Até tu, Loco?

O Botafogo não jogou bem, ok. O Fluminense dominou as ações ofensivas na etapa final, ok, concordo. Mas já que abrimos a vantagem num contra-ataque, aos 28 minutos do segundo tempo, e eles teriam obrigatoriamente que atacar sem parar nos últimos quinze minutos de jogo, cedendo assim mais terreno para o contragolpe, qual o sentido em tirar um meia-atacante e colocar um jogador de contenção? Não entendi a entrada do Lucas Zen no lugar do Elkeson. O Oswaldo pode ficar explicando horas e horas, com telão, quadro-negro, giz, o que ele quiser, mas não irá me convencer!

Treinador não perde pênalti, eu sei, mas perde jogo! Que fique a lição!

O Caio, atacante de velocidade e dribles curtos, estava na beira do campo para entrar no jogo. Elkeson estava com dores na panturrilha após entrada dura de Carlinhos e sua saída era certa. Ao ver o gol e a vantagem no placar, Oswaldo abriu a prancheta e apelou para o São Joel das Retrancas Invioláveis! O Lucas Zen é um bom jogador, formado na base e que pode substituir a dupla de volantes sem nenhuma preocupação por parte do torcedor, mas não era jogo para ele naquele momento. Ali, era a entrada do Caio para puxar os contra-ataques e ampliar o marcador ou o Felipe Menezes para encorpar o meio de campo, liberar o Andrezinho e dar aquele passe preciso para o segundo gol.

O treinador alvinegro abriu mão do jogo cedo demais, desistiu de atacar e estava satisfeito com o magro 1 a 0 numa partida decisiva que ditaria o ritmo do time e a relação do Botafogo com sua torcida. Era momento exato e o adversário perfeito para resgatar a confiança do torcedor e incendiar o Engenhão na final contra o Vasco. E o que acontece? Medo, apatia e preguiça. Essa foi a tônica do Botafogo na reta final do Campeonato Brasileiro e o que os jogadores fizeram ontem são um reflexo da falta de coragem do comando técnico. Ao colocar o Caio no lugar do Marcelo Mattos – não dava pra sacar o Lucas Zen como no clássico contra o Flamengo, né? – após o gol de empate tricolor, Oswaldo assinou a confissão de burro.

Olha o agarra-agarra ali no Antônio Carlos. Isso não é pênalti não?

Não importa se o Fluminense estava melhor em campo e sim que o gol de empate só ocorreu devido a um erro grosseiro da zaga botafoguense. A linha burra de impedimento não é a forma mais eficiente do mundo para impedir as bolas alçadas na área, mas funciona vez ou outra quando bem treinada e ontem já mostrava sinais de fraqueza pelo lado esquerdo. Márcio Azevedo fez uma boa partida, mas os dois erros na hora de fazer a linha custaram caro ao time. Não é possível que o Oswaldo, um treinador que se diz amante da tecnologia, não coloque um candango em frente à TV, em casa mesmo, e com o celular o informe do erro grosseiro que aconteceu minutos antes?! Não entendo.

Por fim, lamentavelmente, devo dedicar algumas palavras à má fase do Loco Abreu. Não é possível um cara que se notabiliza pela frieza e extrema categoria na bola parada perder um pênalti como aquele. Nas últimas quatro cobranças, o artilheiro só converteu uma. Algo está errado aí e já começo a ficar com a pulga atrás da orelha. A batida foi fraca, desinteressada e o pior, foi no canto preferido do goleiro tricolor. Será que ele não observou que das quatro cobranças anteriores o Cavalieri pulou para a esquerda em três?

O título era obrigação e a Taça Guanabara estava ao alcance das mãos, já que o Vasco não seria um adversário mais complicado do que foi o Fluminense. Bem, agora é focar na Copa do Brasil e entrar firme na Taça Rio.

Vamos, Fogo!

Ao menos uma notícia positiva: Elkeson reencontrou o bom futebol!

Ficha Técnica:

Semifinal: Botafogo 1 x 1 Fluminense (23/02/2012)

Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos (Caio), Renato, Andrezinho e Elkeson (Lucas Zen); Herrera e Loco Abreu

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Fluminense: Cavalieri; Bruno (Rafael Moura), Leandro Eusébio, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Deco (Jean) e Thiago Neves; Fred e Welington Nem (Araújo)

Técnico: Toninho Andrade

Gol do Botafogo: Elkeson, aos 28 minutos do segundo tempo

Gol do Fluminense: Leandro Eusébio, 34 da etapa final

Local: Engenhão (RJ)

Árbitro: Péricles Bassols (RJ)

Cartão Amarelo: Antônio Carlos (Botafogo) e Edinho (Fluminense)

Pênaltis Convertidos: Andrezinho, Herrera e Renato

Pênaltis Perdidos: Lucas e Loco Abreu

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: