Posts Tagged ‘Engenhão’

Empate bom em Salvador

04/05/2012

O técnico Oswaldo de Oliveira não ficou satisfeito com o resultado de 1 a 1, no jogo de ida da Copa do Brasil, na quarta passada, contra o Vitória em pleno Barradão. Mas o torcedor botafoguense não deve ter do que reclamar, já que viu o time jogar bem sem cinco titulares e ainda levar a decisão da vaga para o Rio, na semana que vem no Engenhão. O treinador tem o direito e o dever de cobrar mais dos jogadores, pois sabe o que foi treinado para esse embate e, pelo jeito, ele tinha a convicção de que venceria o jogo no fim, nos contra-ataques, e assim teria uma vantagem confortável para administrar aqui em casa.

Já são 24 partidas invictas na temporada, mas o Botafogo precisa ficar atento para que a sensação de tranquilidade não se torne arrogância e sonolência. Uma derrota nos próximos três jogos pode resultar na perda da vaga na Copa do Brasil e/ou a perda do título no Campeonato Carioca. É melhor deixar o oba-oba para a torcida e os números para a análise dos jornalistas e focar apenas no adversário, um de cada vez, e sem acreditar que o time é imbatível. Pensar que o desastre pode sim acontecer é que faz as grandes empresas terem sempre um plano de contingência preparado para qualquer ‘sinistro’.

Revelado pelo time baiano, Elkeson não comemorou, mas fez o gol!

O Vitória tinha a obrigação de fazer um bom resultado atuando em casa, mas ainda pode surpreender no Rio, só que o Botafogo está jogando com autoridade e não abre espaços na defesa como antigamente. Será difícil manter essa regularidade, é fato, mas o quanto protelar a primeira derrota melhor. Serão três jogos decisivos que se tornarão em cinco se passarmos de fase na Copa do Brasil, já que o Coritiba se configura como um adversário muito perigoso e com bom elenco. E essa é a palavra mágica: elenco. Sem dinheiro para contratações em peso – como faz a Flunimed – a solução é apostar na prata da casa!

As revelações vindas da categoria de base alvinegra são uma grata surpresa e nos últimos dois anos o número de bons jogadores multiplicou. Renan já foi titular em decisão de Estadual e não é nenhuma heresia dizer que ele pode substituir Jefferson vez ou outra, e dos quatro goleiros do elenco apenas o Jefferson veio de fora do clube. Lucas Zen e Jadson são duas grandes promessas para o meio de campo que realmente podem ser muito úteis na sequência da temporada e o jovem Gabriel entrou em alguns jogos sem comprometer. Na armação temos o Jeferson e o Cidinho como opções para o 2º tempo e no ataque Caio puxa a fila com Willian e Vitinho. São esperanças para o futuro e uma economia em contratações.

Jadson quase faz um golaço em Salvador e não fosse a grande inexperiência de Willian e Vitinho o gol da vantagem poderia ter saída nos três contra-ataques que o time desperdiçou nos minutos finais no Barradão. Maicosuel estava exausto e não conseguiu comandar a puxada da forma como planejou Oswaldo e a ausência de Cidinho, já acostumado a jogar com os profissionais, também pesou para deixar o placar igual. Engraçado foi ver o Caio, fominha voraz, enlouquecer quando Vitinho chutou para fora, rente à trave, enquanto três botafoguenses despontam livres na pequena área. Será que ele se lembrou das broncas de Herrera e Loco Abreu no ano passado? E o Jobson, hein? De férias? Ele treina na Gávea?

Vamos, Fogo!

Herrera não balançou as redes, mas deu belo passe para o gol de Elkeson!

Ficha Técnica:

Copa do Brasil – Oitavas de Final – Jogo01: Vitória 1 x 1 Botafogo (02/05/2012)

Vitória: Renan; Léo, Victor Ramos, Rodrigo e Wellington Saci; Uelliton, Michel (Rodrigo Mancha), Pedro Ken e Geovanni (Arthur Maia); Tartá (Rildo) e Neto Baiano

Técnico: Renato Silva

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Jadson, Felipe Menezes (Caio) e Maicosuel; Elkeson (Vitinho); Herrera (Willian)

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Gol do Vitória: Neto Baiano, aos 31 minutos da etapa inicial

Gol do Botafogo: Elkeson, aos 26 do primeiro tempo

Local: Barradão (BA)

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Cartão Amarelo: Léo e Arthur Maia (Vitória); Maicosuel, Jadson e Lucas (Botafogo)

Rodada quase perfeita

18/09/2011

O Botafogo tinha tudo para se recuperar da goleada imposta pelo Coritiba no fim de semana passado e ainda tirar um ponto em relação ao primeiro colocado do Campeonato Brasileiro. Uma vitória hoje, no Engenhão, também encerraria um tabu de onze anos sem conseguir os três pontos sobre o time da Gávea em nacionais. O empate foi um excelente resultado para o Flamengo que mesmo em péssima fase consegue ir acumulando pontos e assim ficar mais perto do G-4. Do outro lado, com maior volume de jogo e muitas chances desperdiçadas, o pontinho conquistado teve um gosto amargo para Caio Júnior que agora vê o Botafogo se distanciando da liderança.

O jogo começou agitado e o Botafogo logo mostrou que iria tomar conta das investidas ofensivas. Lucas e Cortês se revezavam nas subidas ao ataque e confundiam a marcação adversária além de prenderem Júnior César e Léo Moura. O gol de Loco Abreu, aos 25 minutos, foi fruto de uma intensa troca de passes no meio de campo alvinegro e do cruzamento preciso de Lucas. Antes de abrir o placar, o time de Caio Júnior perdeu boas chances com Felipe Menezes, em cobrança de falta, com a bicicleta de Herrera e num chutaço de Maicosuel – todas defendidas pelo goleiro rubro-negro. Faltou sorte.

Herrera jogou muito bem e não deveria ter saído no segundo tempo!

A superioridade botafoguense no primeiro tempo não foi revertida em gols e o placar magro de 1 a 0 foi um presente e tanto para Vanderlei Luxemburgo que parecia desesperado à beira de campo e sem saber o que fazer para o time andar. Na dúvida, e sem muitas alternativas, tirou o improdutivo Deivid para colocar um atacante perna-de-pau, mas que ao menos briga pela bola e com a bola. Luxemburgo, mesmo sem merecer, acabou vendo sua mexida dar certo em quatro minutos, já Caio Júnior mexeu mal na equipe e viu o Botafogo perder o meio de campo e a principal arma do time que é a jogada lateral.

É impossível analisar as mudanças realizadas pelo treinador alvinegro sem apelar para a simplória observação do resultado, mas ao trocar o posicionamento de Herrera e Maicosuel, Caio Júnior permitiu as subidas de Léo Moura, arma mais do que manjada do urubu, e ainda atrapalhou a bom entrosamento pelo lado esquerdo do ataque que sempre conta com as tabelas do Mago com Cortês.

A torcida não se importou com o alto índice de criminalidade no estádio...

A saída prematura de Herrera também só serviu para aliviar a pressão sobre a zaga do flamenguista que mal conseguia segurar as investida do argentino e ainda tomar conta de Loco Abreu. Caio Júnior diz que tem aprendido nas derrotas e é bom que esse aprendizado seja utilizado logo, pois esse empate foi uma ducha de água fria nas aspirações alvinegras de ficar com o título brasileiro.

As próximas duas rodadas serão duríssimas: Grêmio no Olímpico, nesta quinta, e o vice-líder São Paulo, no Engenhão, no domingo. Para continuar colado na liderança o time precisa conquistar no mínimo quatro pontos nesses dois confrontos. Desafios difíceis, mas essa é a hora do elenco mostrar se irá ser apenas mais um coadjuvante brigando por vaga na Libertadores ou se será definitivamente um dos postulantes ao caneco.

Vamos, FOGO!

Na contagem pelo Gol Mil, um golaço de bicicleta de Túlio Maravilha:

Ficha Técnica:

24ª Rodada: Botafogo 1 x 1 Flamengo (18/09/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Renato, Maicosuel (Cidinho) e Felipe Menezes (Lucas Zen); Herrera (Everton) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Flamengo: Felipe; Léo Moura, Alex Silva, Welinton e Junior Cesar; Aírton (Maldonado), Willians, Renato e Thiago Neves; Ronaldinho e Deivid (Jael)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 25 iniciais

Gol do Flamengo: Jael, aos quatro minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 20.805 pagantes / Renda: R$ 600.495,00

Árbitro: Péricles Bassols (RJ)

Cartão Amarelo: Renato (Botafogo); Alex Silva, Airton e Renato (Flamengo)

O importante foram os três pontos!

28/07/2011

Bom futebol, espetáculo, bola de pé em pé, gritos de “Olé!”, musiquinha criada pela torcida, risos, palmas e críticas calorosas da imprensa esportiva… Isso tudo é lindo – como diria Caetano – mas não garantem títulos e não garantem a vitória. Sem objetividade, chute em gol, agressividade e, acima de tudo, muita entrega por parte do elenco, o jogo bonito será batido e o adversário retrancado irá aproveitar as oportunidades e balançar as redes. A “Era Cuca” no Botafogo pode ser comparada à Seleção de 82 e a “Era Joel Santana” nos remete ao time batalhador de Carlos Alberto Parreira em 1994. E o Caio Júnior?

Não é possível ainda falar em “Era Caio Júnior” em General Severiano, mas se a diretoria seguir o mesmo caminho nesses três anos em breve poderemos usar essa expressão. Não adianta demitir treinador sem planejamento, sem avaliar as metas estabelecidas e, principalmente, sem ter boas opções de contratação no mercado. Caio Júnior quer fazer um esquema de jogo que fique exatamente entre a “Era Cuca”, bom futebol, toque de bola, domínio das ações, e a “Era Joel Santana”, com uma defesa forte e uma motivação contagiante dos jogadores. O treinador já fez o time se livrar dos chutões e resgatou a confiança do elenco para manter a posse de bola.

Ontem, diante do Avaí e novamente jogando contra a torcida – isso parece não ter fim! – a equipe sentiu a falta de entrosamento e o primeiro gol do time catarinense parecia ser a senha para outra decepção em casa. Superação. Sim, essa é a palavra que exemplifica bem a virada alvinegra. Maicosuel definiu o jogo com essa palavra. A zaga formada por Gustavo, recém contratado, e o jovem João Felipe, nunca atuou junta e as ausências de Lucas Zen e Marcelo Mattos deixaram o sistema defensivo vulnerável nos minutos iniciais e foi essa brecha que o Avaí, um time mediano, aproveitou para abrir o placar.

Recorde para o argentino: Herrera marca seu 23º gol no Engenhão!

O lado esquerdo do ataque botafoguense é sinônimo de desespero há décadas! Não temos um bom lateral-esquerdo, daqueles de se orgulhar, desde Marinho Chagas na década de 70, alguém discorda? Na década de 90, mesmo com a enxurrada de títulos, o lado esquerdo não era o mais forte e o melhor lateral dessa época, o Marquinhos, ficou pouco tempo e não chegou a fazer história no clube. André Silva? Jéferson? Bill? Luciano Almeida? Triguinho? Tiaguinho? Gabriel? Márcio Azevedo?

A camisa 6 do eterno Nílton Santos parece pesar e muito nas costas desses jogadores! O jovem Cortês parece não sentir a pressão e se tiver uma boa cobertura pode render mais para a equipe. Enquanto esperamos que alguém assuma a responsabiulidade, ontem, por segundos, quase que por inspiração divina, a lateral esquerda desencantou e, por ali, Márcio Azevedo fez grande jogada e achou Maicosuel livre para empatar a peleja!

A torcida que já vaiava a plenos pulmões resolveu se aquietar e deixar os jogadores trabalhar em paz. Com tranquilidade, Elkeson colocou bela bola na cabeça de Herrera: 2 a 1 no placar e calma na saída para o vestiário. O fim do jogo foi dramático, nervoso e as substituições equivocadas de Caio Júnior levou o torcedor à loucura, mas os três pontos vieram e, por enquanto, só a vitória interessa! Loco Abreu volta no sábado e reencontra Joel Santana! Imperdível!

Vamos, FOGO!

Caio Júnior precisa de tempo e do apoio da torcida para mudar o Botafogo!

Ficha Técnica:

12ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Avaí (27/07/2011)

Botafogo: Jefferson; Alessandro, João Filipe, Gustavo e Márcio Azevedo; Léo, Renato, Maicosuel (Felipe Menezes) e Elkeson; Alexandre Oliveira (Caio) e Herrera (Alex)

Técnico: Caio Júnior

Avaí: Felipe; Welton Felipe, Bruno, Dirceu e Daniel; Marcos Paulo (Batista), Pedro Ken, Fabiano (Rafael Coelho) e Cleverson (Estrada); Romano e William

Técnico: Alexandre Gallo

Gols do Botafogo: Maicosuel, aos 27, e Herrera, aos 38 minutos iniciais

Gol do Avaí: Dirceu, aos seis minutos do primeiro tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 5.111 pagantes / Renda: R$ 87.400,00

Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)

Cartão Amarelo: Herrera, Márcio Azevedo e João Filipe (Botafogo); Marcos Paulo, Welton Felipe e Fabiano (Avaí)

A vaca quase foi pro brejo!

09/03/2011

O Botafogo de Joel Santana é líder do Grupo B da Taça Rio com seis pontos conquistados em duas vitórias, mas segue jogando mal. O time bateu o Nova Iguaçu nesta Quarta-feira de Cinzas pelo placar mínimo e deixou o campo vaiado pela torcida. Joel inventou, errou e teve sorte de não sofrer o empate no fim do jogo. É visível que o comandante alvinegro não comanda mais nada e que a equipe parece um bando desordenado. O pouco das jogadas ensaiadas pelo ex-treinador Cuca que ainda eram utilizadas se perdeu com a saída de Lucio Flavio e agora não resta ao Botafogo nem mesmo a famosa bola levantada na área.

A Copa do Brasil é caminho mais curto para a Libertadores e se tornou uma obsessão da diretoria botafoguense, mas sem um time guerreiro, com variações de jogadas, muita marcação e planejamento é quase inviável pensar que esse grupo irá levantar o caneco e colocar o Botafogo novamente na maior competição da América. Lamentavelmente iremos brigar para vencer a Taça Rio e enfrentar o time da moda outra vez na final do Estadual. Estadual. O Glorioso virou um time estadual.

Everton comemora o primeiro gol com a camisa alvinegra!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

Taça Rio

2ª Rodada: Nova Iguaçu 0 x 1 Botafogo (09/03/2011)

Nova Iguaçu: Diogo, Paulo Henrique (Mossoró), Leonardo Luiz, Alex e Cortês; Amaral (Lukian), Luan, Marquinhos (Wallace) e Dieguinho; Maycon e William

Técnico: Josué Teixeira

Botafogo: Jefferson, Lucas (Alessandro), João Filipe (Caio), Márcio Rosário e Márcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Arévalo, Bruno e Everton (Guilherme); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gol do Botafogo: Everton, aos 10 minutos iniciais

Local: Raulino de Oliveira (RJ) / Público: 2.984 presentes / Renda: R$ 34.930,00

Árbitro: Carlos Eduardo Nunes Braga

Cartão Amarelo: Alex, Amaral (Nova Iguaçu); Everton, Márcio Azevedo, Alessandro, Jefferson, Herrera, Márcio Rosário (Botafogo)

Cartão Vermelho: Alex (Nova Iguaçu)

Vendido! Renato Cajá não teve tempo nem para despedidas!

1ª Rodada: Botafogo 4 x 2 Volta Redonda (05/03/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Márcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Bruno, Everton (Arévalo Ríos) e Renato Cajá (Alex); Caio (Fabrício) e Herrera

Técnico: Joel Santana

Volta Redonda: Mauro; Serginho, Padovani, Ávalos e Fabinho (Tiago Costa); Jonílson, Léo Gonçalves, Jhonattann e Gláuber; Jean (Bruno Lança) e Pedro Henrique (Arthur)

Técnico: Dario Lourenço

Gols do Botafogo: Herrera, aos quatro, e Caio, aos 19 minutos da etapa inicial. Rodrigo Mancha, aos 57 segundos, e Alex, aos 11 minutos do segundo tempo

Gols do Volta Redonda: Jhonattann, aos 22, e Ávalos, aos 41 iniciais

Local: Engenhão (RJ) / Público: 3.219 presentes / Renda: R$ 67.700,00

Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá

Cartão Amarelo: Márcio Azevedo, Rodrigo Mancha, Everton e Caio (Botafogo), Jonílson e Jhonattann (Volta Redonda)

Cartão Vermelho: Léo Gonçalves e Gláuber (Volta Redonda)

Até quando vão as desculpas?

04/10/2010

Seria perda de tempo escrever sobre a bobeada do Alessandro? Alguém quer ler mais uma vez que não existiu pênalti em Ronaldo Angelim? Será preciso esclarecer que Leonardo Moura invadiu a área antes da cobrança de Petkovic? Como acredito que ninguém quer se debruçar nessas questões vou seguir adiante e mostrar minha indignação quanto ao estado do gramado do Engenhão.

O Maicosuel custou quase nove milhões de reais, chegou como astro, fez boas partidas, nos garantiu três ou quatro vitórias e só volta a jogar no ano que vem. Fábio Ferreira, que vinha sendo uma segurança na zaga, se machucou contra o Flamengo, após pisar em falso no gramado. Como a diretoria quer que esse estádio substitua o Maracanã? Além da péssima localização e da dificuldade no acesso, o gramado não serve para abrigar nem os jogos do Duque de Caxias pela Série B do Campeonato Brasileiro. A dupla Fla-Flu fez bem em mandar seus jogos em Volta Redonda e dar um tempo do Engenhão.

O time de Joel Santana gosta de tocar a bola, ter o domínio do jogo, mas também sabe usar a velocidade e os contra-ataques e foi exatamente num lance como esse que Maicosuel prendeu o pé na grama na hora do arremate. Uma infelicidade? Pode ser, mas o estado do gramado nesse ano é muito preocupante. O engenheiro-técnico responsável sempre tem uma bela desculpa para dar e agora inventou que a culpa é do sol que não bate dentro do estádio! Pode isso? E antes? Porque na gestão anterior o gramado era sempre elogiado?

Ah, para finalizar: eu não me cansei de ver o golaço do Lucio Flavio. E vocês?

Categoria do Camisa 10! Lucio Flavio fez um golaço no clássico!

Ficha Técnica:

27ª Rodada: Botafogo 1 x 1 Flamengo (02/10/2010)

Botafogo: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira (Márcio Rozário); Alessandro, Somália, Túlio Souza (Caio), Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Loco Abreu e Edno

Técnico: Joel Santana

Flamengo: Marcelo Lomba, David Braz, Jean e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Maldonado, Willians (Correa), Kleberson (Petkovic) e Renato; Diogo (Diego Maurício) e Deivid

Técnico: Silas

Gol do Botafogo: Lucio Flavio, aos 35 minutos iniciais

Gol do Flamengo: Leonardo Moura, aos 30 minutos do segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13.182 pagantes / Renda: R$ 329.330,00

Árbitro: Ricardo Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)

Cartão Amarelo: Renato, Jean, Diogo e Willians (Fla); Marcelo Cordeiro e Alessandro e Márcio Rozário (Botafogo)

Cartão Vermelho: Alessandro (Botafogo) e Renato (Flamengo)

Excelente jogo. Péssimo resultado!

19/09/2010

A chuva que teimava em cair sobre o Rio de Janeiro, neste sábado, afastou o torcedor alvinegro do Engenhão, mas o público de 16 mil apaixonados que enfrentou o frio do fim de tarde assistiu a uma grande partida de futebol, talvez um dos melhores jogos do ano. Pela 23ª rodada do BR-10, Botafogo e Cruzeiro ficaram no empate em 2 a 2, e o resultado foi melhor para o time mineiro que continua na terceira posição, já o alvinegro carioca perdeu uma grande chance de se consolidar de vez no G-4.

O time de Joel Santana, ainda cheio de desfalques, provou que esqueceu de vez a goleada sofrida no meio da semana para o lanterna Goiás e deu um calor na equipe comandada pelo ex-alvinegro Cuca. Loco Abreu, em ótima forma, clareava as jogadas com bom domínio de bola e toques de primeira. Maicosuel e Somália – já estava com saudades – partiam em velocidade pelos lados do campo e Alessandro arriscava subidas ao ataque pela direita. E foi num contra-ataque rápido e bem executado que o camisa 2 abriu o placar no Engenhão. Fábio ainda fez duas belas defesas antes do intervalo e o placar de 1 a 0 ficou de bom tamanho para os mineiros.

Alessandro fez um belo gol e foi uma boa opção de ataque pela direita

No início do segundo tempo, o Botafogo recuou de forma inexplicável e, assim como ocorrera na partida contra o Grêmio, chamou o Cruzeiro para o ataque aceitando o domínio celeste e apostando apenas nas bolas longas para Maicosuel, Caio e Loco Abreu. E o castigo aconteceu como era esperado.

O jovem atacante perdeu na corrida para Diego Renan e, ao tentar se recuperar no lance, apenas encostou no lateral que desabou na área. Pênalti anotado e convertido pelo argentino Montillo. Caio, novamente ele, perdeu a jogada na frente da área cruzeirense, reclamou de falta não marcada e Montillo, em velocidade, limpou três defensores e fuzilou Jefferson – que deveria ter pulado na bola.

Insatisfação da torcida e irritação no banco de reservas! Joel tira o Talismã e promove a volta de Herrera. O Botafogo recupera o controle da partida e empata quatro minutos depois em outro pênalti assinalado por Heber Roberto Lopes. Loco Abreu bate com extrema categoria no canto direito de Fábio. O gol da virada não saiu por pouco e a pergunta que não quer calar é: “Porque entregar o controle do jogo quando temos a capacidade de golear o adversário?”

Loco Abreu é artilheiro! 4 jogos e 4 gols na volta ao time no BR-10!

Joel Santana conseguiu organizar a defesa que era horrível no início do campeonato e agora terá pela frente o desafio de ensinar ao time como matar um jogo. A torcida precisa ter paciência para compreender os limites do elenco e dos jogadores que entram em campo. As vaias para o Fahel na partida de ontem foram completamente injustificadas. A estrelinha Roger não fez nada durante os 90 minutos porque foi anulado pelo Fahel. Não podemos vaiar por vaiar. É preciso coerência. Temos dois jogos em casa para retomar o caminho da vitória: Vasco e Atlético-PR.

– Se vencermos, vamos chegar lá na frente de novo. Além disso, o Corinthians pega o Santos e outras equipes vão ter problemas no campeonato. Nós agora estamos pegando os bichos-papões – disse o técnico Joel Santana na coletiva de imprensa.

Vamos FOGO!

Esperança! Maicosuel esteve apagado, mas num lampejo sofreu o penal

Ficha Técnica:

23ª Rodada: Botafogo 2 x 2 Cruzeiro (18/09/2010)

Botafogo: Jefferson, Danny Morais (Caio, depois Herrera), Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Leandro Guerreiro, Fahel, Renato Cajá (Edno) e Somália; Maicosuel e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Cruzeiro: Fábio, Jonathan, Léo, Edcarlos e Diego Renan; Fabrício (Fabinho), Henrique, Roger e Montillo; Thiago Ribeiro (Gil) e Farías (Wallyson)

Técnico: Cuca

Gols do Botafogo: Alessandro, aos quatro minutos iniciais, e Loco Abreu, aos 31 do segundo tempo

Gols do Cruzeiro: Montillo, aos 12 e aos 27 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 16.259 presentes / Renda: R$ 305.080,00

Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)

Cartão Amarelo: Caio e Leandro Guerreiro (Botafogo); Léo e Diego Renan (Cruzeiro)

Crédito das fotos: Alexandre Loureiro e Gilvan de Souza do Lancenet!

Engenhão: Público & Renda

10/09/2010

Em julho, no dia 28, após a 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, publiquei aqui no blog uma reportagem sobre o Estádio Olímpico João Havelange. Naquele momento, o Botafogo estava na 17ª posição, ou seja, abrindo a zona de rebaixamento e com uma campanha decepcionante que podia ser analisada friamente pelos números.

Nos jogos realizados no Stadium Rio, nome patético encontrado pela atual diretoria, o melhor público foi aferido na primeira rodada, 25.634 ingressos vendidos para uma renda de R$ 254.918,88, e o pior na 9ª rodada quando apenas 7.250 pessoas pagaram para ver o empate Botafogo 1 x 1 Guarani, o que gerou uma receita de R$ 81.090,00 e que foi insuficiente para cobrir as despesas. O clube arcou com um saldo negativo de R$ 33.953,08.

Até a 11ª rodada o clube conseguiu arrecadar com a bilheteria R$ 408.927,22, em seis jogos, média de R$ 68.154,54 por partida. A estreia de Maicosuel, o retorno de Loco Abreu e os gols de Jóbson fizeram a torcida acreditar no time dirigido por Joel Santana. Os números mostram o salto do alvinegro na tábua de classificação e também nos cofres do Engenhão – ah, não podia ser Estádio Olímpico Nilton Santos?

Mané Garrincha com a bola, eterna amiga, sempre aos seus pés

Nos quatro jogos disputados na sequência, a receita líquida para o clube foi de R$ 792.365,00 – o que dá uma média de R$ 198.091,25 por partida. Na soma geral do primeiro turno do Campeonato Brasileiro temos uma receita de R$ 1.201.292,22 com uma média de R$ 120.129,22 por jogo.

A grande vitória sobre o Santos, fora de casa, pela abertura do returno do BR-10, e o golaço de Loco Abreu devem inflamar a torcida para a partida deste domingo, contra o São Paulo, no Engenhão, com direito a um belo dia de sol e um horário mais do que decente para a partida: 16h. Vamos lotar o Engenhão e empurrar o Botafogo para mais uma vitória!

Vamos, FOGO!

Crédito da foto Mané Garrincha: Marcelo Pereira do blog Fogo Eterno!

Loco Abreu convoca a torcida para o duelo contra o São Paulo neste domingo!

Faturamento BOTAFOGO 3 X 0 ATLÉTICO-MG: (13ª rodada)

Ingressos vendidos: 24.154 / Público presente: 27.576

Renda: (+) R$ 552.710,00

Despesas: (-) R$ 229.869,94

Retenções: (-) R$ 1.389,06

Resultado: (=) R$ 322.840,06

Despesa Posto Médico: (-) R$ 48.816,00

Penhora Judicial: (-) R$ 137.700,48

Saldo: (=) R$ 136.323,58

Fonte: http://www.botafogo.com.br/institucional_borderos.asp

Mais de 27 mil botafoguenses viram a vitória sobre o Atlético-MG!

Faturamento BOTAFOGO 1 X 0 AVAÍ: (15ª rodada)

Ingressos vendidos: 30.664 / Público presente: 35.518

Renda: (+) R$ 821.830,00

Despesas: (-) R$ 285.263,05

Retenções: (-) R$ 1.360,43

Resultado: (=) R$ 536.566,96

Despesa Posto Médico: (-) R$ 48.816,00

Penhora Judicial: (-) R$ 97.550,19

Saldo: (=) R$ 390.200,76

Fonte: http://www.botafogo.com.br/institucional_borderos.asp

Grande vitória sobre o Avaí e grande público nas arquibancadas do Engenhão!

Faturamento BOTAFOGO 1 X 0 CEARÁ: (16ª rodada)

Ingressos vendidos: 19.498 / Público presente: 22.536

Renda: (+) R$ 347.440,00

Despesas: (-) R$ 192.535,03

Retenções: (-) R$ 1.383,48

Resultado: (=) R$ 154.904,97

Despesa Posto Médico: (-) R$ 32.544,00

Penhora Judicial: (-) R$ 24.472,19

Saldo: (=) R$ 97.888,78

Fonte: http://www.botafogo.com.br/institucional_borderos.asp

Ídolo da galera: Jóbson é um principais responsáveis pelas vitórias alvinegras!

Faturamento BOTAFOGO 2 X 2 GRÊMIO: (19ª rodada)

Ingressos vendidos: 20.593 / Público presente: 24.265

Renda: (+) R$ 430.390,00

Despesas: (-) R$ 220.450,16

Retenções: (-) R$ 1.244,98

Resultado: (=) R$ 209.939,85

Penhora Judicial: (-) R$ 41.987,97

Saldo: (=) R$ 167.951,88

Fonte: http://www.botafogo.com.br/institucional_borderos.asp

Para ver como foram os outros jogos clique:

https://generalseveriano.wordpress.com/2010/07/28/quanto-vale-o-engenhao/

Joel Santana foi eleito pelo Globoesporte.com o melhor técnico do 1º turno!

Acabou o amor?

02/09/2010

Durante a semana de treinos, o técnico Joel Santana elogiou em público o comportamento profissional de Loco Abreu dizendo que o uruguaio se mantém focado na equipe e não cobra uma vaga entre os titulares. Os gestos e reclamações do atacante ao ser substituído, aos 27 minutos da etapa final, irritaram o comandante alvinegro:

– Se eu não tiver autoridade para comandar 30 jogadores, não é para estar aqui. Por isso, meu nome é Joel Santana. Sou um vencedor, um dos maiores do Rio. Para mim, isso já está resolvido – finalizou Joel.

O jogo seguia com o placar em branco e com Abreu resmungando no banco de reservas, quando aos 30 minutos, Renato Cajá, substituto do camisa 13, fez bela jogada e deu um passe perfeito para o gol de Maicosuel: 1 a 0 Botafogo! Joel Santana não se conteve e virou para o banco perguntando quem era o treinador da equipe! Brilhou forte a estrela do Papai Joel em Presidente Prudente! A diretoria planeja punir o uruguaio pela atitude:

– O Botafogo vai tomar as atitudes cabíveis, mas não tenho dúvidas de que ele será punido. É o Joel quem manda e ninguém está acima do Botafogo – disse o gerente de futebol Anderson Barros.

O Botafogo chega aos 30 pontos, retorna ao G-4, assume a terceira posição na tabela e já vê a possibilidade de brigar pelo título como algo concreto. A união que o grupo demonstrou no Campeonato Carioca será fundamental nesse momento para superar os adversários e também os problemas internos. Não é hora de turbulências e confusões!

Contra o Grêmio, pela 19ª rodada do BR-10, no Engenhão, neste sábado, torcida e jogadores precisam estar focados em vencer e vencer bem! Jefferson é goleiro de Seleção Brasileira, está agarrando muito, mas devemos lembrar que o Grêmio Porto Alegrense não é o Grêmio Prudente! Vamos Fogo!

Loco e Herrera formavam o ataque titular de Joel no Carioca

Ficha Técnica:

18ª Rodada: Grêmio Prudente 0 x 1 Botafogo (01/09/2010)

Grêmio Prudente: Giovanni; Paulo César, Anderson Luís, Flávio Boaventura e Diego; Marcelo Oliveira (Robson), Rodrigo Mancha, João Vitor e Adriano Pimenta; Henrique Dias (William) e Wesley (Rafael Martins)

Técnico: Antônio Carlos

Botafogo: Jefferson, Leandro Guerreiro, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Marcelo Mattos, Somália, Maicosuel (Lucio Flavio) e Marcelo Cordeiro; Herrera (Edno) e Loco Abreu (Renato Cajá)

Técnico: Joel Santana

Gol do Botafogo: Maicosuel aos 30 minutos da etapa final

Local: Prudentão (SP) / Público: 3.211 pagantes / Renda: R$ 44.220,00

Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)

Cartão Amarelo: Maicosuel (Botafogo)

Botafogo segue firme no G-4!

26/08/2010

Não foi uma grande exibição ou um novo show da dupla Jóbson & Maicosuel, mas os três pontos conquistados diante do Ceará, no Engenhão, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, garantiram ao Botafogo a permanência no G-4 e a consolidação do terceiro lugar no certame. O próximo desafio será encarar o Internacional, atual campeão da Libertadores, no Beira-Rio e com três desfalques confirmados. Essa será a terceira final seguida do Glorioso que já bateu dois adversários diretos pela disputa do G-4: Avaí e Ceará.

O time de Joel Santana começou a partida pressionando o adversário e buscando abrir o placar logo nos minutos iniciais, mas o Ceará não jogou recuado e Mário Sérgio surpreendeu ao escalar o Vozão de forma ofensiva. O Alvinegro carioca tratou de adiantar a marcação e sufocar a saída de bola cearense, mas a mesma tática também era utilizada pelo outro lado e o jogo ficou aberto. O Botafogo está acostumado a enfrentar equipes que se fecham no Engenhão e apostam apenas no contra-ataque e a ousadia do Ceará impediu que Maicosuel, Somália e Marcelo Mattos dominassem o meio campo.

Maicosuel recebeu marcação especial, mas mesmo assim fez boas joagadas

A primeira etapa não teve muitas chances de gol, mas o goleiro Diego fez uma intervenção decisiva após bela jogada de Jóbson. Com o ataque muito marcado, Antonio Carlos apareceu como elemento surpresa em dois lances e quase fez o seu quinto gol no BR-10, a bola cruzou a pequena área e raspou a trave direita do goleiro cearense. Jefferson? Apenas assistiu ao jogo sem pagar ingresso. Na saída para o intervalo, as duas equipes consideraram o empate satisfatório.

No início do segundo tempo, Mário Sérgio colocou o veterano Magno Alves e lançou de vez o Vozão ao ataque! Parecia que o time cearense jogava em casa, tomando as rédeas da partida e dominando o meio de campo. E esse foi o erro fatal do Ceará! Aos cinco minutos, a defesa botafoguense alivia com um chutão uma tentativa de cruzamento para a área, a pelota viaja e encontra Herrera que, com categoria, toca para Jóbson disparar em velocidade, vencer dois zagueiros e, bem ao estilo Romário, fazer Botafogo 1 a 0! Alegria entre os quase 20 mil alvinegros que foram ao Engenhão empurrar a equipe para a quinta vitória seguida no Campeonato Brasileiro.

Amizade e união no Botafogo: Jóbson dedica o gol a Herrera

O ataque de General Severiano é o segundo melhor do BR-10 com 27 gols anotados em 16 partidas, mas o diferencial das últimas quatro vitórias foi a zaga formada por Antonio Carlos, Fábio Ferreira e Leandro Guerreiro que impediram que Jefferson buscasse a bola dentro da meta alvinegra. Ontem, Antonio Carlos travou duas jogadas perigosas do veterano Magno Alves que mostrou categoria, velocidade e muita técnica apesar dos 34 anos. O gol perdido por Marcelo Cordeiro, que destoou do resto do time, poderia ter iniciado uma crise na equipe, não fosse a excelente fase da defesa alvinegra.

Joel Santana terá pouco tempo para escalar a equipe que enfrentará o Internacional, no sábado, pela 17ª rodada do BR-10. Marcelo Mattos está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e Marcelo Cordeiro, jogador colorado, não pode atuar por força de contrato – o mesmo caso do zagueiro reserva Danny Moraes. Um novo triunfo contra um adversário direto será a afirmação definitiva de que o Botafogo está na briga pelo título brasileiro. O empate é visto como bom resultado, mas mesmo uma derrota não será capaz de abalar a confiança da torcida no grupo que saiu do incômodo 17º lugar e alcançou a 3ª posição na tabela.

Somália e Herrera vibram muito com o golaço de Jóbson!

Ficha Técnica:

16ª Rodada: Botafogo 1 x 0 Ceará (25/08/2010)

Botafogo: Jefferson; Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro (Caio), Somália, Marcelo Mattos, Maicosuel (Edno) e Marcelo Cordeiro; Jóbson e Herrera (Loco Abreu)

Técnico: Joel Santana

Ceará: Diego; Oziel, Fabrício, Anderson e Diego Sacoman; João Marcos, Michel (Geraldo), Heleno e Camilo (Ernandes); Wellington Amorim e Washington (Magno Alves)

Técnico: Mário Sérgio

Gol do Botafogo: Jóbson aos cinco minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 19.468 presentes / Renda: R$ 347.444,00

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)

Cartão Amarelo: Marcelo Cordeiro, Marcelo Mattos (Botafogo); Oziel e Diego Sacoman (Ceará)

Crédito das fotos: Gilvan de Souza do Lancenet!

Botafogo na cola dos líderes!

22/08/2010

Sábado de euforia para a torcida alvinegra! Os botafoguenses que foram ao Engenhão empurrar o time para a quarta vitória seguida no Campeonato Brasileiro também viram a inauguração de uma nova estátua no estádio e o homenageado da vez foi Jairzinho, o Furacão da Copa de 70! Atendendo ao chamado do técnico Joel Santana, mais de 35 mil torcedores fizeram uma bela festa durante os noventa minutos e foram brindados com uma atuação, que se não chegou a ser brilhante, foi ao menos aguerrida e suficiente para conquistar mais três pontos em casa.

Quem esperava um jogo aberto entre os ataques mais poderosos do BR-10 saiu do Engenhão decepcionado. A equipe do Avaí teve lá os seus desfalques, mas entrou em campo com a clara missão de buscar o empate e abusar do antijogo, fazendo um rodízio de faltas em Maicosuel e Jóbson. O péssimo árbitro Nielson Nogueira Dias tolerou a artimanha dos catarinenses e irritou os jogadores. Herrera, contido, evitou reclamar do juiz, mostrou a habitual garra e, mesmo sem ter balançado as redes, foi aplaudido de pé pela torcida ao ser substituído na etapa final.

Crédito com a torcida: Herrera passou em branco, mas jogou muito bem!

O primeiro tempo foi de total domínio carioca e o 1 a 0 no placar chegou a ser um bom resultado para os catarinenses. Joel escalou Somália na lateral-direita, lançou Renato no meio de campo para articular as jogadas ofensivas junto com Maicosuel e centralizou Jóbson, deixando Herrera cair pelos lados do campo, saindo da área para buscar a bola.

A mudança no ataque não funcionou e apesar de algumas tabelas pela direita entre Somália, Maicosuel e Herrera, era nítido o desconforto de Jóbson lutando entre os zagueiros. O camisa 9 passou a incomodar quando voltou a exercer sua característica principal: velocidade e jogadas pelas pontas.

A carência de laterais reservas no plantel alvinegro pode pesar ao longo da competição. Sem a presença constante de Somália no meio de campo, combatendo e partindo para o ataque, o Botafogo ficou previsível e quase sucumbiu a marcação cerrada do Avaí. Antônio Lopes fechou as jogadas pelas laterais e plantou um jogador em Renato – a mesma tática que todo treinador adversário fazia com o Lucio Flavio. A ação anulou a criação de jogadas pelo meio de campo e obrigou o time a tocar a bola entre os três zagueiros até que os atacantes abrissem espaço para o lançamento longo.

Gol no momento certo! Fábio Ferreira comemora com os companheiros!

Na segunda etapa, com a desvantagem no placar, Antonio Lopes foi obrigado a pressionar e o Avaí resolveu, de forma estabanada, tentar o gol de empate. Aos 21 minutos, a pressão azul teria dado resultado não fosse uma defesa extraordinária de Jefferson após cabeçada de Gabriel, no rebote Marcelo Cordeiro salvou em cima da linha. Esse foi o único susto que o ataque do Avaí deu nos torcedores alvinegros.

Como era de se esperar, Joel usou o poderio ofensivo do banco de reservas e colocou Caio e Edno nos lugares de Renato e Herrera. O Talismã entrou para ocupar a lateral-direita e Somália retornou ao meio de campo. O Botafogo cresceu e voltou a dominar o jogo. Jóbson teve boa atuação, mas não foi tão decisivo quanto nos outros jogos. O camisa 9 parece ter sentido o peso da presença de Mano Menezes no estádio e abusou das jogadas individuais.

Jóbson não esteve numa noite feliz e abusou dos lances individuais!

Aos 26 minutos, Somália, o Rei Negro, limpou dois marcadores e arriscou de longe: um chutaço que passou muito próximo da trave do goleiro Renan. Aos 32, Edno fez bela jogada pela esquerda e, antes de Jóbson completar para o gol vazio, a zaga catarinense cortou no desespero.

Pressão alvinegra até o fim! Aos 40, Loco Abreu ainda teve tempo de receber na área, ajeitar e rolar com categoria para Marcelo Mattos soltar uma bomba! Seria um golaço! E teve mais! Aos 46 minutos, Caio fez grande jogada, ganhou a dividida na vontade, entrou na área, mas errou na hora da conclusão chutando por cima do gol. Uma pena!

Fim de jogo, muita festa nas arquibancadas, violência zero na saída do estádio, torcida feliz e um ótimo resultado que mantém o Botafogo no G-4. É hora de torcer contra Fluminense e Corinthians! Vamos, Fogo!

De Mané Garrincha para Jairzinho: cresce a constelação alvinegra!

Ficha Técnica:

15ª Rodada: Botafogo 1 x 0 Avaí (21/08/2010)

Botafogo: Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Somália, Marcelo Mattos, Renato Cajá (Caio), Maicosuel (Abreu) e Marcelo Cordeiro; Jobson e Herrera (Edno)

Técnico: Joel Santana

Avaí: Renan; Marcos, Gabriel, Emerson e Pará; Diogo Orlando, Bruno, Batista e Leandro Bonfim (Sávio); Cristian (Valber) e Vandinho (Leonardo)

Técnico: Antônio Lopes

Gol do Botafogo: Fábio Ferreira, aos 31 minutos da etapa inicial

Local: Engenhão (RJ) / Público: 35.518 presentes / Renda: R$ 821.830,00

Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)

Cartão Amarelo: Leandro Bonfim, Emerson, Bruno Silva (Avaí) e Marcelo Mattos, Jobson (Botafogo)

Crédito das fotos: Alexandre Loureiro do Lancenet!