Posts Tagged ‘Copa Sul-Americana’

Botafogo se afasta da liderança em péssima hora

09/10/2011

O Botafogo tinha tudo para assumir a ponta do Campeonato Brasileiro e ainda fazer uma “gordurinha extra” com o jogo adiado contra o Santos, mas três tropeços seguidos acabaram com as esperanças de conciliar a Copa Sul-Americana e o BR-11. E o pior é ter que escolher uma das duas e acabar decidindo errado. Caio Júnior está fazendo um belo trabalho à frente do Glorioso, mas pisou na bola na reta final de setembro. Por que poupar os titulares no jogo de ida do torneio continental aqui no Engenhão? Por que abrir o time num estádio grande como o Serra Dourada? Por que usar Loco Abreu em três jogos seguidos dessa forma?

Não sei como os jogadores encararam a decisão de relegar a Sul-Americana ao segundo plano. Não seria mais produtivo entrar com tudo aqui no Rio, fazer um placar elástico e jogar fora com uma equipe reserva só para administrar o resultado? Agora será necessário ir até Bogotá em busca da classificação e com o time principal. Faltariam seis jogos para o título da Sul-Americana que viria com a vaga da Libertadores carimbada. Não garantimos a vaga e ainda levamos um baile do Atlético-GO. Péssima escolha da direção e do comando técnico.

Por que apenas seis mil torcedores foram ao estádio de São Januário apoiar o time? A torcida já jogou a toalha? Já desistiu do título? É muito cedo para achar que o campeonato está perdido, mas os jogadores precisam demonstrar mais atitude para trazer o ressabiado alvinegro de volta ao Engenhão. O empate do São Paulo no último minuto e a cabeçada de Renato, no travessão, sem goleiro, no segundo final do jogo contra o Bahia caíram como uma ducha de água fria em General Severiano.

A torcida não acredita mais no time? Só seis mil em São Januário...

Os erros da equipe se sucedem e algumas questões são incompreensíveis! Quem mandou o Cortês ficar na marcação do Souza nas jogadas aéreas do Bahia? E por que diabos o Marcelo Mattos foi se preocupar em marcar o Fahel com a bola dominada? Será que ninguém avisou que o Fahel com a bola no chão é um reforço para nós? Dali não iria sair nada, nada… Difícil é ver o Souza bater o pênalti no meio do gol, de forma displicente e o Renan pulando pra qualquer lado. Por isso perdemos dois títulos cariocas para aquele time de m….!

Somente uma vitória contra o líder Corinthians, na quarta, em pleno Pacaembu, irá amenizar a irritação com esses quatro pontos perdidos em casa. É preciso mais para ser campeão nacional – mesmo num campeonato fácil como esse – e o Botafogo está deixando escapar mais um título que serviria para resgatar a imagem do clube no cenário internacional. Esse é o momento do Botafogo ser grande! Agora precisamos de Jefferson, Loco Abreu, Herrera, Maicosuel, Elkeson, Cortês, Antônio Carlos, Marcelo Mattos e Renato. Essa é a hora de entrar para a história como fez aquele timaço que tinha Túlio, Donizete, Wagner, Gottardo, Gonçalves, Leandro, Jamir e Sergio Manoel!

Vamos, FOGO!

Fahel Eterno! Volante tirou 4 pontos do Fogão nos dois confrontos!

Ficha Técnica:

28ª Rodada: Botafogo 2 x 2 Bahia (08/10/2011)

Botafogo: Renan; Lucas (Willian), Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Renato, Maicosuel e Elkeson; Caio e Alex

Técnico: Caio Júnior

Bahia: Marcelo Lomba; Marcos, Paulo Miranda, Titi e Dodô; Fahel, Hélder, Camacho e Maranhão (Reinaldo); Souza (Júnior) e Jones Carioca (Lulinha)

Técnico: Joel Santana

Gols do Botafogo: Alex, aos 10, e Caio, 12 da etapa final

Gols do Bahia: Souza, aos 28 iniciais e aos 15 minutos do segundo tempo

Local: São Januário (RJ) / Público: 6.765 presentes / Renda: R$ 87.350,00

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)

Cartão Amarelo: Lucas, Caio, Marcelo Mattos e Maicosuel (Botafogo); Jones Carioca, Hélder e Souza (Bahia)

Cartão Vermelho: Hélder (Bahia)

Anúncios

Fogão na briga pelo título!

01/09/2011

No atual modelo do Campeonato Brasileiro, todos os jogos são importantes e os pontos somados ajudam a traçar o caminho da equipe, mas mesmo na “Era dos pontos corridos” algumas partidas possuem jeito de decisão e ontem, contra o Palmeiras, no Engenhão, o Botafogo venceu a primeira batalha no longo caminho que leva ao título brasileiro. Felipão não é um treinador qualquer e com um elenco mediano conseguiu colocar o Palmeiras na sexta colocação, logo abaixo do Botafogo, e estava animado após bater o líder Corinthians no fim de semana, então esse era um jogo-chave para as pretensões alvinegras.

O pensamento de Caio Júnior é assegurar a vaga para a Libertadores, o que significa ficar entre os quatro primeiros, e depois pensar na briga pelo título. A tese faz sentido já que do quarto ao primeiro lugar o pulo é menor e ainda ajuda a diminuir a ansiedade dos jogadores. Como o Botafogo suportará a pressão de ser um dos protagonistas do Brasileirão? A última vez que isso aconteceu foi em 2007, na “Era Cuca”, quando terminamos o turno em 2º lugar e a seis pontos do líder São Paulo. A traumática eliminação na Copa Sul-Americana para o River Plate fez a máquina alvinegra desandar e os sonhos de conquista foram ladeira abaixo.

Fogão bom de bola! Os jogadores acreditaram no projeto de Caio Júnior!

O confronto contra o Santos, adiado, pode ser o “fiel da balança” e dependendo de quando o jogo acontecer poderá ser decisivo para o Campeonato Brasileiro. Que baita pisada de bola da CBF! O Botafogo terá uma semana para recuperar o elenco para quarta, dia 7 de Setembro quando pegará o Ceará num Engenhão lotado, mas ficará com o famoso asterisco (*) até que a pendenga seja resolvida. Se o time seguir na Sul-Americana, e isso é algo bem provável, o jogo será empurrado cada vez mais para o fim da tabela e próximo do período de preparação para o Mundial da Fifa. E aí, senhor Ricardo Teixeira? Que lambança, que lambança!

Ah, e o jogo de ontem? Um espetáculo! Show de futebol! Uma aula tática para inglês ver! Os atacantes palmeirenses não conseguiram jogar dentro da nossa área e só arremataram de longe e para longe. Jefferson foi mais um torcedor em campo e pode até pensar na lista de compras do mês! O Fogão tem agora a segunda melhor defesa do BR-11 com 20 gols sofridos, média de um gol por jogo, e o quarto melhor ataque com 32 gols, média de 1,6 gol/jogo. O que mostra um equilíbrio entre os setores – antigo objetivo de Caio Júnior.

Gooooool! Gustavo e Herrera balançaram as redes no Engenhão!

O quarteto ofensivo formado por Loco Abreu, Herrera, Elkeson e Maicosuel infernizou a defesa adversária que só parava o jogo apelando para faltas e foi na bola parada que Renato fez a diferença com levantamentos precisos para os gols que pavimentaram a vitória. Lucas e Cortês estão aprendendo a marcar e a cobertura para a subida dos laterais está sendo feita de forma perfeita por Renato e Marcelo Mattos. Vitória incontestável!

O elenco alvinegro mostrou que pode servir bem ao técnico Caio Júnior e quem entrou desempenhou bem as funções exigidas pelo comandante. Gustavo fez boa dupla com Fábio Ferreira e supriu a ausência de Antônio Carlos até mesmo nas jogadas ofensivas e balançou as redes de Deola. Felipe Menezes entrou para cadenciar o meio de campo e descansar Maicosuel – que correu muito ontem! Caio e Lucas Zen tiveram o mesmo papel e permitiram que Herrera e Marcelo Mattos saíssem para receber os merecidos aplausos da torcida! O duelo contra o Ceará não será fácil, será outra decisão, mas precisamos da vitória!

Vamos, FOGO!

Rivalidade de lado: torcida do Botafogo na corrente por Ricardo Gomes!

Ficha Técnica:

20ª Rodada: Botafogo 3 x 1 Palmeiras (31/08/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Gustavo, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos (Lucas Zen), Renato, Maicosuel (Felipe Menezes) e Elkeson; Herrera (Caio) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Palmeiras: Deola; Cicinho (João Vitor), Thiago Heleno (Leandro Amaro), Henrique e Gabriel Silva; Chico, Márcio Araújo, Marcos Assunção, Rivaldo e Tinga (Ricardo Bueno); Fernandão

Técnico: Luis Felipe Scolari

Gols do Botafogo: Herrera, aos quatro minutos iniciais, Gustavo, aos 22 do primeiro tempo, e Maicosuel, aos 17 da etapa final

Gol do Palmeiras: Marcos Assunção, nos acréscimos

Local: Engenhão (RJ) / Público: 8.352 pagantes / Renda: R$ 123.860,00

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)

Cartão Amarelo: Cortês e Elkeson (Botafogo); Rivaldo e Henrique (Palmeiras)

Balanço do Primeiro Turno

29/08/2011

A vitória de virada, por 2 a 1, sobre o Fluminense, ontem no Engenhão, pela 19ª rodada, no encerramento do primeiro turno do Campeonato Brasileiro pode ser considerada uma síntese da campanha alvinegra sob o comando de Caio Júnior. O time que começou a competição sendo derrotado pelo Palmeiras, no Teixeirão, pelo placar magro de 1 a 0, e sem mostrar nenhum poder de reação ficou no passado. Naquela ocasião, a comissão técnica estava formando a base do que viria a ser o estilo de jogo no Botafogo e a pressão da imprensa e, principalmente, das arquibancadas exigiam resultados imediatos. A diretoria não comprou a ideia e continuou apostando no trabalho de médio e longo prazo.

As primeiras dez rodadas foram difíceis e cheias de altos e baixos, algo normal para uma equipe em formação e ainda sem contar com os principais jogadores. Loco Abreu e Herrera estavam suspensos, Fábio Ferreira machucado, Maicosuel retornando aos poucos, Marcelo Mattos na Grécia e as contratações aprimorando a parte física e técnica. Mesmo nas turbulências Caio Júnior seguiu firme nas suas convicções e acreditava na posse de bola como um diferencial em relação aos adversários. Nada de chutões para o alto e estava proibido o chuveirinho! A ausência de Loco Abreu, então na Copa América, facilitou a adaptação do time ao novo jeito de jogar.

Loco Abreu não fez gol no clássico, mas teve atuação decisiva novamente!

Quis o destino que Loco voltasse exatamente contra o Cruzeiro de Joel Santana, pela 13ª rodada – olha quanta coincidência junta! – e aí o Botafogo encorpou de vez, sapecou 4 a 0 no Vasco, passou pelo Atlético-MG na Copa Sul-Americana, encontrou a escalação ideal, alugou vaga no G-4 e pode fechar o turno na terceira colocação do BR-11! Qualquer alvinegro sabe o time de cor e salteado: Jefferson no gol; Lucas e Cortês nas laterais; Antônio Carlos e Fábio Ferreira na zaga; Marcelo Mattos e Renato na proteção do meio campo; Elkeson centralizado com Maicosuel e Herrera caindo pelas pontas; e no ataque, fazendo o pivô e, claro, os gols Loco Abreu.

Agora é defender a posição conquistada no primeiro turno e olhar para o líder Corinthians. Sim, é possível e temos elenco para isso. Renan, Alessandro, Márcio Azevedo, Gustavo, Léo, Somália, Bruno Tiago, Everton, Felipe Menezes, Alex, Alexandre Oliveira, Caio e o garoto Cidinho já mostraram que podem entrar e resolver. Devemos acreditar em título e empurrar a equipe para conquistar também a Sul-Americana! Esse é o melhor momento do Botafogo no campeonato e temos que aproveitar.

Vamos, FOGO!

Lucas agradece ao passe magistral de Loco Abreu: "Gracias"

Ficha Técnica:

19ª Rodada: Fluminense 1 x 2 Botafogo (27/08/2011)

Fluminense: Diego Cavalieri; Mariano, Gum, Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Diogo (Martinuccio), Souza (Ciro) e Lanzini; Fred e Rafael Moura

Técnico: Abel Braga

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos (Gustavo), Fábio Ferreira e Cortês;  Marcelo Mattos, Renato, Elkeson e Maicosuel (Cidinho); Herrera (Felipe Menezes) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Fluminense: Fred, aos dez minutos do segundo tempo

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 11, e Lucas, aos 18 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 22.762 presentes / Renda: R$ 437.755,00

Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)

Cartão Amarelo: Márcio Rosário, Fred, Rafael Moura e Edinho (Fluminense)

O pensamento agora está no clássico!

24/08/2011

A maratona que o Botafogo enfrenta com os jogos do Campeonato Brasileiro e da Copa Sul-Americana é desgastante, mas as vitórias ajudam a deixar o ambiente calmo, sem turbulências. O confronto de ontem, pelo torneio internacional, serviu apenas para carimbar o passaporte alvinegro para as oitavas de final, nada mais. A crítica aproveitou para “sentar a lenha no time”, a torcida vaiou – É novidade? – e o lado positivo é que nada disso abalou Caio Júnior:

– Acho que era um jogo para terminar logo e já pensar no clássico. O Fluminense é um adversário direto e depois temos o Palmeiras. É um momento crucial e fundamental para pensar nos primeiros lugares. É um momento decisivo e o torcedor tem que entender que vamos ter um forte adversário. É um jogo que considero fundamental o papel do torcedor para efetuar esse apoio – afirmou o treinador.

A conclusão parece óbvia, mas os especialistas, os professores-doutores da imprensa sempre buscam algo mais, o detalhe e, claro, levantar polêmica vende jornal e é sinônimo de Ibope alto. Os jogadores sentiram o cansaço e procuraram administrar a enorme vantagem conquistada no primeiro jogo, na Arena do Jacaré, e o gol de Herrera deixou o time mais tranqüilo ainda.

– Sem dúvida tínhamos uma vantagem e soubemos tirar proveito. Jogamos mal o primeiro tempo, mas no segundo fomos bem e administramos até o final – disse o goleiro Jefferson.

Marcelo Mattos, que jogou todos os jogos da maratona em agosto, confirmou:

– Corri no limite contra o Atlético-MG. Tínhamos a vantagem e jogamos com ela.

Marcelo Mattos fechou o meio de campo e foi perfeito na marcação!

O clássico no fechamento do primeiro turno é emocionante e uma vitória no sábado deixa o Botafogo muito próximo do líder Corinthians, a diferença pode cair para três pontos e na abertura do segundo turno outra pedreira: o Palmeiras de Felipão! Qual Botafogo entrará em campo para encarar esses dois jogos, o que encantou a torcida na vitória de 3 a 1 sobre o Atlético-MG ou o que se arrastou em campo e mesmo assim venceu ontem?

Caio Júnior está fazendo um excelente trabalho de acompanhamento fisiológico dos atletas e vem poupando os jogadores que mais se desgastam como Cortês e Renato. A ideia é não ter “quebras” na reta final da competição. O time ainda não perdeu no Engenhão e vem de quatro vitórias seguidas em seus domínios com doze gols marcados e apenas três sofridos. É hora dos torcedores comparecerem em peso e Caio Júnior faz o apelo:

– Sábado é muito importante, é um clássico, momento crucial e decisivo pela luta dos primeiros lugares. Preciso da torcida, será fundamental o papel dela já que vamos enfrentar o Fluminense, que é uma grande equipe, um time muito forte.

Vamos, FOGO!

O Mago voltou! Maicosuel pode ser fundamental contra o Fluminense!

Copa Sul-Americana

Fase 02 – Jogo 02: Botafogo 1 x 0 Atlético-MG (23/08/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas (Alessandro), Gustavo, Fábio Ferreira e Cortês (Márcio Azevedo); Marcelo Mattos, Lucas Zen, Felipe Menezes (Alex), Maicosuel e Elkeson; Herrera

Técnico: Caio Júnior

Atlético-MG: Renan Ribeiro; Serginho, Réver, Leonardo Silva e Eron; Dudu Cearense (Mancini), Fillipe Soutto, Richarlyson (Daniel Carvalho) e Caio; Guilherme e Jônatas Obina (Magno Alves)

Técnico: Cuca

Gol do Botafogo: Herrera, aos 47 minutos iniciais

Local: Engenhão (RJ) / Público: 4.070 pagantes / Renda: R$ 59.240,00

Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)

Cartão Amarelo: Fábio Ferreira (Botafogo); Leonardo Silva e Richarlyson (Atlético-MG)

Sete gols! Elkeson mostra que o investimento alvinegro foi certeiro!

Campeonato Brasileiro:

18ª Rodada: Botafogo 3 x 1 Atlético-MG (20/08/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Renato, Felipe Menezes (Cidinho), Maicosuel (Alexandre Oliveira) e Elkeson (Thiago Galhardo); Alex

Técnico: Caio Júnior

Atlético-MG: Renan Ribeiro; Serginho, Leonardo Silva, Lima e Richarlyson (Triguinho); Pierre, Dudu Cearense, Bernard e Mancini (André); Magno Alves (Daniel Carvalho) e Guilherme

Técnico: Cuca

Gols do Botafogo: Elkeson, aos 16 minutos iniciais, e Felipe Menezes, aos 36 do primeiro tempo e aos 10 do segundo

Gol do Atlético-MG: André, aos 48 do segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 8.841 pagantes / Renda: R$ 149.795,00

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)

Cartão Amarelo: Richarlyson, Dudu Cearense e Leonardo Silva (Atlético-MG)

Atuação de gala! Felipe Menezes resgatou o respeito pela 10 do Fogão!

17ª Rodada: Internacional 1 x 0 Botafogo (17/08/2011)

Internacional: Muriel; Nei, Bolívar, Rodrigo Moledo e Zé Mário; Elton, Guinãzu, Andrezinho (Tinga), D’Alessandro (João Paulo); Jô (Dellatorre) e Leandro Damião

Técnico: Dorival Júnior

Botafogo: Jefferson; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos (Lucas Zen), Renato, Maicosuel (Cidinho) e Felipe Menezes (Thiago Galhardo); Herrera e Alex

Técnico: Caio Júnior

Gol do Internacional: Leandro Damião, aos 12 minutos do segundo tempo

Local: Beira-Rio (RS) / Público: 11.080 pagantes / Renda: R$ 146.725,00

Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC)

Cartão Amarelo: Élton, Rodrigo Moledo e Nei (Internacional); Marcelo Mattos e Herrera (Botafogo)

Vitória na tática e na garra!

11/08/2011

O time mineiro jogava em casa e tinha a estreia do novo treinador como um elemento motivacional, além de iniciar a arrancada em outra competição sem a pressão do BR-11, mas apesar de tudo conspirar para uma boa vitória do Atlético-MG, o que o torcedor viu foi um passeio carioca no Ipatingão! Cuca entrou com a força máxima enquanto Caio Júnior se deu ao luxo de poupar quatro titulares, só que em campo a impressão era exatamente a inversa tal o domínio botafoguense no jogo.

O Atlético-MG até teve algumas oportunidades de gol na segunda etapa e aí Cuca deve ter se lembrado de Max e Júlio César… Ah, se fosse o Jefferson no gol alvinegro com aquele timaço de 2007/2008! Teríamos conquistado o histórico Tricampeonato Carioca e ainda, quem sabe, uma Copa do Brasil, um Brasileiro ou até mesmo a Sul-Americana. Pois é, faltava goleiro! E não faltava um “loco”? Loco Abreu não fez gol, mas deu um passe perfeito para Herrera abrir o placar e correu o tempo todo. Esse é o espírito de Libertadores! É assim que o time tem que jogar para ser campeão de qualquer coisa!

Loco Abreu puxou a marcação e Maicosuel aproveitou o espaço! Goooool!

Elkeson, Renato, Lucas e Cortês. Quatro titulares poupados e o time vencendo na casa do adversário em uma competição internacional. Sei não, acho que não me recordo de ter visto isso na minha curta carreira de torcedor botafoguense. Os jogadores escalados deram conta do recado e apesar do time ter caído na segunda etapa com a entrada dos reservas, é possível falar em elenco alvinegro! Léo entrou disperso, Alexandre Oliveira não conseguiu nenhum contra-ataque e Alex não jogou perto do gol adversário. Mas vamos falar do que deu certo!

Felipe Menezes ainda aparenta estar fora de forma, meio pesadão, mas protege bem a bola e tem toques precisos, só precisa ganhar mais velocidade. Lucas Zen ocupou o meio de campo e ainda foi deslocado para a lateral-esquerda na etapa final. Como joga esse garoto! Sr. Presidente, faça um contrato de dez anos com o menino! Muito criticado em casa, ontem, longe da torcida, Alessandro foi o dono da direita e quase fez um golaço no fim. Não é o caso de apoiar mais e vaiar menos?

Caio Júnior terá que administrar um problemão no elenco: a lateral-esquerda. Cortês é dono absoluto da posição, mas é impossível jogar todas as partidas do ano e assim Márcio Azevedo precisa entrar bem e tentar ao menos ser uma sombra para o companheiro. Fica claro que o treinador não confia no reserva quando a pressão aumenta como aconteceu no segundo tempo do jogo de ontem. E não veremos mais contratações. O time é esse. É hora de apoiar. Depois da Sul-Americana, o BR-11 volta à pauta e uma vitória sobre o América-MG – não, não estamos disputando o estadual de Minas – irá selar de vez a união entre torcida e comissão técnica!

Vamos, FOGO!

União! Jogadores não buscam as câmeras de TV nas comemorações!

Copa Sul-Americana

Fase 02 – Jogo 01: Atlético-MG 1 x 2 Botafogo (10/08/2011)

Atlético-MG: Giovanni; Patric (Wesley), Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos (Mancini); Toró, Serginho, Richarlyson e Caio; Magno Alves (Neto Berola) e André

Técnico: Cuca

Botafogo: Jefferson; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo (Léo); Lucas Zen, Marcelo Mattos, Felipe Menezes e Maicosuel (Alexandre Oliveira); Herrera (Alex) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Atlético-MG: Richarlyson, aos 44 minutos da etapa inicial

Gols do Botafogo: Herrera, aos 10 minutos iniciais, e Maicosuel, aos 38 do primeiro tempo

Local: Ipatingão (MG) / Público: 9.583 pagantes / Renda: R$ 43.270,00

Árbitro: Paulo César de Oliveira

Cartão Amarelo: Toró (Atlético-MG) e Lucas Zen (Botafogo)

Cartão Vermelho: Toró (Atlético-MG)

Presente de aniversário!

07/08/2011

Caio Júnior não conseguia esconder a satisfação na entrevista coletiva após o jogo. E o motivo não foi “apenas” a bela goleada sobre o Vasco da Gama, não senhor! Caio Júnior finalmente pôde soltar o verbo e reclamar publicamente dos “corneteiros de plantão” que tentavam minar seu trabalho em General Severiano. O time vinha jogando bem, mas ainda não havia feito uma “exibição de gala” como a desta noite. O treinador tem motivos de sobra para estar feliz, pois quando colocou a bola no chão e teve calma para trabalhar as jogadas, o Botafogo mostrou entrosamento e poder de definição. Tudo o que faltou na derrota para o Figueirense na rodada anterior.

– Estou no futebol há muito tempo, mas este primeiro tempo foi inesquecível, não só pelo placar e pelo adversário, mas pela forma como atuou. Ontem (sábado) foi um dia longo, fiquei o dia inteiro revendo vídeos de outros jogos, quebrando a cabeça para achar a melhor formação; quase não dormi. Logo, fico feliz que todo esse empenho tenha dado certo – explicou o comandante alvinegro.

Loco Abreu agradece ao belo passe de Elkeson para o terceiro gol!

Foi um milagre? Não, apenas a confirmação de que o planejamento está sendo bem realizado e que não adianta trocar o comando técnico a cada percalço encontrado no caminho, ainda mais quando estamos num campeonato com trinta e oito rodadas, competitivo e muito equilibrado como o BR-11. O adversário vinha de uma invencibilidade de seis jogos e acreditava na vitória, tanto que entrou em campo tranqüilo e descansado, exatamente o oposto do comportamento alvinegro. O Botafogo foi superior durante os noventa minutos e a falta de poder ofensivo que tanto atrapalhou nos outros jogos dessa vez não apareceu no Engenhão.

Loco Abreu, Herrera e Antonio Carlos fizeram Fernando Prass buscar a pelota no fundo do gol por quatro vezes e não fossem algumas boas defesas do goleiro vascaíno teríamos um 7 a 0 fácil, fácil. É verdade que após a expulsão infantil do Diego Souza o time pisou no freio, mas é justificável, já que na quarta temos um duelo decisivo pela Copa Sul-Americana contra o Atlético-MG e depois, no sábado, outro jogo pelo Brasileirão. Uma verdadeira maratona futebolística!

Caio Júnior parece ter encontrado a equipe ideal, mas precisamos de banco, precisamos dos reservas para encarar tantos jogos na sequência ou correremos o risco de chegar perto e naufragar outra vez. O objetivo imediato é se aproximar do G-4 e conseguir a classificação para a próxima fase do torneio internacional. O mês de agosto será decisivo para as pretensões do Botafogo na temporada!

Vamos, FOGO!

Gooooooooool do Botafogo! Loco Abreu, camisa número 13!

Ficha Técnica:

15ª Rodada: Botafogo 4 x 0 Vasco (07/08/2011)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês (Márcio Azevedo); Marcelo Mattos, Renato, Felipe Menezes (Lucas Zen) e Elkeson (Cidinho); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Vasco: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Anderson Martins e Márcio Careca (Juninho Pernambucano); Jumar, Rômulo, Felipe (Leandro) e Diego Souza; Eder Luis (Julinho) e Alecsandro

Técnico: Ricardo Gomes

Gols do Botafogo: Antonio Carlos, aos 10 minutos iniciais, Loco Abreu, aos 27 e aos 40 da primeira etapa e Herrera, aos 46 do segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 21.238 pagantes / Renda: R$ 605.880,00

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Cartão Amarelo: Cortês e Elkeson (Botafogo); Dedé, Jumar, Felipe e Diego Souza (Vasco)

Cartão Vermelho: Diego Souza (Vasco)

A volta do Ataque Mercosul do Fogão: Herrera & Loco Abreu!

14ª Rodada: Figueirense 2 x 0 Botafogo (03/08/2011)

Figueirense: Wilson; Coutinho (Roger Carvalho), João Paulo, Edson Silva e Juninho; Ygor, Túlio (Jackson), Maicon e Elias (Wilson Pittoni); Fernandes e Júlio César

Técnico: Jorginho

Botafogo: Jefferson; Alessandro (Lucas), Antônio Carlos, Gustavo e Cortês; Marcelo Mattos (Felipe Menezes), Renato, Maicosuel e Elkeson; Herrera (Alexandre Oliveira) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gols do Figueirense: Edson Silva, aos 17 minutos iniciais, e Júlio César, aos 39 do primeiro tempo

Local: Orlando Scarpelli (SC) / Público: 8.695 pagantes / Renda: R$ 103.185,00

Árbitro: Wagner Reway (MT)

Cartão Amarelo: Elias, Túlio, Edson Silva, Coutinho e Juninho (Figueirense); Herrera, Antônio Carlos, Alessandro e Marcelo Mattos (Botafogo)

Cartão Vermelho: Maicosuel (Botafogo)

Tua estrela solitária te conduz!

26/06/2011


Apagão, Grêmio, Renato Gaúcho e Rafael Marques… Os motivos para temer um desastre eram muitos nesta tarde de domingo no Engenhão, mas o Botafogo de Caio Júnior não carrega o fardo dos empates que o time comandado por Joel Santana enfrentava no ano passado. Com um futebol de toques rápidos e sempre buscando o campo adversário, o Alvinegro conquistou uma vitória importante e deu um grande passo na luta pela afirmação no cenário nacional.

O Campeonato Brasileiro disputado nos moldes dos pontos corridos não permite que um clube leve o caneco sem ter peças de reposição ou um elenco forte e equilibrado. Montar um bom time já é difícil, agora imagine ter um elenco para suportar a pressão de 38 rodadas combinadas com a Copa Sul-Americana. Caio Júnior armou o Botafogo com o que tinha de melhor e soube usar o banco de reservas na hora certa e da forma certa. Everton e Maicosuel jogaram bem, buscaram o gol, mas mostraram cansaço na segunda etapa e as entradas de Cidinho e Caio foram fundamentais para a vitória.

Cercado: Herrera jogou sozinho no ataque e foi sempre perigoso!

O ataque precisa ser mais efetivo para aproveitar as muitas oportunidades criadas pelo ótimo meio de campo formado por Everton, Maicosuel e Elkeson, mas é inegável a luta e a entrega do argentino Herrera. A torcida tem que entender que essa não é a posição camisa 17 e o apoio vindo da arquibancada é um combustível extra em busca da superação e essa é a palavra de ordem no elenco: superação.

Jogadores que antes estavam barrados e eram sistematicamente vaiados, como Márcio Azevedo e Alessandro, mostraram que podem ajudar e muito na longa jornada do BR-11. As vaias por sinal não foram esquecidas só iniciaram tarde dessa vez, apenas na metade do segundo tempo, mas incomodaram da mesma forma. O Grêmio não é um time qualquer e os jogadores alvinegros esbarraram num forte esquema de marcação com três zagueiros e dois volantes numa clara demonstração de que Renato Gaúcho queria o empate no Rio.

Everton, Maicosuel, Elkeson e ainda falta o Renato! Que meio de campo!

Marcelo Mattos levou o terceiro cartão amarelo e não joga na próxima rodada contra o São Paulo, no Morumbi, mas deu um presente para a torcida ao escorar o chute violento de Elkeson e recebeu em troca os gritos de “Fica! Fica! Fica!”. O “Dia do Fico” ainda está longe, as negociações com os gregos não evoluíram nas últimas semanas, porém a diretoria sabe que não adianta reforçar o ataque e depois perder um importante titular no sistema defensivo.

O treinador alvinegro terá que quebrar a cabeça para escalar o time contra o líder São Paulo. Entra o Somália? Recua o Lucas Zen? Improvisa o Alessandro no meio com a volta do Lucas na lateral? Promove a estreia de Leo? Enfim, Caio Júnior irá dormir tranqüilo hoje, mas amanhã já acordará com uma pequena dor de cabeça. Esse é o Campeonato Brasileiro: uma decisão em cada partida. E só para registrar: que atuação do Renan! É, os ventos mudaram em General Severiano!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

6ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Grêmio (26/06/2011)

Botafogo: Renan; Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos (Thiago Galhardo), Lucas Zen, Everton (Cidinho), Elkeson e Maicosuel (Caio); e Herrera

Técnico: Caio Júnior

Grêmio: Marcelo Grohe; Mário Fernandes, Rafael Marques e Neuton; Gabriel, Fernando, Willian Magrão, Marquinhos (Roberson), Douglas e Lúcio; Lins (Leandro)

Técnico: Renato Gaúcho

Gols do Botafogo: Marcelo Mattos, aos 25, e Elkeson, aos 58 minutos da etapa final

Gol do Grêmio: Rafael Marques, aos 65 minutos do segundo tempo

Local: Engenhão (RJ) / Público: 13. 983 presentes / Renda: R$ 235.895,00

Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)

Cartão Amarelo: Fernando e Mário Fernandes (Grêmio); Marcelo Mattos, Elkeson e Caio (Botafogo)

Cartão Vermelho: Fernando (Grêmio)

Marketing & Futebol

26/05/2011

A atual gestão do presidente Maurício Assumpção pode ser contestada por parte da torcida, mas é inegável a valorização da marca Botafogo no cenário nacional e também, ainda que timidamente, vemos uma projeção internacional que não existia desde 1996, quando Túlio Maravilha & Cia bateram grandes equipes européias e conquistaram três títulos em excursão no Japão e na Europa. A contratação de Loco Abreu e o sucesso do Uruguai no Mundial da África do Sul fizeram a Estrela Solitária viajar o mundo inteiro com a famosa cavadinha na final da Taça Rio, em 2010. Hoje, o Botafogo tem três jogadores de seleção: Abreu e Arévalo Ríos, no Uruguai, e Jefferson na seleção nacional.

Maurício Assumpção conquistou o bicampeonato da Taça Guanabara 2009/2010, a Taça Rio 2010, o Campeonato Carioca 2010 e viu a equipe lutar até o fim por um vaga na Libertadores da América – grande sonho de todos os botafoguenses. A diretoria sabe que vencer uma competição continental é a única forma de fazer o clube crescer e atrair mais investidores e patrocinadores. Enquanto a projeção internacional não vem, a equipe de Marketing consegue estabelecer o Botafogo no mercado caseiro com boas campanhas e diversos produtos lançados. O torcedor alvinegro é fanático pela história do clube e sabe valorizar os ídolos do presente e do passado, com essa ideia em mente, diversas ações propostas pela diretoria mantêm a loja oficial vendendo mesmo quando o time vai mal.

Sem folga! Mais de mil botafoguenses prestigiaram o evento com o artilheiro!

Camisas personalizadas, bonecos, bonés, chinelos, bermudas, foto com fãs, tarde de autógrafos, são várias as atrações onde os alvos prioritários são Maicosuel e Loco Abreu, dois ídolos recentes que abraçaram o projeto de marketing. O eterno goleador Túlio Maravilha lotou a nova mega-loja, em General Severiano, no dia da inauguração, para uma tarde de autógrafos e duas semanas depois foi a vez de Loco Abreu esgotar as duas mil senhas disponibilizadas pela equipe de produção. Sinal de que a torcida, a verdadeira, está aí para apoiar o time e que basta apenas uma equipe guerreira e voluntariosa para reverter todo o quadro atual de críticas e vaias que infelizmente partem de uma minoria.

É certo que a torcida está irritada: foram cinco eliminações em apenas cinco meses! A perda de jogadores como Leandro Guerreiro, Lucio Flavio e Renato Cajá enfraqueceram a equipe e a troca de treinador ainda não surtiu o efeito desejado, nem tanto por culpa de Caio Júnior que ainda não conseguiu ter todos os titulares à disposição. O retorno de Maicosuel e de Fabio Ferreira, dois jogadores importantíssimos para o grupo, e as recentes contratações devem fazer o grito de “FOGO!” ecoar pelo Engenhão! Basta uma vitória, uma boa apresentação para o torcedor alvinegro se apaixonar novamente pelo time!

O Mago precisa de ajuda para compor o meio de campo alvinegro!

Elkeson é uma grande aposta de 21 anos, mas que já deu um título para o Vitória no ano passado e vem com muita vontade de aparecer por uma equipe de ponta; Marcelo Mattos já disse que quer ficar e é uma peça muito importante para ser liberado; Gilberto ainda pode fechar e a contratação de Renato, ex-Sevilla, promete dar o toque de qualidade que o meio campo alvinegro tanto sente falta. Se não perder ninguém na janela de transferência e com mais dois nomes, é possível afirmar que teremos elenco para disputar o BR-11 até o fim – como aconteceu no ano passado. Ah, e precisamos encarar a Copa Sul-Americana como prioridade, um ensaio para a conquista da América!

Caio Júnior poderá finalmente escalar uma equipe com bom toque de bola e poder de definição no ataque. Loco Abreu, Arévalo e Jefferson só devem retornar após a Copa América, em agosto, assim teremos que esperar até vermos a força máxima em campo. O provável Botafogo da primeira metade do BR-11 deve ser: Renan, Lucas (Alessandro), Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês; Lucas Zen, Marcelo Mattos, Tiago Galhardo e Maicosuel; Caio e Elkeson. Esse time precisa somar pontos agora para que no segundo turno, com todos os titulares, a briga seja pelo título! Jefferson, Lucas, Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês (Gilberto); Arévalo Ríos, Marcelo Mattos, Renato e Maicosuel; Loco Abreu e Herrera (Elkeson): time para ser Campeão Brasileiro em 2011!

Vamos, FOGO!

"Quero jogar sábado!" Elkeson chega com moral ao Botafogo!

Ficha Técnica:

Nome: Elkeson de Oliveira Cardoso

Nascimento: 13/07/1989 (21 anos)

Natural de: Coelho Neto, Maranhão

Posição: Meia-atacante

Clubes: Vitória e Botafogo

Ficha Técnica:

Nome: Renato Dirnei Florêncio

Nascimento: 15/05/1979 (23 anos)

Natural de: Santa Mercedes, São Paulo

Posição: Volante

Clubes: Guarani, Santos, Sevilla e Botafogo

Não, não falta nada! Renato é do Fogão por três anos!!!

Um ano incomum…

25/04/2011

Desde 2006 que o torcedor do Botafogo não sabe o que é ficar de fora das finais do Campeonato Carioca, foram dois títulos e três vices nesses cinco anos, ou seja, todo ano, de um jeito ou de outro, o Fogão levantava um caneco e dava a volta olímpica. Em 2006, vencemos a Taça Guanabara e levamos o Campeonato Carioca; no ano seguinte apenas o título da Taça Rio; em 2008, vice da Taça Guanabara e Bicampeão da Taça Rio, mas ficamos sem o estadual; chega outra temporada e a história se repete: título na Taça Guanabara e vice na Taça Rio, derrota na grande final do estadual. Mas em 2010 o roteiro foi diferente: Bicampeão da Taça Guanabara, Campeão da Taça Rio e Campeão Carioca – sem a necessidade de disputar as partidas finais.

É Campeão! É Campeão! Leandro Guerreiro e a Taça Rio 2010!

Nesses anos, conquistamos um lugar cativo nas finais do estadual e lutamos pelo mesmo sucesso nos torneios nacionais. Na Copa do Brasil, naufragamos em 2006, mas avançamos até a semifinal em 2007 e em 2008, sempre sob o comando do técnico Cuca, e voltamos a cair na segunda fase, de forma vergonhosa, em 2009 e em 2010. Nesta temporada parecia que o time teria forças para engrenar, mas outra desclassificação vergonhosa aconteceu.

No Campeonato Brasileiro a luta foi ainda mais difícil, sufocante, quase trágica. Em 2006, a equipe ficou com o 12º lugar e chegou a sonhar com posições melhores durante a competição; em 2007, lideramos por oito rodadas, mas terminamos na 9º colocação; Cuca comandou a equipe novamente no ano seguinte e apesar de ser “o melhor time do Brasil” não passamos do 7º lugar, longe do título e da Libertadores; a temporada de 2009 foi muito conturbada e a luta contra o rebaixamento seguiu até a última rodada. O título Carioca de 2010 fez a torcida acreditar que o Botafogo finalmente poderia ir para a Libertadores, mas uma sequência de empates em casa e a perda de jogadores importantes nos levou até a 6ª posição. E agora? O que esperar desse time no BR-11?

Timaço que levou a Taça Rio, ficou em 3º na Copa do Brasil e foi 9º no BR-07!

A diretoria passada e a atual almejam colocar o Botafogo no cenário internacional e assim faturar com patrocínios e cotas de transmissão, mas como atingir esse objetivo? A Copa do Brasil, o chamado caminho mais curto, já se foi, mas teremos duas chances pela frente. A Copa Sul-Americana aparece como solução mais provável. Seria perfeito para o fim da temporada: conquistar um título internacional e ainda voltar para a Libertadores em 2012. Para isso é preciso jogar com inteligência, pois a competição passou a ficar valorizada depois que a Commebol decidiu dar ao campeão uma vaga na Libertadores.

O Botafogo fez sua estreia no torneio apenas na quinta edição, em 2006, e foi eliminado logo na primeira fase; em 2007, a derrota traumática, nas oitavas, para o River Plate; nos dois anos seguintes chegamos até as Quartas de final e parecia que o time tinha aprendido a jogar a competição, mas sequer nos classificamos para a edição de 2010. A Copa Sul-Americana ainda permite ao campeão disputar a Recopa Sul-Americana e a Copa Suruga Bank contra o vencedor da Copa do Japão, ou seja, visibilidade internacional e muito, muito dinheiro em premiação e cotas de TV.

Maestro alvinegro: Lucio Flavio comandava as ações no meio-campo em 2007!

O que reserva o futuro para a equipe do Botafogo? Como acreditar que o trabalho está “sendo bem feito” se abrimos mão de conquistar um título? A eliminação nas semifinais do Troféu Carlos Alberto Torres foi a quinta consecutiva na temporada. Na Europa, qualquer taça, qualquer troféu é encarado com seriedade e os clubes lutam pela possibilidade de vencer até na porrinha, mas não ficam sem dar a volta olímpica um ano inteiro!

O torcedor botafoguense está desesperado porque sabe da dificuldade do BR-11 e da falta de vontade apresentada ante a Sul-Americana. Esse descaso precisa acabar! O Botafogo precisa aprender a vencer tudo! Não interessa a competição, é preciso entrar para vencer!

Vamos, FOGO!

Ficha Técnica:

Troféu Carlos Alberto Torres – Semifinal

Botafogo 2 X 5 Boavista (23/04/2011)

Botafogo: Milton Raphael, Gilberto, Paulo Ricardo, Ulisses e Renan Lemos (Jadson); Thiago Brito, Fabiano, Jefferson (Bruno Medeiros); Vitinho (Castro); Jairo e Willian

Técnico: Eduardo Húngaro

Boavista: Thiago, Everton Silva (Thiaguinho), Bruno Costa, Santiago e Paulo Rodrigues; Julio César, Leandro Chaves (Edu Pina), Erick Flores e Tony; Leandrinho (Max) e Frontini

Técnico: Alfredo Sampaio

Gols do Botafogo: Jairo, aos nove, e Vitinho, aos 20 minutos iniciais

Local: São Januário (RJ) / Público: 900 presentes / Renda: R$ 11.120,00

Árbitro: Wagner dos Santos Rosa

Cartão Amarelo: Renan e Vitinho (Botafogo); Bruno Costa, Erick Flores, Edu Pina e Everton Silva (Boavista)

Quando o Botafogo voltará a campo?

21/04/2011

Quando o torcedor botafoguense terá o seu maior prazer de volta? Quando será possível vaiar time, treinador, dirigente e o que mais vier pela frente? Será neste sábado, pela Taça Carlos Alberto Torres? Ou apenas no mês que vem, pelo BR-11? O torcedor que vai ao Engenhão espera por isso a semana toda: “Hoje vou xingar e vaiar ate ficar rouco!” Acredito que alguns até façam fonoaudiologia, como os cantores, para poderem gritar mais alto e por mais tempo. É incrível! A pancadaria de ontem, pela Copa do Brasil, é reflexo de uma equipe nervosa e que não conta com o apoio da própria torcida quando joga em casa.

O Botafogo foi eliminado da competição na partida aqui do Rio e não lá em Florianópolis. Arbitragens polêmicas e confusão já são marcas registradas dos jogos na região Sul do Brasil. Eu não me esqueço dos dois gols legítimos anulados na final da Copa do Brasil, em 1999, contra o fraquinho Juventude – que hoje está na Série C do Brasileirão. Contra esses timinhos é preciso se impor e golear, ou ao menos vencer! E isso poderia ter acontecido se o time não tivesse que jogar contra o adversário e contra a própria torcida… Parece que esse atual torcedor alvinegro não quer vencer, não quer taças, não quer goleada, quer apenas sofrer e reclamar da vida…

Fahel jogou muito bem ontem, mas aqui no Rio seria vaiado mesmo assim...

Caio Júnior, o Ofensivo, entrou no lugar de Joel Santana, o Retranqueiro, mas é obrigado a conviver com os mesmos problemas e isso inclui a exigente torcida botafoguense. Exigente? Exigente ou burra? Exigente ou mesquinha? Exigente ou ingrata? Leandro Guerreiro foi para o Cruzeiro antes de ser crucificado como aconteceu com o Lucio Flavio. Quem bate as faltas agora? Que sabe fazer um bom lançamento? Quem cobra escanteios? Quem coloca a bola na cabeça do Loco Abreu? Quem absorve a culpa pela derrota? O Lucio Flavio? Querem contratar o Ricardinho, saído do Atlético-MG, para ser o dono da 10, mas ele não é um “Lucio Flavio piorado”?

O Botafogo deveria jogar com o time principal neste sábado, contra o Boavista, pela Taça Carlos Alberto Torres, e deixar a eliminação na Copa do Brasil no passado. Esse deve ser o início da preparação para a disputa de duas competições importantíssimas no próxmo semestre: o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana! São duas oportunidades para conseguir a sonhada vaga para a Taça Libertadores, em 2012 – o inegável objetivo da atual diretoria!

Acredito no time, acredito nos jogadores e acredito no trabalho do Caio Júnior. Temos Jefferson, o melhor goleiro do Brasil; Lucas e Cortês se acertando nas laterais; Fábio Ferreira retornando para compor a zaga com Antônio Carlos; Arévalo Ríos crescendo de produção ao lado de Marcelo Mattos; o ataque Mercosul, Herrera & Loco Abreu, voltou a fazer gols decisivos; e claro, o principal: a volta de Maicosuel! Precisamos apenas de um bom camisa 11 para ajudar na criação das jogadas! Pode ser o Everton? Pode ser o Fabrício? Pode ser o Andrezinho? Pode ser o Gilberto? A diretoria precisa buscar esse jogador! Eu farei a minha parte que é torcer e gritar:

Vamos, FOGO!

Volta Maicosuel! Loco Abreu não pode carregar essa cruz sozinho!

Copa do Brasil

Oitavas de Final – Jogo 02: Avaí 1 x 1 Botafogo (20/04/2011)

Avaí: Renan, Felipe (Evando), Gian, Cássio e Julinho; Bruno, Diego Orlando, Marcinho Guerreiro e Marquinhos; William e Rafael Coelho (Estrada)

Técnico: Silas

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Everton), Fahel e Lucas Zen; Lucas, Arévalo, Marcelo Mattos, Cidinho (Caio) e Cortês; Herrera (Somalia) e Loco Abreu

Técnico: Caio Júnior

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 37 minutos da etapa final

Gol do Avaí: Willian, aos 42 do segundo tempo

Local: Ressacada (SC)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Cartão Amarelo: Diogo Orlando, Bruno Silva e Julinho (Avaí); Herrera (Botafogo)

Herrera parte para a briga, após ver Abreu chutado no chão! Porrada!