Archive for janeiro \29\UTC 2011

Quem é o “Loco”?

29/01/2011

O jogador veste a camisa 13 do Glorioso de General Severiano e tem como apelido de infância a alcunha “Loco”. Ao fim da suada vitória do Botafogo – e bota suada nisso! – Abreu reclamou do calor e do excesso de jogos. Quem é o louco nessa história? O jogo é para a televisão? Mas que televisão? Não passa na TV aberta e o sistema “pague-para-ver” não exige fidelidade de horário, muito pelo contrário, o canal fica “fora do ar” apenas esperando pela transmissão do evento. Então, qual o objetivo de programar uma partida para as 17h de sábado, no Engenhão, sem transmissão pela TV aberta? Só os gênios que organizam nosso futebol podem explicar esse mistério!

Os quase seis mil valentes que compareceram ao caldeirão construído no Engenho de Dentro acompanharam mais um capítulo da “Saga Alvinegra no Campeonato Carioca”! O Botafogo saiu na frente com um gol de Renato Cajá logo aos 13 segundos de jogo e depois cedeu terreno para o adversário. E como manda o roteiro da saga, lá estava Jefferson, goleiro de Seleção Brasileira, para operar verdadeiros milagres!

Renato acertou um chutaço de fora da área para abrir o placar!

Joel fez o que se espera dele nesse início de ano: lançou o Caio no 2º tempo. Mas dessa vez a mudança foi muito estranha e a saída do lateral-direito Lucas deixou a equipe torta e vulnerável. O treinador percebeu o erro, após assistir a duas defesas monumentais de Jefferson, e sacou o Rosário – Amém! – para recompor a defesa com Alessandro.

Com a cozinha arrumada foi possível finalizar o placar! E que finalização? Loco Abreu recebeu um lançamento primoroso de Alessandro – novamente ele! – e estufou as redes do Olaria. Logo na sequência veio o susto com um gol pela Avenida Somália, mas nada de esquentar a cabeça! Abreu ganhou na corrida, invadiu a área e com muita categoria deu uma cavadinha encobrindo o goleiro Renan. Golaço! Golaço!

Antes do fim do jogo, com a vitória decidida, a torcida resolveu aparecer e pegou no pé do Somália enquanto a bola estava no pé dele! Não pode, assim não dá. O Somália não era o queridinho da torcida? O problema não era o Lucio Flavio, o Leandro Guerreiro e o Fahel? Quer dizer que o jogador alvinegro não pode errar uma ou duas bola e ter uma atuação abaixo da média que a resposta são vaias? Ah, que torcida desagradável!!! O time não merece essa torcida, o Botafogo não merece essa torcida e essa torcida não merece representar esse clube! Por favor, virem vascaínos! Virem trioletes! Virem framengo!

Aos verdadeiros alvinegros, o grito:

Vamos, FOGO!

Loco e a já famosa cavadinha! Goooooool do Botafogo!

Ficha Técnica:

4ª Rodada: Botafogo 3 x 1 Olaria (29/01/2011)

Botafogo: Jefferson, João Felipe, Antônio Carlos e Márcio Rosário (Alessandro); Lucas (Caio), Marcelo Mattos, Bruno Tiago, Renato Cajá (Marcos Vinícius) e Somália; Loco Abreu e Herrera

Técnico: Joel Santana

Olaria: Renan, Ivan, Thiago, Rafael e Amarildo; David, Victor, Danilo e Renan Silva; Waldir (Vinícius) e Felipe (Renato)

Técnico: Luiz Antônio Ferreira

Gols do Botafogo: Renato Cajá, aos 13 segundos de jogo, e Loco Abreu, aos oito e aos 14 minutos do segundo tempo

Gol do Olaria: Vinícius, aos dez minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ) / Público: 5.812 presentes / Renda: R$ 103.830,00

Árbitro: William de Souza Nery

Cartão Amarelo: Márcio Rosário e Loco Abreu (Botafogo); e Renan Silva (Olaria)

Anúncios

Vitória da liderança!

27/01/2011

O  Botafogo segue com 100% de aproveitamento na Taça Guanabara, lidera o Grupo B e agora passa a pressão para o time das Laranjeiras que completa hoje a terceira rodada. O primeiro lugar do grupo é importante para escapar do Flamengo na semifinal e assim garantir a vaga na decisão sem sustos. Mesmo com a liderança e os nove pontos conquistados, a falta de pegada do time ainda preocupa… Será que esse é apenas um efeito da pré-temporada ou o Botafogo irá jogar 2011 como jogou durante a maior parte de 2010?

O gol de Herrera logo aos 14 minutos definiu o ritmo lento da partida e nem mesmo o Madureira que já treina forte desde o ano passado foi capaz impor velocidade ao jogo. O marasmo só foi substituído pela emoção no fim da etapa inicial, quando o Tricolor Suburbano colocou duas bolas na trave e ainda viu uma defesa inacreditável de Jefferson após chute de Adriano Magrão na pequena área! Foi a senha para o Botafogo voltar a apertar, pressionar e marcar o segundo gol com Loco Abreu – em pênalti bem assinalado por Péricles Bassols. Milagre! Aleluia!

Joel Santana mudou o esquema 3-5-2 na volta do intervalo colocando Caio no lugar de João Filipe – quem é o empresário do Márcio Rosário? – e deixando o time teoricamente mais ofensivo no 4-4-2. Teoricamente, apenas teoricamente. O Madureira, com um jogador a menos, não sofreu pressão do Botafogo e ainda chegou a diminuir o placar aos 29 minutos, para grande irritação da pequena torcida que esteve presente ontem no Engenhão. Quando todos já esperavam por uma catástrofe, eis que Joel decide mexer e injetar novo ânimo na equipe. Novo?

Alessandro fez um bonito gol e recebeu merecidos apalusos!

Alessandro, aos 33 anos, entrou em campo como se fosse um garoto! Correu, brigou, pediu bola, foi para o ataque, desarmou o adversário e foi premiado com um belo gol. E também muitos aplausos no Engenhão. Parece que a reserva, a concorrência de Lucas e a camisa 14 fizeram bem ao sempre perseguido lateral-direito do Fogão.

– Fiquei feliz com os aplausos da torcida. Depois de quatro anos, é porque alguma coisa de bom venho fazendo. É um momento de alegria por ter feito o gol num momento importante. Meu contrato não diz que tenho de ser titular. Então, venho fazendo meu trabalho quieto e buscando ajudar. Todo mundo quer jogar, e eu também, mas o treinador só pode escalar 11. De qualquer maneira, ele deixa todos com a cabeça tranquila, pois a qualquer momento podemos entrar – comemorou Alessandro.

Nos treinos, mesmo no rachão, Alessandro vem mostrando muita determinação e fazendo gols como o de ontem. Não é o suficiente para voltar ao time titular, mas a falta de opções foi o grande problema do Botafogo 2010 e ter reservas motivados pode ser a diferença entre o time do ano passado e o atual.

O elenco que foi montado para 2011 tem jogadores mais versáteis e mais jovens do que o de 2010. O apoiador Bruno Tiago é a grande surpresa desse início de temporada com um futebol objetivo e ao mesmo tempo combativo. O garoto arranca em direção ao ataque, passa bem a bola e ainda ajuda no combate do meio campo. Uma boa revelação que precisa ser bem aproveitada por Joel quando Éverton estrear e mesmo depois quando Maicosuel voltar.

Vamos, FOGO!

Bruno Tiago é a grande revelação do Botafogo 2011!

Ficha Técnica:

3ª Rodada: Botafogo 4 x 1 Madureira (27/01/2011)

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Caio), Antônio Carlos e Márcio Rosário; Lucas (Alessandro), Marcelo Mattos, Bruno, Renato Cajá e Somália; Herrera (Alex) e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Madureira: Fábio Cleber, Douglas Assis, Victor Silva e Edmílson; Valdir, Vinícius, Michel (Abedi), Rodrigo e Da Costa (Nil); Maciel e Adriano Magrão (Caio Cezar)

Técnico: Antônio Carlos Roy

Gols do Botafogo: Herrera, aos 14, e Loco Abreu, aos 43 da etapa inicial. Alessandro, aos 36, e Caio, aos 42 minutos do segundo tempo.

Gol do Madureira: Rodrigo, aos 29 minutos da etapa final.

Local: Engenhão (RJ) / Público: 2.536 presentes / Renda: R$ 47.690,00

Árbitro: Péricles Bassols

Cartão Amarelo: Marcelo Mattos, Caio, Bruno (Botafogo); Adriano Magrão, Edmílson, Michel (Madureira)

Cartão Vermelho: Douglas Assis (Madureira)|

Crise somente nas páginas dos jornais!

24/01/2011

Duas vitórias, seis pontos e a liderança do Grupo B da Taça Guanabara, mas qual a razão de tantos aborrecimentos em General Severiano? Loco Abreu instaurou a crise ou ela já estava anunciada desde o fim do ano passado? Aliás, existe crise? Abreu publicou uma carta explicando o assunto em seu site oficial, nela reclamou de ter sido mal interpretado pela imprensa brasileira, ou melhor carioca, e justifica dizendo que se inclui na análise feita após o jogo contra o Duque de Caxias. E qual é a chamada da reportagem no Globoesporte.com? “Loco confirma falta de ‘conversa fluente’ com Joel, mas nega críticas ao técnico”. Na página do diário Lance! a polêmica também ganha espaço: “Através de seu site oficial, atacante uruguaio afirma que sua relação com treinador não é das melhores”.

Como assim? O Loco falou, explicou, confessou, argumentou e o recorte feito pela imprensa só faz aumentar o burburinho e a crise? Que imprensa é essa? Que jornalismo é esse? Onde está a seriedade jornalística? Existe isenção da imprensa ou vontade de vender jornal? Claro que sempre foi assim, óbvio, mas agora a imprensa esportiva carioca – normalmente formada por estagiários e jovens recém-formados – tem pela frente um atleta esclarecido e que um dia foi jornalista como eles! Quem sabe não é a hora de mudar o rumo da “imprensa-esportiva-marrom” do Rio de Janeiro?

Caio comemora o gol e agradece o ótimo passe de Loco Abreu!

Novamente o jogo e a goleada – sem nenhuma emoção – ficaram como pano de fundo! O Botafogo ganhou dois gols de presente, fruto de falhas do Cabofriense, mas não fez um bom primeiro tempo. Será que a culpa é do sol forte e do calor? Depois de 15 minutos marcando a saída de bola adversária, o time cansou e recuou, aí veio a parada técnica, a conversa, uma água gelada e a pressão resultou nos gols. Pronto! O time ficou satisfeito com o 2 a 0 e a vitória parcial. Foi preciso que a torcida pedisse a entrada de Caio para que o panorama da partida mudasse na etapa final. Isso sim é o papel da torcida! Pedir, aplaudir, ajudar, cantar, empurrar o time do coração para a vitória.

Caio entrou bem, fez um gol, mas voltou a ser fominha em alguns lances e parece que Alex, o novo Caio, sofre do mesmo pânico: perdeu gol feito tendo Loco Abreu livre na pequena área. É verdade que o garoto jogou bem outra vez e tem personalidade, mas rola a bola para o Abreu e ‘vai pro abraço’! Outra questão que já está incomodando: não entendo porque o Joel desfaz o esquema com três zagueiros sempre sacando o jovem João Filipe e deixando o terrível Márcio Rosário em campo! Ontem, mesmo diante do fraco Cabofriense foi possível sentir aquele frio na espinha com o domínio e as recuadas de bola do Márcio Theodoro, ops!, Márcio Rosário!

Espero para ver o verdadeiro Botafogo em campo na Taça Guanabara: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, João Filipe e Márcio Azevedo; Arévalo Ríos, Marcelo Mattos, Renato Cajá e Éverton; Herrera e Loco Abreu! Esse é o time para a disputa do Tricampeonato da Taça Guanabara! E com ele podemos vencer Flamengo, Vasco ou Fluminense! Mas com o time que entrou em campo ontem…

Renato sonha em continuar na equipe titular de Joel

Ficha Técnica:

2ª Rodada: Cabofriense 0 x 5 Botafogo (23/01/2011)

Cabofriense: Fábio, Schneider, Alyson, Matheus Hansen e Everton; André Oliveira, Goeber (Diego Sales), Zotti e Rafael Ueta; Grafite (Felipe) e Allan Barreto (Capixaba)

Técnico: Luís Antônio Zaluar

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Alex), Antônio Carlos e Márcio Rosário; Lucas, Marcelo Mattos, Renato Cajá, Bruno Tiago (Fahel) e Somália; Herrera (Caio) e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Botafogo: Goeber, contra, aos 24 e aos 30 minutos da etapa inicial. Renato Cajá, aos 30, Caio, aos 35, e Antônio Carlos aos 42 do segundo tempo

Local: Cláudio Moacir Azevedo, Macaé (RJ) /

Árbitro: Luís Antônio Silva Santos

Cartão Amarelo: Alan Barreto, Felipe, Alyson (Cabofriense); Somália, Márcio Rosário e Bruno Tiago (Botafogo)

Cartão Vermelho: Alyson (Cabofriense)

Carta do Loco Abreu publicada no site do jogador:

Novatos treinam com disposição

22/01/2011

A crise entre Joel Santana e Loco Abreu atrasou o treino por quase duas horas e a pequena e impaciente torcida que esperava por alguma movimentação preferiu comentar a vitória sobre o Duque de Caxias do que pensar num possível racha no elenco, já no inicio do trabalho. Quando os jogadores foram liberados e partiram para o gramado de General Severiano a recompensa veio com belos gols e com a oportunidade de ver os novos reforços finalmente batendo uma bolinha.

Com o campo reduzido, e elenco também, já que apenas dez jogadores participaram da atividade, o time de Colete Branco bateu o Colete Preto, mas ninguém ficou atento ao placar, e sim à movimentação de Éverton e ao domínio de bola de Arévalo. Jefferson, Rodrigo Mancha, Araruama, Alessandro e Herrera formaram o time branco e o colete preto ficou com Milton Raphael, Fahel, Arévalo, Éverton e Renan – que jogou na linha para completar a pelada.

Nada de desfile! Novos atletas treinam forte em General Severiano!

Apesar do forte calor e das dimensões reduzidas do gramado deu para notar que Cacha não gosta de perder nenhuma dividida, que Herrera enche o pé até em brincadeira de quintal e que Éverton vai dar muitas alegrias quando estiver em forma. Depois de perder duas jogadas individuais para Rodrigo Mancha, que mostrou muita disposição, Éverton se livrou da marcação e mandou uma bomba no ângulo de Jefferson, indefensável! Alessandro fez belos gols e a sombra do recém contratado Lucas parece ter feito muito bem ao ex-camisa 2 alvinegro.

Joel Santana contornou a crise após conversa com Loco Abreu e agora só pensa na segunda rodada, contra a Cabofriense, neste domingo. Para quem viu a vontade demonstrada por Arévalo Ríos, Éverton, Herrera, Alessandro e Rodrigo Mancha ficou a certeza que crise será uma palavra que não vai se abater sobre General Severiano em 2011!

Não precisa ser assim!

20/01/2011

“Todos os times tratam a bola melhor do que o nosso time. Todos já sabem como nós jogamos, não tem surpresa. No ano passado tudo bem, mas esse ano de novo: jogar só se defendendo, correndo atrás da bola. Não precisa ser assim!” A declaração de Loco Abreu, após a estreia do Botafogo no Campeonato Carioca pode causar certo constrangimento entre o ídolo e o treinador Joel Santana, mas não deixa de ser verdadeira.

O primeiro tempo do time da Estrela Solitária foi terrível. A equipe, escalada com três zagueiros, no tradicional 3-5-2 do Papai Joel, foi presa fácil para o poderoso Duque de Caxias. O pênalti não existiu e nunca seria marcado contra o time da Lagoa, mas levar sufoco do modesto dublê de tricolor, em pleno Engenhão, não estava nos planos.

A zaga ficou exposta, pois Marcelo Mattos foi obrigado a sair para armar as ações ofensivas e Renato Cajá sentiu na pele o sofrimento de Lucio Flavio ao tentar, sozinho, levar o time ao ataque. Sem outro meia ofensivo para dividir as atenções, o novo camisa 10 alvinegro não conseguiu render o esperado e parou na óbvia marcação proposta por Arthur Bernardes.

3-5-2 não funciona e Joel quase tem uma parada cardíaca no Engenhão!

Joel Santana consertou a escalação errada na segunda etapa com as entradas de Alex, no lugar do zagueiro João Filipe, e Bruno, na vaga de Guilherme, reposicionando o Somália para a lateral-esquerda e recolocando o time no tradicionalíssimo 4-4-2. Com a mudança o Botafogo parou de marcar o Duque de Caxias, passou a controlar o meio de campo e assim dominar o jogo. O empate veio na base do abafa e da garra. Loco Abreu cobrou o penal com emoção – a bola tocou no travessão antes de entrar – e fez acender a esperança da virada.

A virada aconteceu com toques de categoria entre Alex, que entrou muito bem na partida, Loco Abreu, fazendo o pivô, e Renato Cajá que enfiou uma bola perfeita para Caio fuzilar o goleiro Erivelton. Goooool do Botafogo e três pontos na tabela. No fim do jogo, de cabeça quente e irritado, possivelmente com as vaias que recebeu da ridícula torcida alvinegra, Loco Abreu mostrou toda a insatisfação com o esquema de jogo proposto por Joel Santana. É, pelo jeito 2011 começou quente em General Severiano!

A volta do Talismã! Caio faz um golaço e garante a virada do Fogão!

Ficha Técnica:

1ª Rodada: Botafogo 2 x 1 Duque de Caxias (20/01/2011)

Botafogo: Jefferson, João Filipe (Alex), Antônio Carlos e Márcio Rosário; Lucas, Marcelo Mattos, Somália (Alessandro), Renato Cajá e Guilherme (Bruno); Caio e Loco Abreu.

Técnico: Joel Santana

Duque de Caxias: Erivelton, Lucão, Fábio Braz e Marlon; Juninho (Dudu), Antônio (Vítor), Lenon, Lenílson e Ari; Geovane Maranhão (Felipe Canavan) e Somália

Técnico: Arthur Bernardes

Gols do Botafogo: Loco Abreu, de pênalti, aos 33, e Caio, aos 36 do segundo tempo

Gol do Duque de Caxias: Somália, aos 42 minutos da etapa inicial

Local: Engenhão (RJ)

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique

Cartão Amarelo: João Filipe, Marcelo Mattos, Loco Abreu (Botafogo); Somália, Antônio, Lenílson, Marlon, Lenon, Lucão (Duque de Caxias)

2010 se repete: Torcida jogou contra e atrapalhou a equipe o tempo todo!

Show Botafogo abre temporada 2011!

17/01/2011

A diretoria do Botafogo preparou uma grande festa para a abertura da temporada 2011 do futebol alvinegro: show de samba, sorteio de brindes, ingressos promocionais, apresentação dos novos reforços e, de quebra, um amistoso nacional para abrilhantar a tarde de festa! Não faltava nada, certo? Na verdade, faltou o principal: a torcida! O exigente torcedor botafoguense preferiu ficar em casa e acompanhar a pelada do time da Gávea, este sim transmitido pela Rede Globo para todo o país.

Joel Santana escalou o time que treinou durante a pré-temporada já com os novos contratados. Márcio Azevedo assumiu a lateral-esquerda, Lucas ficou na direita e João Filipe fez a zaga ao lado de Antônio Carlos e Márcio Rozário – não sei por que, mas me dá um frio na espinha escrever e falar esse nome… Claro que o adversário não representava nenhuma ameaça ao atual Campeão Carioca, mas quem viu o time da Colina sofrer para bater o Cerro Porteño, por 1 a 0, em São Januário, sabe que vencer bem sempre é importante. Joel elogiou os estreantes da tarde:

– Foi bom porque estiveram desinibidos. Jogaram com tranquilidade, como se conhecessem o grupo há bastante tempo. Se tivesse que dar uma nota, seria 7,5 para todos eles. Foram bem.

Everton, Arévalo e Rodrigo Mancha: três bons nomes para 2011!

A escalação ideal do Botafogo 2011, planejada pelo Papai Joel e esperada pelo torcedor, ainda deverá ficar só na prancheta, já que Everton e Arévalo Ríos ainda não têm condições de jogo. É preciso lembrar que Maicosuel e Fábio Ferreira, duas peças fundamentais no esquema, só retornam ao time em meados de maio, mas mesmo assim podemos dizer que o Botafogo está sim na briga pelo título da Taça Guanabara!

– A festa foi boa do princípio ao fim, e o time se movimentou com qualidade e competência. Mas não vamos achar que já estamos 100%, pois ainda estamos no início do trabalho. De qualquer maneira, o rendimento foi bom, principalmente porque tivemos poucos dias de treino – disse Joel ao site oficial do Botafogo.

A contratação de Arévalo Ríos foi um presente para a torcida que esperava um nome de peso desde as saídas de Edno, Marcelo Cordeiro, Danny Moraes, Lucio Flavio e Leandro Guerreiro. Ríos foi titular em todos os jogos da Seleção Uruguaia na Copa do Mundo da África do Sul, Campeão Uruguaio 2009/2010 com o Peñarol e eleito para a Equipe Ideal da América em 2010! Com a chegada de Arévalo Ríos, o meio campo botafoguense pode formar um quadrado de respeito: Ríos, Marcelo Mattos, Everton e Maicosuel! É para animar até o desanimado e exigente torcedor alvinegro!

Marcelo Mattos continua invicto pelo Botafogo: 15 jogos sem derrota!

Ficha Técnica:

Amistoso Nacional: Botafogo 5 x 1 Democrata-GV (16/01/2011)

Botafogo: Jefferson (Renan), João Filipe, Antônio Carlos e Márcio Rosário (Alex); Lucas (Alessandro), Marcelo Mattos (Fahel), Somália (Bruno), Renato Cajá (Lucas Zen) e Márcio Azevedo (Guilherme); Caio (Araruama) e Loco Abreu (Herrera)

Técnico: Joel Santana

Democrata-GV: Vilar; Taércio (Jorge Luiz), Lucio, Matheus e Emerson (Vini); Marcinho (Nathan), Vinícius Colombiano (Flávio), Ely Thadeu (William Matheus) e Vander (Renê); Léo Guerreiro (Henrique) e Fernandão (Laio)

Técnico: Anthoni Santoro

Gols do Botafogo: Caio, aos 20, Renato Cajá, aos 31, e Márcio Azevedo, aos 33 da etapa inicial. Herrera, aos 24, e Alex, aos 36 minutos do segundo tempo

Gol do Democrata: Renê, aos 41 minutos da etapa final

Local: Engenhão (RJ)

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Cartão Amarelo: Marcinho, Vinícius Colombiano (Democrata)

A torcida esqueceu de comparecer ao Engenhão... Uma pena!

O bom futebol retornou!

16/01/2011

Qual o peso de um treinador nas vitórias de uma equipe? No caso da Inter de Milão podemos dizer que a chegada do brasileiro Leonardo, ex-treinador do arqui-rival Milan, foi fundamental para a volta do bom futebol e das vitórias. José Mourinho venceu todos os torneios que disputou com a Inter na temporada 2009/2010, mas Rafa Benítez, apesar de vencer o Mundial de Clubes da Fifa, não emplacou no time milanês e foi demitido. O espanhol saiu atirando para todos os lados, dizendo que a Inter tinha um time velho e que não recebeu os reforços que pediu ao presidente Massimo Moratti.

Leonardo assumiu a equipe na sétima posição no Campeonato Italiano e após quatro vitórias seguidas já recolocou a Inter na briga pelo título. Mas qual foi o milagre? O zagueirão Materazzi – sempre ele! – deu uma declaração dizendo que Benítez era um guarda de trânsito dirigindo uma Ferrari! O certo foi que Benítez quis inventar e mudou o padrão de jogo de um time que venceu tudo o que disputou: Campeonato Italiano, Copa da Itália, Liga dos Campeões e a Supercopa da Itália – já sob o comando do espanhol. A derrota na final da Supercopa da Europa, 2 a 0 para o Atlético de Madrid, já mostrava que as mudanças feitas na equipe não estavam dando resultado. Benítez seguiu inventando, mudando e mexendo no time até ser demitido!

Campeão do mundo e demitido! Benítez não emplacou na Inter!

Assim que assumiu o time nerazurri, Leonardo deu liberdade para que Maicon e Eto’o voltassem a jogar abertos pela ponta e forçou as jogadas pelas laterais do campo, algo que não ocorria na formação desenhada pelo espanhol. Leo não tem todos os titulares disponíveis, Sneijder, Júlio César e Samuel estão lesionados, mas mesmo assim fez a equipe emplacar cinco vitórias seguidas, quatro pelo Italiano e uma pela Copa da Itália, e mostrar um padrão de jogo parecido com a Internazionale de José Mourinho.

A vitória deste sábado sobre o Bologna, por 4 a 1, foi construída de forma natural e com a participação efetiva de Samuel Eto’o que deu um passe preciso para Stankovic abrir o placar e ainda fez dois golaços – o segundo uma pintura em cobrança de falta. As comemorações alegres após os gols só reforçam que o bom ambiente está de volta e junto com ele vieram as vitórias que estavam em falta na gestão de Rafa Benítez.

Leandro Guerreiro

14/01/2011

Leandro Guerreiro chegou ao Botafogo, no início de 2007, pelas mãos do então treinador Cuca, depois de fazer uma boa temporada no Criciúma onde inclusive foi Campeão Brasileiro da Série C, em 2006. No alvinegro carioca disputou 222 jogos e marcou cinco gols. O objetivo de Leandro não era balançar as redes, mas sim evitar os gols adversários, e nesse quesito o torcedor pode lembrar a raça e categoria do volante que nunca desistia de uma jogada.

Os três vice-campeonatos perdidos para o clube da Gávea quase fizeram o camisa 5 se transferir antes da hora, mas quis o destino que Leandro Guerreiro fosse o capitão na conquista história do Campeonato Carioca 2010! O aguerrido volante já não era unânime entre os torcedores, mas afinal quem é? De malas prontas para o Cruzeiro de Cuca – sim, os velhos amigos irão se reencontrar – Leandro disse que o Botafogo ganha mais um torcedor.

Obrigado, Leandro! Não apenas por se declarar torcedor alvinegro, mas pelos títulos conquistados e pelo suor derramado em cada partida! Boa sorte nessa nova empreitada. Ficarei torcendo também por você, mesmo de longe!

Capitão Leandro Guerreiro ergue a Taça Rio!

Ficha Técnica:

Apelido: Leandro Guerreiro

Nome Completo: Leandro Luchese Guerreiro

Data de Nascimento: 17/11/1978 (32 anos)

Natural de: São Borja – RS

Posição: Volante

Títulos pelo Botafogo:

Campeonato Carioca: 2010

Taça Guanabara: 2009 / 2010

Taça Rio: 2007 / 2008 / 2010

Copa Peregrino 2008

Primeiro gol de Leandro Guerreiro pelo Botafogo: