Posts Tagged ‘Brasil’

Quatro seleções e um sonho: o título mundial!

04/07/2010

A Espanha aposta nos gols de David Villa para conquistar o primeiro mundial!

A fase de Quartas de Final foi a mais emocionante da XIX Copa do Mundo da Fifa! Partidas fantásticas, viradas inesperadas, gols nos últimos minutos, seleções favoritas indo para casa mais cedo e uma goleada humilhante! Os quatro jogos foram emocionantes e dramáticos – como diria Galvão Bueno!

Um capítulo à parte poderia ter como convidado especial um personagem histórico da Copa do Mundo: Roberto Baggio. Foram pênaltis desperdiçados, pênaltis não marcados, pênaltis mal cobrados, pênaltis defendidos, pênaltis bem cobrados e um pênalti incrivelmente convertido por Sebastián El Loco Abreu. Como diria Baggio: “Pênalti não é coisa que se perca”!

A Europa domina a fase final do mundial com três selecionados e resta ao Uruguai representar o continente americano. Os uruguaios estão invictos (três vitórias e dois empates) e confiantes para o duelo contra a Holanda, única equipe com 100% de aproveitamento: cinco vitórias em cinco jogos. Um europeu estará garantido na grande final, no dia 11 de julho, e sairá do confronto entre Espanha (quatro vitórias e uma derrota) e Alemanha (quatro vitórias e uma derrota).

Schweinsteiger tem um nome difícil, mas um futebol simples e eficiente

Foram marcados 10 gols nos embates das quartas de final, uma média de 2,5 gol/jogo. Números inferiores aos 2,75 gol/jogo das oitavas, mas superior aos decepcionantes 2,08 gol/jogo da primeira fase. No total foram anotados 132 gols em 60 jogos, média de 2,2 gol/jogo.

O espanhol David Villa com cinco gols é o artilheiro isolado da competição. Higuaín (Argentina) e Vittek (Eslováquia), com quatro gols, deram adeus ao mundial, mas os alemães Klose e Müeller e o holandês Sneijder, também com quatro gols, prometem esquentar a briga pela artilharia e pelo título.

Semifinais:

Holanda x Uruguai = terça, 06/07, 15h30

Alemanha x Espanha = quarta, 07/07, 15h30

Maradona e Messi choram a eliminação precoce da Argentina!

Adiós, hermanos!

04/07/2010

Antes do início do mundial, os comentaristas diziam que a Argentina armada por Maradona era um timaço no meio de campo e no ataque  e um desastre na defesa. Otamendi, Demichelis, Burdisso e Heinze eram os homens de confiança de Don Diego – algo semelhante com o Brasil? Com o amigão Dunga?

O treinador argentino ignorou os apelos dos jornalistas em nome de Cambiasso e Zannetti. A dupla do Inter de Milão venceu todos os títulos em 2010 e poderia dar a estabilidade que faltava a defesa argentina. Maradona não ouviu os apelos e fez apenas o que quis, como quis e quando quis. Ele não é dios?

Thomas Müeller, 20 anos, é um dos destaques da jovem Alemanha.

A Alemanha de Joachim Löw não chegou badalada na África do Sul, perdeu seu principal jogador, Michael Ballack, semanas antes do mundial e, após uma goleada por 4 a 0 sobre a Austrália, sofreu uma imprevista derrota para a Sérvia, 1 a 0. Os alemães oscilaram na primeira fase, mas se classificaram em primeiro lugar no Grupo D. Nas oitavas de final, a poderosa Inglaterra não conseguiu nem anotar a placa do caminhão: 4 a 1.

Aos três minutos de jogo, Müeller escorou cobrança de falta e começou a escrever a terceira goleada alemã na Copa do Mundo. A defesa argentina falhou. A zaga falhou. O goleirão Romero falhou. Um apagão geral que custou muito caro a Maradona. Os alemães conseguiram a vantagem cedo demais e controlaram a partida sem riscos na primeira etapa.

"Eu não tô impedido, não! Vou fazer o gol, hein! Olha lá seu Bandeira!"

Maradona parecia calmo na volta do intervalo. Estava tudo certo! Argentina começou uma grande blitz nos primeiros minutos, bombardeando o gol de Neuer que mandava a Jabulani para todo lado! Em Buenos Aires, a torcida esperava pelo gol que certamente viria. O empate era apenas questão de tempo. Não foi.

A pressão feita com os craques Messi, Tevez e Higuían durou apenas 15 minutos. Klose, aos 23, e Friedrich, aos 29, fizeram o sorriso de Maradona sumir. Klose ainda teve tempo de fazer o quarto gol alemão e sacramentar a goleada: Alemanha 4 x 0 Argentina.

O retrato da goleada: Vibração de Klose. Decepção de Messi.

Humilhação. Gritos de Olé! Show de Schweinsteiger, Özil e Podolski. Diego Maradona pode seguir o mesmo caminho de Dunga e seu “O Grupo”. A Alemanha? Segue forte rumo ao tetra-campeonato. Schweinsteiger, 26 anos, Podolski, 25 anos, Özil, 22 anos, e Müeller, 20 anos, formam a nova geração do futebol alemão.

Enquanto Maradona e Dunga apostam nos jogadores de grupo, Joachim Löw selecionou os melhores boleiros da Alemanha. Os alemães jogam como os brasileiros um dia jogaram, eles fazem os dribles que sumiram do Brasil, mostram a ginga e o toque de bola que não sabemos mais fazer. Não sabemos? Claro que sabemos. Quem não sabe é o Felipe Melo, é o Josué, o Kleberson, o Júlio Baptista…

Alemanha 4 x 0 Argentina: Messi e Higuín parecem perdidos em campo!

Ficha técnica:

Alemanha 4 X 0 Argentina

Alemanha: Neuer, Lahm, Mertesacker, Friedrich e Boateng (Jansen); Khedira (Kroos), Schweinsteiger, Özil e Müeller (Trochowski); Podolski e Klose

Técnico: Joachim Löw

Argentina: Romero, Otamendi (Pastore), Demichelis, Burdisso e Heinze; Mascherano, Maxi Rodríguez e Di Maria (Agüero); Messi, Tevez e Higuaín

Técnico: Diego Maradona

Gols da Alemanha: Müeller, aos 3 minutos iniciais. Klose, aos 23, Friedrich, aos 29, e Klose, aos 44 minutos da etapa final

Estádio: Green Point, na Cidade do Cabo / Público: 64.100

Data/hora: 03/07/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)

Auxiliares: Rafael Ilyasov (Uzbequistão) e Bakhadyr Kochkarov (Cazaquistão)

Cartão Amarelo: Otamendi, Mascherano (ARG) e Müller (ALE)

A torcida alemã faz a festa em Berlim: vai faltar cerveja!

Copa do Mundo 2010: Parada Técnica!

01/07/2010

Copa do Mundo 2010: Vuvuzela nos estádios e Jabulani em campo!

Foram dezenove dias seguidos de bom futebol. Hum, talvez nem tão bom assim, mas de qualquer forma, os melhores jogadores do mundo entraram em ação nos gramados sul-africanos defendendo suas seleções nacionais. Os eliminados estão retornando para casa e as oito seleções classificadas continuam na briga pelo título mundial.

A primeira fase da Copa do Mundo 2010, a fase de grupos, foi composta por 48 jogos e teve uma média de 2,08 gol/jogo com 100 tentos anotados. Na rodada de abertura, os técnicos preferiram a cautela e as redes balançaram somente 25 vezes em 16 partidas, média de 1,5 gol/jogo. Aconteceram dois resultados de zero a zero e, das trinta e duas seleções, treze não conseguiram fazer sequer um golzinho. A alemanha destoou e venceu a Austrália por 4 a 0.

Decepção: Cristiano Ronaldo fez apenas 1 gol no mundial

Na rodada seguinte, a média subiu para 2,65 gol/jogo, com 42 gols anotados. Ocorreu somente um zero a zero, entre Inglaterra e Argélia, e Portugal goleou a Coréia do Norte, por 7 a 0, contribuindo para o crescimento dos números. França (atual vice-campeã do mundo), Argélia e Honduras fecharam o segundo jogo sem motivos para comemorar: nada de gols.

A última e decisiva rodada da fase de grupos começou cercada de expectativas, mas novamente as torcidas se decepcionaram: apenas 33 gols em 16 confrontos, uma média de 2,06 gol/jogo. Vitória da retranca e do zero a zero, três jogos terminaram com esse placar, inclusive Brasil x Portugal. Outros quatro confrontos tiveram o placar mínimo de 1 a 0 e o jogo  mais movimentado foi Eslováquia 3 x 2 Itália.

Itália, atual campeã, eliminada na primeira fase e sem nenhuma vitória

Ao fim da primeira fase, Argélia e Honduras se despediram do mundial sem balançar as redes adversárias, Argentina e Holanda foram as únicas seleções com 100% de aproveitamento e apenas Uruguai e Portugal não sofreram gols. Nove equipes continuavam invictas e a Nova Zelândia foi eliminada invicta após empatar em 1 a 1 com Eslováquia e Itália e em 0 a 0 com o Paraguai.

Don Diego Maradona: a grande estrela da Copa do Mundo 2010!

Começa o mata-mata: Oitavas de final da Copa do Mundo!

Dezesseis seleções abriram a fase de Oitavas de final sonhando com título mundial. Sete representantes da América (Uruguai, México, Argentina, Estados Unidos, Paraguai, Brasil e Chile), seis da Europa (Inglaterra, Alemanha, Holanda, Eslováquia, Portugal e Espanha), dois da Ásia (Coréia do Sul e Japão) e apenas um da África (Gana).

Quando o árbitro argentino Hector Baldassi deu o apito final para Espanha 1 x 0 Portugal, oito seleções se credenciaram para as quartas de final. São quatro seleções da América Latina, três da Europa e uma africana.

Argentina x Alemanha: A primeira final antecipada do mundial!

Uruguai (três vitórias e um empate), Argentina (quatro vitórias), Holanda (quatro vitórias), Paraguai (uma vitória e três empates) e Brasil (três vitórias e um empate) continuam invictos; Gana (duas vitórias, um empate e uma derrota), Alemanha (três vitórias e uma derrota) e Espanha (três vitórias e uma derrota) completam o grupo de classificados.

Foram marcados 22 gols nos embates das oitavas de final, uma boa média de 2,75 gol/jogo. A XIX Copa do Mundo da Fifa totaliza 122 gols em 56 partidas, média de 2,17 gol/jogo. Os artilheiros do mundial são David Villa (Espanha), Higuaín (Argentina) e Vittek (Eslováquia) com quatro gols anotados.

Briga pela artilharia: Luis Fabiano já anotou três gols no mundial

Quartas de final:

Brasil x Holanda = sexta, 02/07, 11h

Uruguai x Gana = sexta, 02/07, 15h30

Argentina x Alemanha = sábado, 03/07, 11h

Paraguai x Espanha = sábado, 03/07, 11h

Torcida do Botafogo presente nos estádios sul-africanos!

Luis Fabiano e Kaká comandam a vitória brasileira

28/06/2010

Só faltou o gol: Kaká dominou o meio de campo contra o Chile

O técnico Marcelo Bielsa, apelidado de El Loco Bielsa na Argentina, de louco não tem nada e por isso armou a equipe chilena para tentar surpreender o Brasil logo nos minutos iniciais. A ideia de Bielsa, muito coerente, era fazer 1 a 0, deixar os discípulos de Dunga nervosos e explorar os contra-ataques com Alexis Sánchez e Suazo. O Chile marcava forte com duas linhas de quatro e estava preparado para enfrentar o meio-campo brasileiro.

Bielsa só não contava com a ausência de Felipe Melo, poupado, machucado, cortado… isso não importa! O que importa é que Daniel Alves, pela direita, Kaká, centralizado, e Ramires, pela esquerda, não guardavam suas posições iniciais e trocavam de lado a todo instante. Demorou um tempo para a marcação chilena achar o jogo brasileiro e quando isso aconteceu outra arma mortal da seleção funcionou: a bola aérea!

Gooooooool! Juan sobe sozinho e estufa as redes chilenas!

Até a cobrança de escanteio, aos 34 minutos do primeiro tempo, tudo estava se desenrolando bem dentro do plano traçado por Bielsa, mas Juan tratou de aniquilar as pretensões chilenas ao escorar cobrança de escanteio e abrir o placar.

A estratégia desmoronou e três minutos depois, Kaká deixou Luis Fabiano na cara do gol. O Fabuloso driblou Bravo, ajeitou o corpo, deu um tapinha de leve na Jabulani e foi agradecer o excelente passe do camisa 10 brasileiro.

Sem afobação: Luis Fabiano passa por Bravo e empurra a bola com carinho

No segundo tempo, a pergunta nas mesas dos bares era só uma: “Vamos ganhar de quanto?” Quem apostou em 3 a 0 acertou em cheio! Ramires levou o terceiro cartão amarelo e vai fazer muita falta contra a Holanda. E sem trocadilhos, por favor!

Ao contrário do truculento Felipe Melo que só sabe bater e tocar a bola lateralmente, Ramires fecha a entrada da área brasileira e ainda avança em velocidade quando tem a posse de bola. E foi numa dessas arrancadas do ex-cruzeirense que Robinho aproveitou para dar números finais a partida: Brasil 3 x 0 Chile.

Na entrevista coletiva, após o jogo, Dunga disse que arma a equipe para cada confronto e que irá pensar em como montar a seleção para enfrentar Robben e Sneijder. Para sorte dos holandeses Ramires não joga, mas teremos Luis Fabiano, Kaká, Robinho, Lúcio, Juan, Júlio César

Kaká comemora mais uma boa atuação com a camisa 10 do Brasil

Ficha técnica:

Brasil 3 X 0 Chile

Brasil: Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto SIlva, Ramires, Daniel Alves e Kaká (Kleberson); Robinho (Gilberto) e Luis Fabiano (Nilmar)

Técnico: Dunga

Chile: Bravo, Isla (Millar), Contreras (Rodrigo Tello), Jara e Fuentes; Carmona, Vidal e Beausejour; Sánchez, Suazo e Mark González (Valdivia)

Técnico: Marcelo Bielsa

Gols do Brasil: Juan, aos 34, e Luis Fabiano, aos 37 minutos iniciais. Robinho, aos 14 minutos do segundo tempo

Estádio: Ellis Park, em Joanesburgo

Data/hora: 28/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Howard Webb (ING)

Auxiliares: Darren Cann (ING) e Michael Mullarkey (ING)

Cartão Amarelo: Kaká, Ramires (BRA) e Vidal, Fuentes, Millar (CHI)

Pedala, Robinho! O santista é esperança de gols contra a Holanda!

Robben + Sneijder = bom futebol!

28/06/2010

Arjen Robben: esse sabe tratar a Jabulani com carinho!

O técnico holandês Bert van Marwijk estava esperando por Arjen Robben, a torcida holandesa queria ver Robben em ação e até Sneijder, finalmente, encontrou alguém para dialogar no meio de campo laranja. A Holanda ataca em peso e defende em bloco, parece uma massa laranja e compacta.

A marcação começa na saída de bola adversária com Van Persie, Robben, Sneidjer e Kuyt. Qualquer descuido resulta em rápido contra-ataque com três, quatro, cinco holandeses e os passes precisos de Sneijder agora encontram os pés de Robben.

A seleção holandesa dominou completamente o primeiro tempo e podia ter resolvido a classificação em lances individuais da dupla Robben-Sneijder, mas o goleiro Mucha não entrou em campo para ser um mero expectador e fez questão de sujar o uniforme. Só não teve como evitar o belo gol de Robben, após um passe milimétrico de Sneijder.

Robben em ação: jogada tradicional e bola na rede!

A pressão holandesa não resultou em bola na rede e o intervalo fez bem aos eslovacos que voltaram com mais disposição para a etapa final ou, quem sabe, acreditando que outra zebra era possível, afinal não estamos na África?

A Eslováquia eliminou a Itália do mundial contado com os gols de Vittek. Mas nessa tarde o artilheiro eslovaco demorou a brilhar e desperdiçou duas boas chances, dentro da área, quando a Holanda vencia por 1 a 0 e buscava apenas o contra-ataque.

O jogo estava aberto, mas as duas equipes falhavam na hora do arremate e somente aos 39 minutos Sneijder fez o gol da tranquilidade holandesa. Ainda teve tempo para Vittek sofrer e cobrar um pênalti aos 48, mas a sorte já estava lançada: Holanda 2 x 1 Eslováquia.

Os holandeses cruzam o caminho do Brasil e de Dunga mais uma vez.

Sneijder + Robben = preocupação para Lúcio e Juan!

Ficha técnica:

Holanda 2 X 1 Eslováquia

Holanda: Stekelenburg, Van der Wiel, Hitinga, Mathijsen e Van Bronckhorst; Van Bommel, De Jong e Sneijder; Kuyt, Van Persie (Huntelaar) e Robben (Elia)

Técnico: Bert van Marwijk

Eslováquia: Mucha; Pekarik, Skrtel, Durica e Zabavnik (Jakubko): Kucka, Stoch, Weiss e Hamsik (Sapara); Jendrisek (Kopunek) e Vittek

Técnico: Vladimir Weiss

Gols da Holanda: Robben, aos 18 minutos iniciais, e Sneijder, aos 39 da etapa final

Gol da Eslováquia: Vittek, de pênalti, aos 48 minutos do segundo tempo

Estádio: Moses Madhida, em Durban

Data/hora: 28/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Alberto Undiano (ESP)

Auxiliares: Fermin Martinez (ESP) e Juan Carlos Yuste Jimenez (ESP)

Cartão Amarelo: Robben, Stekelenburg (HOL), Kucka, Kopunek e Skrtel (ESL)

As holandesas eram só felicidade no estádio Moses Madhida, em Durban

Espanha vence, mas ainda não convence!

26/06/2010

Alegria espanhola: vitória e classificação para próxima fase

O caminho dos espanhóis nas oitavas de final não seria fácil em nenhum dos dois cenários, é o famoso: “Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega!” Brasil e Portugal estavam classificados no Grupo G e a Espanha teria que escolher entre os dois, escolheu encarar Cristiano Ronaldo & Cia.

A partida começou com o domínio chileno nas ações ofensivas e Mark Gonzalez quase abriu o placar aos nove minutos, após bela jogada de Valdivia. Estrada, aos onze minutos, e Alexis Sanchez, aos 15, deram trabalho ao goleiro Casillas e parecia que o gol era questão de tempo. E foi, mas não como os chilenos esperavam.

Os espanhóis contavam com o bom toque de bola de Xabi Alonso, Iniesta e Xavi para voltar a controlar o meio de campo, e o Chile passou a apelar para as faltas. O árbitro mexicano Marco Rodriguez queria ver espetáculo, não gostou nada, nada disso e desandou a mostra o cartão amarelo: Medel, Ponce e Estrada foram premiados.

David Villa vibra com o terceiro gol marcado na Copa do Mundo!

Os chilenos tentavam se acalmar e colocar a Jabulani no chão quando Valdívia perdeu um lance na meia para Xabi Alonso que fez um lançamento longo para Fernando Torres. A zaga parecia ter tudo sobre controle, mas o goleiro Bravo saiu da área de forma estabanada para interceptar a bola. Ridículo! David Villa pegou de primeira, da intermediária e não perdoou. O golaço de Villa, um dos artilheiros do mundial, deixou os chilenos nervosos em campo e após boa triangulação do ataque espanhol, Iniesta ampliou com um toque de categoria.

Quem esperava uma goleada da Espanha se arrumou no sofá! Ainda faltava o segundo tempo inteiro para a Fúria finalmente aparecer na Copa do Mundo! Nada feito. O gol de Millar, logo aos dois minutos, deixou a defesa espanhola apavorada com a possibilidade da eliminação já que um golzinho da Suíça contra Honduras tiraria a Espanha da disputa. Os dois técnicos trataram de acalmar os ânimos e segurar o placar que iria garantir Espanha e Chile nas oitavas de final.

David Villa é o maior goleador da seleção espanhola em mundiais

Ficha técnica:

Espanha 2 X 1 Chile

Espanha: Casillas; Sergio Ramos, Piquê, Puyol e Capdevila; Xabi Alonso (Martinez), Busquets, Xavi e Iniesta; David Villa e Fernando Torres (Fábregas)

Técnico: Vicente del Bosque

Chile: Bravo; Isla, Medel, Ponce e Jara; Vidal, Estrada, Beausejour e Sánchez (Orellana); Valdivia (Paredes) e González (Millar)

Técnico: Marcelo Bielsa

Gols da Espanha: David Villa, aos 24, e Iniesta, aos 37 minutos iniciais

Gol do Chile: Millar, aos 2 minutos do segundo tempo

Estádio: Loftus Versfeld, em Pretória / Público: 41.958

Data/hora: 25/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Marco Rodríguez (MEX)

Auxiliares: José Luis Camargo (MEX) e Alberto Morin (MEX)

Cartão Amarelo: Medel, Ponce e Estrada.

Cartão Vermelho: Estrada (CHI)

A torcida chilena vibra com o zero a zero entre Suíça e Honduras!

Como é difícil fazer gol!

Ao fim do primeiro tempo do jogo, a Suíça ainda poderia sonhar com a classificação para a próxima fase do mundial se vencesse Honduras. Simples assim. Bastava fazer um golzinho e a classificação estaria garantida. Na volta do intervalo, o zero a zero continuou e os chilenos decidiram jogar na retranca apostando na falta de pontaria dos suíços… e acertaram.

A terceira rodada teve uma média de gols inferior à segunda (2,65 gol/jogo) e o zero a zero entre Suíça e Honduras contribuiu para os números: foram anotados 33 tentos em 16 jogos uma média de 2,06 gol/jogo.

Na fase de grupos foram disputados 48 jogos e os árbitros anotaram 100 gols, uma média preocupante de 2,08 gol/jogo. A Jabulani foi desenvolvida para facilitar a vida dos atacantes, certo? A ideia da Fifa era aumentar a emoção e o numero de gols da Copa do Mundo. Bela ideia! Parabéns!

Jogadores chilenos agradecem o empate entre Suíça e Honduras!

Vai começar o mata-mata: Oitavas de final!

Ao fim da primeira etapa, nove seleções seguem sem derrota: Uruguai (duas vitórias e um empate), Argentina (três vitórias), Estados Unidos (uma vitória e dois empates), Inglaterra (uma vitória e dois empates), Holanda (três vitórias), Paraguai (uma vitória e dois empates), Nova Zelândia (três empates), Brasil (duas vitórias e um empate) e Portugal (uma vitória e dois empates).

Apenas Argentina e Holanda possuem 100% de aproveitamento e a Nova Zelândia foi eliminada invicta do mundial após empatar em 1 a 1 com Eslováquia e Itália e em 0 a 0 com o Paraguai.

Trinta e duas seleções iniciaram a disputa da XIX Copa do Mundo da Fifa e agora dezesseis continuam sonhando com o título: Uruguai, México, Argentina, Coréia do Sul, Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Gana, Holanda, Japão, Paraguai, Eslováquia, Brasil, Portugal, Espanha e Chile.

São sete representantes da América, seis da Europa, dois da Ásia e apenas uma seleção do continente africano.

Os Bafana Bafana agradecem o apoio da torcida na despedida do mundial

Classificação do Grupo H:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Espanha 6 3 2 0 1 4 2 2
Chile 6 3 2 0 1 3 2 1
Suíça 3 2 1 0 1 1 1 0
Honduras 0 3 0 0 3 0 3 -3

Ficha técnica:

Suíça 0 X 0 Honduras

Suíça: Benaglio; Lichtsteiner, Von Bergen, Grichting e Ziegler; Inler, Huggel (Shaqiri), Gelson Fernandes (Yakin) e Barnetta; Nkufo (Frei) e Derdiyok

Técnico: Ottmar Hitzfeld

Honduras: Valladares; Sabillón, Chávez, Bernárdez e Figueroa; Wilson Palácios, Thomas, Ramón Núñez (Walter Martinez) e Edgar Alvarez; Jerry Palácios (Welcome) e David Suazo (Turcios)

Técnico: Reinaldo Rueda

Estádio: Free State, em Bloemfontein

Data/hora: 25/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Hector Baldassi (ARG)

Auxiliares: Ricardo Casas e Hernan Maidana (ARG)

Cartão Amarelo: Gelson Fernandes (Suíça); Thomas, David Suazo, Chávez, Palacios,  (Honduras)

Empate com sotaque português!

26/06/2010

Brasil e Portugal fazem jogo amarrado e o empate ficou de bom tamanho

Portugal entrou em campo para segurar o zero a zero que garantiria a classificação para a próxima fase da Copa do Mundo. A seleção de Dunga dominou a primeira etapa e chegou a colocar uma bola na trave com Nilmar – que jogou bem no lugar de Robinho, poupado. Os portugueses apostavam no contra-ataque e no talento de Cristiano Ronaldo, isolado na frente e travando bom duelo com Lúcio.

Na volta do intervalo, o técnico português Carlos Queiroz surpreendeu, avançou o time e ocupou o meio de campo encurralando os brasileiros na defesa. E não fosse uma fantástica defesa de Júlio César em arremate de Raul Meireles, na pequena área, aos 15 minutos do segundo tempo, o Brasil teria perdido o jogo, a invencibilidade no mundial e a liderança do Grupo G.

Incrível! Raul Meireles não acredita na sensacional defesa de Júlio César

O empate acabou sendo o resultado mais justo e até certo ponto bom para o Brasil que jogou sem Robinho, poupado com dores musculares, Elano, contundido, e Kaká, suspenso devido ao cartão vermelho recebido contra a Costa do Marfim. Brasil e Portugal estão invictos e classificados.

Uma notícia abalou a seleção brasileira: Felipe Melo, o nosso camisa 5, grande jogador, está contundido e talvez, eu disse talvez, não entre em campo contra o Chile, em duelo válido pelas Oitavas de final da Copa do Mundo! Que notícia! Que informação! Os chilenos devem estar desesperados! Eles contavam com o reforço de Felipe Melo, o carniceiro da Gávea. E o torcedor brasileiro? Triste? Preocupado?

Só o Dunga

Sorrisos pela classificação e por Cristiano Ronaldo!

Classificação do Grupo G:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Brasil 7 3 2 1 0 5 2 3
Portugal 5 3 1 2 0 7 0 7
Costa do Marfim 4 3 1 1 1 4 3 +1
Coréia do Norte 0 3 0 0 3 1 12 -11

Cristiano Ronaldo e Lúcio: Quem foi melhor?

Ficha técnica:

Brasil 0 X 0 Portugal

Brasil: Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto SIlva, Felipe Melo (Josué), Daniel Alves e Julio Baptista (Ramires); Nilmar e Luis Fabiano (Grafite)

Técnico: Dunga

Portugal: Eduardo; Ricardo Costa, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Pepe (Pedro Mendes), Tiago, Danny, Raul Meireles (Veloso), Duda (Simão); Cristiano Ronaldo

Técnico: Carlos Queiroz

Estádio: Moses Mabhida, em Durban / Público: 67.712

Data/hora: 25/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Benito Archundia (MEX)

Auxiliares: Marvin Torrentera (MEX) e Hector Vergara (CAN)

Cartão Amarelo: Duda, Tiago, Pepe, Coentrão (Portugal); Luis Fabiano, Juan, Felipe Melo (Brasil)

Bela imagem da torcida da Costa do Marfim!

Costa do Marfim vence na despedida do mundial!

A Costa do Marfim de Drogba e Kalou fez o que precisava: vencer por um bom placar a fraca Coréia do Norte. Mas o empate entre brasileiros e portugueses eliminou mais uma seleção africana do mundial. A desastrosa goleada de 7 a 0, sofrida para Portugal, deixou os norte-coreanos como donos da pior campanha entre as 32 seleções da Copa do Mundo 2010.

Os marfinenses preferiram colocar a culpa na sorte! O Grupo G era mesmo considerado o mais difícil do mundial, o chamado “Grupo da Morte”, e vitórias contra Portugal e Brasil eram apenas sonhos para o técnico Sven-Goran Eriksson.

"Vamos, vamos!" A Costa do Marfim manteve a esperança até o fim

Ficha técnica:

Costa do Marfim 3 X 0 Coréia do Norte

Costa do Marfim: Barry; Eboué, Kolo Touré, Zokora e Boka; Yaya Touré, Romaric (Doumbia) e Tioté; Keita (Kalou), Gervinho (Dindane) e Drogba

Técnico: Sven-Goran Eriksson

Coréia do Norte: Ri Myong Guk; Cha Jong Hyok, Pak Chol Jin, Ri Jun II, Ji Yun Nam e Ri Kwang Chon; An Yong Hak, Pak Nam Chol, Hong Yong Jo e Mun In Guk (Choe Kum Chol); Jong Tae Se

Técnico: Kim Jong Hun

Gols da Costa do Marfim: Yaya Touré, aos 13 e Romaric, aos 19 minutos iniciais. Kalou aos 36 minutos do segundo tempo

Estádio: Mbombela, em Nelspruit / Publico: 34.763

Data/hora: 25/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Alberto Undiano (ESP)

Auxiliares: Fermin Martinez (ESP) e Juan Carlos Yuste Jimenez (ESP)

Cartão Amarelo: Nenhum

Arbitragem ajuda e Inglaterra está classificada

24/06/2010

A torcida inglesa estava confiante na atuação do juiz alemão!

A Eslovênia começou a terceira rodada na liderança do Grupo C e classificada para a próxima fase, mas jogou um futebol covarde contra a Inglaterra, abriu mão do ataque e foi castigada com a eliminação. O maior pecado da Eslovênia aconteceu na segunda rodada quando cedeu o empate aos norte-americanos, após estar vencendo por 2 a 0.

Um erro normalmente imperdoável em competições de tiro curto. E o empate ainda ficou de bom tamanho, já que o juiz Koman Coulibaly – de Mali? Como assim? – anulou erradamente o gol da virada dos Estados Unidos, no fim do jogo.

Defoe escora cruzamento de canela e faz o solitário gol inglês

Infelizmente, podemos usar vários ditados aqui: “Um dia é da caça e o outro do caçador!” ou “Vento que sopra lá, sopra cá!”. O árbitro alemão Wolfgang Stark resolveu tolerar as entradas violentas dos ingleses no início do jogo, mas a cada falta mais pesada da Eslovênia parava a jogada para dar uma dura nos eslovenos.

Wolfgang não é Mozart, mas decidiu completar sua obra-prima e ignorou um pênalti claro, claríssimo aos 43 minutos da etapa final. Um pênalti que poderia tirar a Inglaterra da Copa do Mundo. “Quem com ferro fere… com ferro será ferido!”

Ah, e o futebol inglês? Eles decidiram jogar algo parecido com futebol dessa vez, correram uns vinte minutos, fizeram 1 a 0 e só.

Ei, cadê o rádio? Foi gol dos Estados Unidos! A Eslovênia está fora!

Ficha técnica:

Inglaterra 1 X 0 Eslovênia

Inglaterra: James; Johnson, Upson, Terry e A. Cole; Barry, Milner, Lampard e Gerrard; Rooney (J. Cole) e Defoe (Heskey)

Técnico: Fabio Capello

Eslovênia: Handanovic; Brecko, Cesar, Suler e Jokic; Kirm (Matavz), Koren, Radosavjevic e Birsa; Ljubijankic (Dedic) e Novakovic

Técnico: Matjaz Kek

Gol da Inglaterra: Defoe, aos 23 minutos iniciais de jogo

Estádio: Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth

Data/hora: 23/6/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Wolfgang Stark (ALE)

Auxiliares: Jan-Hendrik Salver (ALE) e Mike Pickel (ALE)

Cartão Amarelo: Jokic, Birsa (Eslovênia) e Johnson (ING)

Gooooooooooooooool dos Estados Unidos! Donovan!

Classificação Final do Grupo C:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
EUA 5 3 1 2 0 4 3 1
Inglaterra 5 3 1 2 0 2 1 1
Eslovênia 4 3 1 1 1 3 3 0
Argélia 1 3 0 1 2 0 2 -2

Gol nos acréscimos deixa norte-americanos em 1º lugar!

Donovan no lugar certo e na hora certa: 46' do 2º tempo!

Foi um jogo tenso e com sofrimento até o fim, mas o gol salvador de Donovan contra a Argélia, aos 46 minutos do segundo tempo, eliminou a Eslovênia, deixou os Estados Unidos na liderança do Grupo C e forçou o primeiro grande clássico da Copa do Mundo 2010: Inglaterra x Alemanha.

Começa a fase Highlander na África do Sul: “Só pode haver um!”

Trinta e duas seleções começaram o mundial e apenas onze ainda estão invictas: Uruguai (duas vitórias e um empate), Argentina (três vitórias), Estados Unidos (uma vitória e dois empates), Inglaterra (uma vitória e dois empates), Holanda (duas vitórias), Paraguai (uma vitória e um empate), Itália (dois empates), Nova Zelândia (dois empates), Brasil (duas vitórias), Portugal (uma vitória e um empate) e o Chile (duas vitórias).     

É gol! É gol! É meu! É meu! Me larga que eu vou pro chão!

Ficha técnica:

Estados Unidos 1 X 0 Argélia

Estados Unidos: Howard; Cherundolo, Demerit, Bocanegra e Bornstein (Beasley); Bradley, Edu (Buddle), Dempsey e Donovan; Altidore e Gomez (Feilhaber)

Técnico: Bob Bradley

Argélia: M’bolhi; Bougherra, Halliche e Yahia; Yebda, Lacen, Kadir e Belhadj; Matmour (Saifi), Ziani (Guedioura) e Djebbour (Ghezzal)

Técnico: Rabah Saadane

Gol dos Estados Unidos: Donovan, aos 46 minutos da etapa final

Estádio: Loftus Versfeld, em Pretória

Data/hora: 23/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Franck de Bleeckere (BEL)

Auxiliares: Peter Hermans (BEL) e Walter Vromans (BEL)

Cartão Amarelo: Yebda, Yahia e Lacen (ARG); Altidore e Beasley (EUA)

Cartão Vermelho: Yahia (ARG)

Hum... comemoração norte-americana!

Palermo é o nome do jogo!

23/06/2010

Apesar do nome, Palermo é o maior artilheiro do Boca Juniors

No Brasil, Martín Palermo ficou conhecido pelos três pênaltis perdidos, no mesmo jogo, contra a Colômbia, na Copa América de 1999, mas para a imprensa argentina, para os torcedores do Boca Juniors e para Diego Maradona, Palermo é ídolo. Com a classificação mais do que assegurada para a próxima fase, o técnico argentino resolveu presentear Palermo com sua primeira participação em Copa do Mundo, mas não imaginava que o presente seria tão completo.

Aos 37 anos, Palermo nunca havia disputado uma partida de Copa do Mundo e a intenção de Maradona era dar esse presente ao goleador, mas os deuses do futebol retribuíram a gentileza de Don Diego com um gol de puro oportunismo, um gol de artilheiro, um gol de Palermo.

Maradona já vibrou muito com os gols de Palermo pelo Boca Juniors

O folclórico atacante começou a carreira no Estudiantes e foi levado em 1997 para o Boca Juniors a pedidos de Maradona e aposta se mostrou acertada: Palermo marcou os dois gols da vitória de 2 a 1 sobre o Real Madrid que deram o título do Mundial de Clubes de 2000 aos argentinos. Com o sucesso, o jogador se transferiu para a Europa onde atuou pelo Villareal, Bétis e Desportivo Alavés, mas sem o mesmo desempenho mostrado em gramados argentinos.

O Boca Juniors apostou novamente no faro do artilheiro e repatriou o jogador em 2004. Palermo iniciou uma incrível era de títulos que incluem o Bicampeonato da Copa Sul-Americana em 2004 e 2005, o Bicampeonato da Recopa Sul-Americana em 2005 e 2006, a Copa Libertadores de 2007 e outra Recopa em 2008.

No dia 12 de abril de 2010, contra o Arsenal, pelo campeonato argentino, Palermo anotou dois tentos na goleada por 4 a 0 e chegou a marca de 220 gols com a camisa do Boca e entrou para a história como o goleador máximo do clube. O gol de Palermo contra a Grécia, aos 43 minutos do segundo tempo, foi a consagração definitiva de um artilheiro que precisa ser revisto pelos críticos e torcedores brasileiros.

Argentina vence os três jogos e consegue 100% de aproveitamento

Ficha técnica:

Argentina 2 X 0 Grécia

Argentina: Romero; Otamendi, Burdisso, Demichelis e Clemente Rodríguez; Bolatti, Verón e Maxi Rodríguez (Di María); Messi, Agüero (Pastore) e Milito (Palermo)

Técnico: Diego Maradona

Grécia: Tzorvas; Karagounis, Vyntra, Papadopoulos e Torosidis (Patsa); Moras, Sokratis, Tziolis, Katsouranis (Ninis) e Spyropoulos; Samaras

Técnico: Otto Rehhagel

Gols da Argentina: Demichelis, aos 33, e Palermo, aos 43 da etapa final

Estádio: Peter Mokaba, Polokwane

Data/hora: 22/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)

Auxiliares: Rafael Ilyasov e Bakhadyr Kochkarov (UZB)

Cartão Amarelo: Katsouranis (GRE)

Kim Jung Woo vibra com o gol de empate contra a Nigéria

Empate garante vaga para a Coréia do Sul

Em jogo tenso e movimentado, A Coréia do Sul eliminou a terceira seleção africana da Copa do Mundo 2010. A Nigéria pagou caro pelos erros cometidos contra a Grécia e deu um adeus prematuro ao mundial. Depois do vexame da Coréia do Norte que tomou 7 a 0 de Portugal, os sul-coreanos entraram com disposição redobrada para conseguir a sonhada classificação.

Os primeiros jogos das oitavas de final já foram desenhados:

Uruguai x Coréia do Sul = sábado, 26/06, 11h

Argentina x México = domingo, 27/06, 15h30m

A decepção dos jogadores nigerianos com a desclassificação no mundial

Classificação do Grupo B:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Argentina 9 3 3 0 0 7 1 6
Coréia do Sul 4 3 1 1 1 5 6 -1
Grécia 3 3 1 0 2 2 5 -3
Nigéria 1 3 0 1 2 3 5 -2

Ficha técnica:

Coréia do Sul 2 X 2 Nigéria

Coréia do Sul: Jung Sung-Ryong; Cha Du-Ri, Yong-Hyung, Jung-Soo e Young-Pyo; Ki Sung-Yueng (Kim Jae-Sung), Kim Jung-Woo, Chung-Yong e Park Ji-Sung; Yeom Ki-Hun (Kim Nam-Il) e Park (Dong-Jin)

Técnico: Huh Jung Moo

Nigeria: Enyeama; Odiah, Yobo (Echiejile), Shittu e Afolabi; Ayila, Etuhu, Obasi e Uche; Kanu (Martins) e Aiyegbeni (Obinna)

Técnico: Larg Lagerback

Gols da Coréia do Sul: Lee Jung-Soo aos 38 do primeiro tempo e Park Chu-Young aos 3 do segundo

Gols da Nigéria: Uche aos 12 iniciais e Aiyegbeni aos 23 minutos do segundo tempo

Estádio: Durban Stadium, em Durban

Data/hora: 22/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Olegário Benquerença (POR)

Auxiliares: Bertino Miranda e José Cardinal (POR)

Cartão Amarelo: Enyeama, Ayila, Obasi (NIG); Kim Nam-Il (COR)

Maradona agora vai encarar o México do veterano Blanco

É preciso saber vencer!

22/06/2010

Será que o Dunga um dia aprenderá a vencer?

A bela vitória da seleção brasileira e até mesmo os golaços do Luís Fabiano e a injusta expulsão de Kaká ficarão em segundo plano, pois o foco deste texto é a inexistente capacidade de adaptação do técnico brasileiro Dunga. Aprendemos na escola que é preciso saber perder. Algumas pessoas vieram ao mundo para vencer ou vencer, e aprendem rápido como se portar na derrota e como se portar na vitória.

Dunga recebeu toda a carga da derrota da seleção na Copa do Mundo de 90 e “A Era Dunga” o perseguiu durante quatro anos. A imprensa o perseguiu durante quatro anos. A volta por cima aconteceu em grande estilo e Carlos Caetano Bledorn Verri entrou para a eterna galeria dos vencedores no futebol brasileiro. Dunga (1994), Cafu (2002), Bellini (1958), Mauro (1962) e Carlos Alberto (1970) estão eternizados na mente dos torcedores brasileiros e nada pode tirar essa vitória do sisudo volante.

Em 1994, Romário e Branco observam Dunga com a Taça Fifa

Comandando a seleção brasileira, Dunga foi Campeão da Copa América, Campeão da Copa das Confederações e classificou o Brasil em primeiro lugar nas eliminatórias sul-americanas, ou seja, venceu tudo o que disputou e convocou quem quis para a Copa do Mundo. Após duas vitórias e uma boa atuação diante da forte Costa do Marfim do artilheiro Drogba, Dunga perdeu o pouco de compostura que lhe restara e desandou a xingar o apresentador Alex Escobar da Rede Globo.

Não entro aqui no mérito do que o Escobar fez para merecer palavras tão gentis, a defesa diz que ele falava ao telefone com outro colega de emissora, o que impressiona é o destempero e a falta de postura do técnico da seleção brasileira. Ele estava nervoso daquela maneira depois de uma vitória… já imaginaram o que ele fará diante de uma possível eliminação no mata-mata?

Imagem rara, muito rara: Dunga com sorriso largo!

Esse episódio me fez lembrar uma cena do filme “Um drink no Inferno” (From dusk till dawn, 1996), escrito por Quentin Tarantino e dirigido por Robert Rodriguez – infelizmente esse filme não foi lançado em DVD no Brasil. Na referida cena, um dos personagens consegue escapar do cerco policial e fugir para o México. Ao chegar num bar para comemorar, Seth arruma confusão com o primeiro que aparece e está pronto para mais uma briga. O personagem de Harvey Keitel que o acompanha pergunta:

– Você está tão acostumado a perder que não percebe quando ganhou?

Pois essa pergunta poderia ser feita ao técnico da seleção brasileira:

– Dunga, você está tão acostumado a perder que não percebe quando está ganhando?

Ficha técnica:

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim

Brasil: Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto SIlva, Felipe Melo, Elano (Daniel Alves); e Kaká; Robinho (Ramires) e Luis Fabiano

Técnico: Dunga

Costa do Marfim: Boubacar Barry, Demel, Kolo Touré, Zokora e Tiéné; Yaya Touré, Eboué e Tioté; Dindane (Gervinho), Drogba e Kalou (Keita)

Técnico: Sven-Goran Eriksson

Gols do Brasil: Luis Fabiano, aos 24 minutos iniciais, e aos seis do segundo tempo; Elano, aos 17 minutos da segunda etapa

Gol da Costa do Marfim: Drogba, aos 33 minutos da etapa final

Estádio: Soccer City, em Joanesburgo / Público: 84.455

Data/hora: 20/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Stephane Lannoy (FRA)

Auxiliares: Eric Dansault e Laurent Ugo (FRA)

Cartão Amarelo: Tiéné, Keita, Tioté (Costa do Marfim) e Kaká (Brasil)

Hum, sem comentários...

Portugal aplica a maior goleada da Copa do Mundo 2010!

A média de gols da primeira rodada foi decepcionante, 1,5 gol/jogo, e apenas a goleada da Alemanha, 4 a 0 na Austrália, deu trabalho para os editores de imagem. A seleção portuguesa decidiu abrir a caixa de ferramentas e desceu o sarrafo na Coréia do Norte: 7 a 0.

A preocupação agora é com a segurança dos jogadores norte-coreanos, já que não sabemos qual a reação do ditador Kim Jong Il ao resultado da humilhante partida. Foi a primeira vez que a seleção jogou com transmissão ao vivo para o país.

Classificação do Grupo G:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Brasil 6 2 2 0 0 5 2 3
Portugal 4 2 1 1 0 7 0 7
Costa do Marfim 1 2 0 1 1 1 3 -2
Coréia do Norte 0 2 0 0 2 1 9 -8

Cristiano Ronaldo faz malabarismo com a bola antes do gol

Ficha técnica:

Portugal 7 X 0 Coréia do Norte

Portugal: Eduardo, Miguel, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Fabio Coentrão; Pedro Mendes, Raul Meireles (Miguel Veloso) e Tiago; Cristiano Ronaldo, Hugo Almeida (Liedson) e Simão (Duda)

Técnico: Carlos Queiroz

Coréia do Norte: Myonge Guk, Jong Hyok (Song Chol), Chol Jin, Jun Il, Nam Chol (Kum Il) e Kwang Chon; In Guk (Yong Jun), Yun Nam, Yong Jo e Yong Hak; Tae Se

Técnico: Kim Jong Hun

Gols de Portugal: Raul Meireles, aos 29 iniciais; Simão, aos oito, Hugo Almeida, aos nove, Tiago, aos 12, Liedson, aos 35, Cristiano Ronaldo, aos 42, e Tiago, aos 44 do segundo tempo

Estádio: Green Point, na Cidade do Cabo

Data/hora: 21/06/2010 – 8h30m (de Brasília)

Árbitro: Pablo Pozo (CHI)

Auxiliares: Patrício Basualto (CHI) e Francisco Mondria (CHI)

Cartão Amarelo: Pedro Mendes e Hugo Almeida (Portugal); Pak Chol Jin e Yong Jo (Coreia do Norte)

Cartão Vermelho: Kaká (Brasil)

Cristiano Ronaldo é só alegria com a goleada portuguesa