Posts Tagged ‘África do Sul’

Marketing & Futebol

26/05/2011

A atual gestão do presidente Maurício Assumpção pode ser contestada por parte da torcida, mas é inegável a valorização da marca Botafogo no cenário nacional e também, ainda que timidamente, vemos uma projeção internacional que não existia desde 1996, quando Túlio Maravilha & Cia bateram grandes equipes européias e conquistaram três títulos em excursão no Japão e na Europa. A contratação de Loco Abreu e o sucesso do Uruguai no Mundial da África do Sul fizeram a Estrela Solitária viajar o mundo inteiro com a famosa cavadinha na final da Taça Rio, em 2010. Hoje, o Botafogo tem três jogadores de seleção: Abreu e Arévalo Ríos, no Uruguai, e Jefferson na seleção nacional.

Maurício Assumpção conquistou o bicampeonato da Taça Guanabara 2009/2010, a Taça Rio 2010, o Campeonato Carioca 2010 e viu a equipe lutar até o fim por um vaga na Libertadores da América – grande sonho de todos os botafoguenses. A diretoria sabe que vencer uma competição continental é a única forma de fazer o clube crescer e atrair mais investidores e patrocinadores. Enquanto a projeção internacional não vem, a equipe de Marketing consegue estabelecer o Botafogo no mercado caseiro com boas campanhas e diversos produtos lançados. O torcedor alvinegro é fanático pela história do clube e sabe valorizar os ídolos do presente e do passado, com essa ideia em mente, diversas ações propostas pela diretoria mantêm a loja oficial vendendo mesmo quando o time vai mal.

Sem folga! Mais de mil botafoguenses prestigiaram o evento com o artilheiro!

Camisas personalizadas, bonecos, bonés, chinelos, bermudas, foto com fãs, tarde de autógrafos, são várias as atrações onde os alvos prioritários são Maicosuel e Loco Abreu, dois ídolos recentes que abraçaram o projeto de marketing. O eterno goleador Túlio Maravilha lotou a nova mega-loja, em General Severiano, no dia da inauguração, para uma tarde de autógrafos e duas semanas depois foi a vez de Loco Abreu esgotar as duas mil senhas disponibilizadas pela equipe de produção. Sinal de que a torcida, a verdadeira, está aí para apoiar o time e que basta apenas uma equipe guerreira e voluntariosa para reverter todo o quadro atual de críticas e vaias que infelizmente partem de uma minoria.

É certo que a torcida está irritada: foram cinco eliminações em apenas cinco meses! A perda de jogadores como Leandro Guerreiro, Lucio Flavio e Renato Cajá enfraqueceram a equipe e a troca de treinador ainda não surtiu o efeito desejado, nem tanto por culpa de Caio Júnior que ainda não conseguiu ter todos os titulares à disposição. O retorno de Maicosuel e de Fabio Ferreira, dois jogadores importantíssimos para o grupo, e as recentes contratações devem fazer o grito de “FOGO!” ecoar pelo Engenhão! Basta uma vitória, uma boa apresentação para o torcedor alvinegro se apaixonar novamente pelo time!

O Mago precisa de ajuda para compor o meio de campo alvinegro!

Elkeson é uma grande aposta de 21 anos, mas que já deu um título para o Vitória no ano passado e vem com muita vontade de aparecer por uma equipe de ponta; Marcelo Mattos já disse que quer ficar e é uma peça muito importante para ser liberado; Gilberto ainda pode fechar e a contratação de Renato, ex-Sevilla, promete dar o toque de qualidade que o meio campo alvinegro tanto sente falta. Se não perder ninguém na janela de transferência e com mais dois nomes, é possível afirmar que teremos elenco para disputar o BR-11 até o fim – como aconteceu no ano passado. Ah, e precisamos encarar a Copa Sul-Americana como prioridade, um ensaio para a conquista da América!

Caio Júnior poderá finalmente escalar uma equipe com bom toque de bola e poder de definição no ataque. Loco Abreu, Arévalo e Jefferson só devem retornar após a Copa América, em agosto, assim teremos que esperar até vermos a força máxima em campo. O provável Botafogo da primeira metade do BR-11 deve ser: Renan, Lucas (Alessandro), Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês; Lucas Zen, Marcelo Mattos, Tiago Galhardo e Maicosuel; Caio e Elkeson. Esse time precisa somar pontos agora para que no segundo turno, com todos os titulares, a briga seja pelo título! Jefferson, Lucas, Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Cortês (Gilberto); Arévalo Ríos, Marcelo Mattos, Renato e Maicosuel; Loco Abreu e Herrera (Elkeson): time para ser Campeão Brasileiro em 2011!

Vamos, FOGO!

"Quero jogar sábado!" Elkeson chega com moral ao Botafogo!

Ficha Técnica:

Nome: Elkeson de Oliveira Cardoso

Nascimento: 13/07/1989 (21 anos)

Natural de: Coelho Neto, Maranhão

Posição: Meia-atacante

Clubes: Vitória e Botafogo

Ficha Técnica:

Nome: Renato Dirnei Florêncio

Nascimento: 15/05/1979 (23 anos)

Natural de: Santa Mercedes, São Paulo

Posição: Volante

Clubes: Guarani, Santos, Sevilla e Botafogo

Não, não falta nada! Renato é do Fogão por três anos!!!

Copa do Mundo 2014 & Olimpíadas 2016

15/07/2010

Copa do Mundo 2010: Alegria, Vuvuzelas e Jabulani em campo!

A Copa do Mundo disputada na África do Sul foi um sucesso de público e terminou com um balanço positivo da Fifa e das autoridades responsáveis. A desconfiança foi grande quando saiu o anúncio de que um Mundial seria realizado no continente africano, mas apesar dos constantes assaltos aos cofres dos hotéis e de alguns engarrafamentos nas vias de acesso ao Soccer City, o povo sul-africano mostrou que é possível receber bem os turistas e ter o mínimo de organização para um evento desse porte.

O lançamento da logomarca da Copa do Mundo 2014 foi o pontapé inicial para o nosso Mundial e fez com que as atenções da mídia se voltassem para nós. A descrença sobre a capacidade brasileira de organizar o campeonato pode ser até maior do que a que pairava sobre a África do Sul. Com o apito final nos estádios africanos, chegou a hora de estudar, pensar e planejar os passos que irão transformar a desconfiança em realidade. E esses quatro anos vão passar de forma rápida, muito rápida.

Preocupado com a responsabilidade que recairá sobre a Cidade Maravilhosa, o deputado estadual Fernando Gusmão, que preside a Comissão de Esportes da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, organizou, entre maio e junho deste ano, uma série de debates sobre o assunto em bairros como Tijuca, Copacabana e Botafogo. O blog O Glorioso participou da reunião realizada em Botafogo, no dia 9 de junho, que contou com a participação de Jandira Feghali, ex-Secretária de Cultura do município do Rio de Janeiro.

Fernando Gusmão está preocupado com os preparativos para 2014

Na abertura da palestra “Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016”, Fernando Gusmão ressaltou que é preciso pensar além da estrutura de estádios e parques esportivos. A melhoria nos transportes públicos, a ampliação da rede hoteleira, a reforma do Porto do Rio e o controle dos níveis da violência urbana devem entrar na pauta das discussões do setor público e privado.

Jandira Feghali elogiou o fim dos desentendimentos políticos e a recente parceria entre as esferas de poder Federal, Estadual e Municipal, o que permitiu um aumento nos investimentos no Estado do Rio e lembrou a maratona de eventos que irão acontecer na cidade até 2016: “No ano que vem, teremos os Jogos Militares com a participação de 160 países; em 2013, será a vez da Copa das Confederações; depois a Copa do Mundo 2014; as Olimpíadas em 2016 e, muito possivelmente, o Encontro Mundial de Jovens da Igreja Católica em 2015. Muito trabalho e com pouco tempo de preparação”.

Jandira conversa com Carlos Arthur Nuzzman, presidente do COB

Segundo Jandira, esses eventos podem ser fundamentais para divulgar uma imagem positiva da nossa cidade no exterior e aumentar ainda mais o fluxo de turistas. Para aproveitar esse momento será preciso investir em educação, como por exemplo, cursos de línguas para voluntários, guardas municipais e policiais.

O Rio sediará também os Jogos Paraolímpicos em 2016 e isso significa adaptar os aparelhos urbanos para receber os atletas com necessidades especiais. Além das óbvias transformações estruturais, que serão melhorias definitivas para o município, o legado das Olimpíadas passa pela mudança de comportamento da população.

Uma imagem comum para os usuários do Metrô no Rio de Janeiro

O transporte público é uma das principais deficiências da cidade, tanto Gusmão quanto Feghali se mostraram apreensivos sobre o assunto. Fernando destacou que é preciso ramificar as linhas do Metrô e não somente acrescer estações no mesmo ramal. Jandira apontou o transporte marítimo como uma possível solução para diminuir os engarrafamentos no trecho entre a Praça XV, no Centro, e Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste da cidade.

Basta cair uma chuvinha para ser instaurado o caos no trânsito carioca

A nova distribuição dos royalties do petróleo não foi esquecida. Fernando Gusmão não acredita que o presidente Lula irá deixar passar a nova proposta e Jandira Feghali afirmou que é preciso lutar pela manutenção dos recursos, mas lembrou que a fiscalização na aplicação das verbas precisa ser mais severa. Os números que envolvem a realização da Copa do Mundo 2014 são astronômicos: estima-se que os investimentos serão da ordem de R$ 116 bilhões gerando 18 milhões de empregos diretos em todo o país.

A Copa da África terminou, o polvo Paul está descansando em seu aquário, a Espanha ainda comemora o merecido título, e nós, brasileiros, temos mais uma batalha pela frente: não podemos nos esquecer que 2010 é também ano de eleição para presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual. É hora de esquecer um pouco a seleção brasileira e pensar no futuro do país.

O mapa do Metrô-Rio mostra a pouca ramificação das linhas

Adiós, hermanos!

04/07/2010

Antes do início do mundial, os comentaristas diziam que a Argentina armada por Maradona era um timaço no meio de campo e no ataque  e um desastre na defesa. Otamendi, Demichelis, Burdisso e Heinze eram os homens de confiança de Don Diego – algo semelhante com o Brasil? Com o amigão Dunga?

O treinador argentino ignorou os apelos dos jornalistas em nome de Cambiasso e Zannetti. A dupla do Inter de Milão venceu todos os títulos em 2010 e poderia dar a estabilidade que faltava a defesa argentina. Maradona não ouviu os apelos e fez apenas o que quis, como quis e quando quis. Ele não é dios?

Thomas Müeller, 20 anos, é um dos destaques da jovem Alemanha.

A Alemanha de Joachim Löw não chegou badalada na África do Sul, perdeu seu principal jogador, Michael Ballack, semanas antes do mundial e, após uma goleada por 4 a 0 sobre a Austrália, sofreu uma imprevista derrota para a Sérvia, 1 a 0. Os alemães oscilaram na primeira fase, mas se classificaram em primeiro lugar no Grupo D. Nas oitavas de final, a poderosa Inglaterra não conseguiu nem anotar a placa do caminhão: 4 a 1.

Aos três minutos de jogo, Müeller escorou cobrança de falta e começou a escrever a terceira goleada alemã na Copa do Mundo. A defesa argentina falhou. A zaga falhou. O goleirão Romero falhou. Um apagão geral que custou muito caro a Maradona. Os alemães conseguiram a vantagem cedo demais e controlaram a partida sem riscos na primeira etapa.

"Eu não tô impedido, não! Vou fazer o gol, hein! Olha lá seu Bandeira!"

Maradona parecia calmo na volta do intervalo. Estava tudo certo! Argentina começou uma grande blitz nos primeiros minutos, bombardeando o gol de Neuer que mandava a Jabulani para todo lado! Em Buenos Aires, a torcida esperava pelo gol que certamente viria. O empate era apenas questão de tempo. Não foi.

A pressão feita com os craques Messi, Tevez e Higuían durou apenas 15 minutos. Klose, aos 23, e Friedrich, aos 29, fizeram o sorriso de Maradona sumir. Klose ainda teve tempo de fazer o quarto gol alemão e sacramentar a goleada: Alemanha 4 x 0 Argentina.

O retrato da goleada: Vibração de Klose. Decepção de Messi.

Humilhação. Gritos de Olé! Show de Schweinsteiger, Özil e Podolski. Diego Maradona pode seguir o mesmo caminho de Dunga e seu “O Grupo”. A Alemanha? Segue forte rumo ao tetra-campeonato. Schweinsteiger, 26 anos, Podolski, 25 anos, Özil, 22 anos, e Müeller, 20 anos, formam a nova geração do futebol alemão.

Enquanto Maradona e Dunga apostam nos jogadores de grupo, Joachim Löw selecionou os melhores boleiros da Alemanha. Os alemães jogam como os brasileiros um dia jogaram, eles fazem os dribles que sumiram do Brasil, mostram a ginga e o toque de bola que não sabemos mais fazer. Não sabemos? Claro que sabemos. Quem não sabe é o Felipe Melo, é o Josué, o Kleberson, o Júlio Baptista…

Alemanha 4 x 0 Argentina: Messi e Higuín parecem perdidos em campo!

Ficha técnica:

Alemanha 4 X 0 Argentina

Alemanha: Neuer, Lahm, Mertesacker, Friedrich e Boateng (Jansen); Khedira (Kroos), Schweinsteiger, Özil e Müeller (Trochowski); Podolski e Klose

Técnico: Joachim Löw

Argentina: Romero, Otamendi (Pastore), Demichelis, Burdisso e Heinze; Mascherano, Maxi Rodríguez e Di Maria (Agüero); Messi, Tevez e Higuaín

Técnico: Diego Maradona

Gols da Alemanha: Müeller, aos 3 minutos iniciais. Klose, aos 23, Friedrich, aos 29, e Klose, aos 44 minutos da etapa final

Estádio: Green Point, na Cidade do Cabo / Público: 64.100

Data/hora: 03/07/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)

Auxiliares: Rafael Ilyasov (Uzbequistão) e Bakhadyr Kochkarov (Cazaquistão)

Cartão Amarelo: Otamendi, Mascherano (ARG) e Müller (ALE)

A torcida alemã faz a festa em Berlim: vai faltar cerveja!

Gana é o orgulho africano!

27/06/2010

Golaço de Gyan! O gol da classificação de Gana!

O técnico Bob Bradley disse na entrevista coletiva durante a semana que Gana jogaria pelo continente africano e que seriam todos contra os norte-americanos. Os jogadores ganeses não precisavam de incentivo extra para buscar a inédita classificação para as quartas de final da Copa do Mundo! A campanha de Gana na fase de grupos foi regular, estreou com vitória sobre a Sérvia, 1 a 0, depois ficou no 1 a 1 com a Austrália e mesmo a derrota, por 1 a 0, para a Alemanha não tirou a moral da equipe do técnico Milovan Rajevac.

A seleção de Gana é limitada, sabe disso e aposta nos contra-ataques para decidir as partidas. Contra os norte-americanos o roteiro não se alterou. Clark teve a bola roubada no meio de campo, Boateng avançou em velocidade, ganhou dos zagueiros e bateu na saída de Howard, e isso aos cinco minutos de jogo. Era tudo o que Rajevac queria e tudo o que Bob Bradley sabia que não podia acontecer.

Boateng faz grande jogada e abre o placar para Gana!

O técnico norte-americano não se ateve as convenções e sacou Clark aos 30 minutos do primeiro tempo, algo pouco comum no futebol, mas bem dentro do espírito dos jogos coletivos nos Estados Unidos. O panorama não se alterou e Gana desperdiçou boas chances de gol antes de ir para o vestiário.

A postura estadunidense mudou no segundo tempo. Bradley, Donovan, Dempsey e Findley envolviam a defesa ganesa com toques rápidos e esbarravam na bela atuação do arqueiro Kingson. Aos 17 minutos, Dempsey saiu driblando e limpando a defesa de Gana até ser derrubado na área, pênalti indiscutível. Donovan cobrou com categoria e empatou o jogo.

Tinha que ser de pênalti! Só assim para vencer o goleiro Kingson!

Apesar da vontade dos dois treinadores que mandou as equipes para o ataque, o placar ficou no 1 a 1 e a decisão da vaga foi para a prorrogação: dois tempos de quinze! Gana só precisou de 3 minutos para ficar em vantagem! Kingson deu um chutão para frente, a Jabulani viajou até a intermediária, Asamoah Gyan dominou na força, disparou em velocidade, venceu Cherundol no jogo de corpo, invadiu a área e soltou uma bomba de perna esquerda!

Golaço de Gyan! Golaço de Gana! Golaço da classificação! Festa nas arquibancadas, festa nas ruas da África do Sul, festa em Gana e festa no continente africano!

Esse foi o terceiro gol de Gyan, um dos artilheiros do mundial ao lado de David Villa (Espanha), Donovan (Estados Unidos), Higuain (Argentina), Suárez (Uruguai) e Vittek (Eslováquia).

Howard se estica todo, mas era impossível pegar o foguete de Gyan!

Ficha técnica:

Estados Unidos 1 X 2 Gana

Estados Unidos: Howard, Cherundolo, DeMerit, Bocanegra e Bornstein; Michael Bradley, Clark (Edu), Dempsey e Donovan; Altidore (Gomez) e Findley (Feilhaber)

Técnico: Bob Bradley

Gana: Kingson, Inkoom (Muntari), Pantsil, John Mensah, Jonathan Mensah e Sarpei (Addy); Annan e Kevin-Prince Boateng (Appiah); Kwadwo Asamoah, Ayew e Asamoah Gyan

Técnico: Milovan Rajevac

Gol dos Estados Unidos: Donovan, aos 17 minutos do segundo tempo

Gols de Gana: Boateng, aos 5 minutos iniciais, e Gyan aos 3 minutos do 1º tempo da prorrogação

Estádio: Royal Bafokeng, Rustemburgo

Data/hora: 26/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Viktor Kassai (HUN)

Auxiliares: Gabor Eros (HUN) e Tibor Vamos (HUN)

Cartão Amarelo: Clark, Cherundolo, Bocanegra (EUA), Ayew e Jonathan Mensah (GAN)

Asamoah Gyan: "Sou o homem mais feliz do mundo!"

Uruguai e México classificados!

22/06/2010

Loco Abreu ganhou a torcida dos filhos na partida decisiva!

Muito se especulou sobre um possível “empate amigo” entre uruguaios e mexicanos, o que classificaria as duas seleções, mas o que se viu em campo foi uma verdadeira batalha para fugir da Argentina de Maradona, já que o segundo colocado do Grupo A irá enfrentar o líder do Grupo B.

Oscar Tabárez foi ousado e escalou a mesma equipe que venceu a África do Sul, por 3 a 0, ou seja, jogou com três atacantes: Diego Fórlan, Suárez e Cavani. E Javier Aguirre? Mesmo não entrando com três atacantes, o México só precisava do empate, Aguirre não deixou por menos e encostou o habilidosos Giovanni dos Santos no ataque formado por Blanco e Franco.

Gooooooooooooooooool do Uruguai!

Os mexicanos dominaram, colocaram a bola no chão, rondaram a meta defendida por Muslera, mas foi o Uruguai quem tirou o zero do placar: Suárez escorou cruzamento da direita e cabeceou no canto de Pérez para garantir a vitória e também a classificação em primeiro lugar do Grupo A. E a Argentina? Os uruguaios deixaram o problema para os mexicanos.

A torcida alvinegra esteve presente no estádio para apoiar Loco Abreu e seleção do Uruguai! Vamos com tudo para a próxima fase!!!

Fogooooooooooooo!

Presente! Torcedores alvinegros dão apoio ao ídolo Loco Abreu

Ficha técnica:

Uruguai 1 X 0 México

Uruguai: Muslera; Maxi Pereira, Lugano, Victorino e Fucile; Pérez, Arévalo e Álvaro Pereira (Scotti); Forlán, Suárez (Alvaro Fernandéz) e Cavani

Técnico: Oscar Tabárez

México: Pérez; Osório, Rodriguez, Moreno (Castro) e Salcido; Rafa Márquez, Torrado e Guardado (Barrera); Giovanni dos Santos, Blanco (Hernandéz) e Franco

Técnico: Javier Aguirre

Gol do Uruguai: Suárez, aos 43 minutos iniciais

Estádio: Royal Bakofen, Rustemburgo / Público: 33.425 presentes

Data/hora: 22/6/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Viktor Kassai (HUN)

Auxiliares: Gabor Eros (HUN) e Tibor Vamos (HUN)

Cartão Amarelo: Hernandéz e Castro (MEX); Fucile (URU)

África chora! Não faltou apoio e empolgação das arquibancadas!

Classificação do Grupo A:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Uruguai 7 3 2 1 0 4 0 4
México 4 3 1 1 1 3 2 1
África do Sul 4 3 1 1 1 3 5 -2
França 1 3 0 1 2 1 4 -3

África do Sul se despede da Copa do Mundo com vitória!

Mphela aproveita a bobeira da zaga francesa e não perdoa!

A torcida africana lotou o estádio, fez barulho com as vuvuzelas e apoiou a equipe de Carlos Alberto Parreira até o fim. Os Bafana Bafana sentiram o peso da derrota para o Uruguai por 3 a 0, na segunda rodada, e tinham a obrigação de golear a França para ainda sonharem com a classificação para as oitavas de final.

O resultado foi um presente para o país e para os amantes do bom futebol. A França sequer merecia estar presente na Copa do Mundo 2010 – a vaga deveria ser da Irlanda. A expulsão de Gourcuff, por agressão, aos 25 minutos do primeiro tempo, facilitou o toque de bola do selecionado sul-africano que já vencia o jogo por 1 a 0, gol anotado por Khumalo, aos vinte. Parreira mandou o time para o ataque e foi recompensado com outro gol, aos 37, dessa vez com Mphela.

A pequena seleção francesa não merecia, mas diminuiu aos 25 minutos do segundo tempo, após boa jogada de Ribéry para a conclusão de Malouda. Foi o único gol feito pelos franceses no mundial! Uma vergonha! Assim como a atitude de Domenech que se recusou a cumprimentar Parreira ao final da partida. Era melhor ter deixado a Irlanda jogar, não?

Parreira não aceitou levar desaforo de Domenech em rede mundial!

Ficha técnica:

África do Sul 2 X 1 França

África do Sul: Josephs, Ngcongca (Gaxa), Mokoena, Khumalo e Masilela; Sibaya, Khuboni (Modise), Pienaar e Tshabalala; Mphela e Parker (Nomvethe)

Técnico: Carlos Alberto Parreira

França: Lloris; Sagna, Gallas, Squillaci e Clichy; Alou Diarra (Govou), Diaby, Gignac (Malouda), Ribéry e Gourcuff; Cissé (Henry)

Técnico: Raymond Domenech

Gols da África do Sul: Khumalo, aos 20 iniciais, e Mphela, aos 37 do primeiro tempo

Gol da França: Malouda, aos 25 minutos da etapa final

Estádio: Free State, Bloemfontein / Público: 39.415 presentes

Data/hora: 22/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Oscar Ruiz (COL)

Auxiliares: Abraham Gonzalez (COL) e Humberto Clavijo (COL)

Cartão Amarelo: Diaby (FRA)

Cartão Vermelho: Gourcuff (FRA)

Não vai usar a mãozinha dessa vez, Henry?

México e Uruguai jogam por um empate

18/06/2010

A seleção mexicana exibiu um bom futebol, bateu a França sem dificuldades e, após duas rodadas, divide a liderança do Grupo A com o Uruguai – que ontem venceu a África do Sul, por 3 a 0, em Pretória. Javier Aguirre mostrou que queria resolver a partida desde o início ao escalar uma equipe ofensiva com Vela, Giovani dos Santos e Franco. A movimentação do ataque mexicano envolveu a lenta defesa francesa que não esperava uma tática tão ousada nos primeiros minutos.

Ao fim do jogo, que pode custar a classificação para a França, o técnico Raymond Domenech parecia não entender o que estava acontecendo. Acorda, Domenech! A Copa do Mundo começou! E onde está Thierry Henry? Não vai usar a mão para classificar a França novamente?

Hernadez dribla o goleiro Llori e toca com categoria para fazer 1 a 0

Líderes do grupo com quatro pontos, México e Uruguai jogam por um empate na última rodada, terça-feira, dia 22/06, em Rustenburg. África do Sul e França duelam por três pontos em Bloemfontein, torcem por uma vitória no outro jogo e ainda precisam fazer muitas contas para sonhar com a classificação.

Classificação do Grupo A:

Seleção Pontos Jogos Vitória Empate Derrota GP GC Saldo
Uruguai 4 2 1 1 0 3 0 3
México 4 2 1 1 0 3 1 2
França 1 2 0 1 1 0 2 -2
África do Sul 1 2 0 1 1 1 4 -3

Torcedora sul-africana agora precisa rezar por um milagre

Ficha técnica:

França 0 X 2 México

França: Lloris; Sagna, Gallas, Abidal e Evra; Toulalan, Malouda, Diaby e Govou (Valbuena); Anelka (Gignac) e Ribéry.

Técnico: Raymond Domenech

México: Pérez; Rodriguez, Osorio e Rafa Márquez; Moreno, Torrado, Juárez (Hernández) e Salcido; Vela (Barrera), Franco (Blanco) e Giovani dos Santos

Técnico: Javier Aguirre

Gols do México: Hernández, aos 19, e Blanco, de pênalti, aos 33 minutos do segundo tempo

Estádio: Peter Mokaba, em Polokwane

Data/hora: 17/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Khalil Al Ghamidi (Arábia Saudita)

Auxiliares: Hassan Kamranifar (Irã) e Saleh Al Marzouqi (Emirados Árabes)

Cartão Amarelo: Franco, Juárez, Moreno e Rodriguez (México); Toulalan e Abidal  (França)

Seleção uruguaia vibra com torcida após boa vitória em Pretória

Diego Forlán faz calar as vuvuzelas

17/06/2010

Antes da Jabulani rolar em Pretória o clima era de festa na África do Sul. Estádio cheio, vuvuzelas a todo vapor e um sentimento nacionalista comparável ao 4 de julho norte-americano. No auge do regime do Apartheid, no dia 16 de junho de 1976, uma pacífica manifestação estudantil foi reprimida com violência pela polícia sul-africana e o saldo foram dezenas de jovens mortos.

Uma das vítimas do episódio, Hector Peterson, de apenas 13 anos, virou mártir na luta contra o regime de segregação racial após uma fotografia onde aparece morto ser veiculada pela imprensa e causar indignação em todo o mundo.

Memorial de Hector Peterson em Soweto

A derrota da seleção sul-africana nesta data considerada um marco na luta contra o Apartheid foi um duro golpe para os Bafana Bafana. Carlos Alberto Parreira preferiu colocar a culpa do infortúnio no árbitro suíço Massimo Busacca – que anotou um pênalti, aos 30 minutos do segundo tempo, contra os donos da casa e ainda expulsou Khune, o goleiro sul-africano.

Mas a verdade é que a seleção sul-africana sentiu a pressão de jogar com o estádio lotado e ainda precisar lutar pela classificação num dia tão especial para o país. Os comandados de Parreira foram envolvidos desde o início da partida pelo esquema com três atacantes uruguaios e não conseguiram mostrar um bom futebol. Pela primeira vez na história da Copa do Mundo uma seleção anfitriã pode ser eliminada ainda na fase inicial.

Carlos Alberto Parreira decepcionado com a derrota da África do Sul

O Uruguai começou o jogo buscando o gol a todo custo e a escalação ofensiva já mostrava que a equipe teria um padrão tático diferente do mostrado no empate sem gols com a França. Forlán, Cavani e Suarez se movimentavam abrindo espaços na defesa sul-africana, mas erravam na hora da finalização.

De tanto insistir, Diego Forlán tirou o zero do placar aos 24 minutos do primeiro tempo para desespero do goleiro Khune que falhou no lance. O camisa 10 uruguaio arriscou o chute de fora da área, a bola bateu nas costas de um defensor sul-africano e encobriu Khune que jogava adiantado e ainda fez o famoso golpe de vista.

Momento decisivo: Khune sem entender nada e o vermelho na mão do juiz

Parreira pode até reclamar da arbitragem, já que Suarez estava impedido antes de sofrer o pênalti que definiu o jogo, mas ter essa percepção dentro do campo seria muito difícil. Somente com os recursos tecnológicos foi possível analisar o lance e reparar que a bola desvia em um uruguaio depois do primeiro momento – quando Suarez não estava impedido.

O técnico tetra-campeão do mundo deveria ter ficado irritado com o empate na primeira rodada diante dos mexicanos, após estar vencendo, e com as várias chances de gols desperdiçadas pelos seus atacantes nas duas partidas.

Diego Forlán: os sul-africanos querem esquecer esse nome!

Não foi um Maracanazo, mas o Uruguai novamente é protagonista de um triste silêncio num estádio de futebol. O dia 16 de junho de 2010 e os gols de Diego Forlán certamente estarão nos futuros DVDs da Fifa.

Ficha técnica:

África do Sul 0 X 3 Uruguai

África do Sul: Khune; Gaxa, Mokoena, Khumalo e Masilela; Dikgacoi, Letsholonyane (Moriri), Tshabalala e Modise; Pienaar (Josephs) e Mphela

Técnico: Carlos Alberto Parreira

Uruguai: Muslera; Victorino, Lugano e Fucile (A. Fernandez); Maxi Pereira, Diego Pérez (Gargano), Arévalo e Álvaro Pereira; Luis Suarez, Cavani (S. Fernandez) e Diego Forlán

Técnico: Oscar Tabárez

Gols do Uruguai: Forlán, aos 24 minutos da etapa inicial, aos 35 do segundo e Pereira, aos 50 do segundo tempo

Estádio: Loftus Versfeld, em Pretória

Data/hora: 16/06/2010 – 15h30m (de Brasília)

Árbitro: Massimo Busacca (Suíça)

Auxiliares: Matthias Arnet (Suíça) e Francesco Buragina (Suíça)

Cartão Amarelo: Pienaar e Dikgacoi (AFS)

Cartão Vermelho: Khune (AFS)

Os jogadores da África do Sul não acreditam no resultado do jogo

África do Sul 1 x 1 México

11/06/2010

Um grande público para uma grande festa! 84.490 pessoas assistiram ao empate entre África do Sul e México na abertura da XIX Copa do Mundo. Com o Soccer City lotado e ao som das vuvuzelas, os sul-africanos suportaram a surpreendente pressão inicial dos mexicanos e conseguiram equilibrar a partida no primeiro tempo. Giovani dos Santos foi o jogador mais insinuante do México e quase abriu o placar em duas oportunidades, mas a melhor chance da etapa inicial saiu dos pés do atacante Franco, na pequena área, para grande defesa do goleiro Khune.

A segunda etapa começou diferente e o time de Carlos Alberto Parreira, mais organizado em campo, tocava a bola em velocidade envolvendo a marcação mexicana. E foi dessa forma, aos dez minutos, num contra-ataque bem ao estilo Parreira, que a seleção da casa fez o primeiro gol da Copa do Mundo 2010. E que gol! Golaço de Tshabalala!

Após bela troca de passes no meio de campo, Mphela partiu em velocidade e lançou Tshabalala que invadiu a área e desferiu um balaço no ângulo esquerdo do goleiro Perez. Indefensável! A seleção de Parreira cresceu com a vantagem no placar passando a dominar as ações e desperdiçando boas oportunidades de definir a partida. E como diz o ditado: quem não faz, leva…

Alegria dos jogadores sul-africanos após o gol de Tshabalala

Um erro da zaga sul-africana fez o Soccer City cair no silêncio aos 34 minutos! A defesa da África do Sul parou pedindo impedimento e Rafa Márquez, em posição legal, aproveitou o centro da esquerda e fuzilou o goleiro Khune. O gol de empate deixou os anfitriões da festa atordoados e por pouco a seleção mexicana não consegue virar o placar.

Depois do susto, Mphela, Pienaar e Tshabalala trataram de acalmar o time, colocar a bola no chão e retomar o controle da partida. O técnico mexicano mudou o ataque colocando o experiênte Blanco, mas quem chegou perto do segundo gol, aos 44 minutos, foi o rápido Mphela que venceu dois zagueiros na corrida e tocou no pé da trave de Perez. O som de “Huuuuuuu!” tomou conta do Soccer City.

Empate com gosto de derrota para a África do Sul. O time de Parreira jogou melhor e merecia a vitória na estreia. Já do lado mexicano, empate com gosto de empate mesmo e o pouco futebol apresentado na primeira partida deve estar preocupando o técnico Javier Aguirre para o próximo compromisso diante da França.

84.490 torcedores empurraram a seleção de Parreira na estreia!

Ficha Técnica:

África do Sul 1 X 1 México

África do Sul: Khune, Gaxa, Mokoena, Khumalo e Thwala (Masilela); Letsholonyane, Dikgacoi, Modise, Pienaar (Parker) e Tshabalala; Mphela

Técnico: Carlos Alberto Parreira.

México: Perez, Aguilar (Guardado), Rodriguez, Osório e Salcido; Juarez, Rafa Márquez e Torrado; Giovani dos Santos, Vela (Blanco) e Franco (Hernandez)

Técnico: Javier Aguirre.

Gol da África do Sul: Tshabalala aos 10 minutos do segundo tempo

Gol do México: Rafa Márquez aos 34 minutos da etapa final

Estádio: Soccer City, Johannesburgo (AFS)

Data/hora: 11/06/2010 – 11h (de Brasília)

Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)
Auxiliares: Rafael Ilyasov (UZB) e Bahadyr Kochrakov (QUI)

Cartões amarelos: Dikgacoi e Masilela (AFS); Juarez e Torrado (MEX)

XIX Copa do Mundo Fifa

11/06/2010

Chegou o momento do apito inicial! Falta pouco para a bola vai rolar na primeira rodada do Grupo A! O selecionado mexicano vai encarar a anfitriã África do Sul dirigida pelo técnico tetra-campeão do mundo Carlos Alberto Parreira.

Aposto num jogo de muita marcação e que será definido apenas no segundo tempo. Os jogadores sul-africanos vão jogar empurrados pela torcida e pelo som das vuvuzelas. Parreira quer ver o time jogando com alegria e tocando a bola. Do outro lado, os mexicanos são mais experientes e contam com o zagueiro Rafael Marquéz, do Barcelona, e o atacante Carlos Vela, do Arsenal. Será um bom aperitivo para o início do mundial.

O sonho de consumo dos amantes do futebol!

No segundo jogo do Grupo A, França e Uruguai farão uma partida muito disputada. A seleção francesa, recheada de estrelas, é a favorita, mas os uruguaios não estão na competição apenas para fazer figuração e o artilheiro Diego Fórlan já mostrou que pode ser decisivo. Jogão! E no segundo tempo ainda veremos a entrada de Sebastian “El Loco” Abreu!

Palpites para o primeiro dia da Copa do Mundo:

Grupo A: 1ª Rodada

África do Sul 2 x 2 México

Uruguai 1 x 1 França

Fórlan e Lugano: esperança uruguaia na Africa do Sul

Obediência tática e talento para ser campeão

22/05/2010

O técnico José Mourinho levou o limitado elenco da Internazionale de Milão à conquista da Liga dos Campeões e ainda conseguiu a inédita tríplice coroa européia para um time italiano, já que antes havia faturado a Copa da Itália e o Campeonato Italiano. Os grandes favoritos como Real Madrid, Barcelona, Chelsea e Manchester United foram caindo pelo caminho enquanto a Inter seguia firme até a final.

O diferencial da equipe de Milão foi o padrão tático adotado por Mourinho, a entrega de seus jogadores e a incrível estrela do artilheiro Diego Milito – foram dele todos os gols nas duas finais e na rodada decisiva do italiano contra o Siena. Milito fez o gol da vitória de 1 a 0 sobre a Roma na final da Copa da Itália e marcou os dois tentos na grande decisão da Champions League temporada 2009/2010 sobre o favorito Bayern de Munique.

Diego Milito foi eleito o melhor jogador da final da Champions League

Chamado de retranqueiro por parte da imprensa italiana, José Mourinho respondeu aos críticos com títulos. Ciente que não tinha o melhor elenco em mãos, Mourinho armou a Internazionale para jogar nos contra-ataques e criou uma defesa quase intransponível. Lúcio, Samuel, Maicon, Chivu, Zanetti e Cambiasso formaram um muro de proteção diante da meta de Júlio César. Do meio pra frente, com toques curtos e rápidos, Sneijder e Pandev chegavam com perigo ao gol adversário em tabelas com Diego Milito e Samuel Eto’o.

A campanha até a grande final mostra que o título foi mais do merecido, foi incontestável. Na fase de grupos, a Inter se classificou em segundo lugar com nove pontos – duas vitórias, três empates e apenas uma derrota para o poderoso Barcelona de Lionel Messi por 2 a 0. O time ainda não apresentava o equilíbrio entre ataque e defesa que surpreendeu os favoritos no mata-mata: foram seis gols sofridos em seis jogos e apenas sete gols anotados.

Sacrificado pelo esquema tático, Eto'o foi recuado para ajudar na marcação

Nas oitavas-de-final, o primeiro grande desafio contra o Chelsea de Michael Ballack, Frank Lampard e Didier Drogba. A zebra correu solta no Stamford Bridge e a vitória por 2 a 1, fora de casa, deixou a classificação encaminhada. Os dois triunfos sobre o Chelsea chamaram a atenção da imprensa, dos adversários e trouxeram segurança e tranquilidade para a equipe. O CSKA Moscou foi a próxima vítima do estilo de jogo armado por Mourinho e novamente a classificação foi assegurada com duas vitórias.

Quem apostaria que o Barcelona de Messi, Ibrahimovic e Daniel Alves seria eliminado antes da final e pelo limitado time de Mourinho? Apesar da boa vitória por 3 a 1, no primeiro confronto em casa, até os mais fanáticos torcedores temiam enfrentar o Barcelona no Camp Nou. No jogo de ataque contra defesa, a disposição tática da Inter superou a técnica do Barça e a derrota por 1 a 0 foi suficiente para garantir a vaga na final contra o Bayern de Munique.

José Mourinho deu adeus aos torcedores da Inter

José Mourinho, o grande arquiteto da conquista, está de saída e o destino deverá ser mesmo o Real Madrid de Kaká e Cristiano Ronaldo. Diego Mitito, Lúcio, Maicon, Júlio César e Samuel Eto’o voltam o pensamento para a Copa do Mundo na África do Sul, mas com o Mundial de Clubes da Fifa em foco. Maicon interessa ao time madrileno, mas afirma que o desejo é continuar no clube:

– Eu fico na Inter, pois tenho contrato até 2014. Apesar do frio de Milão, eu me sinto bem. Ainda tenho muitas competições para disputar, como Mundial de Clubes e Supercopa Européia. O Mundial é um titulo que falta para o clube e é uma oportunidade de fazer história. Quero sair por cima – prometeu o lateral na coletiva de imprensa após a conquista.

Maicon quer ser campeão do mundo com a seleção e com a Inter

Ficha técnica:

Bayern de Munique 0 x 2 Inter de Milão (22/05/2010)

Bayern de Munique: Butt, Lahm, Demichelis, Van Buyten e Badstuber; Van Bommel, Schweinsteiger, Robben, Müller e Altintop (Klose); Olic (Mario Gomez).

Técnico: Louis Van Gaal.

Internazionale: Julio César, Maicon, Lúcio, Samuel e Chivu (Stankovic); Cambiasso, Zannetti e Sneijder; Eto’o, Pandev (Muntari) e Milito (Materazzi).

Técnico: José Mourinho

Gols: Milito, aos 34 minutos do primeiro tempo e aos 25 minutos do segundo tempo.

Local: Santiago Bernabéu, Madri (ESP).

Árbitro: Howard Webb (Inglaterra)

Cartões amarelos: Demichellis e Van Bommel (Bayern); Chivu (Inter)

Auxiliares: Michael Mullarkey e Darren Cann (Inglaterra)

Lúcio deu o troco em Van Gaal após ser dispensado na temporada passada