreu faz o papel de pivô com perfeição, abrindo espaços para as subidas dos laterais e dos homens de criação.

Antes do primeiro gol alvinegro, aos 30 minutos iniciais, Herrera e Everton perderam chances incríveis de abrir o placar e sempre em jogadas pelo chão, no toque de bola e na velocidade dos laterais Márcio Azevedo, que fez sua melhor partida até agora, e Alessandro, que nunca chegou tanto à linha de fundo como ontem! O gol foi de cabeça, mas o balon foi todo trabalhado num contra-ataque perfeito, arquitetado por Marcelo Mattos, como bem enfatizou Loco Abreu na entrevista para o SporTV, no intervalo de jogo.

No segundo tempo, nada de acomodação, nada de pensar no clássico de domingo e nada de correr riscos desnecessários! Era mesmo o Botafogo? Logo aos nove minutos, após belo lançamento de Everton, Herrera rolou para Abreu garantir a classificação para as Oitavas de final! Com o jogo resolvido, o técnico Caio Júnior passou a observar os jogadores e ainda viu o xará Caio marcar o terceiro, de pênalti, numa cobrança que em nada lembrou a batida horrorosa do penal desperdiçado contra o Coritiba, no ano passado, durante o amistoso no Couto Pereira.

Caio aprendeu a bater pênalti? Deve ser o exemplo de Loco Abreu!

Caio Júnior pôde ver num jogo decisivo que o time, com o tempo, vai assimilar a nova forma de jogar e pode até gostar de atuar com a bola nos pés. Na análise individual, o treinador também deve ter ficado satisfeito com o que viu. Márcio Azevedo finalmente estreou com a camisa alvinegra; João Filipe formou boa dupla com Antônio Carlos e deixou o torcedor menos preocupado; Arévalo Ríos foi fundamental nas roubadas de bola para os contra-ataques; Lucas apareceu como boa opção para o meio de campo; Everton atuou melhor tendo companhia na armação das jogadas; Marcelo Mattos sabe combater e tem habilidade para sair jogando; Herrera erra, perde gols, mas não abaixa a cabeça e Loco Abreu é artilheiro.

O caminho é longo, a Copa do Brasil é difícil e a situação na Taça Rio segue indefinida, mas atuando dessa forma, no ataque, com garra e vontade de vencer, certamente veremos o torcedor alvinegro de volta ao Engenhão e o pequeno público de ontem, pouco mais de seis mil pessoas, será multiplicado por três já nas próximas partidas.

Vamos, FOGO!

Loco Abreu teve apenas duas chances de arremate e não deixou passar!

Copa do Brasil

Segunda Fase – Jogo 02: Botafogo 3 x 0 Paraná (06/04/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro, João Filipe, Antônio Carlos e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Arévalo, Bruno Tiago (Lucas) e Everton; Herrrera (William) e Loco Abreu (Caio)

Técnico: Caio Júnior

Paraná: Thiago Rodrigues, Paulo Henrique, Luciano Castán, Rodrigo Defendi e Lima; Serginho, Javier Méndez (Taianan) e Packer (Vinícius); Kelvin, Diego e Léo (Renato)

Técnico: Ricardo Pinto

Gols do Botafogo: Loco Abreu, aos 30 iniciais e aos 9 do segundo tempo, e Caio, aos 43 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 6.014 presentes / Renda: R$ 75.645,00

Árbitro: Cleber Wellington Abade

Cartão Amarelo: Serginho (Paraná)

Pisando em pedras ou em ovos?

21/03/2011

Depois da derrota no clássico deste domingo fica a pergunta: O Botafogo é um time limitado ou uma equipe mal armada? Alguns torcedores sequer pensam para responder e as vaias para Joel Santana já fazem parte do espetáculo no Engenhão. Devo confessar que não fui ao estádio nesse jogo e preferi ver todos os detalhes da humilhante derrota do conforto de casa e com os comentários da dupla do PFC. Pude conferir que o impedimento assinalado no gol de Herrera foi de marcação difícil, quase humanamente impossível, e que o bandeira só mexeu no instrumento quando percebeu que o argentino iria estufar as redes de Fernando Prass… no mínimo duvidoso, bem duvidoso.

Derrota humilhante? O leitor mais atento poderá reclamar do uso do adjetivo, mas reafirmo que a derrota de 2 a 0 para o Vasco foi mesmo humilhante! Foi humilhante, pois o Botafogo sequer levou preocupação ao goleiro adversário; foi humilhante, pois a zaga bateu cabeça e entregou uma bola digna das peladas do Aterro; foi humilhante, pois a equipe parecia um bando desordenado em campo; foi humilhante, pois levamos um gol de bicicleta, dentro da área, de um jogador limitado e com 1,69m; foi humilhante, pois a torcida vibrou com a expulsão do próprio treinador; foi humilhante, pois…

Rodrigo Mancha foi um dos poucos que se salvaram no vexame...

Joel Santana armou o time com três cabeças de área, sendo um deles um falso terceiro zagueiro, Rodrigo Mancha, prendeu os laterais na marcação, Lucas e Márcio Azevedo, e novamente colocou a camisa 10 num coitado, Éverton, e falou: “Se vira!” No ano passado, Lucio Flavio e Maicosuel tiveram a missão de carregar o piano sozinhos e na atual temporada Renato Cajá passou por esse aperto e agora é a vez do Éverton sentir o peso de ser o único armador da equipe!

O garoto se esforça, tenta, corre, mas é impossível escapar da marcação individual que os treinadores adversários esquematizam! Eduardo Costa dava o primeiro combate e logo depois chegava a cobertura. Todas as atenções se voltam para o camisa 10 botafoguense e ninguém aparece para levar o time ao ataque, tudo passa pelo “cara que está com 10”.

Esquema tático? Everton recuado e perdido no lado esquerdo do campo...

Qual o esquema tático utilizado no primeiro tempo pelo Joel? É difícil até tentar decifrar esse enigma! 3-5-2? Mas os laterais não subiam pro ataque! 5-3-2? Arévalo Ríos e Somália se preocupavam com os avanços inexistentes dos laterais! Acredito que o Botafogo jogou no 7-1-2, com sete homens plantados em frente ao gol do Jefferson, com o Éverton largado no meio de campo, com o Herrera marcando a saída de bola e com o Loco Abreu esquecido entre os zagueiros vascaínos. Se o Lucas não tinha liberdade ou segurança para atacar porque não escalar o Alessandro que sempre faz bons jogos contra o Vasco? E qual a razão de deixar o Marcelo Mattos no banco?

É certo que nem tudo é culpa do Joel, mas ele teve participação na montagem do elenco e sabia das deficiências do time. A liberação do Renato Cajá para o futebol chinês foi um erro maior do que se supunha na época e o preço desse erro pode ser a eliminação na Taça Rio e na Copa do Brasil.

Time perdido em campo e presa fácil para um limitado Vasco...

Quando o Maicosuel irá voltar? Vamos esperar eternamente a recuperação do Mago? Onde está o Fabrício? E o Araruama? Onde está o Rodrigo Dantas? E o Túlio Souza? Esses dois jogaram o segundo jogo da final do Carioca e foram bem. Não dava pra manter os dois no elenco até a volta do Maicosuel? Os salários eram astronômicos? A diretoria não conseguiu planejar as contratações e nem avaliar bem os jogadores que estavam no clube. Se está faltando apoiador no mercado porque liberar três de uma vez?

Mais perguntas sem resposta em General Severiano. E será que o Loco não pisa na mesma pedra duas vezes ou não quer ficar pisando em ovos? Ele sabe muito bem o que a equipe fez de errado contra o Vasco e disse isso na primeira rodada da Taça Guanabara. A torcida entendeu, mas parece que o Joel não consegue absorver as críticas de forma positiva. O maior problema é que sem o Joel vai ficar pior… Não existe técnico disponível no mercado…

Vamos, FOGO!

Jefferson fez quatro defesas incríveis e evitou a goleada!

Ficha Técnica:

4ª Rodada da Taça Rio: Vasco 2 x 0 Botafogo (20/03/2011)

Vasco: Fernando Prass, Allan, Dedé, Anderson Martins e Ramon; Eduardo Costa, Rômulo, Felipe e Bernardo (Felipe Bastos); Diego Souza (Elton) e Éder Luís (Leandro)

Técnico: Ricardo Gomes

Botafogo: Jefferson, Lucas (Marcelo Mattos), João Filipe, Márcio Rosário e Márcio Azevedo (Caio); Rodrigo Mancha, Arévalo Ríos, Somália e Everton (Alex); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Vasco: Diego Souza, aos 13, e Eder Luis, aos 25 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 31.265 presentes / Renda: R$ 724.360,00

Árbitro: Pericles Bassols

Cartão Amarelo: Eduardo Costa, Diego Souza, Ramon e Bernardo (Vasco); Loco Abreu, João Filipe, Everton, Rodrigo Mancha, Herrera e João Filipe (Botafogo)

Vontade, determinação e atitude!

12/03/2011

O Botafogo foi para o vestiário no intervalo recebendo os aplausos da torcida e, na mesma partida, o Botafogo deixou o campo, ao fim do segundo tempo, também sob aplausos da exigente torcida botafoguense. Parece sonho? Foi verdade? Sim, foi verdade e aconteceu pela primeira vez em 2011, na 3ª rodada da Taça Rio, diante do perigoso Americano de Campos. E o que mudou no time que irritava a torcida dias atrás? Atitude, vontade, determinação e coragem! Foi assim que a equipe jogou nesta noite de sábado!

Joel Santana atribuía o péssimo rendimento do time ao início de ano, ao início de temporada, ao início de campeonato, ao início de etc., etc., etc. Pode ser que em alguns jogos o forte calor carioca tenha realmente atrapalhado a evolução do Botafogo, mas perder para o River Plate do Sergipe é impossível! Empatar com Bangu, Macaé e deixar a liderança de bandeja para o Fluminense foi ridículo! A perda da Taça Guanabara não representa apenas um título a menos em General Severiano, representa ter que enfrentar o time da Gávea na final e ter que vencer a Taça Rio. E foi com esse espírito que os jogadores alvinegros pisaram no gramado do Engenhão hoje!

Os três volantes alvinegros tiveram atuação segura neste sábado.

O esquema com três zagueiros parece que foi abolido de vez, mas é preciso lembrar que Joel não conta com mais zagueiros no elenco e que Antônio Carlos estava machucado, mesmo assim é algo a ser comemorado. No 4-4-2, a equipe fica mais ofensiva e sem perder o poder de marcação. Lucas e Márcio Azevedo chegaram bem ao ataque, Arévalo, Rodrigo Mancha e Somália deram o combate no meio e ainda cobriram as subidas dos laterais. Na frente, Everton, o novo camisa 10, fez um bom e animador primeiro tempo e a dupla Mercosul deu conta do recado.

O “filho preferido do papai” não estava bem até acertar um lindo passe para Loco Abreu fazer o segundo gol do Botafogo e o oitavo dele no campeonato. O uruguaio foi até o Somália e fez questão de agradecer ao jogador pelo excelente lançamento. O posicionamento pode ter atrapalhado. Não entendi a razão do Somália, destro, cair pela esquerda e o Everton, canhoto, cair pela direita… Não entendi mesmo. Será que o Joel acha que eles têm algo em comum com o Sneijder ou com o Robben?

Quando tudo parece funcionar não custa arriscar, certo? João Filipe se aventurou no ataque com a famosa arrancada, ganhou o escanteio e na sequência fez um belo gol, com muita categoria! Fogoooo! Aplausos e alegria no Engenhão. Para fechar a goleada só faltava um gol com bola rolando para o Herrera e ele aconteceu após bela enfiada de Lucas. Botafogo líder, jogando bem, com goleada e gols dos homens de frente! Joel acertou nas substituições e foi feliz na escalação. É hora de pensar em vencer o clássico contra o Vasco e carimbar de vez a vaga nas semifinais da Taça Rio.

Vamos, FOGO!

Vibração! O zagueiro João Filipe jogou bem e ainda anotou um belo gol!

Ficha Técnica:

3ª Rodada: Botafogo 4 x 0 Americano (12/03/2011)

Botafogo: Jefferson, Lucas (Alessandro), João Filipe, Márcio Rosário e Márcio Azevedo (Guilherme); Rodrigo Mancha, Arévalo, Somália (Caio) e Everton; Herrera e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Americano: Jefferson, Ayrton (Felipe), Élson, Gustavo Breda e Carlos Alberto; Índio (Renan), Marciel, Flavio Medina, Gustavinho e Éberson; Diego (Léo Santos)

Técnico: Toninho Andrade

Gols do Botafogo: Herrera, aos 14, e Loco Abreu, aos 27 iniciais. João Filipe, aos cinco, e novamente Herrera, aos 25 da segunda etapa

Local: Engenhão (RJ) / Público: 2.946 pagantes / Renda: R$ 70.870,00

Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro

Cartão Amarelo: Somália (Botafogo), Ayrton e Carlos Alberto (Americano)

A vaca quase foi pro brejo!

09/03/2011

O Botafogo de Joel Santana é líder do Grupo B da Taça Rio com seis pontos conquistados em duas vitórias, mas segue jogando mal. O time bateu o Nova Iguaçu nesta Quarta-feira de Cinzas pelo placar mínimo e deixou o campo vaiado pela torcida. Joel inventou, errou e teve sorte de não sofrer o empate no fim do jogo. É visível que o comandante alvinegro não comanda mais nada e que a equipe parece um bando desordenado. O pouco das jogadas ensaiadas pelo ex-treinador Cuca que ainda eram utilizadas se perdeu com a saída de Lucio Flavio e agora não resta ao Botafogo nem mesmo a famosa bola levantada na área.

A Copa do Brasil é caminho mais curto para a Libertadores e se tornou uma obsessão da diretoria botafoguense, mas sem um time guerreiro, com variações de jogadas, muita marcação e planejamento é quase inviável pensar que esse grupo irá levantar o caneco e colocar o Botafogo novamente na maior competição da América. Lamentavelmente iremos brigar para vencer a Taça Rio e enfrentar o time da moda outra vez na final do Estadual. Estadual. O Glorioso virou um time estadual.

Everton comemora o primeiro gol com a camisa alvinegra!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

Taça Rio

2ª Rodada: Nova Iguaçu 0 x 1 Botafogo (09/03/2011)

Nova Iguaçu: Diogo, Paulo Henrique (Mossoró), Leonardo Luiz, Alex e Cortês; Amaral (Lukian), Luan, Marquinhos (Wallace) e Dieguinho; Maycon e William

Técnico: Josué Teixeira

Botafogo: Jefferson, Lucas (Alessandro), João Filipe (Caio), Márcio Rosário e Márcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Arévalo, Bruno e Everton (Guilherme); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gol do Botafogo: Everton, aos 10 minutos iniciais

Local: Raulino de Oliveira (RJ) / Público: 2.984 presentes / Renda: R$ 34.930,00

Árbitro: Carlos Eduardo Nunes Braga

Cartão Amarelo: Alex, Amaral (Nova Iguaçu); Everton, Márcio Azevedo, Alessandro, Jefferson, Herrera, Márcio Rosário (Botafogo)

Cartão Vermelho: Alex (Nova Iguaçu)

Vendido! Renato Cajá não teve tempo nem para despedidas!

1ª Rodada: Botafogo 4 x 2 Volta Redonda (05/03/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Márcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Bruno, Everton (Arévalo Ríos) e Renato Cajá (Alex); Caio (Fabrício) e Herrera

Técnico: Joel Santana

Volta Redonda: Mauro; Serginho, Padovani, Ávalos e Fabinho (Tiago Costa); Jonílson, Léo Gonçalves, Jhonattann e Gláuber; Jean (Bruno Lança) e Pedro Henrique (Arthur)

Técnico: Dario Lourenço

Gols do Botafogo: Herrera, aos quatro, e Caio, aos 19 minutos da etapa inicial. Rodrigo Mancha, aos 57 segundos, e Alex, aos 11 minutos do segundo tempo

Gols do Volta Redonda: Jhonattann, aos 22, e Ávalos, aos 41 iniciais

Local: Engenhão (RJ) / Público: 3.219 presentes / Renda: R$ 67.700,00

Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá

Cartão Amarelo: Márcio Azevedo, Rodrigo Mancha, Everton e Caio (Botafogo), Jonílson e Jhonattann (Volta Redonda)

Cartão Vermelho: Léo Gonçalves e Gláuber (Volta Redonda)

Vitória na raça e na tática!

06/02/2011

O melhor jogo do ano! Espetáculo! Jogão de bola recheado com polêmicas para encher duas horas dos programas de debate na TV! Fluminense, atual Campeão Brasileiro, e Botafogo, o atual Campeão Carioca, protagonizaram um clássico eletrizante e de enlouquecer! A vitória alvinegra veio na base da raça, da superação e da tática. Joel Santana assustou a torcida ao anunciar que escalaria Fahel e Somália de saída, e isso, sem dúvida, ajudou a afugentar parte do público nesta noite no Engenhão! O torcedor botafoguense não iria pagar R$ 40,00 para ver o Fahel entregar a rapadura ou um desfile do Mariano pela Avenida Somália!

Mantendo o esquema com três zagueiros, mas soltando Márcio Azevedo, Joel surpreendeu Muricy ao atacar desde o início e pressionar a saída de bola tricolor. Com apoio pelas duas laterais – Azevedo e Alessandro fizeram um partidaço – o Botafogo apertou o Campeão Brasileiro e saiu na frente com um golaço do Renato Cajá! Que cobrança de falta espetacular! Cajá jogou muito e assumiu a camisa 10 como algo natural: fez lançamentos, tomou conta das bolas paradas e dominou a armação das jogadas ofensivas! E que passe para o terceiro gol! O gol da vitória!

Gooooooool! Muita raça! Herrera teve o nome gritado pela torcida!

No primeiro tempo muita correria e confusão! O Fluminense virou o placar logo após um gol não assinalado pelo juiz e vem a famosa frase na mente do supersticioso botafoguense: “Tem coisas que só acontecem com o Botafogo!” Não temos um gol validado e tomamos outro em impedimento! É para deixar qualquer um maluco… ou louco? Loco Abreu mostrou mais uma vez que será um ídolo eterno do O Glorioso! Não apenas pela insanidade de bater o segundo pênalti, mas pelas declarações:

– Quem veste a camisa com essa estrela solitária veste uma camisa que foi de Nilton Santos e Garrincha. Precisa entrar em campo pensando apenas em vencer!

Quer cavadinha? Toma! Loco Abreu desloca o goleiro e empata o jogo!

Comentando a atuação do nosso camisa 1 após a partida cometi um ato falho: “Vocês viram como agarrou o Vagner?” Foi na empolgação, eu sei, mas o Jefferson me faz lembrar das defesas do Vagner diante do Santos! Não são belas lembranças? Espero que o Mano Menezes esteja de olho! E falando em técnico… Não posso deixar de elogiar a escalação e as mexidas do Joel! Não gosto do esquema com três zagueiros e não entendo como o Arévalo Ríos pode ver o Márcio Rosário do banco de reservas, mas até mesmo nisso o Joel acertou!

O Bruno Tiago teve uma grande atuação, jogou muito bem, e lançar o Márcio Azevedo em cima do Mariano foi fundamental para a vitória! Viu como o 4-4-2 é mais eficiente do que o 3-5-2, Joel? Ah, claro que estávamos com menos um e a formação final ficou no 4-3-2, mas o que importa é que vencemos e convencemos sem o esquema com três zagueiros! E um último agradecimento ao Herrera! O argentino não desiste NUNCA!

Vamos, FOGO!

Raça e técnica! Jogadores alvinegros deram um show no Engenhão!

Ficha Técnica:

6ª Rodada: Fluminense 2 x 3 Botafogo (06/02/2011)

Fluminense: Diego Cavalieri, Mariano, Gum, Leandro Euzébio (André Luis) e Carlinhos; Edinho, Valencia, Souza (Araújo) e Conca; Rafael Moura (Fernando Bob) e Fred

Técnico: Muricy Ramalho

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Arévalo), Antônio Carlos e Márcio Rosário; Alessandro, Marcelo Mattos, Bruno, Renato Cajá (Everton) e Márcio Azevedo (Somália); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Fluminense: Rafael Moura, aos 30 e aos 44 iniciais

Gols do Botafogo: Renato Cajá, aos 23 minutos do primeiro tempo. Loco Abreu, aos 11, e Herrera, aos 18 da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 16.759 presentes / Renda: R$ 389.735,00

Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca

Cartão Amarelo: Gum, Valencia, Rafael Moura, Edinho, Souza, Diego Cavalieri, Fred (Fluminense); Loco Abreu, Alessandro, Herrera, Márcio Azevedo (Botafogo)

Cartão Vermelho: Valencia e Marcelo Mattos

Vale a pena ver de novo! Aprendeu Cavaliere? Cavadinha é assim!