Um conto de Mané

Poucos clubes no mundo podem se dar ao luxo de escrever capítulos inteiros na história de suas seleções e aqui no Brasil, o país do futebol por excelência, apenas Santos e Botafogo têm essa honra. No Mundial de 1962, no Chile, a Seleção Canarinho já não era uma novidade e os feitos de Pelé e Garrincha assombravam o mundo da bola desde a vitória incontestável na Suécia, em 1958. Defendendo o título mundial e recheada de craques, a nossa seleção desembarcou em terras chilenas com a responsabilidade de repetir o bom futebol apresentado quatro anos antes.

Imarcável!!! Será esse o tal de Flowers? Mané não quis nem saber!

Já li e ouvi esse conto diversas vezes, mas nunca tão bem narrado quanto no livro de Nilton Santos, “Minha bola, Minha vida”, da editora Gryphus. Não à toa, é claro. Devemos lembrar que Nilton sempre esteve nas conversas dos amigos Sandro Moreyra e Armando Nogueira – onde um deveria contar “um causo” melhor do que o outro! Sem Pelé, machucado na segunda partida, o Brasil iria encarar a forte Inglaterra. Sandro Moreyra resolveu provocar Garrincha dizendo que o lateral inglês, Flowers, numa entrevista, dissera que o Mané não iria passar por ele de jeito nenhum. Garrincha ficou invocado e foi pedir conselhos para Nilton Santos:

– Nilton, o lateral deles disse que eu não era de nada!

– Ah, então ele nunca te viu jogar.

– Viu sim. Eu queria acabar com ele, mas não sei quem ele é.

– Acabe com todos os ingleses porque cada um deles pode ser o tal de Flowers!

O hilário diálogo entre os amigos resultou num dos maiores passeios da história da Copa do Mundo! Nilton Santos continua:

Garrincha ficou endiabrado. Dribles e mais dribles no time todo da Inglaterra. Dizem que o Aimoré ficou desnorteado no banco quando via o Mané correr por todo o campo a driblar todo mundo. Pedia a ele pra voltar para a ponta, segurando assim o zagueiro inglês. Ele não ouvia, continuava a fazer o seu carnaval. Marcou até gol de cabeça nesse jogo. Vavá fez um gol, sobra de bola de um chute violento do Mané em cima do goleiro. Depois, com um passe de Amarildo, encerrou o placar. Ali, Mané foi batizado de ‘O Anjo das Pernas Tortas’, que enlouquecia todas as defesas e fazia o Brasil acreditar ser impossível não sermos bicampeões.

De fato, mesmo sem Pelé, Mané acabou com os adversários e trouxe o caneco para casa. Leia o livro de Nilton Santos. Essa e outras histórias incríveis do nosso futebol estão lá, apenas esperando para serem redescobertas.

Vamos, FOGO!

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: