Obediência tática e talento para ser campeão

O técnico José Mourinho levou o limitado elenco da Internazionale de Milão à conquista da Liga dos Campeões e ainda conseguiu a inédita tríplice coroa européia para um time italiano, já que antes havia faturado a Copa da Itália e o Campeonato Italiano. Os grandes favoritos como Real Madrid, Barcelona, Chelsea e Manchester United foram caindo pelo caminho enquanto a Inter seguia firme até a final.

O diferencial da equipe de Milão foi o padrão tático adotado por Mourinho, a entrega de seus jogadores e a incrível estrela do artilheiro Diego Milito – foram dele todos os gols nas duas finais e na rodada decisiva do italiano contra o Siena. Milito fez o gol da vitória de 1 a 0 sobre a Roma na final da Copa da Itália e marcou os dois tentos na grande decisão da Champions League temporada 2009/2010 sobre o favorito Bayern de Munique.

Diego Milito foi eleito o melhor jogador da final da Champions League

Chamado de retranqueiro por parte da imprensa italiana, José Mourinho respondeu aos críticos com títulos. Ciente que não tinha o melhor elenco em mãos, Mourinho armou a Internazionale para jogar nos contra-ataques e criou uma defesa quase intransponível. Lúcio, Samuel, Maicon, Chivu, Zanetti e Cambiasso formaram um muro de proteção diante da meta de Júlio César. Do meio pra frente, com toques curtos e rápidos, Sneijder e Pandev chegavam com perigo ao gol adversário em tabelas com Diego Milito e Samuel Eto’o.

A campanha até a grande final mostra que o título foi mais do merecido, foi incontestável. Na fase de grupos, a Inter se classificou em segundo lugar com nove pontos – duas vitórias, três empates e apenas uma derrota para o poderoso Barcelona de Lionel Messi por 2 a 0. O time ainda não apresentava o equilíbrio entre ataque e defesa que surpreendeu os favoritos no mata-mata: foram seis gols sofridos em seis jogos e apenas sete gols anotados.

Sacrificado pelo esquema tático, Eto'o foi recuado para ajudar na marcação

Nas oitavas-de-final, o primeiro grande desafio contra o Chelsea de Michael Ballack, Frank Lampard e Didier Drogba. A zebra correu solta no Stamford Bridge e a vitória por 2 a 1, fora de casa, deixou a classificação encaminhada. Os dois triunfos sobre o Chelsea chamaram a atenção da imprensa, dos adversários e trouxeram segurança e tranquilidade para a equipe. O CSKA Moscou foi a próxima vítima do estilo de jogo armado por Mourinho e novamente a classificação foi assegurada com duas vitórias.

Quem apostaria que o Barcelona de Messi, Ibrahimovic e Daniel Alves seria eliminado antes da final e pelo limitado time de Mourinho? Apesar da boa vitória por 3 a 1, no primeiro confronto em casa, até os mais fanáticos torcedores temiam enfrentar o Barcelona no Camp Nou. No jogo de ataque contra defesa, a disposição tática da Inter superou a técnica do Barça e a derrota por 1 a 0 foi suficiente para garantir a vaga na final contra o Bayern de Munique.

José Mourinho deu adeus aos torcedores da Inter

José Mourinho, o grande arquiteto da conquista, está de saída e o destino deverá ser mesmo o Real Madrid de Kaká e Cristiano Ronaldo. Diego Mitito, Lúcio, Maicon, Júlio César e Samuel Eto’o voltam o pensamento para a Copa do Mundo na África do Sul, mas com o Mundial de Clubes da Fifa em foco. Maicon interessa ao time madrileno, mas afirma que o desejo é continuar no clube:

– Eu fico na Inter, pois tenho contrato até 2014. Apesar do frio de Milão, eu me sinto bem. Ainda tenho muitas competições para disputar, como Mundial de Clubes e Supercopa Européia. O Mundial é um titulo que falta para o clube e é uma oportunidade de fazer história. Quero sair por cima – prometeu o lateral na coletiva de imprensa após a conquista.

Maicon quer ser campeão do mundo com a seleção e com a Inter

Ficha técnica:

Bayern de Munique 0 x 2 Inter de Milão (22/05/2010)

Bayern de Munique: Butt, Lahm, Demichelis, Van Buyten e Badstuber; Van Bommel, Schweinsteiger, Robben, Müller e Altintop (Klose); Olic (Mario Gomez).

Técnico: Louis Van Gaal.

Internazionale: Julio César, Maicon, Lúcio, Samuel e Chivu (Stankovic); Cambiasso, Zannetti e Sneijder; Eto’o, Pandev (Muntari) e Milito (Materazzi).

Técnico: José Mourinho

Gols: Milito, aos 34 minutos do primeiro tempo e aos 25 minutos do segundo tempo.

Local: Santiago Bernabéu, Madri (ESP).

Árbitro: Howard Webb (Inglaterra)

Cartões amarelos: Demichellis e Van Bommel (Bayern); Chivu (Inter)

Auxiliares: Michael Mullarkey e Darren Cann (Inglaterra)

Lúcio deu o troco em Van Gaal após ser dispensado na temporada passada

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Obediência tática e talento para ser campeão”

  1. André Says:

    O Zé Mourinho é um Joel Santana sem prancheta e com vidro elétrico.

    • christianjafas Says:

      Hehehe, é mais ou menos por aí.

      Esse é um tema bom para debater.

      Vou escrever um texto comparando os dois estilos de retranca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: