Posts Tagged ‘Everton’

Vitória Olímpica!

23/09/2011

O Botafogo precisou de uma jogada, apenas uma jogada para desmontar o Grêmio e vencer a quarta partida como visitante neste Campeonato Brasileiro. O resultado quebrou um tabu que persistia desde 1995 quando o time comandado por Túlio Maravilha – sempre ele – bateu o Grêmio no Olímpico por 3 a 2. A equipe de Caio Júnior não foi brilhante, não teve posse de bola, não obrigou o goleiro Victor a fazer grandes intervenções, mas na única oportunidade real, num único arremate, Loco Abreu não desperdiçou e estufou as redes tricolores. E isso não é futebol?

Quando as regras do antigo jogo bretão mudarem me avisem, por favor! Futebol não é bola na rede? Não vence quem faz mais gols? Quando o time da Lagoa jogava mal e vencia por meio gol a zero – normalmente através da genialidade de Ronaldinho Gaúcho – a imprensa celebrava o futebol de resultado, o futebol eficiente! A jogada do gol alvinegro surgiu de uma boa trama orquestrada pelo meio de campo que começou com Lucas Zen, passou por Renato e Felipe Menezes, até chegar aos pés de Maicosuel que mesmo cercado por três gremistas encontrou Loco Abreu em condições legais, dentro da área, para bater fora do alcance de Victor. Gol. 1 a 0. Bola na rede. Vitória. Três pontos no certame. Fim de jogo.

Loco Abreu comemora o gol com o grupo! Nada de correr para a câmera!

O revés no placar deixou os gaúchos atabalhoados e a torcida irritadiça. E com razão! Celso Roth armou o Grêmio para pressionar a saída de jogo e não deixar a zaga alvinegra confortável para fazer a transição entre defesa e meio-campo – uma das armas de Caio Júnior. A tática funcionou no primeiro tempo e os chutões para o alto eram a única forma de ligação com Loco Abreu que ficou isolado entre Edcarlos e Rafael Marques. Sem o fiel escudeiro, Marcelo Mattos estava suspenso, Renato não mostrou entrosamento com Lucas Zen e recuou quase a ponto de virar cabeça de área, o que chamou mais ainda o time gaúcho para o ataque.

O domínio territorial tricolor era considerável, 60% de posse de bola, mas as finalizações, 22 no total, raramente assustavam Jefferson e quando o ataque gremista chegava com real perigo, como no chute de Douglas, o goleiro botafoguense mostrou porque vem sendo chamado constantemente para a Seleção Brasileira. Bem, aí entramos num assunto complicado e polêmico. Parece que o fato de ser selecionável mexeu com a cabeça dos jovens Cortês e Elkeson.

Loco Abreu, Maicosuel e Jefferson foram decisivos para a vitória!

Ontem, por duas vezes, Loco Abreu foi à loucura extrema com a individualidade dos dois jogadores que preferiram “aparecer” para as câmeras do que fazer a jogada certa. Foram dois contra-ataques desperdiçados que poderiam ter custado a vitória, tanto que ao apito final, ao invés de comemorar, o uruguaio chamou Cortês e Elkeson e ainda em campo passou uma descompostura nos “fominhas”.

Caio Júnior já convocou a torcida para o que se desenha como mais uma “Final de Campeonato”! Domingo contra o São Paulo, vice-líder, teremos um Engenhão lotado, nada menos do que 42 mil pessoas, e uma vitória pode colocar o time na liderança do BR-11 pela primeira vez. Eu prefiro ser líder de apenas uma rodada, só uma, a 38ª rodada!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

25ª Rodada: Grêmio 0 x 1 Botafogo (22/09/2011)

Grêmio: Victor; Mário Fernandes, Edcarlos, Rafael Marques e Bruno Collaço; Fernando (Gilberto Silva), Fábio Rochemback, Marquinhos (Miralles), Escudero e Douglas; André Lima (Brandão)

Técnico: Celso Roth

Botafogo: Jefferson; Lucas (Alessandro), Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Lucas Zen, Renato, Maicosuel (Everton) e Elkeson; Herrera (Felipe Menezes) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 23 minutos do segundo tempo

Local: Estádio Olímpico (RS) / Público e Renda: não divulgados

Árbitro: Alício Pena Junior (MG)

Cartão Amarelo: Fernando e André Lima (Grêmio); Lucas, Herrera e Jefferson (Botafogo)

Anúncios

Rodada quase perfeita

18/09/2011

O Botafogo tinha tudo para se recuperar da goleada imposta pelo Coritiba no fim de semana passado e ainda tirar um ponto em relação ao primeiro colocado do Campeonato Brasileiro. Uma vitória hoje, no Engenhão, também encerraria um tabu de onze anos sem conseguir os três pontos sobre o time da Gávea em nacionais. O empate foi um excelente resultado para o Flamengo que mesmo em péssima fase consegue ir acumulando pontos e assim ficar mais perto do G-4. Do outro lado, com maior volume de jogo e muitas chances desperdiçadas, o pontinho conquistado teve um gosto amargo para Caio Júnior que agora vê o Botafogo se distanciando da liderança.

O jogo começou agitado e o Botafogo logo mostrou que iria tomar conta das investidas ofensivas. Lucas e Cortês se revezavam nas subidas ao ataque e confundiam a marcação adversária além de prenderem Júnior César e Léo Moura. O gol de Loco Abreu, aos 25 minutos, foi fruto de uma intensa troca de passes no meio de campo alvinegro e do cruzamento preciso de Lucas. Antes de abrir o placar, o time de Caio Júnior perdeu boas chances com Felipe Menezes, em cobrança de falta, com a bicicleta de Herrera e num chutaço de Maicosuel – todas defendidas pelo goleiro rubro-negro. Faltou sorte.

Herrera jogou muito bem e não deveria ter saído no segundo tempo!

A superioridade botafoguense no primeiro tempo não foi revertida em gols e o placar magro de 1 a 0 foi um presente e tanto para Vanderlei Luxemburgo que parecia desesperado à beira de campo e sem saber o que fazer para o time andar. Na dúvida, e sem muitas alternativas, tirou o improdutivo Deivid para colocar um atacante perna-de-pau, mas que ao menos briga pela bola e com a bola. Luxemburgo, mesmo sem merecer, acabou vendo sua mexida dar certo em quatro minutos, já Caio Júnior mexeu mal na equipe e viu o Botafogo perder o meio de campo e a principal arma do time que é a jogada lateral.

É impossível analisar as mudanças realizadas pelo treinador alvinegro sem apelar para a simplória observação do resultado, mas ao trocar o posicionamento de Herrera e Maicosuel, Caio Júnior permitiu as subidas de Léo Moura, arma mais do que manjada do urubu, e ainda atrapalhou a bom entrosamento pelo lado esquerdo do ataque que sempre conta com as tabelas do Mago com Cortês.

A torcida não se importou com o alto índice de criminalidade no estádio...

A saída prematura de Herrera também só serviu para aliviar a pressão sobre a zaga do flamenguista que mal conseguia segurar as investida do argentino e ainda tomar conta de Loco Abreu. Caio Júnior diz que tem aprendido nas derrotas e é bom que esse aprendizado seja utilizado logo, pois esse empate foi uma ducha de água fria nas aspirações alvinegras de ficar com o título brasileiro.

As próximas duas rodadas serão duríssimas: Grêmio no Olímpico, nesta quinta, e o vice-líder São Paulo, no Engenhão, no domingo. Para continuar colado na liderança o time precisa conquistar no mínimo quatro pontos nesses dois confrontos. Desafios difíceis, mas essa é a hora do elenco mostrar se irá ser apenas mais um coadjuvante brigando por vaga na Libertadores ou se será definitivamente um dos postulantes ao caneco.

Vamos, FOGO!

Na contagem pelo Gol Mil, um golaço de bicicleta de Túlio Maravilha:

Ficha Técnica:

24ª Rodada: Botafogo 1 x 1 Flamengo (18/09/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Renato, Maicosuel (Cidinho) e Felipe Menezes (Lucas Zen); Herrera (Everton) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Flamengo: Felipe; Léo Moura, Alex Silva, Welinton e Junior Cesar; Aírton (Maldonado), Willians, Renato e Thiago Neves; Ronaldinho e Deivid (Jael)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 25 iniciais

Gol do Flamengo: Jael, aos quatro minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 20.805 pagantes / Renda: R$ 600.495,00

Árbitro: Péricles Bassols (RJ)

Cartão Amarelo: Renato (Botafogo); Alex Silva, Airton e Renato (Flamengo)

Atuação de gala no Engenhão!

07/09/2011

Feriado da Independência, Engenhão lotado, 42.000 torcedores empurrando o time, Rio 30º e uma atuação brilhante da melhor equipe de futebol do Brasil! Sim senhor, hoje é possível escrever com todas as letras: “O Botafogo é o melhor time do futebol brasileiro”. Ora, mas esse não era o Santos? Era não é mais. Caio Júnior construiu uma equipe que se impõe em campo, com toque de bola refinado, sem pressa, mas que joga sempre visando o gol adversário. A excelente fase de alguns atletas também ajuda e os astros alvinegros são muitos, tanto na defesa quanto no ataque. Hoje, o Botafogo é um time equilibrado e que domina as ações ofensivas sem sofrer contra-ataques.

A segurança começa com Jefferson, goleiro de Seleção Brasileira, passa por Antônio Carlos e Fábio Ferreira – agora temos o Gustavo na reserva – e a defesa fecha com Lucas e Cortês que finalmente aprenderam a marcar e ainda contam com a cobertura de Marcelo Mattos e Renato. Sem levar gols bobos ou por falhas clamorosas da zaga, como acontecia num passado não tão distante, o time coloca a pelota no chão e toca de um lado ao outro até achar espaço para as finalizações e nada de afobação. Foram 20 gols sofridos em 21 jogos, menos de um por partida, o que resulta na 2ª melhor defesa do BR-11.

Garra argentina! Herrera marcou dois gols e infernizou a zaga cearense!

Com a defesa sólida, Caio Júnior pode escalar a força máxima no ataque alvinegro. Muitos jornalistas duvidavam que Loco Abreu pudesse ser encaixado no time ao lado de Herrera, Maicosuel e Elkeson. Antes do uruguaio retornar da Copa América os especialistas vaticinavam que Herrera sairia do time, já que Elkeson estava em grande fase e Maicosuel era o grande nome da diretoria botafoguense. E agora, José? Onde estão os críticos e corneteiros de plantão? Caio fez uma linha de três jogadores e usou a experiência de Loco para fazer o pivô e abrir espaços para a chegada dos homens de meio-campo. E os números não mentem: foram 36 gols anotados, média de 1,71 gol/jogo.

O BR-11 é cheio de surpresas e armadilhas, mas a diferença desse Botafogo para o de 2007 está no banco de reservas. O elenco de hoje é muito superior ao comandado por Cuca em 2007 e o time principal não fica devendo nada em relação ao brilho individual de Dodô, Zé Roberto, Juninho e Lucio Flavio. Com o apoio do torcedor – e alguma pitada de sorte – temos tudo para comemorar o tão esperado Tricampeonato Brasileiro!

Vamos, FOGO!

Elenco unido e com pensamento no título do Campeonato Brasileiro!

Ficha Técnica:

22ª Rodada: Botafogo 4 x 0 Ceará (07/09/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Gustavo, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo (Everton); Marcelo Mattos, Renato, Maicosuel e Elkeson (Alex); Herrera (Cidinho) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Ceará: Diego; Boiadeiro, Fabrício, Elivélton, Vicente; Heleno, Eusébio, João Marcos (Cléber) e Thiago Humberto (Felipe Azevedo); Washington (Edmilson) e Osvaldo

Técnico: Vagner Mancini

Gols do Botafogo: Herrera, aos cinco iniciais e aos 12 minutos do segundo tempo, Loco Abreu, aos 27, e Cidinho, aos 37, também no segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 42.000 presentes / Renda: R$ 760.960,00

Árbitro: Edivaldo Elias da Silva (PR)

Cartão Amarelo: Heleno, Fabrício, Elivélton e Edmilson (Ceará); Herrera e Elkeson (Botafogo)

Cartão Vermelho: Fabrício (Ceará)

Balanço do Primeiro Turno

29/08/2011

A vitória de virada, por 2 a 1, sobre o Fluminense, ontem no Engenhão, pela 19ª rodada, no encerramento do primeiro turno do Campeonato Brasileiro pode ser considerada uma síntese da campanha alvinegra sob o comando de Caio Júnior. O time que começou a competição sendo derrotado pelo Palmeiras, no Teixeirão, pelo placar magro de 1 a 0, e sem mostrar nenhum poder de reação ficou no passado. Naquela ocasião, a comissão técnica estava formando a base do que viria a ser o estilo de jogo no Botafogo e a pressão da imprensa e, principalmente, das arquibancadas exigiam resultados imediatos. A diretoria não comprou a ideia e continuou apostando no trabalho de médio e longo prazo.

As primeiras dez rodadas foram difíceis e cheias de altos e baixos, algo normal para uma equipe em formação e ainda sem contar com os principais jogadores. Loco Abreu e Herrera estavam suspensos, Fábio Ferreira machucado, Maicosuel retornando aos poucos, Marcelo Mattos na Grécia e as contratações aprimorando a parte física e técnica. Mesmo nas turbulências Caio Júnior seguiu firme nas suas convicções e acreditava na posse de bola como um diferencial em relação aos adversários. Nada de chutões para o alto e estava proibido o chuveirinho! A ausência de Loco Abreu, então na Copa América, facilitou a adaptação do time ao novo jeito de jogar.

Loco Abreu não fez gol no clássico, mas teve atuação decisiva novamente!

Quis o destino que Loco voltasse exatamente contra o Cruzeiro de Joel Santana, pela 13ª rodada – olha quanta coincidência junta! – e aí o Botafogo encorpou de vez, sapecou 4 a 0 no Vasco, passou pelo Atlético-MG na Copa Sul-Americana, encontrou a escalação ideal, alugou vaga no G-4 e pode fechar o turno na terceira colocação do BR-11! Qualquer alvinegro sabe o time de cor e salteado: Jefferson no gol; Lucas e Cortês nas laterais; Antônio Carlos e Fábio Ferreira na zaga; Marcelo Mattos e Renato na proteção do meio campo; Elkeson centralizado com Maicosuel e Herrera caindo pelas pontas; e no ataque, fazendo o pivô e, claro, os gols Loco Abreu.

Agora é defender a posição conquistada no primeiro turno e olhar para o líder Corinthians. Sim, é possível e temos elenco para isso. Renan, Alessandro, Márcio Azevedo, Gustavo, Léo, Somália, Bruno Tiago, Everton, Felipe Menezes, Alex, Alexandre Oliveira, Caio e o garoto Cidinho já mostraram que podem entrar e resolver. Devemos acreditar em título e empurrar a equipe para conquistar também a Sul-Americana! Esse é o melhor momento do Botafogo no campeonato e temos que aproveitar.

Vamos, FOGO!

Lucas agradece ao passe magistral de Loco Abreu: "Gracias"

Ficha Técnica:

19ª Rodada: Fluminense 1 x 2 Botafogo (27/08/2011)

Fluminense: Diego Cavalieri; Mariano, Gum, Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Diogo (Martinuccio), Souza (Ciro) e Lanzini; Fred e Rafael Moura

Técnico: Abel Braga

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos (Gustavo), Fábio Ferreira e Cortês;  Marcelo Mattos, Renato, Elkeson e Maicosuel (Cidinho); Herrera (Felipe Menezes) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Fluminense: Fred, aos dez minutos do segundo tempo

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 11, e Lucas, aos 18 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 22.762 presentes / Renda: R$ 437.755,00

Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)

Cartão Amarelo: Márcio Rosário, Fred, Rafael Moura e Edinho (Fluminense)

Só a vitória interessa!

10/07/2011

Um grande jogo diante do São Paulo, no Morumbi, e um empate amargo contra o Atlético-GO, em casa, na última rodada. O Botafogo ainda procura a regularidade no Campeonato Brasileiro, mas encarar o Bahia não será missão fácil, mesmo com a ausência de Jobson que não poderá atuar devido a um acordo entre os dois clubes.

Caio Júnior terá trabalho para arrumar o meio de campo sem Everton e a vaga está entre Lucas, Caio e Thiago Galhardo. O time deve entrar em campo com: Renan; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Lucas Zen, Somália, Maicosuel, Elkeson e Thiago Galhardo (Lucas); Hererra.

Um empate em Salvador não será ruim, mas a vitória dará tranquilidade para o clássico contra o Corinthians, no domingo que vem, lá na capital paulista. Caio Júnior poderá ter novamente Everton, uma possível estreia de Renato e quem sabe o retorno de Marcelo Mattos. Precisamos segurar o Bahia hoje para disputar a liderança na próxima semana!

Vamos, FOGO!

Vamos, Somália! Volante tenta encontrar o bom futebol!

Ficha Técnica:

7ª Rodada: São Paulo 0 x 2 Botafogo (29/06/2011)

São Paulo: Rogério Ceni; Ilsinho (Rivaldo), Xandão, Luiz Eduardo e Juan; Rodrigo Souto, Jean, Casemiro e Marlos; Willian José e Fernandinho (Henrique)

Técnico: Paulo César Carpegiani

Botafogo: Renan; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Marcio Azevedo (Araruama); Lucas Zen, Somália, Everton (Cidinho), Elkeson e Maicosuel (Caio); Herrera

Técnico: Caio Júnior

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 35 iniciais, e Herrera, aos 6 minutos da etapa final

Local: Morumbi (SP) / Público: 8.361 pagantes / Renda: R$ 185.419,00

Árbitro: Elmo Alves Resende da Cunha (GO)

Cartão Amarelo: Rodrigo Souto, Henrique e Willian José (São Paulo); Renan, Antônio Carlos e Somália (Botafogo)

Elkeson foi muito marcado e não encontrou espaços contra o Atlético-GO!

8ª Rodada: Botafogo 1 x 1 Atlético-GO (07/07/2011)

Botafogo: Renan; Alessandro (Cidinho), Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Somália (Caio), Lucas Zen, Maicosuel, Elkeson e Everton (Lucas); Herrera

Técnico: Caio Júnior

Atlético-GO: Marcio; Rafael Cruz, Gilson, Anderson e Thiago Feltri; Agenor, Bida, Pituca (Renato Augusto) e Thiaguinho (Adriano Pimenta); Anselmo e Juninho (Felipe)

Técnico: PC Gusmão

Gol do Botafogo: Herrera, aos 4 minutos da etapa inicial

Gol do Atlético-GO: Anselmo, aos 15 do primeiro tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13.649 presentes / Renda: R$ 197.905,00

Árbitro: José Caldas de Souza (DF)

Cartão Amarelo: Herrera (Botafogo) e Anderson, Thiaguinho, Agenor e Pituca (Atlético-GO)

Tua estrela solitária te conduz!

26/06/2011


Apagão, Grêmio, Renato Gaúcho e Rafael Marques… Os motivos para temer um desastre eram muitos nesta tarde de domingo no Engenhão, mas o Botafogo de Caio Júnior não carrega o fardo dos empates que o time comandado por Joel Santana enfrentava no ano passado. Com um futebol de toques rápidos e sempre buscando o campo adversário, o Alvinegro conquistou uma vitória importante e deu um grande passo na luta pela afirmação no cenário nacional.

O Campeonato Brasileiro disputado nos moldes dos pontos corridos não permite que um clube leve o caneco sem ter peças de reposição ou um elenco forte e equilibrado. Montar um bom time já é difícil, agora imagine ter um elenco para suportar a pressão de 38 rodadas combinadas com a Copa Sul-Americana. Caio Júnior armou o Botafogo com o que tinha de melhor e soube usar o banco de reservas na hora certa e da forma certa. Everton e Maicosuel jogaram bem, buscaram o gol, mas mostraram cansaço na segunda etapa e as entradas de Cidinho e Caio foram fundamentais para a vitória.

Cercado: Herrera jogou sozinho no ataque e foi sempre perigoso!

O ataque precisa ser mais efetivo para aproveitar as muitas oportunidades criadas pelo ótimo meio de campo formado por Everton, Maicosuel e Elkeson, mas é inegável a luta e a entrega do argentino Herrera. A torcida tem que entender que essa não é a posição camisa 17 e o apoio vindo da arquibancada é um combustível extra em busca da superação e essa é a palavra de ordem no elenco: superação.

Jogadores que antes estavam barrados e eram sistematicamente vaiados, como Márcio Azevedo e Alessandro, mostraram que podem ajudar e muito na longa jornada do BR-11. As vaias por sinal não foram esquecidas só iniciaram tarde dessa vez, apenas na metade do segundo tempo, mas incomodaram da mesma forma. O Grêmio não é um time qualquer e os jogadores alvinegros esbarraram num forte esquema de marcação com três zagueiros e dois volantes numa clara demonstração de que Renato Gaúcho queria o empate no Rio.

Everton, Maicosuel, Elkeson e ainda falta o Renato! Que meio de campo!

Marcelo Mattos levou o terceiro cartão amarelo e não joga na próxima rodada contra o São Paulo, no Morumbi, mas deu um presente para a torcida ao escorar o chute violento de Elkeson e recebeu em troca os gritos de “Fica! Fica! Fica!”. O “Dia do Fico” ainda está longe, as negociações com os gregos não evoluíram nas últimas semanas, porém a diretoria sabe que não adianta reforçar o ataque e depois perder um importante titular no sistema defensivo.

O treinador alvinegro terá que quebrar a cabeça para escalar o time contra o líder São Paulo. Entra o Somália? Recua o Lucas Zen? Improvisa o Alessandro no meio com a volta do Lucas na lateral? Promove a estreia de Leo? Enfim, Caio Júnior irá dormir tranqüilo hoje, mas amanhã já acordará com uma pequena dor de cabeça. Esse é o Campeonato Brasileiro: uma decisão em cada partida. E só para registrar: que atuação do Renan! É, os ventos mudaram em General Severiano!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

6ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Grêmio (26/06/2011)

Botafogo: Renan; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos (Thiago Galhardo), Lucas Zen, Everton (Cidinho), Elkeson e Maicosuel (Caio); e Herrera

Técnico: Caio Júnior

Grêmio: Marcelo Grohe; Mário Fernandes, Rafael Marques e Neuton; Gabriel, Fernando, Willian Magrão, Marquinhos (Roberson), Douglas e Lúcio; Lins (Leandro)

Técnico: Renato Gaúcho

Gols do Botafogo: Marcelo Mattos, aos 25, e Elkeson, aos 58 minutos da etapa final

Gol do Grêmio: Rafael Marques, aos 65 minutos do segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13. 983 presentes / Renda: R$ 235.895,00

Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)

Cartão Amarelo: Fernando e Mário Fernandes (Grêmio); Marcelo Mattos, Elkeson e Caio (Botafogo)

Cartão Vermelho: Fernando (Grêmio)

Vitória, empate e contratações

25/06/2011

O Botafogo ocupa o sexto lugar na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro e vem se recuperando após a estreia com derrota, fora de casa, para o Palmeiras, por 1 a 0. O jogo de amanhã contra o Grêmio, no Engenhão, pela 6ª rodada, será um divisor de águas para as pretensões do alvinegro na competição. Uma vitória diante de um rival tão forte pode colocar o time de Caio Júnior em 4º lugar, dentro da zona de classificação para a Libertadores e na briga pelo título. Mas não é cedo para definir o caminho da equipe num campeonato tão longo como o BR-11? Não, não é. Vencer em casa e ao menos somar um ponto fora é o mínimo que se espera de um time que vislumbra ficar entre os quatro primeiros no certame.

Caio Júnior sabe que o empate contra o Flamengo foi péssimo e o treinador precisa recuperar a confiança ofensiva do time que parece sentir demais a ausência de um centroavante de referência. O esquema com Maicosuel, Elkeson e Everton no meio-campo é interessante, mas só irá funcionar plenamente com o retorno de Loco Abreu da Copa América. E o Botafogo não pode esperar tanto tempo assim. Será preciso muito treino para montar a equipe no decorrer da competição e, para isso, calma e confiança são fundamentais e só as vitórias deixarão o ambiente leve e o grupo focado.

Elkeson + Everton + Maicosuel = Gols & Vitórias!

Renato começa a treinar na segunda, mas deve ficar o mês de julho aprimorando a parte física e os novos contratados não devem entrar em campo antes disso. Leo, do Santa Cruz, vem para suprir a saída de Arévalo Ríos e é uma aposta da diretoria; já Felipe Menezes, do Benfica, é uma total incógnita que irá intrigar jornalistas e torcedores por pelo menos dois meses. A diretoria procura um zagueiro, que pode ser o Gustavo do Lecce-ITA, e mais um atacante – que deve ser outro desconhecido, Alexandre Oliveira do mundo árabe.

Caio Júnior terá um elenco forte em agosto, mas o que fará até lá? São quase dois meses de competição e muitos pontos a serem conquistados. Uma vitória amanhã aponta o navio para o rumo certo, o empate terá gosto amargo e uma derrota só servirá para deixar o mar agitado. O jeito é torcer para o time se acertar ainda em junho e ficar sempre perto dos líderes, assim com uma boa sequência no segundo turno será possível sonhar com o Tricampeonato Brasileiro.

Vamos, FOGO!

Maicosuel voltou a balançar as redes, mas ainda está longe da forma ideal!

Ficha Técnica:

Nome: Felipe Menezes Jácomo
Nascimento: 20/01/1988
Peso: 76kg
Altura: 1,85m
Clubes: Goiás e Benfica-POR

Ficha Técnica:

Nome: Leonardo Bartholo Prando
Nascimento: 24/05/1987
Peso: 78kg
Altura: 1,83m
Clubes: Treze-PB, Foz do Iguaçu e Santa Cruz

Briga no meio-campo alvinegro: Leo chegou com vontade de jogar!

4ª Rodada: Botafogo 3 x 1 Coritiba (12/06/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Lucas Zen, Everton (Cidinho) e Elkeson; Maicosuel (Caio) e Herrera (Alex)

Técnico: Caio Júnior

Coritiba: Edson Bastos, Jonas, Emerson, Jeci e Lucas Mendes (Eltinho); Willian, Léo Gago (Tcheco), Rafinha e Davi (Geraldo); Éverton Ribeiro e Bill

Técnico: Marcelo Oliveira

Gols do Botafogo: Maicosuel, aos 17, e Elkeson, aos 38 minutos iniciais. Alex, aos 48 da etapa final

Gol do Coritiba: Bill com um minuto de jogo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 8.390 presentes / Renda: R$ 143.090,00

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)

Cartão Amarelo: Herrera e Marcelo Mattos (Botafogo); Léo Gago e Rafinha (Coritiba)

Cartão Vermelho: Emerson (Cortiba)

5ª Rodada: Flamengo 0 x 0 Botafogo (19/06/2011)

Flamengo: Felipe; Léo Moura, Welinton, David Braz e Junior César; Willians, Renato, Thiago Neves (Negueba) e Bottinelli; Ronaldinho Gaúcho (Wanderley) e Diego Maurício (Luiz Antônio)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Botafogo: Jefferson; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Lucas Zen (Bruno Tiago) (Lucas), Maicosuel, Elkeson (Alex) e Everton; Herrera

Técnico: Caio Júnior

Local: Engenhão (RJ) / Público: 20.429 presentes / Renda: R$ 441.925,00

Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)

Cartão Amarelo: Bottinelli, Willians e Ronaldinho Gaúcho (Flamengo); Everton, Lucas Zen e Bruno Tiago (Botafogo)

Cartão Vermelho: Bottinelli (Flamengo)

Em busca do equilíbrio perdido

04/06/2011

O empate em 2 a 2, neste sábado, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro, não foi um resultado ruim. É verdade que a vitória esteve próxima, a bola na trave aos 45 do segundo tempo foi cruel, mas o padrão de jogo imposto por Caio Júnior permite ao torcedor alvinegro alimentar esperanças de voos mais altos na competição. O Botafogo ficou trinta dias sem uma competição oficial, disputou dois amistosos, mas sem os esperados reforços prometidos pela diretoria. O elenco montado no primeiro semestre não conseguiu ser competitivo e as críticas da torcida e da mídia caíram como uma bomba em General Severiano. Eles estavam errados?

O certo é que o meio de campo alvinegro passou a funcionar após a chegada de Elkeson, porém não podemos nos esquecer que a volta de Maicosuel, mesmo longe da forma física ideal, é um fator de desequilíbrio e de constante preocupação para o adversário. Everton, que também estava rendendo bem abaixo do esperado, conseguiu atuar bem em dois jogos seguidos e, com a companhia de Cortês, pode fazer ainda mais. O grande problema continua sendo o banco de reservas. Tiago Galhardo e Caio aparecem como opções ofensivas, mas é importante que Caio Júnior resgate o futebol de Somália, pois o Botafogo vai precisar muito de um jogador polivalente e rápido para o segundo tempo.

É pela esquerda!! Cortês e Everton são a principal força ofensiva do time!

O erro no gol de empate do Ceará deve ser ignorado. Antonio Carlos e Fábio Ferreira não irão falhar novamente tão cedo e é bom lembrar que os dois fizeram gols nos dois últimos jogos. A falha aconteceu pela mudança no comando técnico do time, já que Caio Júnior pede que os jogadores evitem os chutões e que tentem encaixar o contra-ataque com a bola no pé. Marcelo Mattos e Lucas Zen correram muito e Alessandro foi correto na marcação, mas não conseguiu dar velocidade na hora de armar os ataques – nada muito longe do esperado. Renan fez boas defesas e mesmo sendo um jargão terrível do jornalismo esportivo lá vai: ele não teve culpa nos gols.

O ataque continua preocupando e o treinador alvinegro não sabe o que fazer para consertar o setor. A troca de posição entre Maicosuel e Everton piorou o time no segundo tempo e Herrera ficou muito isolado lutando com os zagueiros. O argentino jogou no sacrifício e só melhorou depois da entrada de Caio e Galhardo que passaram a encostar no atacante. Caio Júnior terá problemas para acertar o esquema ofensivo e a equipe só irá se entrosar durante a competição, por isso pontuar nesse momento é fundamental.

Vamos, FOGO!

Ainda sem entrosamento: Elkeson observa Everton avançar pela esquerda!

Ficha Técnica:

3ª Rodada: Ceará 2 x 2 Botafogo (04/06/2011)

Ceará: Fernando Henrique, Murilo (Sinho), Fabrício, Erivélton e Vicente; Michel, João Marcos, Eusébio e Iarley (Geraldo); Osvaldo e Marcelo Nicácio (Júnior)

Técnico: Vagner Mancini

Botafogo: Renan, Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Lucas Zen (Somália), Everton (Thiago Galhardo), Maicosuel (Caio) e Elkeson; Herrera

Técnico: Caio Júnior

Gols do Ceará: Osvaldo, aos 35 minutos do 1º tempo, e Michel, aos 17 da 2ª etapa

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 28 iniciais, e Antonio Carlos, aos 28 da etapa final

Local: Presidente Vargas (CE) / Público: 9.945 pagantes

Árbitro: Sálvio Spínola (SP)

Cartão Amarelo: Antônio Carlos (Botafogo) e Erivélton (Ceará)

O início da escalada!

28/05/2011

Caio Júnior não tinha alternativa a não ser colocar o jovem Elkeson, recém contratado junto ao Vitória, para começar a partida de hoje contra o Santos. A derrota na estreia, combinada com a péssima atuação do setor ofensivo, obrigou o treinador a ousar na escalação do time. Sem poder contar com Loco Abreu e Herrera, suspensos, e com poucas opções no banco de reservas, o Botafogo foi presa fácil para o Palmeiras de Felipão e nova derrota, agora em casa, iria deixar a torcida mais irritada e impaciente ainda – se é que isso é possível! Vencer logo no início do campeonato é fundamental para tirar o peso da equipe e não criar a famosa frase que os comentaristas esportivos amam usar: “O time busca a primeira vitória na competição”.

Maicosuel, Evérton e Elkeson se movimentaram pelos lados do campo e tentaram municiar o ataque formado apenas pelo garoto Alex que, mesmo não jogando bem, conseguiu segurar mais a bola na frente do que fez Caio no jogo de estreia. A equipe formou uma espécie de losango no meio de campo e os quatro jogadores ofensivos trocaram de posição constantemente para confundir a zaga santista. Maicosuel começou centralizado e antes do intervalo trocou de lugar com Elkeson que foi mais perigoso jogando de frente para o gol de Aranha do que aberto na ponta-direita. Já Evérton fez um lado esquerdo forte com o apoio eficiente de Bruno Cortês.

Marcelo Mattos e Lucas Zen se entenderam perfeitamente na marcação, deram um toque de classe na saída de jogo e ainda conseguiram se aventurar em jogadas ofensivas. A volta dos zagueiros titulares deve ser muito comemorada pela torcida, já que Antonio Carlos e Fábio Ferreira têm um ótimo entrosamento e a prova disso foi o solitário gol alvinegro que começou com um leve desvio de Antonio Carlos e acabou no bonito arremate de Fábio Ferreira.

Alegria! Operação no joelho e oito meses sem jogar? Pode comemorar!

Esse novo Botafogo irá se encaixar perfeitamente com Herrera, e depois da Copa América com Loco Abreu, pelas jogadas trabalhadas buscando a linha de fundo e bom toque de bola perto do gol adversário. Bruno Cortês jogou tudo o que o Márcio Azevedo se recusou a jogar e, se não cair nas tentações e ilusões da fama, pode ser titular absoluto da lateral-esquerda. Alessandro fez um bom jogo, não comprometeu e deve ser um reserva competente para Lucas.

Os meninos Cidinho, Alex, Tiago Gallardo e Willian precisam de treino e um melhor preparo físico para suportar o ritmo do Campeonato Brasileiro. Os gols perdidos contra o Santos quase custaram os três pontos e Caio Júnior sabe que ainda não poderá contar com eles para mudar o andamento de uma partida.

O ataque, antes solução, agora é um problema. A volta de Herrera já na próxima rodada permitirá que Maicosuel atue como gosta, de frente para o gol e sem precisar girar o tempo todo para sair da marcação dos zagueiros adversários. Caio Júnior errou ao tirar o estreante Elkeson do jogo e deixar a equipe sem um finalizador, forçando o Mago a jogar de costas para o goleiro. O castigo quase veio no fim com uma bomba de Maikon Leite no canto direito de Jefférson – que só olhou e torceu. Herrera cabeceia bem, nunca desiste das jogadas e irá preocupar mais o técnico do Ceará do que os jovens Caio e Alex preocupariam.

A vitória sobre o Santos, além dos três pontos, vai dar a tranquilidade necessária que o elenco precisa para trabalhar firme nessa semana e depois encarar a boa equipe do Ceará fora de casa!

Vamos, FOGO!

Nota 6? Velocidade, chutes a gol, bons passes e desenvoltura na estreia!

Ficha Técnica:

2ª Rodada: Botafogo 1 x 0 Santos (28/05/2011)

Botafogo: Jefferson, Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Lucas Zen, Marcelo Mattos, Everton (Cidinho), Maicosuel e Elkeson (Tiago Galhardo); Alex (Caio)

Técnico: Caio Júnior

Santos: Aranha, Bruno Aguiar, Vinícius e Bruno Rodrigo; Pará, Possebon, Charles (Roger Gaúcho), Alan Patrick (Rychely) e Alex Sandro; Tiago Alves (Maikon Leite) e Keirrison

Técnico: Muricy Ramalho

Gol do Botafogo: Fábio Ferreira, aos minutos da etapa inicial

Local: Engenhão (RJ) / Público: 8.662 presentes / Renda: R$ 143.110,00

Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR)

Cartão Amarelo: Tiago Galhardo (Botafogo); Alex Sandro, Bruno Rodrigo, Vinícius (Santos)

Quando o Botafogo voltará a campo?

21/04/2011

Quando o torcedor botafoguense terá o seu maior prazer de volta? Quando será possível vaiar time, treinador, dirigente e o que mais vier pela frente? Será neste sábado, pela Taça Carlos Alberto Torres? Ou apenas no mês que vem, pelo BR-11? O torcedor que vai ao Engenhão espera por isso a semana toda: “Hoje vou xingar e vaiar ate ficar rouco!” Acredito que alguns até façam fonoaudiologia, como os cantores, para poderem gritar mais alto e por mais tempo. É incrível! A pancadaria de ontem, pela Copa do Brasil, é reflexo de uma equipe nervosa e que não conta com o apoio da própria torcida quando joga em casa.

O Botafogo foi eliminado da competição na partida aqui do Rio e não lá em Florianópolis. Arbitragens polêmicas e confusão já são marcas registradas dos jogos na região Sul do Brasil. Eu não me esqueço dos dois gols legítimos anulados na final da Copa do Brasil, em 1999, contra o fraquinho Juventude – que hoje está na Série C do Brasileirão. Contra esses timinhos é preciso se impor e golear, ou ao menos vencer! E isso poderia ter acontecido se o time não tivesse que jogar contra o adversário e contra a própria torcida… Parece que esse atual torcedor alvinegro não quer vencer, não quer taças, não quer goleada, quer apenas sofrer e reclamar da vida…

Fahel jogou muito bem ontem, mas aqui no Rio seria vaiado mesmo assim...

Caio Júnior, o Ofensivo, entrou no lugar de Joel Santana, o Retranqueiro, mas é obrigado a conviver com os mesmos problemas e isso inclui a exigente torcida botafoguense. Exigente? Exigente ou burra? Exigente ou mesquinha? Exigente ou ingrata? Leandro Guerreiro foi para o Cruzeiro antes de ser crucificado como aconteceu com o Lucio Flavio. Quem bate as faltas agora? Que sabe fazer um bom lançamento? Quem cobra escanteios? Quem coloca a bola na cabeça do Loco Abreu? Quem absorve a culpa pela derrota? O Lucio Flavio? Querem contratar o Ricardinho, saído do Atlético-MG, para ser o dono da 10, mas ele não é um “Lucio Flavio piorado”?

O Botafogo deveria jogar com o time principal neste sábado, contra o Boavista, pela Taça Carlos Alberto Torres, e deixar a eliminação na Copa do Brasil no passado. Esse deve ser o início da preparação para a disputa de duas competições importantíssimas no próxmo semestre: o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana! São duas oportunidades para conseguir a sonhada vaga para a Taça Libertadores, em 2012 – o inegável objetivo da atual diretoria!

Acredito no time, acredito nos jogadores e acredito no trabalho do Caio Júnior. Temos Jefferson, o melhor goleiro do Brasil; Lucas e Cortês se acertando nas laterais; Fábio Ferreira retornando para compor a zaga com Antônio Carlos; Arévalo Ríos crescendo de produção ao lado de Marcelo Mattos; o ataque Mercosul, Herrera & Loco Abreu, voltou a fazer gols decisivos; e claro, o principal: a volta de Maicosuel! Precisamos apenas de um bom camisa 11 para ajudar na criação das jogadas! Pode ser o Everton? Pode ser o Fabrício? Pode ser o Andrezinho? Pode ser o Gilberto? A diretoria precisa buscar esse jogador! Eu farei a minha parte que é torcer e gritar:

Vamos, FOGO!

Volta Maicosuel! Loco Abreu não pode carregar essa cruz sozinho!

Copa do Brasil

Oitavas de Final – Jogo 02: Avaí 1 x 1 Botafogo (20/04/2011)

Avaí: Renan, Felipe (Evando), Gian, Cássio e Julinho; Bruno, Diego Orlando, Marcinho Guerreiro e Marquinhos; William e Rafael Coelho (Estrada)

Técnico: Silas

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Everton), Fahel e Lucas Zen; Lucas, Arévalo, Marcelo Mattos, Cidinho (Caio) e Cortês; Herrera (Somalia) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 37 minutos da etapa final

Gol do Avaí: Willian, aos 42 do segundo tempo

Local: Ressacada (SC)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Cartão Amarelo: Diogo Orlando, Bruno Silva e Julinho (Avaí); Herrera (Botafogo)

Herrera parte para a briga, após ver Abreu chutado no chão! Porrada!