Vitória em casa e primeira derrota como visitante

Jogadores comemoram gol de Somália no Engenhão

“Tem coisas que só acontecem com o Botafogo!” A célebre frase ecoou mais uma vez no pensamento do torcedor alvinegro após a vitória convincente de 3 a 0 sobre o Goiás, no último domingo, 23 de maio, no Engenhão, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O time começou mal, foi dominado, Jeferson fez defesas salvadoras e quando todos esperavam pelo fim do primeiro tempo, eis que, em dois lances, o Botafogo desce para o vestiário com a vantagem de 2 a 0 no placar.

Nem mesmo o apagão de energia que derrubou metade das torres de iluminação do estádio foi capaz de esfriar a motivação da torcida e o terceiro gol de Herrera indicava que com a vitória sacramentada bastava tocar a bola, esperar pelo apito final e pensar no próximo adversário na sequência da tabela.

Mas quando nada poderia atrapalhar a festa nas arquibancadas a velha frase aparece para assombrar o Engenhão! Lembra dela? “Tem coisas que só acontecem com o Botafogo!” Caio e Herrera se desentendem, trocam ofensas, empurrões e o Botafogo perde para o Cruzeiro. Simples assim.

O goleiro Fábio do Goiás pula só para sair na foto do Lancenet!

Aqueles três pontos conquistados diante do Goiás poderiam se juntar a mais três nesta quarta e levar o time do Joel a beliscar a liderança provisória no certame. Enfrentar o Cruzeiro no Mineirão nunca é tarefa fácil, mas o que se viu nesta noite foi exatamente o que a torcida alvinegra prenunciou no momento da dupla expulsão de domingo, ou seja, dava pra vencer lá sem tantos desfalques.

Adilson Batista dirige a Raposa pelo terceiro ano seguido, ganhou dois mineiros, chegou até uma final de Libertadores, mas não agrada aos cruzeirenses nem com vitória! A equipe mineira esteve sem criatividade, pouco ameaçou a meta de Jeferson e se mostrou mais do que satisfeita com o 1 a 0 conquistado na primeira etapa.

O Botafogo teria que aprender a jogar sem o Loco Abreu – dispensado para se apresentar ao selecionado do Uruguai – nas primeiras rodadas antes da Copa do Mundo, isso é óbvio, mas perder os dois atacantes de referência de uma vez é muita complicação para uma prancheta solitária.

Em amistoso, Loco Abreu fez dois gols pela seleção uruguaia nesta quarta

Joel Santana conseguiu fazer a dupla Caio & Herrera funcionar e ainda teve opções como o Renato e o Edno para mudar os jogos no segundo tempo. Contra o Cruzeiro faltou competência e calma na hora das finalizações: foram muitos lances perigosos e um pênalti inacreditavelmente desperdiçado. O chute de Alessandro, aos 43 do segundo tempo, poderia ter posto justiça no placar.

Não é preciso reclamar dos impedimentos assinalados pelos dois bandeirinhas, é preciso reclamar do posicionamento dos atacantes alvinegros que teimaram em ficar além da linha de zaga mineira. Edno e Alex não colocaram a culpa na falta de entrosamento, mas a falta de ritmo de jogo ficou evidente.

Em alguns momentos percebi que o Edno se parece muito com um tal de Victor Simões. A cabeçada ridícula para a fácil defesa do goleiro Fábio já era um indício de que seria difícil, muito difícil encaixar um ataque para fazer o golzinho de empate. A jogada aérea, nossa principal arma em 2010, não funcionou, não tivemos nenhum lance de perigo contra a meta cruzeirense com esse fundamento.

Lucio Flavio vibra com o golaço de falta contra o Goiás

Quando o Lucio Flavio voltará a cobrar as penalidades? Ele não está treinando? Como pode um jogador que bate faltas e escanteios tão bem ter medo de cobrar um pênalti? O Renato fez tudo o que está no manual: disparou a meia altura, sem força e entregou o canto da cobrança.

Ah, esse é o manual dos goleiros sobre como defender um pênalti mal cobrado. No manual dos atacantes diz: rasteiro ou no alto, firme no canto e nunca entregar o lado da batida. Será que o auxiliar técnico não estudou como o Fábio pula na hora dos penais? Auxiliar técnico não serve para auxiliar o técnico nestas questões?

O gol sofrido diante do Cruzeiro foi uma clara demonstração da incompetência do sistema defensivo alvinegro. Um time que tem três zagueiros, dois volantes e que ainda prende os laterais não pode deixar o principal atacante adversário aparecer livre, dentro da pequena área, cara a cara com o Jeferson! O Botafogo sofreu cinco gols neste Brasileirão, sendo quatro deles dentro da pequena área e um da marca do pênalti. E em todos os lances o atacante estava livre de marcação.

Cinco jogadores alvinegros marcando a bola. Quem está com o Kléber?

A torcida sabe que o Campeonato Brasileiro é o mais disputado do mundo, mesmo que nivelado por baixo, e que qualquer ponto faz a diferença ao fim das trinta e oito rodadas. Uma vitória diante do Vasco, neste domingo, no Engenhão, recolocará o time no rumo certo e trará a confiança necessária para o confronto contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, pela sexta e penúltima rodada antes da paralisação para a Copa do Mundo.

Vamos comparecer em peso ao Engenhão e empurrar a equipe para mais uma vitória! Podemos acabar essa fase inicial, antes da Copa, na liderança do Brasileirão e não se esqueçam:

– Tem coisas que só acontecem com o Botafogo!

Herrera deve retornar para a partida contra o Vasco no Engenhão

Ficha Técnica:

3ª Rodada: Botafogo 3 x 0 Goiás (23/05/2010)

Botafogo: Jefferson, Fahel, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Leandro Guerreiro, Sandro Silva (Edno), Lucio Flavio (Renato) e Somália; Caio e Herrera.

Técnico: Joel Santana.

Goiás: Fábio, Rafael Tolói, Augusto (Rafael Moura) e Marcão (Ernando); Wendel Santos, Jonilson, Amaral, Hugo (Rodrigo Callasa), Bernardo, Wellington Saci; Éverton Santos.

Técnico: Emerson Leão.

Gols do Botafogo: Lucio Flavio aos 40 e Somália aos 42 minutos do primeiro tempo; Herrera aos 27 minutos da etapa final.

Local: Engenhão/RJ

Árbitro: Alísio Pena Júnior (MG)

Cartões Amarelos: Jonílson, Augusto e Rafael Tolói (Goiás); Antônio Carlos e Edno (Botafogo)

Cartão Vermelho: Fábio e Wellington Saci (Goiás); Caio e Herrera (Botafogo)

Crédito das fotos: Paulo Sérgio do Lancenet

4ª Rodada: Cruzeiro 1 x 0 Botafogo (26/05/2010)

Cruzeiro: Fábio, Jonathan, Gil, Leonardo Silva e Fernandinho; Fabinho (Elicarlos), Henrique, Marquinhos Paraná e Roger (Pedro Ken); Thiago Ribeiro (Guerrón) e Kleber.

Técnico: Adílson Batista.

Botafogo: Jefferson, Fahel, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Leandro Guerreiro, Sandro Silva (Alex), Lucio Flavio (Marcelo Cordeiro) e Somália; Edno e Renato (Diguinho).

Técnico: Joel Santana.

Gol do Cruzeiro: Thiago Ribeiro aos dezoito minutos do primeiro tempo.

Local: Mineirão/MG

Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)

Cartões Amarelos: Fernandinho, Kleber, Gil, Leonardo Silva e Guerrón (Cruzeiro); Fábio Ferreira e Diguinho (Botafogo).

Crédito das fotos: Ramon Bittencourt do Lancent

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Vitória em casa e primeira derrota como visitante”

  1. André Roth Says:

    Esta derrota era prevista. O Botafogo perde muito sem o Herrera.
    O início do jogo foi lamentavel com o time apresentando uma postura covarde. No segunto tempo melhorou em decorrencia da grande partida que o Somalia fez e da falta de impeto do Cruzeiro. Mas o que o jogo mostrou mesmo, para mim claro, é que não temos um camisa 10 não temos alguem que em um momento dificil pede a bola e se torna dono do time. Lucio Flavio que seria a grande esperança insiste em recusar o papel e além de tudo some em jogos como o de ontem.

    obs: Alex mostrou que pode ajudar. Diguinho ontem foi lamentavel.

    • christianjafas Says:

      André,

      A derrota não estava prevista. O Cruzeiro curtia a ressaca da eliminação na Libertadores e estava jogando mal em casa.

      O início foi mesmo lamentável pela postura tática do Joel que apostava no 0x0 para soltar o time na segunda etapa.

      O Botafogo está correndo mais do que os outros times e a preparação física pode ser um diferencial nos jogos difíceis.

      Devemos notar que o Lucio Flavio joga recuado e ajuda na marcação. E isso com três zagueiros e dois volantes!

      Foi um erro deixar o Renato em campo e tirar o Lucio.

      Aquela última falta batida pelo Marcelo Cordeiro, pela direita, era perfeita para o nosso camisa 10, mas ele estava no banco.

      O Botafogo jogou melhor que o Cruzeiro e deixou passar três pontos importantes.

      Mas que time pode se dar ao luxo de perder três atacantes titulares e ainda assim manter o nível?

      No futebol atual? Nenhum. Nem mesmo o Barcelona de Messi.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: