Posts Tagged ‘Futebol’

Em busca do equilíbrio perdido

04/06/2011

O empate em 2 a 2, neste sábado, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro, não foi um resultado ruim. É verdade que a vitória esteve próxima, a bola na trave aos 45 do segundo tempo foi cruel, mas o padrão de jogo imposto por Caio Júnior permite ao torcedor alvinegro alimentar esperanças de voos mais altos na competição. O Botafogo ficou trinta dias sem uma competição oficial, disputou dois amistosos, mas sem os esperados reforços prometidos pela diretoria. O elenco montado no primeiro semestre não conseguiu ser competitivo e as críticas da torcida e da mídia caíram como uma bomba em General Severiano. Eles estavam errados?

O certo é que o meio de campo alvinegro passou a funcionar após a chegada de Elkeson, porém não podemos nos esquecer que a volta de Maicosuel, mesmo longe da forma física ideal, é um fator de desequilíbrio e de constante preocupação para o adversário. Everton, que também estava rendendo bem abaixo do esperado, conseguiu atuar bem em dois jogos seguidos e, com a companhia de Cortês, pode fazer ainda mais. O grande problema continua sendo o banco de reservas. Tiago Galhardo e Caio aparecem como opções ofensivas, mas é importante que Caio Júnior resgate o futebol de Somália, pois o Botafogo vai precisar muito de um jogador polivalente e rápido para o segundo tempo.

É pela esquerda!! Cortês e Everton são a principal força ofensiva do time!

O erro no gol de empate do Ceará deve ser ignorado. Antonio Carlos e Fábio Ferreira não irão falhar novamente tão cedo e é bom lembrar que os dois fizeram gols nos dois últimos jogos. A falha aconteceu pela mudança no comando técnico do time, já que Caio Júnior pede que os jogadores evitem os chutões e que tentem encaixar o contra-ataque com a bola no pé. Marcelo Mattos e Lucas Zen correram muito e Alessandro foi correto na marcação, mas não conseguiu dar velocidade na hora de armar os ataques – nada muito longe do esperado. Renan fez boas defesas e mesmo sendo um jargão terrível do jornalismo esportivo lá vai: ele não teve culpa nos gols.

O ataque continua preocupando e o treinador alvinegro não sabe o que fazer para consertar o setor. A troca de posição entre Maicosuel e Everton piorou o time no segundo tempo e Herrera ficou muito isolado lutando com os zagueiros. O argentino jogou no sacrifício e só melhorou depois da entrada de Caio e Galhardo que passaram a encostar no atacante. Caio Júnior terá problemas para acertar o esquema ofensivo e a equipe só irá se entrosar durante a competição, por isso pontuar nesse momento é fundamental.

Vamos, FOGO!

Ainda sem entrosamento: Elkeson observa Everton avançar pela esquerda!

Ficha Técnica:

3ª Rodada: Ceará 2 x 2 Botafogo (04/06/2011)

Ceará: Fernando Henrique, Murilo (Sinho), Fabrício, Erivélton e Vicente; Michel, João Marcos, Eusébio e Iarley (Geraldo); Osvaldo e Marcelo Nicácio (Júnior)

Técnico: Vagner Mancini

Botafogo: Renan, Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Lucas Zen (Somália), Everton (Thiago Galhardo), Maicosuel (Caio) e Elkeson; Herrera

Técnico: Caio Júnior

Gols do Ceará: Osvaldo, aos 35 minutos do 1º tempo, e Michel, aos 17 da 2ª etapa

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 28 iniciais, e Antonio Carlos, aos 28 da etapa final

Local: Presidente Vargas (CE) / Público: 9.945 pagantes

Árbitro: Sálvio Spínola (SP)

Cartão Amarelo: Antônio Carlos (Botafogo) e Erivélton (Ceará)

Um conto de Mané

31/05/2011

Poucos clubes no mundo podem se dar ao luxo de escrever capítulos inteiros na história de suas seleções e aqui no Brasil, o país do futebol por excelência, apenas Santos e Botafogo têm essa honra. No Mundial de 1962, no Chile, a Seleção Canarinho já não era uma novidade e os feitos de Pelé e Garrincha assombravam o mundo da bola desde a vitória incontestável na Suécia, em 1958. Defendendo o título mundial e recheada de craques, a nossa seleção desembarcou em terras chilenas com a responsabilidade de repetir o bom futebol apresentado quatro anos antes.

Imarcável!!! Será esse o tal de Flowers? Mané não quis nem saber!

Já li e ouvi esse conto diversas vezes, mas nunca tão bem narrado quanto no livro de Nilton Santos, “Minha bola, Minha vida”, da editora Gryphus. Não à toa, é claro. Devemos lembrar que Nilton sempre esteve nas conversas dos amigos Sandro Moreyra e Armando Nogueira – onde um deveria contar “um causo” melhor do que o outro! Sem Pelé, machucado na segunda partida, o Brasil iria encarar a forte Inglaterra. Sandro Moreyra resolveu provocar Garrincha dizendo que o lateral inglês, Flowers, numa entrevista, dissera que o Mané não iria passar por ele de jeito nenhum. Garrincha ficou invocado e foi pedir conselhos para Nilton Santos:

– Nilton, o lateral deles disse que eu não era de nada!

– Ah, então ele nunca te viu jogar.

– Viu sim. Eu queria acabar com ele, mas não sei quem ele é.

– Acabe com todos os ingleses porque cada um deles pode ser o tal de Flowers!

O hilário diálogo entre os amigos resultou num dos maiores passeios da história da Copa do Mundo! Nilton Santos continua:

Garrincha ficou endiabrado. Dribles e mais dribles no time todo da Inglaterra. Dizem que o Aimoré ficou desnorteado no banco quando via o Mané correr por todo o campo a driblar todo mundo. Pedia a ele pra voltar para a ponta, segurando assim o zagueiro inglês. Ele não ouvia, continuava a fazer o seu carnaval. Marcou até gol de cabeça nesse jogo. Vavá fez um gol, sobra de bola de um chute violento do Mané em cima do goleiro. Depois, com um passe de Amarildo, encerrou o placar. Ali, Mané foi batizado de ‘O Anjo das Pernas Tortas’, que enlouquecia todas as defesas e fazia o Brasil acreditar ser impossível não sermos bicampeões.

De fato, mesmo sem Pelé, Mané acabou com os adversários e trouxe o caneco para casa. Leia o livro de Nilton Santos. Essa e outras histórias incríveis do nosso futebol estão lá, apenas esperando para serem redescobertas.

Vamos, FOGO!

Perdemos para um time grande!

23/05/2011

O Botafogo aplicou uma goleada histórica, 8 a 3, no favorito Vasco da Gama, atual campeão do mundialito, e ficou com o título de campeão da I Copa Brasil de Clubes de Futebol de Areia. Parecia o prenuncio de um domingo perfeito para os botafoguenses, mas era uma simples ilusão. Assim como foi ilusão o primeiro tempo entre Palmeiras e Botafogo pela 1ª rodada do BR-11. O jogo equilibrado, com duas boas chances para cada lado e grande atuação dos goleiros, foi apenas uma ilusão. Na volta do intervalo, bastou um jogador palmeirense acertar uma jogada para ficar evidente a falta de preparo dos atletas alvinegros. O placar em branco seria a única forma de garantir um ponto na estreia, já que era impossível esperar algo do inoperante ataque botafoguense.

A relação entre torcida e diretoria só tende a piorar. Nenhuma contratação aconteceu durante o período de treinos, muitos nomes foram levantados, nada avançou e Caio Júnior ficou sentado esperando pelos prometidos reforços ao invés de treinar e encontrar um padrão tático com os jogadores disponíveis. O que se viu no Estádio Teixeirão é motivo de muita, mas muita dor de cabeça para o torcedor! O medo das comparações com o Joel Santana fez o novo treinador esbravejar que não jogaria com três zagueiros, mas jogou com que formação? Caio Júnior não teve coragem para escalar o Botafogo, apenas lançou os jogadores em campo e ficou rezando na arquibancada.

Atuação apagada! Caio só sabe cair e reclamar da falta de oportunidade!

O meio de campo não existiu, a defesa ficou exposta e o ataque não funcionou. E os treinos? E as jogadas ensaiadas? Maicosuel jogou o primeiro tempo de costas para a zaga e na etapa final foi deslocado para a ponta-esquerda e pra quê? Caio não achou posição em campo e jogou como ponta-direita, mas quem estava na área para receber os cruzamentos? Ninguém. Marcelo Mattos e Arévalo Ríos corriam como loucos para cobrir os avanços dos laterais e a intermediária alvinegra era um verdadeiro deserto que logo foi preenchida por palmeirenses. E a torcida? Ah, a torcida deve estar satisfeita nesta segunda! Irá vaiar Lucio Flavio, Joel Santana, Alessandro, Leandro Guerreiro e Fahel! Ora, mas eles jogaram? Ah, vamos vaiar a diretoria então!

Maicosuel disse que o Botafogo perdeu para um time grande? Como assim? E o Botafogo é o quê? Melhor ouvir o Jefferson que deixou clara sua insatisfação com os companheiros:

– Temos que acreditar mais em nós e ter mais personalidade.

Personalidade! Foi o que faltou para Caio Júnior. Foi o que faltou a Caio e Maicosuel. O esquema estava errado e eles foram incapazes de mudar em campo ou conversar no vestiário. Mas até o intervalo estava tudo bem, estava 0 a 0, não? E a ideia era só empatar, nada mais. É possível aprender algo com essa derrota? Difícil, muito difícil, já que todos pareciam satisfeitos em perder por apenas um gol. É será um campeonato longo, muito longo…

Vamos, FOGO!

Fora de foco! A fase é tão ruim que não deu nem pra sair na foto...

Ficha Técnica:

1ª Rodada: Palmeiras 1 x 0 Botafogo (22/05/2011)

Palmeiras: Marcos, João Vitor (Chico), Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga (Patrik) e Luan (Pierre); Kleber e Adriano

Técnico: Luiz Felipe Scolari

Botafogo: Jefferson, Lucas (Cidinho), Antonio Carlos, Fabio Ferreira e Lucas Zen, Arévalo, Marcelo Mattos (Alex), Cortês e Galhardo (Bruno Tiago), Maicosuel e Caio

Técnico: Caio Júnior

Gol do Palmeiras: Kleber

Local: Teixeirão (SP) / Público: 13.705 presentes / Renda: R$ 400.178,00

Árbitro: Márcio Chagas da Silva (RS)

Cartão Amarelo: Thiago Heleno e Kleber (Palmeiras); Lucas e Marcelo Mattos (Botafogo)

Botafogo Campeão da I Copa Brasil de Clubes de Futebol de Areia 2011

Ainda o Campeão da Taça Rio!!!

12/04/2011

A derrota deste domingo para o time da Gávea pode ser considerado um resultado de jogo e não será determinante em caso de uma não-classificação para as semifinais da Taça Rio. O que custará uma possível eliminação não será uma derrota, e sim um empate – ou dois empates. O Botafogo perdeu os dois clássicos que disputou no returno, Vasco e Flamengo, mas a perda de pontos para equipes pequenas é que pesará na hora da definição.

Erro de marcação! É para rir? Jefferson não acredita na bobeada de Somália!

O empate em 0 a 0 com o Boavista até poderia ser considerado um bom resultado, já que o time tinha dez desfalques, mas jogamos melhor, tivemos oportunidades e, mesmo com os reservas, era possível ficar com os três pontos. Outro resultado catastrófico aconteceu diante do limitado Resende, na rodada passada, com o elenco completo e muitos gols pedidos! São esses quatro pontos que estão atravancando a classificação botafoguense para a próxima fase da Taça Rio.

Ricardinho, Marcinho, Andrezinho… Só isso? Apostar em jogadores velhos, que brilharam no passado e que agora só aparecem vez ou outra. Ricardinho recebia uma baba no Atlético-MG e arrumou confusão com três técnicos diferentes até ser demitido! Marcinho está passeando no Mundo Árabe de onde os jogadores sempre chegam fora de forma e demoram meses para conseguir entrar em campo.

Caio Jr. está reestruturando a equipe, mas ainda falta um camisa 10!

Das possíveis contratações a mais interessante é a de Andrezinho, reserva de luxo no Internacional, que pode atuar como meia de ligação e ainda tem a vantagem das excelentes cobranças de falta. Sim, podem reclamar, mas desde a saída de Lucio Flavio para o futebol mexicano que não temos eficiência na bola parada!

O Vasco vai bem na Copa do Brasil e já está na semifinal da Taça Rio; o Flamengo já levantou a Taça Guanabara, luta pela Taça Rio e deve ter vida fácil na Copa do Brasil até a semifinal; o Fluminense está classificado para as semifinais no Carioca, mas sonha mesmo com um milagre na Libertadores e o Botafogo se recuperou na Copa do Brasil e depende do Vasco para chegar até o mata-mata da Taça Rio. O futebol carioca parece ter reencontrado o bom caminho e as partidas da próxima semana devem garantir emoções fortes aos torcedores!

Vamos, FOGO!

O time partiu em busca do empate e cedeu muitos espaços na defesa!

Ficha Técnica:

Taça Rio – 7ª Rodada: Botafogo 0 x 2 Flamengo (10/04/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro, João Filipe, Antônio Carlos e Somália (Guilherme); Marcelo Mattos, Arévalo Ríos, Bruno Tiago (Lucas) e Everton (Caio); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Flamengo: Felipe, Léo Moura, Welinton, David Braz e Rodrigo Alvim; Maldonado, Willians (Fierro), Renato Abreu e Thiago Neves; Ronaldinho e Deivid (Diego Maurício)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Gols do Flamengo: Thiago Neves (2)

Local: Engenhão (RJ) / Público: 21.422 presentes / Renda: R$ 487.905,00

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães

Cartão Amarelo: Willians, Wellinton, Maldonado, David Braz, Ronaldinho Gaúcho e Felipe (Flamengo). Somália, Everton, Arévalo Ríos, João Filipe, Herrera, Loco Abreu, Antônio Carlos e Caio (Botafogo)

Velhos problemas no Engenhão

04/04/2011

O técnico Caio Júnior pode ver neste domingo que terá muito trabalho pela frente, e, aliás, não só pela frente, mas pelos lados, pelo meio, pela defesa… O Botafogo fez um primeiro tempo digno da “Era Joel Santana”: lento, sem ambição, aceitando a marcação do Resende e com um ataque praticamente inofensivo. Antes era para derrubar o Joel e agora? Não existe explicação para a falta de entusiasmo dos jogadores e para a passividade apresentada nos 45 minutos inicias. Não é mais fácil fazer dois ou três gols e “andar” no segundo tempo?

Márcio Azevedo & Márcio Rosário – que dupla sertaneja! É para quem tem um bom coração e passou por um check-up recente! O lateral-esquerdo não consegue dar sequência a nenhum lance sem antes parar a bola e tentar aquele driblezinho manjado cortando para o meio e depois voltando, é de enlouquecer. O zagueirão é limitado, compensa a falta de técnica com muita dedicação, isso é inegável, mas querer sair no toque, na habilidade com essa dupla de Márcios é cometer um suicídio tático! Antônio Carlos deve estar rezando um rosário para acelerar a volta do Fábio Ferreira!

Zagueiro-artilheiro! Antônio Carlos faz o que o ataque não consegue: gols!

Quem está acendendo velas para a volta do Maicosuel? Todos os botafoguenses do mundo, o Caio Júnior e também o Everton! O garoto é esforçado, corre, tenta tabelar, mas é impossível estabelecer um diálogo ofensivo com os jogadores de meio-campo nesse time. O Somália melhorou na segunda etapa, jogando na lateral, porque teve espaços com o recuo do Resende. É imperdoável ver o Somália usando a camisa 7 no Botafogo! Dá logo a 10 pra ele, mas a 7 não! A direção do Botafogo, ou até mesmo o estatuto do clube deveria proibir que jogadores de marcação cheguem perto do mítico número 7!

O empate foi ruim, a exibição foi ruim, mas ao menos as substituições do Caio Júnior foram coerentes. Ele não conhece o elenco, não sabe totalmente das características de cada jogador, mas está mexendo no time melhor do que o Natalino… Sei que não é muito, mas já é um começo. O Bruno Tiago entrou bem, ajudou na frente e deu combate no meio-campo, mas precisa treinar exaustivamente chutes a gol! Ele tem vaga garantida no lugar do Somália enquanto o Maicosuel não assume o posto ali pela direita.

Temos que vencer bem o Paraná, nesta quarta, pela Copa do Brasil, para fazer a torcida lotar o Engenhão no duelo contra o Flamengo! Uma vitória no domingo praticamente assegura a vaga nas semifinais da Taça Rio.

Vamos, FOGO!

Loco Abreu perdeu dois gols que poderiam mudar a cara da partida!

Ficha Técnica:

6ª Rodada da Taça Rio: Botafogo 1 x 1 Resende (03/04/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro (Bruno Tiago), Antônio Carlos, Márcio Rozário e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Rodrigo Mancha (Caio), Somália e Everton (Arévalo Ríos); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Resende: Eduardo, Tiago Bastos, Rogério, Anderson Conceição e Jefferson; Gabriel, Léo Silva, Marcel (Léo) e Valdeir; Alexandro (Elias) e Marcelo Régis (Ramon)

Técnico: Paulo Campos

Gol do Botafogo: Antônio Carlos, aos 30 minutos da etapa final

Gol do Resende: Rogério, aos 44 minutos do 1º tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 4.733 presentes / Renda: R$ 61.015,00

Árbitro: Wagner dos Santos

Cartão Amarelo: Márcio Rozário, Márcio Azevedo (Botafogo) e Valdeir (Resende)

Herrera lutou, correu, mas não rendeu o que podia contra o Resende...

A batalha de Munique!

16/03/2011

Louis van Gaal deve ter acordado nesta quarta com um gosto amargo na boca. A vitória por 1 a 0, em pleno Giuseppe Meazza, no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões praticamente garantia uma sensação de tranquilidade para o time alemão. O Bayern de Munique entrou em campo completo, com os astros Ribéry e Robben em plena forma física e técnica e contando com a ajuda de quase 70 mil torcedores no Allianz Arena! Somente uma catástrofe poderia tirar a classificação das mãos do técnico holandês.

Ao fim do primeiro tempo – e que primeiro tempo! – Louis van Gaal estava com a costumeira posse arrogante e com o nariz apontado pra lua! “Sou o melhor treinador do mundo todo!” Ah, essa frase certamente passou pela cabeça do homem que dispensou o zagueiro Lúcio, por e-mail, antes do fim do contrato, em 2009, durante a Copa das Confederações. A vingança de Lúcio viria com o título da Champions League justamente contra o ex-time na temporada passada, mas o destino preparou outra amarga surpresa para o Luizinho holandês.

A terrível falha de Júlio César no gol de Mário Gomez desestabilizou a Internazionale que sofreu a virada, minutos depois, em novo erro da zaga, desta vez com Thiago Motta. Parecia que não seria uma noite muito boa para os brasileiros. Como nada é definitivo no esporte, Júlio César fez duas grandes defesas e a primeira etapa terminou em bom momento para os italianos.

Nota 10! Samuel Eto'o jogou muito e desequilibrou a partida em Munique!

O caminho para o vestiário não deve ter sido nada agradável, mas a Inter de Milão mostrou que sabe lidar com a pressão e com o resultado adverso, afinal não se conquista três títulos na mesma temporada sem méritos. Vale lembrar que esse mesmo time, com Mourinho no comando, faturou o Campeonato Italiano 2009/2010, a Copa da Itália 2009/2010 e a Liga dos Campeões 2009/2010. E mesmo a turbulenta passagem de Benítez rendeu dois títulos: a Supercopa da Itália 2010 e o Mundial Interclubes da Fifa em dezembro de 2010.

Logo aos cinco minutos do segundo tempo, Leonardo arriscou tudo e colocou o jovem Philippe Coutinho na vaga do nervoso Stankovic. Coutinho tratou de colocar a bola no chão e começou a trocar bons passes com Sneijder. Mas a principal arma italiana para empatar e conseguir o gol da histórica classificação foi Samuel Eto’o. O camaronês abriu o placar logo aos 3 minutos e deu duas assistências perfeitas para Sneijder e Pandev! Uma partida para levar a nota 10! E o Júlio César? Fez duas defesas impressionantes na segunda etapa e se redimiu das falhas cometidas nos dois jogos contra o Bayern de Munique.

Ah, não posso me esquecer de avisar ao Luisinho holandês qual é o problema dele! Louis van Gaal, essa dor de estômago tem nome e sobrenome: Lucimar da Silva Ferreira! Você o conhece como Lúcio mesmo e… ele jogava no seu time, não é incrível como o mundo dá voltas?

Emoção! O brasileiro Leonardo comandou a Inter numa partida histórica!

Liga dos Campeões da Europa

Oitavas de Final – Bayern de Munique 2 x 3 Inter-ITA (15/03/2011)

Bayern de Munique: Kraft, Lahm, Breno (Kroos), Van Buyten (Badstuber) e Pranjic; Luiz Gustavo, Schweinsteiger, Robben (Altintop), Müller e Ribéry; Gomez

Técnico: Louis van Gaal

Inter-ITA: Julio César, Maicon, Lúcio, Ranocchia e Chivu (Nagatomo); Thiago Motta, Cambiasso e Stankovic (Coutinho); Sneijder; Pandev (Kharja) e Eto’o

Técnico: Leonardo

Gols do Bayern de Munique: Mário Gomes, aos 20, e Müller, aos 30 do primeiro tempo

Gols da Inter-ITA: Eto’o, aos quatro iniciais. Sneijder, aos 17, e Pandev, aos 42 minutos do segundo tempo

Local: Allianz Arena (ALE) / Árbitro: Pedro Proença (POR)

Cartão Amarelo: Luiz Gustavo e Breno (Bayern de Munique); Lúcio, Thiago Motta, Pandev e Kharja (Inter-ITA)

Nagatomo aproveita para mandar uma mensagem aos compatriotas!

Esse é o Botafogo 2011?

03/03/2011

O técnico Joel Santana respirou aliviado após a classificação do Botafogo para a 2ª Fase da Copa do Brasil, mas tanto os torcedores que foram ao Engenhão quanto os que viram o jogo pela TV não estão nada felizes. A equipe teve “uma semana cheia para trabalhar”, como gostam de dizer os boleiros, mas isso não se refletiu em campo. O mesmo aconteceu contra o Flamengo na semifinal da Taça Guanabara e é certo questionar o preparo físico do time nesse início de ano.

Jogando no 4-4-2, por necessidade e não por opção, Joel lançou Lucas e Everton para deixar o Botafogo extremamente ofensivo – para os padrões natalinos do nosso treinador, é claro! A esperada pressão inicial não veio e a primeira chance de gol só apareceu aos 20 minutos com Caio. O time de Sergipe sentiu, recuou ainda mais e Herrera, aos 24, quase abriu o placar. Mesmo sem Loco Abreu, machucado, a principal jogada alvinegra era a bola alçada na área e Caio, aos 34, e Renato Cajá, aos 35, exigiram belas defesas do goleiro Max. E nada de gol no Engenhão!

Herrera lutou, correu, mas não conseguiu fazer um gol no tempo normal.

O River Plate passou 38 minutos se defendendo e Jeferson foi um expectador privilegiado da pelada. Justo aos 38, o atacante Bibi, do alto dos seus 1,63, desferiu uma cabeçada mortal e lá estava o Camisa 1 para confirmar o grito das arquibancadas: “O melhor goleiro do Brasil!” Ufa! Susto no canil! Desespero de Joel Santana, bronca de Antônio Carlos e os jogadores de defesa olhando para um lado e para o outro procurando entender o que aconteceu. Ainda bem que não temos mais o Max guardando a meta botafoguense!

Se Jeferson mostrava segurança na defesa, Herrera era pura raça e determinação no ataque. Aos 39, o argentino ganhou uma bola perdida, se embolou com o zagueiro e foi derrubado! Falta marcada! O goleiro Max e o zagueiro Bebeto fizeram uma lambança e a bola espirrou pra dentro do gol. Foi gol? A bola entrou? O bandeirinha correu para o meio de campo e o juiz validou o 1 a 0. Se a Fifa não quer tecnologia no futebol…

A Fifa quer tudo na mesma! É o futebol no tempo do "Você decide!" Foi gol?

Antes do intervalo, aos 47, Herrera poderia ter garantido a classificação, mas perdeu gol sem goleiro, dentro da pequena área. O sinal de que o sofrimento seria obrigatório veio logo aos 40 segundos da etapa final quando Everton mandou uma bomba na trave! Era noite de sofrer e apelar para a mística alvinegra! As oportunidades de gol foram ficando escassas e quando apareciam o ataque alvinegro desperdiçava! Aos nove, Herrera recebeu belo passe de Cajá e chutou para fora; Alex, aos 17, tentou o ângulo de Max e perdeu boa chance; um minuto depois Herrera tentou driblar Max e foi desarmado. A última oportunidade clara de gol apareceu aos 34 e novamente Max salvou o River Plate após bela cabeçada de Alex!

A classificação nos pênaltis diante de um adversário sem tradição como o River Plate de Sergipe só revela uma incrível fragilidade no esquema tático armado por Joel Santana. O Botafogo não tem jogadas ensaiadas, tabelas e tampouco uma movimentação surpresa dos jogadores. O time fica estático esperando a bola girar de um lado para o outro. Nem o que funcionou em 2010 acontece em 2011! Ninguém sabe bater falta nesse time? Joel precisa treinar a bola parada e escolher um batedor oficial de faltas. Não é possível que ninguém saiba cobrar um escanteio decente numa equipe da primeira divisão do futebol brasileiro!

Joel Santana recebe o apoio dos jogadores. Ele é o único culpado?

Pênalti é sorte? Depois de passar vergonha diante do flamengo, na semana passada, ao menos dessa vez os jogadores tiveram frieza e capacidade para converter todas as quatro cobranças. Márcio Rosário surpreendeu pela calma; Herrera, que só perdeu uma penalidade com a camisa alvinegra, converteu com categoria; Antônio Carlos cobrou com eficiência e Lucas colocou a bola no ângulo! Quanta diferença entre esses pênaltis e os cobrados por Somália, Everton e Renato Cajá!

É hora de esquecer a Taça Guanabara e focar na conquista da Taça Rio. É hora de esquecer o River Plate de Sergipe e vencer o Paraná. É hora de deixar de ser o Botafogo melancólico que empatou com o Bangu e voltar a ser o Botafogo guerreiro que derrotou o atual campeão brasileiro!

Vamos, FOGO!

Jeferson celebra a classificação e a convocação para a Seleção Brasileira!

Copa do Brasil

Primeira Fase – Jogo 02: Botafogo 1 x 0 River Plate-SE (02/03/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Márcio Azevedo (Alessandro); Rodrigo Mancha, Bruno, Everton (Alex) e Renato Cajá (Fabrício); Caio e Herrera

Técnico: Joel Santana

River Plate-SE: Max; Gláuber, Bebeto, Valdson e Pedrinho; Bruno Ramos (Lucas), Fernando Pilar, Wallace e Éder (Fábio Júnior); Bibi (Da Silva) e Bebeto Oliveira

Técnico: Aílton Silva

Gol do Botafogo: Gol contra aos 40 minutos da etapa inicial

Local: Engenhão (RJ) / Público: 3.901 presentes / Renda: R$ 74.900,00

Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG)

Cartão Amarelo: Márcio Rosário, Bruno Tiago e Antônio Carlos (Botafogo); Bebeto Oliveira, Bruno Ramos, Bebeto, Pedrinho e Da Silva (River Plate-SE)

Intolerância religiosa ou cartão merecido?

19/08/2010

Cartão amarelo: Itay Shechter se ajoelha e reza no gramado

O RB Salzburg, da Áustria, perdeu em casa para o Hapoel Tel-Aviv, de Israel, por 3 a 2, e vai precisar vencer na próxima semana por dois gols de diferença para garantir uma vaga na fase de grupos da Liga dos Campeões 2010/2011, mas o jogo foi marcado pelo cartão amarelo recebido pelo atacante Itay Shechter. Após anotar o terceiro gol da equipe israelense, Itay colocou um quipá na cabeça e rezou ajoelhado em campo. O juiz português Pedro Proença aplicou a punição estabelecida pela Fifa que proíbe manifestações religiosas durante os jogos.

– Um torcedor me deu o quipá com o escudo do Hapoel no aeroporto e eu o coloquei dentro da minha meia. Deus me permitiu marcar, e eu o tirei e disse Shema Yisrael (Nota: “Escuta ó Israel”, trecho de uma oração judaica). Eu não quis provocar ninguém, só estava pensando na felicidade de todos os judeus que estavam assistindo à partida pela TV – disse o atacante, de 23 anos.

O cartão amarelo foi um exagero por parte do árbitro português? O treinador da equipe, Eli Guttman, se disse surpreso com a punição e defendeu o jogador:

– Eu não tenho nenhum problema com atletas cristãos que fazem o sinal da cruz depois de marcarem. Então porque Shechter não pode orar como quiser? – argumentou Guttman.

Resultado do Playoff: Caminho das Ligas

17 de agosto de 2010

Zenit (Rússia) 1 x 0 Auxerre (França)
Dínamo de Kiev (Ucrânia) 1 x 1 Ajax (Holanda)
Young Boys (Suíça) 3 x 2 Tottenhan (Inglaterra)

18 de agosto de 2010

Sporting Braga (Portugal) 1 x 0 Sevilla (Espanha)
Werder Bremen (Alemanha) 3 x 1 Sampdoria (Itália)

Resultado do Playoff: Caminho dos Campeões

17 de agosto de 2010

Rosenborg (Noruega) 2 x 1 FC Copenhagen (Dinamarca)
Sparta Praga (Rep. Tcheca) 0 x 2 Zilina (Eslováquia)

18 de agosto de 2010

RB Salzburg (Áustria) 2 x 3 Hapoel Tel-Aviv (Israel)
FC Basel (Suíça) 1 x 0 Sheriff (Moldávia)
Partizan Belgrado (Sérvia) 2 x 2 Anderlecht (Bélgica)

As partidas de volta acontecem na próxima semana, nos dias 24 e 25 de agosto.

Botafogo volta ao G4!

15/08/2010

O Botafogo conseguiu a terceira vitória consecutiva e assumiu a quarta posição da tabela de classificação do BR-10. Mesmo atuando no Serra Dourada parecia que o time carioca jogava em casa, a grande maioria dos 9.433 pagantes – não foi divulgado o público presente, algo em torno de 12 mil torcedores – vestia a gloriosa camisa alvinegra, a proporção era de três botafoguenses para cada atleticano. Ao fim do jogo, Joel Santana agradeceu o carinho da torcida:

– Temos um grupo de jogadores que trabalha para o nosso maior patrimônio, que é o torcedor. O torcedor veio aqui nos prestigiar e é isso que faz o futebol ficar bonito. Eles foram ao aeroporto, ao hotel, nos incentivaram o tempo todo – elogiou o treinador.

A empolgação dos torcedores deixou a equipe visivelmente contagiada e o trio ofensivo formado por Jóbson, Maicosuel e Herrera não permitia que a defesa goiana tocasse a bola sem ser incomodada. Foram quinze minutos de pressão que não resultaram em gol, após isso o Atlético-GO igualou as ações e chegou a levar certo perigo à meta defendida por Jefferson em conclusão do experiente Carlinhos Bala.

Herrera jogou com raça, mas perdeu duas boas chances de gol!

O jogo seguiu com muita marcação no meio de campo e até Somália tinha dificuldades para avançar com a pelota dominada. Méritos para o esquema montado por Renê Simões que soube anular as principais jogadas alvinegras que sempre passam por Maicosuel e Somália.

A solução encontrada pelo ataque alvinegro foi usar os lados de campo. Apostando no drible e na velocidade, Jóbson deitou e rolou nas costas dos laterais goianos. Na melhor jogada da etapa inicial, aos 26 minutos, o camisa 9 fez um carnaval pela direita, passou como quis por Thiago Feltri e cruzou na medida para Herrera que cabeceou muito mal e perdeu grande chance de abrir o placar.

Somália é 10!

Na volta do intervalo, após bronca de Joel, o Botafogo parecia saber o que fazer para fugir da marcação imposta pelo Dragão. Com um minuto de jogo, Somália avançou pela direita, tocou na medida para Herrera, mas pressionado pelo zagueiro, o argentino bateu para fora. Huuuuu! O lance despertou a torcida alvinegra que passou a cantar o hino do clube. Aos seis minutos o cântico deu resultado: Herrera ajeitou de peito e Somália tocou no cantinho de Márcio: 1 a 0 Fogão!

Maicosuel, Jóbson e Somália: velocidade e técnica em campo!

O gol de Somália logo aos seis minutos obrigou o técnico Renê Simões a desfazer a marcação no meio de campo e abrir o jogo, para a alegria de Maicosuel, Jóbson e Caio – que entrou mais uma vez no lugar de Marcelo Mattos. Joel armou o time para jogar nos contra-ataques e seria recompensado aos 26 minutos, não fosse a afobação de Edno que perdeu um gol sozinho na frente do goleiro. O Atlético-GO tinha a bola, mas não ameaçava Jefferson e o Botafogo tentava encaixar um ataque para definir a partida.

Jóbson colocou uma bola perfeita na cabeça de Herrera no primeiro tempo e deixou Edno na boa, sem marcação, para ampliar, mas o camisa 11 desperdiçou. Aos 37, após belo passe de Maicosuel, o habilidoso atacante invadiu a área, driblou Márcio, pensou duas vezes e decidiu ele mesmo empurrar para dentro do gol vazio. Na pequena área, sozinho, Edno só podia aplaudir o companheiro: não tinha cara para pedir a bola outra vez!

Jóbson toca a bola mansamente para fazer Botafogo 2 x 0 Atlético-GO!

Dancinha coreografada com Caio, beijos para a torcida e elogios ao técnico Joel Santana, Jóbson anotou o quarto gol na volta ao time e está em estado de graça no Botafogo:

– Do início do Campeonato Brasileiro para cá, a equipe passou a atuar em velocidade. Mas isso não é culpa minha, é do treinador, que é muito bom – afirmou Jóbson.

O próxima desafio do Botafogo será no sábado, dia 21/08, às 18:30h, no Engenhão, diante do Avái, pela 15ª rodada do BR-10. Antes do jogo os torcedores ainda poderão acompanhar a inauguração da estátua do ídolo Jairzinho que ficará no Setor Oeste, ao lado de Mané Garrincha e Nilton Santos. Motivos de sobra para lotar o Engenhão e empurrar o time para a quarta vitória seguida no campeonato nacional.

Caio e Jóbson convocam a torcida alvinegra para lotar o Engenhão no sábado!

Ficha Técnica:

14ª Rodada: Atlético-GO 0 x 2 Botafogo (14/08/2010)

Atlético-GO: Márcio; Victor Ferraz, Daniel Marques, Welton Felipe e Thiago Feltri (Chiquinho); Pituca, Ramalho, William (Marcão), Anailson (Pedro Paulo) e Carlinhos Bala; Rodrigo Tiuí

Técnico: Renê Simões

Botafogo: Jefferson; Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Somália (Fahel), Marcelo Mattos (Caio), Maicosuel e Marcelo Cordeiro; Herrera (Edno) e Jobson

Técnico: Joel Santana

Gols do Botafogo: Somália, aos seis, e Jóbson, aos 37 minutos finais

Local: Serra Dourada (GO) / Público: 9.433 / Renda: R$ 236.805,00

Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)

Cartão Amarelo: Daniel Marques (Atlético-GO); Alessandro e Marcelo Mattos (Botafogo)

Crédito das fotos: Carlos Costa do Lancenet!

Primeira zebra da Liga dos Campeões 2010/2011!

05/08/2010

O Fenerbahçe foi derrotado em casa, por 1 a 0, pelo inexpressivo Young Boys da Suíça que reverteu a vantagem conseguida pela equipe turca após o empate, na semana passada, por 2 a 2, no jogo de ida, em Berna. O Young Boys conquistou 11 Campeonatos Nacionais e seis Copas da Suíça em 112 anos de história. A melhor fase da equipe aconteceu nos anos 50 quando venceu a competição nacional por quatro edições consecutivas, entre 1957 e 1960.

Volkan, goleiro do Fenerbahçe, desolado com a eliminação precoce.

Resultado da Terceira Fase Eliminatória: Caminho dos Campeões

03 de agosto de 2010

Hapoel Tel-Aviv (Israel) 3 x 1 Aktobe (Cazaquistão)
Anderlecht (Bélgica) 3 x 0 TNS (País de Gales)

04 de agosto de 2010

Lech (Polônia) 0 x 1 Sparta Praga (Rep. Tcheca)
Zilina (Eslováquia) 3 x 1 Litex Lovech (Bulgária)
Salzburg (Áustria) 4 x 1 Omonia (Chipre)
Dínamo Zagreb (Croácia) 1 x 1 Sheriff (Moldávia) (5 a 6 nos pênaltis)
Basel (Suíça) 3 x 1 Debreceni (Hungria)
Rosenborg (Noruega) 3 x 0 AIK Solna (Suécia)
HJK Helsinki (Finlândia) 1 x 2 Partizan Belgrado (Sérvia)
FC Copenhagen (Dinamarca) 3 x 2 BATE Borisov (Bulgária)

Jogadores suíços vibram com a improvável vitória sobre o Fenerbahçe!

Resultado da Terceira Fase Eliminatória: Caminho das Ligas

04 de agosto de 2010

Zenit (Rússia) 1 x 0 Unirea (Romênia)
Gent (Bélgica) 1 x 3 Dínamo de Kiev (Ucrânia)
PAOK (Grécia) 3 x 3 Ajax (Holanda)
Fenerbahçe (Turquia) 0 x 1 Young Boys (Suíça)
Celtic (Escócia) 2 x 1 Sporting Braga (Portugal)

Obs: Classificados em azul.

Confrontos do Play-off: Caminho das Ligas [Atualização: 06/08/10]

Zenit (Rússia) x Auxerre (França)
Dínamo de Kiev (Ucrânia) x Ajax (Holanda)
Young Boys (Suíça) x Tottenham (Inglaterra)
Sporting Braga (Portugal) x Sevilla (Espanha)
Werder Bremen (Alemanha) x Sampdoria (Itália)

Confrontos do Play-off: Caminho dos Campeões

RB Salzburg (Áustria) x Hapoel Tel-Aviv (Israel)
Rosenborg (Noruega) x FC Copenhague (Dinamarca)
Basel (Suíça) x Sheriff (Moldávia)
Sparta Praga (Rep. Tcheca) x Zilina (Eslováquia)
Partizan Belgrado (Sérvia) x Anderlecht (Bélgica)

Jogos de ida nos dias 17 e 18 de agosto. Jogos da volta nos dias 24 e 25 de agosto.