Posts Tagged ‘Gabriel’

Desandou a maionese…

09/05/2012

Crise em General Severiano! A frase mais famosa do futebol carioca voltará a ser ouvida na imprensa esportiva e deverá ser estampada, amanhã, em algum jornaleco nas bancas da cidade. Será que realmente é verdade? Tem coisas que só acontecem com o Botafogo? Vejamos a lista de situações inusitadas dessa semana para conferir a veracidade de tal afirmação. O time estava invicto nos vinte e quatro jogos disputados na temporada, venceu o Vasco de forma incontestável na final da Taça Rio, levantou o primeiro caneco do ano e com seis reservas conseguiu um bom empate em Salvador, contra o Vitória, pela Copa do Brasil.

De novo? Lucas leva outro cartão vermelho e deixa o time na mão…

Era um primeiro semestre perfeito! E eis que o desastre se encaminha lentamente às portas de General Severiano… A derrota ridícula para o Fluminense não só acabou com a invencibilidade alvinegra como soterrou o sonho do 20º título estadual. Atenções voltadas para a Copa do Brasil, certo? Lance de mudar o chip? Pois bem, vamos nessa. O gol de Elkeson animou os sempre seis mil torcedores que vão ao Engenhão e tudo estava sobre controle. O Vitória não ameaçava, o time perdia diversos contra-ataques, mas a impressão era que dessa vez tudo daria certo. Afinal, um raio não pode cair duas vezes no mesmo lugar… ou pode?

Lucas tinha amarelo, ficou na sobra do escanteio, matou o contra-ataque do tricolor com uma falta dura, no tornozelo de Tiago Neves. Falta para cartão amarelo e amarelo ele já tinha. Vermelho. O placar estava em 1 a 1, com o Botafogo pressionando em busca da vitória. Ah, vitória? O time baiano cercava, mas não incomodava Jefferson. E aí o Lucas que salvou uma bola em cima da linha pouco antes resolve imitar o uruguaio Luis Soares e mergulha para impedir o gol. Pênalti e cartão vermelho novamente. Como assim? O Lucas não tinha sido expulso no início do parágrafo? Troca o chip.

Pênalti? Parecia que tudo daria certo… Só parecia, não é Jefferson?

Não temos reserva para as duas laterais e está difícil pacas encontrar no ‘mercado da bola’ jogador com qualidade para a função. Ah, nós tínhamos o Alessandro que era perseguido pela torcida, mas sempre resolvia em campo com raça e dedicação. E agora? Onde está o chileno que foi o capitão do time sensação da América em 2011? A La U venceu o Campeonato Chileno e faturou a Copa Sul-Americana com muito futebol. Rojas era capitão e líder daquela equipe. Ah, ele jogava de lateral-esquerdo e ainda de zagueiro. E o nosso time? Chegamos na decisão contra o Fluminense de igual pra igual, mas em cinco minutos tudo mudou. Inacreditável. E contra o Vitória? Empatamos com autoridade na Bahia e levamos um passeio no Engenhão…

Seedorf? Sério? Na boa, mas muito na boa mesmo… Ah, cansei. A culpa é do Joel Santana? Cadê o Caio Júnior? Fahel? Lucio Flavio? Alessandro? Quem são os vilões agora? Tenho certeza que a torcida irá encontrar os culpados. Isso ela sabe fazer muito bem, mas apoiar o time, cantar, torcer, aplaudir… Não, não a torcida do Botafogo. Fim de primeiro semestre. Que venha o sofrimento no BR-12 e mais uma humilhação na Sul-Americana.

Fui, Fogo!

Treinador encarando a torcida no Engenhão? Já vi isso acontecer antes…

Ficha Técnica:

Copa do Brasil – Oitavas de Final – Jogo02: Botafogo 1 x 2 Vitória (09/05/2012)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Brinner, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos (Vítor Júnior), Renato, Felipe Menezes (Gabriel) e Maicosuel; Elkeson (Herrera); Loco Abreu

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Vitória: Douglas; Léo (Romário), Gabriel, Rodrigo e Wellington Saci; Uelliton, Rodrigo Mancha, Pedro Ken e Geovanni (Dinei); Tartá  e Neto Baiano (Mineiro)

Técnico: Renato Silva

Gol do Botafogo: Elkeson, aos 20 minutos iniciais

Gols do Vitória: Pedro Ken, aos 10, e Tartá, aos 23 da etapa final

Local: Engenhão (RJ)

Árbitro: Paulo César Oliveira (SP)

Cartão Amarelo: Elkeson, Brinner, Loco Abreu e Herrera (Botafogo); Rodrigo Mancha e Uelliton (Vitória);

Cartão Vermelho: Lucas (Botafogo) e Pedro Ken (Vitória)

Anúncios

Botafogo Campeão da Taça Rio

29/04/2012

Uma atuação impecável do Botafogo! Essa sentença resume a exibição do time na tarde desde domingo na final da Taça Rio. Foi a melhor partida da equipe sob o comando do técnico Oswaldo de Oliveira que dessa vez, ao contrário do que aconteceu na semifinal da Taça Guanabara contra o Fluminense, evitou recuar antes da hora e não concedeu espaços para o Vasco jogar. As chances de gol cruz-maltinas aconteceram através de erros individuais de jogadores do Botafogo e não por méritos do ataque adversário. A única exceção foi a jogada bem trabalhada que culminou no chute cruzado de Éder Luis, no início da partida, na primeira ofensiva logo após o gol de Loco Abreu.

O cansaço, as câimbras e as expressões de exaustão no rosto dos atletas alvinegros nos minutos finais revelam a intensidade do esforço e o tamanho do embate nesta final. Como não comemorar e celebrar uma vitória contra um adversário tão forte e com tantos nomes de peso? O Vasco conta com Fernando Prass, Felipe, Juninho, Diego Souza, Éder Luis e ainda é preciso destacar o artilheiro do campeonato, Alecsandro com 12 gols. É uma equipe de respeito e que luta pela conquista da Libertadores em 2012. A Taça Rio é título sim e merece ser tratada com respeito. Foram dez jogos, com sete vitórias e três empates, sendo duas vitórias em clássicos contra o Vasco e um empate com o Fluminense – adversário da grande final do Campeonato Carioca.

Fellype Gabriel jogou por ele e pelo Renato! Atuação de gala no Engenhão!

O Botafogo chega embalado na final, mas com um problemão no meio do caminho: enfrentar o Vitória, quarta, no Barradão, pela Copa do Brasil. Será uma partida dificílima e que ditará os rumos do time no primeiro semestre. Uma derrota acachapante pode eliminar a equipe do torneio nacional e abalar a confiança da torcida para os duelos contra o tricolor. O empate com gols ou até mesmo uma vitória são o sonho de consumo da comissão técnica que terá uma missão quase impossível ao remontar um novo grupo para quarta. Vários jogadores sentiram o esforço da final e apresentaram um nítido esgotamento físico nos minutos finais no jogo de hoje. O calor em Salvador será grande e a pressão da torcida maior ainda!

É possível realizar outra vez uma partida como a de hoje? Reformulando a questão: Será possível manter esse alto nível nos próximos quatro e decisivos confrontos? O esquema tático 4-2-3-1 funcionou perfeitamente, ou da forma como foi criado: com os meias-atacantes subindo ao ataque e voltando para fechar os espaços no meio-campo. O combate começou lá na frente com Loco Abreu, passando por Maicosuel, Elkeson e Andrezinho até chegar à excelente dupla de volantes formada por Marcelo Mattos, um gigante, e Fellype Gabriel, um monstro em campo! Lucas e Márcio Azevedo só atacaram na boa, com cobertura e ainda conseguiram conter os avanços de Fágner e Éder Luis – uma arma mortal do Vasco que surpreendeu o Flamengo na semifinal, domingo passado.

O título serve para tranqüilizar torcida e diretoria, ratificando o trabalho de Oswaldo de Oliveira, mas deve ser o primeiro da trilogia de 2012: faltam o Carioca e a Copa do Brasil! O Botafogo precisa disputar a Libertadores em 2013! É a mística alvinegra conspirando!

Vamos, Fogo!

Maicosuel correu muito, fez um partidaço e deixou o gramado exausto!

Ficha Técnica:

Final da Taça Rio: Vasco 1 x 3 Botafogo (29/04/2012)

Vasco: Fernando Prass; Fágner (Carlos Alberto), Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri; Rômulo, Felipe Bastos, Felipe (Allan) e Diego Souza; Éder Luis e Alecsandro (Juninho)

Técnico: Cristovão

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Fellype Gabriel (Gabriel), Andrezinho (Jádson) e Maicosuel (Herrera); Elkeson e Loco Abreu

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Gol do Vasco: Carlos Alberto, aos 35 do segundo tempo

Gols do Botafogo: Loco Abreu, aos 3 iniciais e aos 45 minutos da primeira etapa, e Maicosuel, aos 7 da etapa final

Local: Engenhão (RJ)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)

Cartão Amarelo: Diego Souza, Felipe e Juninho (Vasco); Andrezinho e Fábio Ferreira (Botafogo)

Com a obrigação de vencer!

16/04/2012

A classificação para a semifinal já estava garantida desde a rodada passada e para o Botafogo só faltava definir o adversário. Não falta mais nada. Com a eliminação do Fluminense, campeão da Taça Guanabara, teremos a grande final do Campeonato Carioca – algo que não acontece desde 2009. O Bangu foi a grande surpresa do segundo turno do Estadual, mas agora não é novidade para mais ninguém e não podemos sequer supor em dividir o favoritismo com o Alvirrubro. Antes da semifinal da Taça Rio que será disputada no sábado, o Botafogo precisa passar pelo Guarani, no Engenhão, quarta, e carimbar a vaga para as Oitavas de final da Copa do Brasil, esse sim o objetivo primordial do primeiro semestre.

O time de Oswaldo de Oliveira ostenta a marca de vinte jogos de invencibilidade, mas não apresenta um futebol de encher os olhos. A torcida está com a pulga atrás da orelha e a imprensa especializada não sabe se critica abertamente ou espera mais tempo para ver até onde essa invencibilidade irá chegar. Se o time for Campeão da Taça Rio na semana que vem as vaias da arquibancada cessarão? Elas são realmente necessárias? O Botafogo tem time e elenco para dar oferecer aos seus torcedores o espetáculo que eles tanto almejam? Essas questões não podem ser respondidas de forma clara e objetiva ou será que podem?

A camisa é muito bonita, mas o futebol apresentado pelo Botafogo...

Os jogadores não cansam de dizer nas entrevistas que o início de temporada é sempre irregular, etc. E eles podem ter certa razão nessa afirmativa. Hoje, na última rodada da Taça Rio, o time entrou em campo sem cinco titulares: Antônio Carlos, Márcio Azevedo, Marcelo Mattos, Elkeson e Andrezinho. E aí? O forte Boavista era mesmo um adversário temível? Claro que não e se tivesse um pouco mais de vontade, de velocidade na troca de passes, o Botafogo poderia ter metido três ou quatro sem preocupação. Parece que a equipe não leva os jogos contra os pequenos com seriedade, e sim parte da obrigação, como “bater o ponto” e depois ir conversar com os colegas de trabalho.

Loco Abreu perdeu outro pênalti. Sim, aconteceu. A situação é deveras preocupante. Um jogador lento, sem capacidade de movimentação e que se notabilizou pelos gols de cabeça, leia-se bola parada, e também pelas precisas cobranças da marca do cal – ele nos deu um título e sou agradecido – não pode desperdiçar cinco cobranças em três meses. Algo está muito, muito errado em General Severiano. Parece que algo está acontecendo nos bastidores da equipe e nós, torcedores, ainda não sabemos. E o que foi a frase:

– Eu tenho um sonho, que é jogar no Mundial e para isso eu preciso estar jogando bem. E espero que seja aqui no Botafogo.

Não entendi e com certeza quem ouviu a declaração também não entendeu. Vamos para duas decisões seguidas, quarta e sábado, e espero que o Loco volte a ser o jogador decisivo que foi em 2010 e em 2011. Notícia boa? A volta de Maicosuel querendo jogo e mostrando estar 100% recuperado e a bela atuação do garoto Jadson das categorias de base. Jogou muito bem! Parabéns! Vamos precisar de ajuda nesse momento decisivo! Temos que vencer esses dois jogos de qualquer jeito!

Vamos, Fogo!

Cena que se repete em 2012: Loco consagrando os goleiros adversários!

Ficha Técnica:

8ª Rodada: Boavista 1 x 1 Botafogo (15/04/2012)

Boavista: Thiago; Ruy, Bruno Costa, Fábio Braz e Paulo Rodrigues; Douglas (Leandro Teixeira), Júlio Cesar, Fabrício (Léo Pimenta) e Romarinho (Lenny); Tony e Somália

Técnico: Andrade

Botafogo: Jefferson; Lucas, Brinner, Fábio Ferreira e Renan Lemos; Jadson, Renato, Felipe Menezes (Gabriel) e Fellype Gabriel (Maicosuel); Caio (Willian) e Loco Abreu

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Gol do Boavista: Lenny, aos 27 do segundo tempo

Gol do Botafogo: Caio, aos 8 minutos da etapa final

Local: São Januário (RJ)

Árbitro: Leonardo Castro Moreira (RJ)

Cartão Amarelo: Paulo Rodrigues, Thiago e Ruy (Boavista); Felipe Menezes, Renan Lemos e Maicosuel (Botafogo)

O importante foram os três pontos!

28/07/2011

Bom futebol, espetáculo, bola de pé em pé, gritos de “Olé!”, musiquinha criada pela torcida, risos, palmas e críticas calorosas da imprensa esportiva… Isso tudo é lindo – como diria Caetano – mas não garantem títulos e não garantem a vitória. Sem objetividade, chute em gol, agressividade e, acima de tudo, muita entrega por parte do elenco, o jogo bonito será batido e o adversário retrancado irá aproveitar as oportunidades e balançar as redes. A “Era Cuca” no Botafogo pode ser comparada à Seleção de 82 e a “Era Joel Santana” nos remete ao time batalhador de Carlos Alberto Parreira em 1994. E o Caio Júnior?

Não é possível ainda falar em “Era Caio Júnior” em General Severiano, mas se a diretoria seguir o mesmo caminho nesses três anos em breve poderemos usar essa expressão. Não adianta demitir treinador sem planejamento, sem avaliar as metas estabelecidas e, principalmente, sem ter boas opções de contratação no mercado. Caio Júnior quer fazer um esquema de jogo que fique exatamente entre a “Era Cuca”, bom futebol, toque de bola, domínio das ações, e a “Era Joel Santana”, com uma defesa forte e uma motivação contagiante dos jogadores. O treinador já fez o time se livrar dos chutões e resgatou a confiança do elenco para manter a posse de bola.

Ontem, diante do Avaí e novamente jogando contra a torcida – isso parece não ter fim! – a equipe sentiu a falta de entrosamento e o primeiro gol do time catarinense parecia ser a senha para outra decepção em casa. Superação. Sim, essa é a palavra que exemplifica bem a virada alvinegra. Maicosuel definiu o jogo com essa palavra. A zaga formada por Gustavo, recém contratado, e o jovem João Felipe, nunca atuou junta e as ausências de Lucas Zen e Marcelo Mattos deixaram o sistema defensivo vulnerável nos minutos iniciais e foi essa brecha que o Avaí, um time mediano, aproveitou para abrir o placar.

Recorde para o argentino: Herrera marca seu 23º gol no Engenhão!

O lado esquerdo do ataque botafoguense é sinônimo de desespero há décadas! Não temos um bom lateral-esquerdo, daqueles de se orgulhar, desde Marinho Chagas na década de 70, alguém discorda? Na década de 90, mesmo com a enxurrada de títulos, o lado esquerdo não era o mais forte e o melhor lateral dessa época, o Marquinhos, ficou pouco tempo e não chegou a fazer história no clube. André Silva? Jéferson? Bill? Luciano Almeida? Triguinho? Tiaguinho? Gabriel? Márcio Azevedo?

A camisa 6 do eterno Nílton Santos parece pesar e muito nas costas desses jogadores! O jovem Cortês parece não sentir a pressão e se tiver uma boa cobertura pode render mais para a equipe. Enquanto esperamos que alguém assuma a responsabiulidade, ontem, por segundos, quase que por inspiração divina, a lateral esquerda desencantou e, por ali, Márcio Azevedo fez grande jogada e achou Maicosuel livre para empatar a peleja!

A torcida que já vaiava a plenos pulmões resolveu se aquietar e deixar os jogadores trabalhar em paz. Com tranquilidade, Elkeson colocou bela bola na cabeça de Herrera: 2 a 1 no placar e calma na saída para o vestiário. O fim do jogo foi dramático, nervoso e as substituições equivocadas de Caio Júnior levou o torcedor à loucura, mas os três pontos vieram e, por enquanto, só a vitória interessa! Loco Abreu volta no sábado e reencontra Joel Santana! Imperdível!

Vamos, FOGO!

Caio Júnior precisa de tempo e do apoio da torcida para mudar o Botafogo!

Ficha Técnica:

12ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Avaí (27/07/2011)

Botafogo: Jefferson; Alessandro, João Filipe, Gustavo e Márcio Azevedo; Léo, Renato, Maicosuel (Felipe Menezes) e Elkeson; Alexandre Oliveira (Caio) e Herrera (Alex)

Técnico: Caio Júnior

Avaí: Felipe; Welton Felipe, Bruno, Dirceu e Daniel; Marcos Paulo (Batista), Pedro Ken, Fabiano (Rafael Coelho) e Cleverson (Estrada); Romano e William

Técnico: Alexandre Gallo

Gols do Botafogo: Maicosuel, aos 27, e Herrera, aos 38 minutos iniciais

Gol do Avaí: Dirceu, aos seis minutos do primeiro tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 5.111 pagantes / Renda: R$ 87.400,00

Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)

Cartão Amarelo: Herrera, Márcio Azevedo e João Filipe (Botafogo); Marcos Paulo, Welton Felipe e Fabiano (Avaí)