Sem desespero!

Não penso em tirar os méritos da importante vitória conseguida pelo time do Goiás que luta bravamente para escapar das últimas posições da tabela, mas essa derrota deve ser encarada como algo natural num campeonato longo e equilibrado como é o BR-10. O Botafogo não jogou de “salto alto”, não menosprezou o adversário e não fez o chamado “corpo-mole”. Nada disso aconteceu no Serra Dourada, mas para chegar a essa conclusão é preciso assistir ao jogo na íntegra e não somente acompanhar os “Melhores Momentos” preparados pela equipe de TV.

Jóbson, Somália, Herrera, Marcelo Cordeiro e Marcelo Mattos. Essa é a lista de jogadores, todos titulares, entregues ao Departamento Médico, e certamente com eles em campo não levaríamos quatro gols do ataque goiano. O Botafogo venceria o jogo se estivesse completo? Pura especulação, mas ao menos, Joel Santana teria mais opções para mudar a equipe e tentar surpreender o treinador adversário. Os reservas não atuaram mal, o placar foi dilatado demais e um 2 a 1 seria o mais justo, mas não podemos escrever justiça e futebol na mesma frase.

– Hoje estivemos abaixo da crítica. Foi uma das piores partidas do Botafogo sob o meu comando. Foi um dia em que tudo o que fizemos não correspondeu. Mas como tudo na vida, é preciso aprender com o que aconteceu. Agora temos a obrigação de vencer o Cruzeiro, que nos persegue – disse Joel na entrevista coletiva.

Novamente com a 10: Lucio Flavio jogou bem no primeiro tempo

O Goiás gastou toda a sorte que podia ter no campeonato nos gols de ontem e o rebaixamento é quase certo, salvo um milagre de última hora – como ocorreu com o Fluminense no ano passado. Já do lado alvinegro, tudo o que podia dar errado numa partida aconteceu no Serra Dourada. Aos 15 minutos, Leandro Guerreiro foi iludido tolamente pelo arremesso lateral e perdeu a jogada para Felipe, na sequência Fahel deixou a bola passar no meio das pernas impedindo qualquer reação de Jefferson.

O Fogão pressionava pelo empate empurrando o time goiano para a defesa e pelo volume de jogo a reação parecia apenas uma questão de tempo. Nesse momento novamente a sorte estava do lado verde. Após uma defesa parcial do nosso arqueiro em chute de longa distância, a pelota bate na trave e sobra limpa para Rafael Moura. Loco Abreu diminuiu aos 43 minutos e deu gás extra para o segundo tempo.

Maicosuel não encontrou espaços para jogar no Serra Dourada

Com o jovem Caio no lugar de Lucio Flavio, que jogou bem na etapa inicial, Joel abriu o time e partiu para buscar ao menos um ponto fora de casa. As chances foram criadas, mas o ataque esbarrou em duas boas defesas de Harlei e o domínio alvinegro não se concretizou em mudança no placar. O Goiás passou a administrar a partida e matou o jogo em dois contra-ataques – arma normalmente usada pelo time carioca. E não é que até na cobrança do pênalti os goianos tiveram sorte? O quarto tento foi um castigo para o saldo de gols e para a equipe que não merecia derrota tão amarga.

O técnico Jorginho não pode se iludir com esse resultado e a torcida alvinegra não pode achar que tudo está perdido. O Botafogo continua a quatro pontos do líder e tem uma final contra o Cruzeiro, sábado, no Engenhão. A presença maciça dos alvinegros pode ser o combustível necessário que os jogadores precisam para a arrancada rumo ao título! O campeonato está aberto!

Vamos FOGO!

Ficha Técnica:

22ª Rodada: Goiás 4 x 1 Botafogo (15/09/2010)

Goiás: Harlei, Walmir Lucas, Rafael Tolói e Marcão (Rithelly); Wendel Santos, Amaral (Carlos Alberto), Wellington Monteiro, Bernardo e Júnior (Douglas); Felipe e Rafael Moura

Técnico: Jorginho

Botafogo: Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Fahel (Túlio Souza), Lucio Flavio (Caio), Renato Cajá (Bruno) e Edno; Maicosuel e Loco Abreu

Técnico: Joel Santana

Gols do Goiás: Wellington Monteiro, aos 15, e Rafael Moura, aos 31 minutos da etapa inicial. Rafael Moura, aos 36, e Bernardo aos 46 do segundo tempo

Gol do Botafogo: Loco Abreu, aos 43 minutos do primeiro tempo

Local: Serra Dourada (GO) / Público: 12.480 pagantes / Renda: R$ 161.797,50

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)

Cartão Amarelo: Júnior e Marcão (Goiás); Fahel (Botafogo)

Crédito das fotos: Carlos Costa do Lancenet!

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Sem desespero!”

  1. Marcos Says:

    Gosto de suas análises. Também não acho que o LF jogou tão mal assim. O problema que muitos torcedores já o pegaram para Cristo, como quase sempre acontece com jogadores do Botafogo, que depois vão para outro time e arrebentam. É difícil jogar em um time onde vc é perseguido.
    Abraços.

    • christianjafas Says:

      Olá Marcos,

      Sei que a torcida tem implicância com alguns jogadores e o Lucio Flavio é um deles. Em alguns jogos ele não encontra o posicionamento adequado e fica um pouco perdido em campo.

      Isso é absolutamente normal para um jogador de armação quando recebe uma marcação individual. Isso acontecia quando o Botafogo jogava com apenas um homem de criação no meio.

      E isso está acontecendo com o Maicosuel: ele nunca está só em campo, tem sempre um na cola dele. Armar sozinho um time é muito difícil, você toca a bola redonda e recebe quadrada.

      O futebol do Maicosuel cresceu muito com o Marcelo Mattos na frente da zaga saindo a bola com qualidade e com o Renato Cajá ajudando a abrir espaços.

      O Joel está errando em colocar o Mago de atacante. Ele é um meia de arranque e lançamentos! Com a volta do Somália, o trabalho do nosso camisa 7 será mais leve hoje.

      Um abraço e vamos torcer pelo Fogão hoje!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: